A alimentação escolar como fator de desenvolvimento local por meio do apoio aos agricultores familiares

Autores

  • Maria Elena Turpin ONG Ação Fome Zero

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v16i2.8634783

Palavras-chave:

Agricultura familiar e campesinato. Empreendedorismo. Integração e exclusão. Políticas públicas para agricultura familiar.

Resumo

Este artigo busca avaliar a atual contribuição e as potencialidades do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, como instrumento para o Desenvolvimento Local – DL, por meio de apoio aos agricultores familiares, considerando-se a magnitude do Programa e a destacada importância econômica e social desse segmento nas ações locais para o desenvolvimento. A integração de políticas públicas com o foco na agricultura familiar pode ser um modelo efetivo de redução da desigualdade social em uma região. A pesquisa revela diversos mecanismos utilizados pelos municípios nos quais a alimentação escolar é fator determinante de apoio à agricultura familiar, estímulo esse baseado em três aspectos presentes na legislação do PNAE há vários anos: exigência ao respeito à vocação agrícola e hábitos alimentares regionais; compras dentro dos limites geográficos regionais; e uso de produtos in natura, típicos dessa produção. Entre os mecanismos destacam-se os de cunho comercial e de fortalecimento institucional e organizacional da produção familiar pesquisados nas experiências do Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar organizado pela Organização Não-governamental Ação Fome Zero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elena Turpin, ONG Ação Fome Zero

Mestre em Desenvolvimento Econômico-área de concentração: Economia Agrícola e Agrária. Analista de Projetos da ONG Ação Fome Zero

Referências

Fonseca, WS. Da. Bases da Alimentação do Escolar. Coleção Ensaio e Debate Alimentar, Rio de Janeiro, Vol. 1, Série Gigante, SAPS, 1953.

Stefanini, MLR. Merenda Escolar: História, Evolução e Contribuição no Atendimento das Necessidades Nutricionais da Criança. São Paulo: USP/ FSP, Tese de Doutoramento, 1998.

FNDE. Dados estatísticos. 2009. Disponível em: < http://www.fnde.gov.br/ >. Acesso em 23/10/2009.

FNDE. Resolução FNDE/CD/ no 32, de 10/08/2006: altera per capita para pré-escola e ensino fundamental e para creches e escolas indígenas e localizadas em áreas remanescentes de Quilombos.

Benko, G (1995). Economia, Espaço e Globalização na Aurora do Século XXI. 3ª ed. São Paulo: Editora Hucitec: (Annablume, 2002), 1995.

MDA. Apresentação – Crédito. 2006. Disponível em: <http://www.mda.gov.br/saf/ index. php?sccid= 811>. Acesso em 02/12/2006.

Azzoni, CR. Teoria da Localização: uma Análise Crítica. A Experiência de Empresas Instaladas no Estado de São Paulo. São Paulo, Instituto de Pesquisas Aplicadas – FEA-USP, 1982.

Diniz, CC. A Questão Regional e as Políticas Governamentais no Brasil. Belo Horizonte: Texto pra Discussão no 159, CEDEPLAR/FACE/UFMG, 2001.

Schejtman A. & Berdegué, J.A. Desarrollo Territorial Rural, Santiago, RIMISP, Chile, 2003.

Putnan, D.R. Comunidade e Democracia: experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

Brandão, C. A. Localismos, Mitologias e Banalizações na Discussão do Processo de Desenvolvimento. In: VII Encontro Nacional de Economia Política e II Colóquio Latino Americano de Economistas Políticos. Curitiba-PR. Anais... maio, 2002.

Sorj, B. Estado e classes sociais na agricultura brasileira. Rio de janeiro: Ed. Guanabara, 1986.

Belik, W. Pronaf: Avaliação da operacionalização do programa. In: CAMPANHOLA, C. & GRAZIANO da SILVA, J. (org). O Novo Rural Brasileiro – Políticas Públicas. Jaguariúna: Embrapa, volume 4, pg. 93-116, 2000.

Silva, E. R. A. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar: Relatório Técnico das Ações Desenvolvidas no Período 1995/1998. Brasília: IPEA, texto para discussão 664, 1999.

Kühn, D.D. (2002) Agricultura Familiar: uma Alternativa para o Desenvolvimento Rural Sustentável. In: Anais do XL Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, Passo Fundo-RS. Anais... julho, 2002.

Brasil, Medida Provisória no 455, de 28/01/2009: dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica, altera a Lei no 10.880, de 9 de junho de 2004, e dá outras providências.

Brasil, Lei no 11.947, de 16/06/2009: dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica.

FNDE. Resolução FNDE/CD/ no 38, de 16/07/2009: dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE.

Brasil, Decreto no 6.447, de 07/05/2008: Regulamenta o art. 19 da Lei no 10.696, de 2 de julho de 2003, que institui o Programa de Aquisição de Alimentos.

Brasil, Lei no 10.696, de 02/07/2003: institui o Programa de Aquisição de Alimentos.

Instituto Cidadania. Fome Zero – Uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil. São Paulo, 2001.

MDA. Portaria no 111, de 20/11/2003: inclui os trabalhadores rurais sem terra acampados se incluem no Programa de Aquisição de Alimentos – PAA.

MDS. Programa de Aquisição de Alimentos – PAA. s/d. Documento interno – V Encontros dos Povos do Cerrado. Brasília-DF, 2006.

CONAB. Manual de Operação da CONAB-MOC. s/d. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conabweb>. Acesso em 27/11/2006.

CONAB. Programa de Aquisição de Alimentos – PAA. Documento interno. Brasília-DF, 2006.

MDS. Programa de Aquisição de Alimentos – PAA. Compra direta local da agricultura familiar – CDLAF: manual de orientação ao proponente. Brasília-DF, 2004.

CONSEA. Programa ganha parceria de mais um ministério. 2008. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/Consea/exec/noticias.cfm?cod=20432>. Acesso em 01/02/2009.

Brasil, Decreto no 6.959, de 15/09/2009: dá nova redação à legislação que institui o Programa de Aquisição de Alimentos.

TCU. Cartilha para Conselheiros do Programa Nacional de Alimentação Escola http://www.planalto.gov.br/Consea/exec/noticias.cfm?cod=20432>. Acesso em 01/02/2009.

TCU. Cartilha para Conselheiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE.Tribunal de Contas da União. 2.ed.- Brasília: TCU, 6ª. Secretaria de Controle Externo, 2004.

Portal Exame. 2005. Corta Onde não Pode, Gasta Onde não Deve. Disponível em:<http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0855/economia/m0078516. html>. Acesso em 25/02/2008.

Prefeitura Municipal de Araxá/MG, Lei no 3.651, 08/05/00: instituiu o PRÓ HORTA – Programa Municipal de Incentivo à Produção de Hortifrutigranjeiros de Araxá.

EMATER/RS-ASCAR & FETAG & Prefeituras Municipais dos Rios dos Sinos e Paranhana/ Encosta da Serra. Manual de Alimentação Escolar. Porto Alegre, 2005.

Belik, W. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como Instrumento de Promoção do Desenvolvimento Local. s/d. Disponível em: <http://www.escoladegestores.inep.gov.br/downloads/artigos/PNAE/PNAE>. Acesso em 20/06/2006.

Apoio Fome Zero. Manual de Gestão Eficiente da Merenda Escolar. São Paulo, 3ª edição, 2005.

Cidades Vivas, Fartura no recreio. Partido dos Trabalhadores e Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

Downloads

Como Citar

1.
Turpin ME. A alimentação escolar como fator de desenvolvimento local por meio do apoio aos agricultores familiares. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 10º de fevereiro de 2015 [citado 30º de novembro de 2020];16(2):20-42. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634783

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional