Avaliação das características químicas, físico-químicas e da rotulagem de compostos líquidos prontos para consumo

Autores

  • José Maria Correia da Costa Universidade Federal do Ceará
  • Érica Milô de Freitas Felipe Rocha Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i2.8634793

Palavras-chave:

Bebidas energizantes. Composição. Composto líquido pronto para consumo. Anvisa.

Resumo

Nos últimos anos tem ocorrido uma crescente demanda pelo consumo de bebidas energéticas, composto líquido pronto para consumo, porém, são escassas as publicações sobre a composição destas bebidas. Desse modo, o objetivo dessa pesquisa foi elaborar a caracterização química e físico-química bem como implementar a avaliação da rotulagem de quatro marcas de bebidas energéticas comerciais e disponibilizar esta informação ao consumidor. Foram avaliados pH, acidez, condutividade elétrica, viscosidade, concentração salina, sólidos solúveis totais, ácido ascórbico, açúcares redutores e não redutores, açúcares totais, sólidos totais e cafeína. A análise da rotulagem teve por base os registros da legislação vigente. Os resultados das análises químicas e físicoquímicas apresentaram diferenças significantes ao nível de 5% em pelo menos uma das amostras estudadas. Vale ressaltar que a quantidade de cafeína encontrada, nos produtos de todas as marcas é menor que o limite máximo permitido pela legislação, que estabelece um valor máximo de 35 mg/100 mL. Com relação à análise dos conteúdos dos rótulos, as marcas analisadas não atenderam plenamente a totalidade dos requisitos exigidos pela legislação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Maria Correia da Costa, Universidade Federal do Ceará

Professor Doutor do Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Ceará (UFC). Correspondência: Av. Mister Hull, 2977, Campus do Pici, CEP 60356-000, Fortaleza(CE). 

Érica Milô de Freitas Felipe Rocha, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda do Programa de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Ballistreri MC, Corradi-Webster CM. O uso de bebidas energéticas entre estudantes de educação física. Rev Latino- Am Enfermagem. 2008;16(especial):558-564.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 222, 24 de março de 1998. Dispõe sobre regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade de alimentos para praticantes de atividade física. Diário Oficial da União, Brasília, 25 mar. 1998. Seção 1, p. 13.

Maughan RJ. Nutritional ergogenic aids and exercise performance. Nutr Res Rev. 1999;12(1):255-280.

Juhn MS. Popular sports supplements and ergogenic aids. Sports Med. 2003;33(12):921-939.

Maughan RJ, King DS, Lea T. Dietary supplements. J Sports Sci. 2004;22(1):95-113.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução. RDC nº 273, 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre regulamento técnico para misturas para o preparo de alimentos e alimentos prontos para o consumo. Diário Oficial da União, Brasília, 23 set. 2005. Seção 1, p. 375.

Graham TE, Rush JW, Van Soeren MH. Caffeine and exercise: metabolism and performance. Can J Appl Physiol. 1994;19(2):111-138.

Graham TE. Caffeine and exercise: metabolism, endurance and performance. Sports Med. 2001;31(11):785- 807.

Graham TE. Caffeine, coffee and ephedrine: impact on exercise performance and metabolism. Can J Appl Physiol. 2001;26(1):103S-119S.

Nehlig A, Daval JL, Debry G. Caffeine and the central nervous system: mechanisms of action, biochemical, metabolic and psychostimulant effects. Brain Res Rev. 1992;17(2):139-170.

Spriet LS. Caffeine and performance. Int J Sport Nutr. 1995;5(1):84S-99S.

Prada DB. Comentários sobre las llamadas bebidas energizantes, Servicio de Toxicologia del Sanatorio de niños. 2005 [acesso em 28 fev 2009]. Disponível em: http://www.sertox.com.ar/modules.php?name=Content&p a=showpage&pid=238

Universia. Avanza el consumo de energizantes com alcohol, 2008 [acesso em 31 jan 2008]. Disponível em: http://www.universia.com.ar/materia/materia.jsp?materia=2 5768

Ferreira SE, Mello MJ, Formigoni MLOS. O efeito das bebidas alcoólicas pode ser afetado pela combinação com bebidas energéticas? Um estudo com usuários. Rev Assoc Med Bras. 2004;50(1):48-51.

Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análises de Alimentos. 3º ed. São Paulo; 1985.

Pearson D. Técnicas de laboratório para el análises de alimentos. Zaragoza: Acríbia; 1976.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 24, 08 de setembro de 2005. Dispõe sobre o manual operacional de bebidas e vinagre. Diário Oficial da União, Brasília, 20 set. 2005. Seção 1, pág. 11.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 259, 20 de setembro de 2002. Dispõe sobre regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Diário Oficial da União, Brasília, 23 set. 2002. Seção 1, p. 33.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.RDC nº 360, 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Brasília: Diário Oficial da união, Brasília, 26 dez. 2003. Seção 1, p. 33.

Fonseca JS, Martins GA. Curso de Estatística. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.

Fontes LCB. Uso de solução conservadora e de películas comestíveis em maças da cultivar Royal Gala minimamente processada. Efeito na fisiologia e na conservação [dissertação]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz, Universidade de São Paulo; 2005.

Asenjo CF. La ciência moderna: aspectos químicos para nutritivos da la acerola (Malpighia punicifolia L.). Ciência – Revista Hispano Americana de Ciências Puras y Aplicadas. 1959:19(6/7):109-119.

Chitarra AB, Alves RE. Tecnologia de pós-colheita para frutos tropicais. Fortaleza: Frutal – Sindifruta, 2001.

Prestámo G, Manzano P. Peroxidase of setected fruits and vegetables and the possible use of ascorbic acid as an antioxidant. Hortscience. 1993;28(1):48-50.

Downloads

Como Citar

1.
Costa JMC da, Rocha Érica M de FF. Avaliação das características químicas, físico-químicas e da rotulagem de compostos líquidos prontos para consumo. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 17º de outubro de 2021];17(2):63-9. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634793

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)