Alimentação do escolar: percepção de quem prepara e oferece as refeições na escola

Autores

  • Tatiana Yuri Assao Universidade de São Paulo
  • Marcia Faria Westphal Universidade de São Paulo
  • Cláudia Maria Bógus Universidade de São Paulo
  • Ana Maria Cervato-Mancuso Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v19i1.8634666

Palavras-chave:

alimentação escolar, educação alimentar e nutricional, pesquisa qualitativa, programas e políticas de nutrição e alimentação

Resumo

O objetivo da pesquisa foi identificar as percepções vinculadas à alimentação escolar entre merendeiras de escolas públicas do município de Guarulhos (SP). Tratou-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. Participaram 22 merendeiras das 13 instituições selecionadas, dentre 63 escolas do ensino fundamental. Para coleta dos dados optou-se pela técnica do grupo focal. As informações obtidas foram gravadas, transcritas e submetidas à análise de conteúdo. As percepções das merendeiras sobre alimentação escolar apareceram vinculadas às características do ambiente escolar e do alimento. As deficiências de espaço físico, equipamentos e materiais foram associados às dificuldades no desenvolvimento do trabalho e, consequentemente, na preparação e distribuição de uma alimentação adequada. A alimentação escolar, de acordo com esses profissionais, deveria ser nutricionalmente adequada e composta por gêneros de qualidade. As merendeiras possuem um papel importante na alimentação escolar, mas são poucas as oportunidades que lhes são oferecidas para interferir em algumas questões que percebem inadequadas. A atuação desses profissionais acaba se restringindo às ações operacionais, visto que outros atores e as próprias merendeiras, não percebem o espaço existente para ampliar a sua atuação na educação nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Yuri Assao, Universidade de São Paulo

Doutora em Ciências, Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública (FSP), Universidade de São Paulo (USP). Correspondência: Tatiana Yuri Assao. Av. Dr. Arnaldo, 715 – Cerqueira Cezar. CEP 01246-904, São Paulo, SP. Telefone: 3061-7705.

Marcia Faria Westphal, Universidade de São Paulo

Docente do Departamento de Práticas de Saúde Pública, FSP (USP).

Cláudia Maria Bógus, Universidade de São Paulo

Docente do Departamento de Práticas de Saúde Pública, FSP (USP).

Ana Maria Cervato-Mancuso, Universidade de São Paulo

Docente do Departamento de Nutrição, FSP (USP).

Referências

Teo CRPA, Corrêa EM, Gallina LS, Fransozi C. Programa Nacional de Alimentação Escolar: adesão, aceitação e condições de distribuição de alimentação na escola. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr. 2009;34(3):165-85.

Diez-Garcia RW. Mudanças alimentares: implicações práticas, teóricas e metodológicas. In: Diez-Garcia RW, Cervato-Mancuso AM (Org.). Nutrição e metabolismo: mudanças alimentares e educação nutricional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 3-17.

Diez-Garcia RW. Representações sociais da alimentação e saúde e suas repercussões no comportamento alimentar. Physis. 1997;7(2):51-68.

Quaioti TCB, Almeida SS. Determinantes psicobiológicos do comportamento alimentar: uma ênfase em fatores ambientais que contribuem para a obesidade. Psicol USP. 2006;17(4):193-211.

Costa EQ, Lima ES, Ribeiro VMB. O treinamento de merendeiras: análise do material instrucional do Instituto de Nutrição Annes Dias – Rio de Janeiro (1956-94). Hist Cienc Saude-Manguinhos. 2002;9(3):535-60.

Carvalho AT, Muniz VM, Gomes JF, Samico I. Programa de alimentação escolar no município de João Pessoa – PB. Brasil: as merendeiras em foco. Interface, Comunic, Saúde, Educ. 2008;12(27):823-34.

Teo CRPA, Sabedot FRB, Schafer E. Merendeiras como agentes de educação em saúde da comunidade escolar: potencialidades e limites. Rev Espaço para Saúde. 2010;11(2):11-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@. Guarulhos – SP, 2006 [acesso em 26 jan 2008]. Disponível em: http://ibge.gov.br/cidadessat

Westphal MF, Bógus CM, Faria MM. Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol Oficina Sanit Panam. 1996;120(6):472-82.

Carlini-Cotrim B. Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações sobre abuso de substâncias. Rev Saúde Públ. 1996;30(3):285-93.

Iervolino AS, Pelicioni MCF. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev Esc Enf USP. 2001;35(2):115-21.

Nogueira-Martins MCF, Bógus CM. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde Soc. 2004;13(3):44-57.

Munari DB, Esperidião E, Medeiros M, Garcia CM. Considerações teóricas e técnicas da utilização do grupo na investigação científica. Rev Enferm UERJ. 2008;16(1):113-18.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1988.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8º ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Santos LMP, Santos SMC, Santana LAA, Henrique FCS, Mazza RPD, Santos LAS, Santos LS. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome no período 1995-2002. Programa Nacional de Alimentação Escolar. Cad Saúde Pública. 2007;23(11):2681-93.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Alimentação Escolar. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica, altera as Leis nº 10.880, de 9 de junho de 2004, e dá outras providências [acesso em 18 ago 2011]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-alimentacao-escolar

Mascarenhas JMO, Santos JC. Avaliação da composição nutricional e custos da alimentação escolar da rede municipal de Conceição do Jacuípe/BA. Sitientibus-Feira de Santana. 2006;35:75-90.

Martins RCB, Medeiros MAT, Ragonha GM, Olbi JH, Segatti MEP, Osele MR. Aceitabilidade da alimentação escolar no ensino público fundamental. Rev Saúde. 2004;6(13):71-8.

Valeriani TSM. A gestão escolarizada do Programa Escolar do Estado do Goiás [tese]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo; 2011. 126 p.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Alimentação Escolar. Portaria Interministerial nº 1.010, de 8 de maio de 2006. Institui as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional [acesso em 18 ago 2011]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/ae-legislacao

Vieira MNCM, Ferriani MGC, Gomes R, Santos GVB, Marchi EMM. Gestão de um programa de alimentação escolar em um município paulista. Seg Alim Nutr. 2008;15(1):29-48.

Spinelli MAS, Canesqui AM. Descentralização do Programa de Alimentação Escolar em Cuiabá: 1993-1996. Rev Nutr. 2004;17(2):151-65.

Bezerra JAB. Alimentação e escola: significados e implicações curriculares da merenda escolar. Rev Bras Educ. 2009;14(40):103-15

Costa EQ, Ribeiro VMB, Ribeiro ECO. Programa de Alimentação Escolar: espaço de aprendizagem e produção de conhecimento. Rev Nutr. 2001;14(3):225-29.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Alimentação Escolar. Alimentação Escolar, 2011 [acesso em 18 ago 2011]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-alimentacao-escolar

Rotenberg S, Vargas SD. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(1):85-94.

Toral N, Slater B. Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimentar. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(6):1641-50.

Silva ACA, Telarolli Junior R, Monteiro MI. Analisando conhecimentos e práticas de agentes educacionais e professoras relacionadas à alimentação infantil. Ciênc Educ. 2010;16(1):199-214.

Downloads

Como Citar

ASSAO, T. Y.; WESTPHAL, M. F.; BÓGUS, C. M.; CERVATO-MANCUSO, A. M. Alimentação do escolar: percepção de quem prepara e oferece as refeições na escola. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 22–32, 2015. DOI: 10.20396/san.v19i1.8634666. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634666. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)