Dimensão rural da insegurança alimentar: transformações nas práticas de autoconsumo entre famílias rurais do extremo sul gaúcho

Autores

  • Flávio Sacco dos Anjos Universidade Federal de Pelotas
  • Nádia Velleda Caldas Universidade Federal de Pelotas
  • Wanda Griep Hirai Universidade Católica de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v16i1.1808

Palavras-chave:

Agricultura familiar. Autoconsumo. Segurança alimentar.

Resumo

O artigo é baseado em pesquisa qualitativa realizada no extremo sul do Rio Grande do Sul e explora as transformações sobre as práticas de autoconsumo no âmbito da agricultura familiar, motivadas, essencialmente, pelo processo de mercantilização da agricultura e da vida rural. As práticas de autoconsumo expressam a matriz cultural das famílias rurais, em que pese o valor simbólico atribuído aos produtos gerados no próprio estabelecimento rural, em comparação com o que é adquirido externamente no comércio, ou em outras unidades de produção. A pesquisa de campo foi realizada com trinta estabelecimentos de agricultura familiar, cuja atividade comercial principal das famílias residia, fundamentalmente, na produção de leite, pêssego e fumo. Os autores discutem os impactos da mercantilização da agricultura sobre as práticas de autoconsumo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Sacco dos Anjos, Universidade Federal de Pelotas

Professor do Departamento de Ciências Sociais Agrárias e dos Programas de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar e de Ciências Sociais da Universidade Federal de Pelotas. Pesquisador do CNPq

Nádia Velleda Caldas, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar e Professora do Departamento de Ciências Sociais Agrárias da Universidade Federal de Pelotas. Bolsista do CNPq

Wanda Griep Hirai, Universidade Católica de Pelotas

Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar e Professora da Universidade Católica de Pelotas

Referências

Candido A. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Livraria Duas Cidades; 1987.

Schneider S A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. da UFRGS; 2003.

Gasson R. e Errington, A The Farm Family Business. Cab International: Wallingford; 1993.

Seyferth G. Herança e Estrutura Familiar Camponesa. Boletim do Museu Nacional. R. Janeiro: N.S. Antropologia;1985; 52.

Woortmann E Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo: Hucitec; 1995.

Lamarche H. (coord.) A Agricultura Familiar. Comparação Internacional - Uma Realidade Multiforme. (trad. Tijiwa A.) Campinas: Ed. UNICAMP; 1993.

Wanderley MNB. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: Tedesco (org.) Agricultura familiar: realidades e perspectivas. Passo Fundo: EDIUPF; 1999; 23-56.

Leite S. Autoconsumo y sustentabilidad en la agricultura familiar: una aproximación a la experiencia brasileña. In: Belik W. (org): Políticas de seguridad alimentaria y nutrición en América Latina, São Paulo: Hucitec; 2004; 123-64.

Woortmann K. Com parente não se neguceia: o campesinato como ordem moral. Brasília: Série Antropológica; 1990; 88: 83-4.

Garcia Jr AR. O Sul: Caminho do Roçado - estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero; 1990.

Seyferth G. As Contradições da Liberdade: análise de representações sobre a identidade camponesa. Revista Brasileira de Ciências Sociais. R. de Janeiro, 1992; 18(7): 78-95.

Mintz SW. Comida e Antropologia: uma breve revisão. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais; 2001; 16(47): 31-42.

Bourdieu P. La Distinction. Critique sociale du jegement. Paris: Minuit; 1979.

Banco de dados da agricultura familiar. [base de dados na Internet] Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra/SADE [acesso em 2007 Abr]. Disponível em: http://www.incra.gov.br/sade/default.asp.

Seyferth G. A Colonização Alemã no Vale do Itajaí-Mirim: um estudo de desenvolvimento econômico. Porto Alegre: Movimento; 1974.

Roche J. A colonização alemã e o Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. Globo; 1969.

Grando MZ. Pequena Agricultura em Crise: o caso da colônia francesa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE; 1990.

Van Der Ploeg JD. O modo de produção camponês revisitado. In: Schneider, S. (org) A Diversidade da Agricultura Familiar, Porto Alegre: UFRGS; 2006; 13-54.

Afubra [homepage na Internet]. Santa Cruz do Sul. Associação dos Fumicultores do Brasil [acesso em 2008 Maio]. Disponível em: http://www.afubra.com.br/principal.php.

Paulilo MIS. Produtor e Agroindústria: Consensos e Dissensos. O caso de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC; 1990.

Almeida MWB. Redescobrindo a família rural. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Rio de Janeiro;1986; 1(1): 66-83.

Group Doux. [homepage na Internet]. Montenegro: Doux Frangosul [acesso em 2008 Maio]. Disponível em: http://br.doux.fr/.

Cochrane WW. The development of american agriculture – A historical analysis. University of Minneapolis Press, Minneapolis; 1979.

Chayanov, AV. La Organización de la Unidad Económica Campesina. 1ª ed. Buenos Aires: Nueva Visión; 1974.

Graziano da Silva J, Tavares L. Segurança alimentar e a alta dos preços dos alimentos: oportunidades e desafios. In: Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 15(1), p. 62-75; 2008.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. In: Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas; 200815(1): 49-61.

Brasil. Instituto Brasileiro de Economia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Segurança Alimentar. 2004. Rio de Janeiro: MDS; 2006.

Van Der Ploeg JD. Labor, markets, and agricultural production. Boulder/San Francisco/Oxford: Westview Press, 1990.

Van Der Ploeg, JD. El proceso de trabajo agrícola y la mercantilización. In: Guzmán, ES; Gonzáles de Molina, M (eds.). Ecología, campesinado e historia. Madrid: Las ediciones de la piqueta; 1992; 153-95.

Downloads

Como Citar

ANJOS, F. S. dos; CALDAS, N. V.; HIRAI, W. G. Dimensão rural da insegurança alimentar: transformações nas práticas de autoconsumo entre famílias rurais do extremo sul gaúcho. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 1–17, 2015. DOI: 10.20396/san.v16i1.1808. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1808. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional