Qualidade do almoço de trabalhadores segundo o Programa de Alimentação dos Trabalhadores e o Índice de Qualidade da Refeição

Autores

  • Maria Sônia Lopes Duarte Universidade Federal de Viçosa
  • Lisiane Lopes da Conceição Universidade Federal de Viçosa
  • Luíza Carla Vidigal Castro Universidade Federal de Viçosa
  • Eliana Carla Gomes de Souza Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v22i1.8641602

Palavras-chave:

Alimentação coletiva. Dietética. Trabalhadores.

Resumo

O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a qualidade do almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) segundo as recomendações do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e o Índice de Qualidade da Refeição. Foi realizado um estudo transversal em uma UAN de uma empresa privada, cadastrada no PAT e com supervisão de um nutricionista. A coleta de dados ocorreu em três dias não consecutivos, para todas as preparações servidas no almoço. A avaliação do percentual de adequação de energia, sódio, macronutrientes, NDPcal% e fibras excederam as recomendações estabelecidas pelo PAT, enquanto que para o carboidrato o almoço forneceu quantidades abaixo da recomendação. Para o Índice de Qualidade da Refeição, a média encontrada foi de 56,53 pontos e a classificação da refeição foi de que precisa de melhorias. O almoço oferecido pela UAN não estava adequado de acordo com os parâmetros do PAT e o Índice de Qualidade da Refeição. A alimentação oferecida pela empresa avaliada estava inadequada nutricionalmente e, assim, torna-se necessária a inclusão de ações de correções no planejamento do cardápio bem como de medidas educativas de intervenção alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Sônia Lopes Duarte, Universidade Federal de Viçosa

Professora Adjunta. Departamento de Nutrição e Saúde, Universidade Federal de Viçosa.

Lisiane Lopes da Conceição, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Ciência da Nutrição, Universidade Federal de Viçosa.

Luíza Carla Vidigal Castro, Universidade Federal de Viçosa

Professora Adjunta. Departamento de Nutrição e Saúde, Universidade Federal de Viçosa.

Eliana Carla Gomes de Souza, Universidade Federal de Viçosa

Professora Adjunta. Departamento de Nutrição e Saúde, Universidade Federal de Viçosa.

Referências

Brasil, Ministério do Trabalho e Emprego. Programa de alimentação do trabalhador: legislação. 4a ed. Brasília (DF); 2001.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Programa de alimentação do trabalhador [internet]. 2008 [citado em 09 jun 2015]. Disponível em: http://pat.mte.gov.br/relatorios2008

Freire RB, Salgado RS. Avaliação de cardápios oferecidos a trabalhadores horistas. Mundo Saúde. 1998;22(5):198-301.

Garcia RWD. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr. 2003;16(4):483-92.

Gorgulho BM, Lipi M, Marchioni DML. Qualidade nutricional das refeições servidas em uma unidade de alimentação e nutrição de uma indústria da região metropolitana de São Paulo. Rev Nutr. 2011;24(3):463-472.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009: análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Rio de Janeiro; 2010.

Bandoni DH, Jaime PC. A qualidade das refeições de empresas cadastradas no Programa de Alimentação do Trabalhador na cidade de São Paulo. Rev Nutr. 2008;21(2):177-184.

Bandoni DH, Brasil BG, Jaime PC. Programa de Alimentação do Trabalhador: representações sociais de gestores locais. Rev Saúde Pública. 2006;40(5):837-842.

Jaime PC, Bandoni DH, Geraldo APG, Rocha RV. Adequação das refeições oferecidas por empresas cadastradas no programa de alimentação do trabalhador na cidade de São Paulo. Mundo Saúde. 2005;29(2):186-191.

Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Gan X, Gu X, Dwyer S. Health promoting workplaces – interational settings development. Health Promot Int. 2000;15(2):155-167.

World Health Organization. Global Strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2004;25(3):292-302.

Abreu ES, Spinelli MGN, Pinto AMS. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. 2a ed. São Paulo: Metha; 2007.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria Interministerial no 66, de 25 de Agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial da União. 18 ago 2006.

TACO – Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos. Campinas: Ed. Nepa-Unicamp; 2006 [acesso em 22 set 2015]. Disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada

Philippi ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. 2a ed. Brasília (DF); 2002.

Bowman SA, Lino M, Gerrior SA, Basiotis PP. The healthy eating index: 1994-1996. Washington (DC): Departament of Agriculture, Center for Nutrition Policy and Promotion; 1998.

Geraldo APG, Bandoni DH, Jaime PC. Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil. Rev Panamer Salud Publica. 2008;23(1):19-25.

Salas CKTS, Spinelli MGN, Kawashima LM, Ueda AM. Teores de sódio e lipídios em refeições almoço consumidas por trabalhadores de uma empresa do município de Suzano, SP. Rev Nutr. 2009;22(3):331-339.

Spinelli MGN, Koga T. Avaliação do consumo de sal em uma unidade de alimentação e nutrição. Nutrire 2007;32(2):15-27.

World Health Organization. Guideline: Sodium intake for adults and children [internet]. Geneve, 2012. [acesso em 22 set 2015]. Disponível em: http://www.who.int/nutrition/publications/guidelines

IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(Supl 1):1-51.

Brasil. Ministério da Saúde. Sal aumenta a pressão. Ninguém merece trabalhar sob pressão [internet]. 2015 [citado em 01 ago 2015]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=23616

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável [internet]. Brasília; 2005. Série A: normas e manuais técnicos [citado em 28 jan 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf

Savio KEO, Costa THM, Miazakib E, Schmitz BAS. Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador. Rev Saúde Pública. 2005;39(2):148-155.

Costa NMB, Peluzio MCG. Nutrição Básica e Metabolismo. Viçosa: Editora UFV; 2008.

Kearney JM, Hulshof KF, Gibney MJ. Eating patterns: temporal distribution, converging and diverging foods, meals eaten inside and outside of the home: implications for developing FBDG. Public Health Nutr. 2001;4(2B):693-698.

Orfanos P, Naska A, Trichopoulos D, Slimani N, Ferrari P, Van Bakel M, et al. Eating out of home and its correlates in 10 European countries. The European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC) study. Public Health Nutr. 2007;10(12):1515-1525.

Downloads

Publicado

2015-11-04

Como Citar

DUARTE, M. S. L.; CONCEIÇÃO, L. L. da; CASTRO, L. C. V.; SOUZA, E. C. G. de. Qualidade do almoço de trabalhadores segundo o Programa de Alimentação dos Trabalhadores e o Índice de Qualidade da Refeição. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 654–661, 2015. DOI: 10.20396/san.v22i1.8641602. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8641602. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)