Avaliação das condições higiênicas de escolas de ensino infantil e fundamental por meio da aplicação de listas de verificação

Autores

  • Lizahélen Morais da Silva Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS
  • Carla Cristina Bauermann Brasil Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) - Campus Palmeira das Missões
  • Joice Trindade Silveira Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS
  • Fernanda Aline de Moura Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS
  • Anne y Castro Marques Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS
  • Coryna Sanchotene Martini Nutricionista da Secretaria Municipal de Educação (SME)
  • Marilei Bertão Schiavo Secretaria Municipal de Educação (SME) - Itaqui/RS

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v23i1.8642256

Palavras-chave:

Alimentação escolar. Boas práticas de fabricação. Legislação sanitária. Lista de verificação.

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar as condições higiênicas de escolas de ensino infantil e fundamental do município Itaqui – RS. O estudo avaliou 12 escolas públicas municipais, sendo seis de educação infantil e seis de ensino fundamental. Foram elaboradas listas de verificação em boas práticas para as unidades de alimentação e nutrição escolares (UANEs), sendo duas listas completas (LVBPC) – aplicadas no primeiro e último acompanhamento – e duas listas reduzidas (LVBPR) aplicadas nos sete acompanhamentos intermediários. As listas foram fundamentadas nas legislações sanitárias vigentes, sendo aplicadas in loco semanalmente, em turnos alternados e sem aviso prévio às escolas. A classificação das UANEs foi adaptada de acordo com o Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) segundo o grau de risco sanitário. A média de adequação geral das escolas infantis foi de 36,13% e 35,28% para as LVBPC e LVBPR, respectivamente. Enquanto a média de adequação geral das escolas fundamentais em relação às boas práticas foi de 40,19% e 40,92% para as listas completas e reduzidas, respectivamente. Com isso, percebe-se a necessidade de implantação de ações preventivas nessas UANEs, uma vez que foram observados procedimentos que podem comprometer a alimentação escolar do ponto de vista higiênico-sanitário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lizahélen Morais da Silva, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS

Departamento de Nutrição

Área Ciências da Saúde

Carla Cristina Bauermann Brasil, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) - Campus Palmeira das Missões

Departamento de Nutrição

Área Ciências da Saúde

Joice Trindade Silveira, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS

Departamento de Nutrição

Área Ciências da Saúde

Fernanda Aline de Moura, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS

Departamento de Nutrição

Área Ciências da Saúde

Anne y Castro Marques, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus Itaqui/RS

Departamento de Nutrição

Área Ciências da Saúde

Referências

Cardoso RCV, Almeida RCC, Guimarães AG, Gões JAW, Santana AAC, Silva SA, et al. Avaliação da qualidade microbiológica de alimentos prontos para consumo servidos em escolas atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 2010;69(2):208-13.

Issa RC, Moraes LF, Francisco RRJ, Santos LC, Anjos AFV, Pereira SCL. Alimentação escolar: planejamento, produção, distribuição e adequação. Rev. Panam. Salud Publica. 2014;35(2):96-103.

Sturion GL, Silva MV, Ometto AMH, Furtuoso MCO, Pipitone MAP. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Rev. Nutr. 2005;18(2):167-81.

Ministério da Educação (BR), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programa Nacional de Alimentação Escolar – Apresentação [internet]. Brasília; 2015 [acesso em 30 mar 2015]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/alimentacao-escolar

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC no 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial União. 16 set 2004; Seção 1:25.

Secretaria da Saúde (RS). Portaria no 78, de 30 de janeiro de 2009. Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul. 28 jan 2009; Seção 1:35.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria no 817, de 10 de maio de 2013. Aprova as diretrizes nacionais para a elaboração e execução do projeto piloto de categorização dos serviços de alimentação para a Copa do Mundo FIFA 2014. Diário Oficial União. 13 mai 2013; Seção 1:44.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Doenças Transmitidas por Alimentos – Descrição da Doença [internet]. Brasília; 2015 [acesso em 13 abr 2015]. Disponível em: http://www.portalsaude.saude.gov.br

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos [internet]. Brasília; 2014 [acesso em 11 mai 2015]. Disponível em: http://www.anrbrasil.org.br

Silva BC, Fortuna JL. Condições higiênico-sanitárias na manipulação de alimentos, em cozinhas e cantinas de escolas públicas municipais de Mucuri, BA. Rev. Hig. Aliment. 2011;25(202/203):51-6.

Stedefeldt E, Cunha DT, Silva Junior EA, Oliveira ABA. Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da concepção à validação. Rev. Ciênc. Saúde Colet. 2013;18(4):947-53.

Mezzari MF, Ribeiro AB. Avaliação das condições higiênico-sanitárias da cozinha de uma escola municipal de Campo Mourão – Paraná. SaBios: Rev. Saúde e Biol. 2012;7(3):60-6.

Centro Colaborador em Nutrição e Alimentação do Escolar, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE. Ferramentas para as Boas Práticas na Alimentação Escolar, versão 1.0 [internet]. Brasília; 2012 [acesso em 25 mar 2015]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cecane

Kochansky S, Pierozan MK, Mossi AJ, Treichel H, Cansian RL, Ghisleni CP, et al. Avaliação das condições microbiológicas de uma unidade de alimentação e nutrição. Rev. Alim. Nutr. 2009;20(4):663-8.

Cardoso RCV, Góes JAW, Almeida RCC, Guimarães AG, Barreto DL, Silva SA, et al. Programa Nacional de Alimentação Escolar: há segurança na produção de alimentos em escolas de Salvador (Bahia)? Rev. Nutr. 2010;23(5):801-11.

Oliveira MN, Brasil ALD, Taddei JAAC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Rev. Ciênc. Saúde Colet. 2008;13(3):1051-60.

Silva Júnior EA. Manual de Controle Higiênico-Sanitário em Serviços de Alimentação. 7.ed. São Paulo: Editora Varela; 2015.

Downloads

Publicado

2016-10-18

Como Citar

1.
Silva LM da, Brasil CCB, Silveira JT, Moura FA de, Marques A y C, Martini CS, Schiavo MB. Avaliação das condições higiênicas de escolas de ensino infantil e fundamental por meio da aplicação de listas de verificação. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 18º de outubro de 2016 [citado 3º de dezembro de 2021];23(1):837-48. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8642256

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)