Banner Portal
Dimensão rural da insegurança alimentar: transformações nas práticas de autoconsumo entre famílias rurais do extremo sul gaúcho
PDF

Palavras-chave

Agricultura familiar. Autoconsumo. Segurança alimentar.

Como Citar

ANJOS, Flávio Sacco dos; CALDAS, Nádia Velleda; HIRAI, Wanda Griep. Dimensão rural da insegurança alimentar: transformações nas práticas de autoconsumo entre famílias rurais do extremo sul gaúcho. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 1–17, 2015. DOI: 10.20396/san.v16i1.1808. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1808. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

O artigo é baseado em pesquisa qualitativa realizada no extremo sul do Rio Grande do Sul e explora as transformações sobre as práticas de autoconsumo no âmbito da agricultura familiar, motivadas, essencialmente, pelo processo de mercantilização da agricultura e da vida rural. As práticas de autoconsumo expressam a matriz cultural das famílias rurais, em que pese o valor simbólico atribuído aos produtos gerados no próprio estabelecimento rural, em comparação com o que é adquirido externamente no comércio, ou em outras unidades de produção. A pesquisa de campo foi realizada com trinta estabelecimentos de agricultura familiar, cuja atividade comercial principal das famílias residia, fundamentalmente, na produção de leite, pêssego e fumo. Os autores discutem os impactos da mercantilização da agricultura sobre as práticas de autoconsumo.
https://doi.org/10.20396/san.v16i1.1808
PDF

Referências

Candido A. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Livraria Duas Cidades; 1987.

Schneider S A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. da UFRGS; 2003.

Gasson R. e Errington, A The Farm Family Business. Cab International: Wallingford; 1993.

Seyferth G. Herança e Estrutura Familiar Camponesa. Boletim do Museu Nacional. R. Janeiro: N.S. Antropologia;1985; 52.

Woortmann E Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo: Hucitec; 1995.

Lamarche H. (coord.) A Agricultura Familiar. Comparação Internacional - Uma Realidade Multiforme. (trad. Tijiwa A.) Campinas: Ed. UNICAMP; 1993.

Wanderley MNB. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: Tedesco (org.) Agricultura familiar: realidades e perspectivas. Passo Fundo: EDIUPF; 1999; 23-56.

Leite S. Autoconsumo y sustentabilidad en la agricultura familiar: una aproximación a la experiencia brasileña. In: Belik W. (org): Políticas de seguridad alimentaria y nutrición en América Latina, São Paulo: Hucitec; 2004; 123-64.

Woortmann K. Com parente não se neguceia: o campesinato como ordem moral. Brasília: Série Antropológica; 1990; 88: 83-4.

Garcia Jr AR. O Sul: Caminho do Roçado - estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero; 1990.

Seyferth G. As Contradições da Liberdade: análise de representações sobre a identidade camponesa. Revista Brasileira de Ciências Sociais. R. de Janeiro, 1992; 18(7): 78-95.

Mintz SW. Comida e Antropologia: uma breve revisão. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais; 2001; 16(47): 31-42.

Bourdieu P. La Distinction. Critique sociale du jegement. Paris: Minuit; 1979.

Banco de dados da agricultura familiar. [base de dados na Internet] Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra/SADE [acesso em 2007 Abr]. Disponível em: http://www.incra.gov.br/sade/default.asp.

Seyferth G. A Colonização Alemã no Vale do Itajaí-Mirim: um estudo de desenvolvimento econômico. Porto Alegre: Movimento; 1974.

Roche J. A colonização alemã e o Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. Globo; 1969.

Grando MZ. Pequena Agricultura em Crise: o caso da colônia francesa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE; 1990.

Van Der Ploeg JD. O modo de produção camponês revisitado. In: Schneider, S. (org) A Diversidade da Agricultura Familiar, Porto Alegre: UFRGS; 2006; 13-54.

Afubra [homepage na Internet]. Santa Cruz do Sul. Associação dos Fumicultores do Brasil [acesso em 2008 Maio]. Disponível em: http://www.afubra.com.br/principal.php.

Paulilo MIS. Produtor e Agroindústria: Consensos e Dissensos. O caso de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC; 1990.

Almeida MWB. Redescobrindo a família rural. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Rio de Janeiro;1986; 1(1): 66-83.

Group Doux. [homepage na Internet]. Montenegro: Doux Frangosul [acesso em 2008 Maio]. Disponível em: http://br.doux.fr/.

Cochrane WW. The development of american agriculture – A historical analysis. University of Minneapolis Press, Minneapolis; 1979.

Chayanov, AV. La Organización de la Unidad Económica Campesina. 1ª ed. Buenos Aires: Nueva Visión; 1974.

Graziano da Silva J, Tavares L. Segurança alimentar e a alta dos preços dos alimentos: oportunidades e desafios. In: Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 15(1), p. 62-75; 2008.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. In: Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas; 200815(1): 49-61.

Brasil. Instituto Brasileiro de Economia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Segurança Alimentar. 2004. Rio de Janeiro: MDS; 2006.

Van Der Ploeg JD. Labor, markets, and agricultural production. Boulder/San Francisco/Oxford: Westview Press, 1990.

Van Der Ploeg, JD. El proceso de trabajo agrícola y la mercantilización. In: Guzmán, ES; Gonzáles de Molina, M (eds.). Ecología, campesinado e historia. Madrid: Las ediciones de la piqueta; 1992; 153-95.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.