Incidência de Staphylococcus spp. em leite humano porcionado em lactário para utilização em UTI

Autores

  • Anice Milbratz de Camargo Universidade Regional de Blumenau
  • Cláudia Rafaela Marques Firmo Universidade Regional de Blumenau
  • Mercedes Gabriela Ratto Reiter Universidade Regional de Blumenau

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v22i2.8642504

Palavras-chave:

Doenças transmitidas por alimentos. Saúde pública. Microbiologia de alimentos.

Resumo

Foi pesquisado Staphylococcus spp. Emleite humano (LH) pasteurizado, proveniente de Banco de Leite Humano (BLH) e porcionado em lactário de um Hospital público em Santa Catarina (Brasil). A coleta das amostras foi realizada aleatoriamente no período de 2013/2014 pelos próprios profissionais do lactário quando do porcionamento do leite para uso em UTI, armazenando como em eppendorfs estéreis. Uma análise microbiológica seguiu como normas internacionais da APHA (2013). Commentam-se 36% (n = 18 do total de n = 50) das amostras com presença de Staphylococcusspp., sendo todas (n = 18) Gram e catalase positivas e coagulase negativa (SCoN). Destas 18 amostras, 38,8% (n = 7) ultrapassaram os limites permitidos pela legislação nacional (14% do total), não devendo ser utilizado por tratar de bactéria patógena e estes valores referirem-se a contagem total. Os valores encontrados foram significativos e associados aos grandes riscos de morbi-mortalidade. É necessário uma aplicação para a higiene física e hospitalar na manipulação do LH no lactário estudado, pois esta feita de forma inadequada mostrou-se um fator significativode transmissão bacteriana. Além disso, é uma revisão da metodologia de controle microbiológico local, para torná-lo mais rígido sem serviço de manipulação, buscando reduzir a incidência de contaminação do LH em condições adequadas por BLH.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anice Milbratz de Camargo, Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau. Departamento de Ciências Farmacêuticas. Curso de Nutrição.

Cláudia Rafaela Marques Firmo, Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau. Departamento de Ciências Farmacêuticas. Curso de Nutrição.

Mercedes Gabriela Ratto Reiter, Universidade Regional de Blumenau

Professora Doutora-Universidade Regional de Blumenau. Departamento de Ciências Naturais. Laboratório de Microbiologia. Rua São Paulo, 2171. Campus III - Itoupava Seca.
CEP: 89030-000 - Blumenau - SC.

Referências

Madigan MT, Martinko JM, Parker J. Brock: Biología de los Microorganismos. 10 ed. Madrid:Prentice Hall; 2003. 1096 p.

Franco BDGM, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu; 2008. 182 p.

Santos BHC, Souza EL, Sousa CP, et al. Manipuladores como causas potenciais de contaminação microbiana de alimento enteral. Revista Inf. 2003/2004; 15(11-12): 71-3.

Betancourt OH, Cuesta LYU, Méndez DR, et al. Staphylococcusaureus y su identificación en los laboratorios microbiológicos: revisión bibliográfica. ArcMéd Camagüey. 2005; 9(1): [cerca de 11 p.]. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=211117623016.

Camacho NN, Marini P, Armas RD, et al. Determinação de Staphylococcuscoagulase positiva e de indicadores higiênico-sanitários em amostras de queijo ralado. In: XIII Congresso de Iniciação Científica [Internet]; 27-29 out 2004; Rio Grande do Sul, Brasil. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas; [Acesso em: 12 jul 2014]. 4 p. Disponível em: http://www2.ufpel.edu.br/cic/2004/arquivos/conteudo_CB.html#00594.

Santos WLM Avaliação microbiológica de saladas cruas e cozidas servidas em restaurantes industriais da cidade de Belo Horizonte. Rev Hig Alim. 1997; 11(40):26-30.

Clemente MG, Valle RHP, Abreu LR. Staphylococcus em queijos fabricados com leite cru e pasteurizado. Rev Hig Alim. 2003; 17(104/105): 38-9.

Serafini ÁB, André MCDPB, Rodrigues MAV, et al. Qualidade microbiológica de leite humano obtido em banco de leite. Rev. Saúde Pública. 2003; 37(6): 775-9.

Bezerra BA, Araújo CE, Alves LCW, Oliveira AR. Staphylococcuscoagulase negativa resistente a oxacilina no Hospital Regional Público de Araguaia – Pará [monografia]. [Manaus]: Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida; 2010. 10 p. Disponível em: http://www.fesar.com.br/Staphylococcus%20coagulase.pdf.

Tariq MT. Bacteriologic profile and anibiogram of blood culture isolates from a children´s hospital in Kabul. J Col Phys Surg Pak. 2014; 24(6): 396-9.

Cunha SRLM, Lopes MAC. Estudo da produção de β-lactamase e sensibilidade às drogas da linhagem estafilococos coagulase-negativo isolados de recém-nascidos. J Bras Pat Med Lab. 2002;38(4): 281-90. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442002000400006

Silveira CR, Procianoy R. Uma revisão sobre sepse neonatal. Bol Cient Ped. 2012;1(1):29-35.

Costa SF, Micelia MH, Anaissie EJ. Mucosa or skin as source of coagulase-negative staphylococcal bacteraemia? Lancet Infec Dis. 2004;4(8): 278-86.

Isaacs D. A ten year, multicentre study of coagulase negative staphylococcal infections in Australasian neonatal units. Arch Dis Child Fetal Neonatal. 2003;88(2): F89-F93.

Alcarãs LE, Satorres SE, Sepulveda L, et al. Detección de Staphylococcus aureus spp. en manipuladores de alimentos. Aliment Latinoam. 1997; (219):44-7.

Martins JRTL. Caracterização antimicrobiana de cepas ambientais de Staphylococcus spp. isoladas de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal [monografia]. [Paraíba]: Universidade Estadual da Paraíba; 2012. 19 p. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/1753/1/PDF%20-%20Jos%C3%A9%20Ricardo%20Tom%C3%A9%20Lopes%20Martins.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Boletim Informativo da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde – Rede RM. Brasília: ANVISA, [atualizado em 2009 Jul 10; citado em 12 Jul 2014]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/divulga/newsletter/rede_rm/2009/100709_perfil_sensibilidade.htm.

Instituto Nacional de Saúde Dr. Jorge Ricardo. Prevenção de infecções adquiridas no hospital: um guia prático. Lisboa: Ministério da Saúde; 2002. 93 p. Disponível em: http://www.bvsde.paho.org/bvsacd/cd49/man_oms.pdf

Wright KC, Feeney AM. The bacteriological screening of donated human milk: laboratory experience of British Paediatric Association’s published guidelines. J Infect. 1998,36(2):23-7.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o funcionamento de Bancos de Leite Humano. Resolução RDC n° 171, de 4 de setembro de 2006. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília (DF); ago 2006.

Salfinger Y, Tortorello ML. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington: APHA; 2015. 995 p..

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Diário Oficial da União, Poder executivo, Brasília (DF); jan 2001.

Silveira MAL, D’Amorim GFM, Silva DRV, et al. Controle microbiológico de leite humano de um hospital universitário. Rev Baiana de Saúde Pública. 2012, 36(3): 844-50. Disponível em: http://inseer.ibict.br/rbsp/index.php/rbsp/article/view/560

Custódio J, Alves JF, Silva FM, et al. Avaliação microbiológica das mãos de profissionais da saúde de um hospital particular em Itumbiara, Goiás. Rev Cienc Med PUCCAMP. 2009, 18(1):7-11. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/649

Silva RHE, Silva G K, Quinalia BR, et al. Banco de leite humano: controle do risco de contaminação pelas doadoras. Rev Funec Cient Nutr. 2013;1(1):[cerca de 9 p.]. Disponível em: http://seer.funecsantafe.edu.br/index.php?journal=rfcn&page=article&op=view&path%5B%5D=966&path%5B%5D=949

Salles KR, Goulart R. Diagnóstico das condições higiênico-sanitárias e microbiológicas de lactários hospitalares. Rev de Saúde Pública. 1997, 31(2):131- 9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000200005

D'angio CT, Mcgowan KL, Baumgart S, et al. Surface colonization with coagulase-negative staphylococci in premature neonates. J Pediatr. 1989;114(6):1029-34.

Strunk T, Richmond P, Simmer K, et al. Neonatal immune responses to coagulase-negative staphylococci. Curr Opin Infect Dis. 2007;20(4):370-5.

Downloads

Publicado

2015-12-28

Como Citar

CAMARGO, A. M. de; FIRMO, C. R. M.; REITER, M. G. R. Incidência de Staphylococcus spp. em leite humano porcionado em lactário para utilização em UTI. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 742–747, 2015. DOI: 10.20396/san.v22i2.8642504. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8642504. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional