Barra de cereais desenvolvida por uma cooperativa popular no contexto da economia solidária

Autores

  • Jéssica Mascaretti Dias Universidade de São Paulo
  • Lidia Izumi Yamamoto Universidade de São Paulo
  • Ana Maria Cervato Mancuso Universidade de São Paulo
  • Maria Elisabeth Machado Pinto e Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634803

Palavras-chave:

Barra de cereais. Cooperativa popular. Economia solidária.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi auxiliar o grupo produtivo da comunidade do Jardim Jaqueline, município de São Paulo, na elaboração de uma barra de cereais, avaliar sua aceitação por meio de análise sensorial e determinar sua composição nutricional com o uso das tabelas de composição de alimentos da Unicamp e do USDA. Foram realizadas: análise sensorial, por meio de teste afetivo da avaliação global da barra de cereais e avaliação da intenção de compra. Aos resultados das análises aplicaram-se os testes estatísticos de Análise de Variância (ANOVA) e de Tukey. A barra de cereais, formulada a partir de uma receita caseira, pode ser caracterizada como “fonte de fibras” e “zero gordura trans”. Observou-se aceitação do produto pelos julgadores, já que 88,3% das respostas encontram-se entre “gostei ligeiramente” e “gostei muitíssimo”. Nota-se boa expectativa quanto à intenção de compra, pois 51,66 % das respostas encontram-se entre “certamente compraria” e “provavelmente compraria”. É possível obter um alimento nutritivo e com padrão de aceitabilidade aliando o trabalho conjunto da comunidade e o conhecimento técnico dos agentes de desenvolvimento. As atividades desenvolvidas com a comunidade possibilitaram vivenciar o desenvolvimento da cooperativa popular, sendo possível criar condições favoráveis para geração de renda a partir dos princípios da economia solidária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Mascaretti Dias, Universidade de São Paulo

Nutricionista - Programa de Aprimoramento Profissional “Nutrição em Saúde Pública” da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Departamento de Nutrição - Av. Doutor Arnaldo, 715 - Cep: 01246-904 - Cerqueira César - São Paulo – SP.

Lidia Izumi Yamamoto, Universidade de São Paulo

Nutricionista - Programa de Aprimoramento Profissional “Nutrição em Saúde Pública” da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Ana Maria Cervato Mancuso, Universidade de São Paulo

Professoras Doutoras do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Maria Elisabeth Machado Pinto e Silva, Universidade de São Paulo

Professoras Doutoras do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Referências

. Ministério do Trabalho e Emprego. O que é economia solidária. [documento eletrônico] 2008; [citado em 2008 dez 18]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/ecosolidaria/ecosolidaria_oque.asp

. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária. É possível levar desenvolvimento a comunidades pobres? [documento eletrônico] 2004; [citado em 2008 Dez 18]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/ecosolidaria/prog_desenvolviment ocomunidadespobre.pdf

. Pereira DA, Vieira VL, Fiore EG, Cervato-Mancuso AM. Insegurança alimentar em região de Alta Vulnerabilidade Social da Cidade de São Paulo. Segurança Alimentar e Nutricional. 2006; 13 (2): 34-42.

. Assao TY, Cordeiro AA, Costa C, Cervato AM. Práticas e percepções acerca da segurança alimentar e nutricional entre os representantes das instituições integrantes de um centro de referência localizado na região do Butantã, município de São Paulo. Saúde e Sociedade. 2007; 16 (1): 102-116.

. Pólis – Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais. Relatório de Atividades 2007. [documento eletrônico] 2007; [citado em 2008 Dez 10]. Disponível em: http://www.polis.org.br/obras/relatorio07.pdf

. Maluf, RSJ. Segurança e soberania alimentar. In: Maluf RSJ, Segurança Alimentar e Nutricional. Rio de Janeiro: Editora Vozes; 2007.

. Aprovada em 10/12/1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas, proclamando os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais de "todos os membros da família humana".

. Singer P. A Economia Solidária no Governo Federal. Mercado de trabalho. IPEA. 2004; 3-5. [citado em 19 mar 2009]. Disponível em http://www.mte.gov.br/ecosolidaria/conf_textopaulsinger. pdf

. Sloan AE. The top ten functional foods trends. Food Technology. 2007; 62 (4): 25-44.

. Gutkoski LC, Bonamigo JMA, Teixeira DMF, Pedó I. Desenvolvimento de barras de cereais à base de aveia e com alto teor de fibra alimentar. Ciência e Tecnologia dos Alimentos. 2007; 27 (2): 355-363.

. Hallund J, Bugel S, Thostrup T, Ferrari M, Talbot D, Wall WL, et al. Soya isoflavone-enriched cereal bars affect of endotelial function in postmenopausal women. British Journal of Nutrition. 2006; 95: 1120-1126.

. Paiva A.P. Estudos tecnológico, químico, físico-químico e sensorial de barras alimentícias elaboradas com subprodutos e resíduos agroindustriais [tese]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2008. 131 p.

. Maurer G, Fukuda G, Nielsen S. Development of beanbased granola bars and cereals. Cereal Foods World. 2005; 50 (1): 27-32.

. Brito JP, Campos JM, Souza TFL, Wakiyama C, Azeredo GA. Elaboração e avaliação global de barra de cereais. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos. 2004; 22 (1): 35-50.

. Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Revista de Saúde Pública. 2005; 39 (4): 530-40.

. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação - NEPA. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. Versão 2. 2 ed. Campinas: NEPA /Unicamp, 2006. 113 p.

. Universidade Federal de São Paulo. Tabela de composição química dos alimentos. Disponível em: http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/. [citado em 2008 Ago 04].

. Fizz. Sensory Analysis and consumer test management software. [software em CD-ROM]. Revision 2003. Paris (Fr) Biosystemes; 2003.

. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para população brasileira. Promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 210 p.

. Organização Mundial da Saúde (OMS). Necessidades de energia e proteínas. Séries de Relatos Técnicos. São Paulo: Roca, 1998. 724p.

. Izzo M, Niness K. Formulating nutrition bars with inulin and oligofructose. Cereal Foods World. 2001; 46 (3): 102-106.

. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 27 de 13 de janeiro de 1998. Aprova o Regulamento Técnico referente à Informação Nutricional Complementar (declarações relacionadas ao conteúdo de nutriente), constantes do anexo desta Portaria. Disponível em: http://elegis. anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=97, visitado em 20 de julho de 2008.

. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento Técnico sobre a Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Disponível em: http://elegis. anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=9059, visitado em 20 de outubro de 2008.

. Freitas DGC, Moretti RH. Barra de cereais elaboradas com proteína de soja e gérmen de trigo, características físico-químicas e textura durante o armazenamento. Archivos Latinoamericanos de Nutrición. Venezuela [periódico eletrônico] 2005. [citado em 20 abr 2008]. Disponível em http://www.alanrevista.org/ediciones/2005- 3/barras_cereais_soja_trigo.asp.

. Bower JA, Whitten R. Sensory Characteristics and consumer linking for cereal bar snack foods. Journal of Sensory Studies. 2000; 15: 327-345.

Downloads

Como Citar

1.
Dias JM, Yamamoto LI, Mancuso AMC, Silva MEMP e. Barra de cereais desenvolvida por uma cooperativa popular no contexto da economia solidária. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 9º de fevereiro de 2015 [citado 28º de outubro de 2021];17(1):94-103. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8634803

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional