Avaliação de cardápio e identificação de alimentos funcionais: estudo qualitativo de restaurante popular de Araraquara, São Paulo, Brasil

Autores

  • Yudi Paulina García Ramírez Universidade Estadual Paulista (UNESP).
  • Raquel Regina Duarte Moreira Universidade Estadual Paulista (UNESP).
  • José Ricardo Soares de Oliveira Universidade Estadual Paulista (UNESP).

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v23i1.8635627

Palavras-chave:

Planejamento de cardápio. Segurança alimentar e nutricional. Alimento funcional.

Resumo

Este estudo avalia qualitativamente o cardápio e a presença de alimentos funcionais nas preparações do restaurante popular do município de Araraquara, São Paulo. Esse estabelecimento integra a rede de ações e programas da Fome Zero, política de inclusão social, administrada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, visando à oferta de refeições prontas saudáveis e a preços acessíveis, reduzindo assim, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar. Realizou-se um estudo de caso descritivo, de caráter qualitativo, durante o período de fevereiro a abril de 2014. Analisou-se qualitativamente o cardápio do almoço de 12 semanas pelo método Análise Qualitativa das Preparações do Cardápio. A presença de alimentos funcionais foi avaliada por meio da identificação, quantidade e frequência oferecida nas preparações do cardápio, seguindo as recomendações da American Dietetic Association de 2004. O cardápio apresentou como aspectos positivos, oferta de frutas como sobremesa 89,7%, carnes gordurosas 6,9%, doces 12,1% e não foi observada oferta de frituras e doces no mesmo dia. A baixa oferta de saladas de folhosos e a monotonia de cores das preparações foram evidentes, sendo um aspecto negativo do cardápio. Os alimentos funcionais foram identificados principalmente em frutas e verduras, oferecidos todos os dias. Conclui-se que o restaurante popular avaliado ofereceu um cardápio adequado quanto aos itens analisados. Destaca-se que a introdução de uma alimentação saudável e de alimentos funcionais na dieta de cada indivíduo deve ser contínua, auxiliando na prevenção de doenças e na busca da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yudi Paulina García Ramírez, Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Doutoranda do Programa de Alimentos e Nutrição, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista – UNESP.

Raquel Regina Duarte Moreira, Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Alimentos e nutrição.

José Ricardo Soares de Oliveira, Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Alimentos e nutrição.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília (DF); 2007.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR). Manual programa restaurante popular. Brasília (DF); 2004.

Alissa EM, Ferns GA. Functional foods and nutraceuticals in the primary prevention of cardiovascular diseases. J Nutr Metab. 2012 Apr 10:569486. DOI: 10.1155/2012/569486. Epub 2012.

Mohamed S. Functional foods against metabolic syndrome (obesity, diabetes, hypertension and dyslipidemia) and cardiovasular disease. Trends Food Sci. Technol. 2014;35:114-128.

Reis NT. Nutrição clínica: sistema digestório. Rio de Janeiro: Livraria Rubio; 2003.

Carvalho PGB, Machado CMM, Moretti CL, Fonseca MEN. Hortaliças como alimentos funcionais. Hortic. Bras. 2006;24(4):397-404.

Colpo E, Fuke G, Zimmermann MM. Consumo de alimentos funcionais em unidades de alimentação e nutrição de Santa Maria/RS. Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria. 2004;4(1):69-83.

Baptista IC, Genta TM S, Calderelli VAS, Maurício AA, Portilho M, Matioli G. Conhecimento da comunidade universitária em relação aos alimentos funcionais. Acta Scientiarum. Health Sciences. 2013;35(1):15-21.

Veiros MB, Proença RPC. Avaliação qualitativa das preparações do cardápio de uma Unidade de Alimentação e Nutrição – Método AQPC. Rev. Nutrição em Pauta. 2003;11(62):36-42.

Proença RPC, De Sousa AA, Veiros MB, Hering B. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições. Florianópolis: Editora da UFSC; 2005.

Prado BG, Nicoletti AL, Faria CD. Avaliação Qualitativa das Preparações de Cardápio em uma Unidade de Alimentação e Nutrição de Cuiabá – MT. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2013;15(3):219-23.

World Health Organization, Food and Agricultural Organization of the United Nations. Diet, Nutrition and the Prevention of Chronic Diseases. Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. WHO Technical Report Series 916 [internet]. Geneva; 2002 [acesso em 18 ago 2016]. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar da população brasileira – promovendo a alimentação saudável. Brasília (DF); 2014.

American Dietetic Association Reports. Position of the American Dietetic Association: functional foods. J Am Diet Assoc [internet]. 2004 [acesso em 15 jun 2014];104(5):814-26. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science

Menegazzo M, FracalossiI K, Fernandes AC, Medeiros NI. Avaliação qualitativa das preparações do cardápio de centros de educação infantil. Rev. Nutr. 2011;2(24):243-51.

Brito LF, Bezerra VM. Avaliação qualitativa do cardápio. Alim. Nutr. 2013;24(2):153-158.

Hadley CW, Miller EC, Schwartz SJ, Clinton SK. Tomatoes, lycopene, and prostate cancer: progress and promise. Exp Biol Med (Maywood). 2002;227(10):869-80.

Giovannucci E, Rimm EB, Liu Y, Stampfer MJ, Willett WC. A prospective study of tomato products, lycopene, and prostate cancer risk. J Natl Cancer Inst. 2002;94(5):391–398.

Behling E, Sendão MC, Francescato HDC, Antunes LMG, Bianchi MLP. Flavonóide quercetina: aspectos gerais e ações biológicas. Alim. Nutr. 2004;15(3):285-292.

Malacrida CR, Da Motta S. Compostos fenólicos totais e antocianinas em suco de uva. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2005;25(4):659-664.

Carvalho MMS, Lino LLA. Avaliação dos fatores que caracterizam a berinjela como um alimento funcional. Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr. 2014;39(1):130-143.

Gonçalves MCR, Diniz MFFM, Borba JDC, Nunes XP, Barbosa-Filho JM. Berinjela (Solanum melongena L.) – mito ou realidade no combate as dislipidemias? Rev. Bras. Farmacogn. 2006;16(2):252-257.

Vrhovsek U, Rigo A, Tonon D, Mattivi F. Quantitation of polyphenols in different apple varieties. J Agric Food Chem. 2004;52(21):6532-8.

Arts IC, Jacobs DR Jr, Harnack LJ, Gross M, Folsom AR. Dietary catechins in relation to coronary heart disease death among postmenopausal women. Epidemiology. 2001;12(6):668-75.

Mink PJ, Scrafford CG, Barraj LM, Harnack L, Hong CP, Nettleton JA, Jacobs DR Jr. Flavonoid intake and cardiovascular disease mortality: a prospective study in postmenopausal women. Am J Clin Nutr. 2007;85(3):895-909.

Boyer J, Liu RH. Apple phytochemicals and their health benefits. Nutr J. 2004;3(5):1-15.

Benavente-Garcia O, Castillo J, Alcaraz M, Vicente V, Del Rio JA, Ortuño A. Beneficial action of citrus flavonoids on multiple cancer-related biological pathways. Curr Cancer Drug Targets. 2007;7(8):795-809.

Silalahi J. Anticancer and health protective properties of citrus fruit components. Asia Pac J Clin Nutr. 2002;11(1):79-84

Cesar TB, Rodrigues LU, Araújo MSP, Aptekmann NP. Suco de laranja reduz o colesterol em indivíduos normolipidêmicos. Rev. Nutr. 2010;23(5):779-789.

Freire R, Silva SS, Magri SG. Introdução de alimentos funcionais em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Mundo Saúde. 2001;25(2): 200-7

Teixeira S, Milet Z, Carvalho J, Biscontini TM. Administração Aplicada às Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Atheneu; 2006.

Downloads

Publicado

2016-10-18

Como Citar

1.
Ramírez YPG, Moreira RRD, Oliveira JRS de. Avaliação de cardápio e identificação de alimentos funcionais: estudo qualitativo de restaurante popular de Araraquara, São Paulo, Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 18º de outubro de 2016 [citado 18º de outubro de 2021];23(1):859-67. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8635627

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional