(In) segurança alimentar de comunidades quilombolas do Tocantins

Autores

  • Estelamaris Tronco Monego Universidade Federal de Goiás
  • Maria do Rosário Gondim Peixoto Universidade Federal de Goiás
  • Mariana de Morais Cordeiro Universidade Federal de Goiás
  • Renata Medeiros Costa Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634798

Palavras-chave:

Segurança alimentar. Comunidade rural. Vulnerabilidade social. Quilombola.

Resumo

Este estudo buscou identificar a prevalência e alguns determinantes de (In) Segurança Alimentar (IA/SA) nas famílias de 14 comunidades quilombolas do estado do Tocantins (Brasil). Foram estudadas condições de moradia, prevalência de insegurança alimentar obtida pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) e participação em programas de alimentação e de transferência de renda. Foram estudadas 696 (83,15%) famílias quilombolas, das 837 (100%) identificadas. A IA esteve presente em 589 (85,1%) famílias. Observou-se que 280 (40,2%) domicílios eram de adobe, apenas 177 (25,4%) possuíam coleta de lixo, 218 (31,3%) dispunham de abastecimento de água e 59 (8,5%) de esgotamento sanitário. Possuíam filtro de água e geladeira 455 (65,6%) e 384 (55,2%) famílias respectivamente. Receberam doação de alimentos 314 (45,8%) famílias e 333 (47,8%) não eram beneficiárias do Programa Bolsa Família (PBF). Apresentaram associação com IA a prática de “queimar ou enterrar o lixo”, “ter abastecimento de água por carro pipa ou diretamente do rio ou córrego”, “ter esgotamento a céu aberto”, “não possuir geladeira” e “ser beneficiário do PBF”. Conclui-se que a situação de insegurança alimentar é altamente prevalente nas comunidades quilombolas, que possuem também precárias condições de vida, sendo urgente a implementação de ações que garantam SA para as mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Estelamaris Tronco Monego, Universidade Federal de Goiás

Faculdade de Nutrição – Universidade Federal de Goiás. Av. João Leite, 360 Casa 27. Setor Santa Genoveva. CEP. 74670-040 Goiânia (GO) Brasil.Tel.55 (62)
3209-6270 Ramal 209..

Maria do Rosário Gondim Peixoto, Universidade Federal de Goiás

Professora Adjunta da Faculdade de Nutrição / Universidade Federal de Goiás.

Mariana de Morais Cordeiro, Universidade Federal de Goiás

Nutricionista. Consultora Técnica do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar - CECANE-UFG. Faculdade de Nutrição / Universidade Federal de Goiás.

Renata Medeiros Costa, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Nutrição pela Faculdade de Nutrição / Universidade Federal de Goiás.

Referências

. SILVA DO, GUERRERO AFH, GUERREO CH, TOLEDO LM. A rede de causalidade da insegurança alimentar e nutricional de comunidades quilombolas com a construção da rodovia BR-163, Pará, Brasil. Revista de Nutrição. 2008; 21: 83-97.

. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF 1988.

. Ministério da Cultura. Fundação Cultural Palmares. Mais 36 comunidades quilombolas são certificadas no país, 2009. [Texto eletrônico] 2009 [citado em 2009 set 17]. Disponível em: http://www.palmares.gov.br.

. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Políticas Sociais e Chamada Nutricional Quilombola: estudos sobre condições de vida nas comunidades e situação nutricional das crianças. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate. Brasília; 2008. BRASIL. 142 p.

. PANIGASSI G, SEGALL-CORRÊA AM, MARINLEÓN L, PÉREZ-ESCAMILLA R, SAMPAIO MEA, MARANHA LK. Insegurança alimentar como indicador de iniqüidade: análise de inquérito populacional. Caderno de Saúde Pública. 2008; 24 (10): 2376 – 2384.

. Diário Oficial da União. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Brasília; 2006. BRASIL.

. VALENTE FLS. Direito Humano à alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez; 2002.

. CHEQUER J. Segurança alimentar na balança. Portal do IBASE [texto eletrônico] 2005 [citado em 2009 jan 20]. Disponível em: www.ibase.br.

. SEGALL-CORRÊA ERP, SAMPAIO MFA, MARINLEON L, PANIGASSI G, MARANHA LK. et. al. (In) Segurança Alimentar no Brasil. Validação de metodologia para acompanhamento e avaliação. Relatório Técnico, Campinas SP; 2004.

. FAVARO T, RIBAS DLB, ZORZATTO JR, SEGALL-CORRÊA AM, PANIGASSI G. Segurança alimentar em famílias indígenas Terena, Mato Grosso do Sul, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2007; 23 (4): 785 – 793.

. PEREIRA DA, VIEIRA VL, FIORE EG, CERVATO-MANCUSO, AM. Insegurança alimentar em região de alta vulnerabilidade social da cidade de São Paulo. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13 (2): 34 – 42.

. SEGALL-CORRÊA AM. Insegurança alimentar medida a partir da percepção das pessoas. Estudos Avançados. 2007; 21 (60): 143 – 154.

. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2004: Segurança Alimentar. Rio de Janeiro; 2006.

. NEIVA ACGR, SERENO JRB, SANTOS AS, FIORAVANTI MCS. Caracterização socioeconômica e cultural da comunidade quilombola Kalunga de Cavalcante, Goiás, Brasil: dados preliminares. In: IX Simpósio Nacional Cerrado. II Simpósio Internacional Savanas Tropicais. ParlaMundi, Brasília: 2008.

. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Chamada Nutricional Quilombola, 2006. Resumo Executivo. Brasília: 2007. BRASIL.

. GUERRERO AFH, SILVA DO, TOLEDO LM, GUERRERO JCH, TEIXEIRA P. Mortalidade Infantil em Remanescentes de Quilombos do Município de Santarém - Pará, Brasil. Revista Saúde e Sociedade. 2007; 16 (2): 103-110.

. CARVALHO MC. Segurança Alimentar. Revista e Portal SESC São Paulo [periódico eletrônico] 2009 [citado em 2009 set 10]; (141). Disponível em: http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas.

. Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE). Documento síntese: Repercussões do Programa Bolsa Família na Segurança Alimentar e Nutricional das Famílias Beneficiadas, 2008, p1-20.

. SALLES-COSTA R, PEREIRA RA, VASCONCELLOS MTL, VEIGA GV, MARINS VMR, JARDIM BC, et al. Associação entre fatores socioeconômicos e insegurança alimentar: estudo de base populacional na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Brasil. Revista de Nutrição. 2008; 21: 99 – 109.

. AMARAL LA, NADER FILHO A, ROSSI JUNIOR OD, FERREIRA FLA, BARROS LSS. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Revista de Saúde Pública. 2003; 37 (4): 510 – 514.

. MENEGOLLA IA, DRACHLER ML, RODRIGUES IH, SCHWINGEL LR, SCAPINELLO E, PEDROSO MB, et al. Estado nutricional e fatores associados à estatura de crianças da Terra Indígena Guarita, Sul do Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2006; 22 (2): 395 – 406.

. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília/DF 2003. 48 p.

Downloads

Como Citar

1.
Monego ET, Peixoto M do RG, Cordeiro M de M, Costa RM. (In) segurança alimentar de comunidades quilombolas do Tocantins. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 25º de outubro de 2021];17(1):37-4. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634798

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)