Banner Portal
Percepção das causas e riscos da anemia de gestantes atendidas em Programa Estratégia de Saúde da Família em São Caetano do Sul (São Paulo)
PDF

Palavras-chave

Gestantes. Ingestão Alimentar. Anemia. Programa da Saúde da Família.

Como Citar

AZEVEDO, B. A. R.; ALMEIDA, M. F.; SZARFARC, S. C. Percepção das causas e riscos da anemia de gestantes atendidas em Programa Estratégia de Saúde da Família em São Caetano do Sul (São Paulo). Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 984–992, 2016. DOI: 10.20396/san.v23i2.8647883. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8647883. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

A anemia na gestação acarreta consequências deletérias para o binômio mãe/concepto, sendo a alimentação deficiente seu principal determinante. O objetivo deste estudo foi identificar a percepção das gestantes, em relação às causas e riscos da anemia na gestação e estimar a ingestão de alimentos fontes de ferro (naturais e fortificados). A amostra foi composta por 109 gestantes beneficiadas pelo Programa Saúde da Família. A ingestão alimentar foi avaliada por questionário de frequência alimentar e a percepção das causas e riscos da anemia por meio de questionário estruturado. Verificou-se que 94% das gestantes desconhecem as causas, 86% desconhecem os riscos da anemia e 92% referiram ausência de orientação alimentar. Dentre os alimentos fontes de ferro, destacam-se a carne bovina e de aves, o feijão e o pão francês. A maioria das gestantes desconhece as causas e consequências da deficiência de ferro. A ingestão alimentar das gestantes mostrou-se insuficiente para atender à demanda de ferro e reduzir o risco decorrente de sua deficiência. A orientação alimentar como parte das atividades da atenção prénatal é indispensável para o controle da anemia por deficiência de ferro.
https://doi.org/10.20396/san.v23i2.8647883
PDF

Referências

Vitolo MR. Nutrição da gestação ao envelhecimento. 2ed. Rio de Janeiro: Ed. Rubio; 2014.

World Health Organization – WHO. Assessing the iron status of populations. Report of a Joint World Health Organization/Centers for Disease Control and Prevention Technical Consultation on the Assessment of Iron Status at the Population Level. Geneva; 2004.

Vannucchi H, Freitas MLV, Szarfarc SC. Prevalência de anemias nutricionais no Brasil. Cad. Nutr. 1992;4:7-26.

Ministério da Saúde (BR). Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS). Brasília (DF); 2009.

Frota MTBA. Prevalência e fatores determinantes associados à anemia em mulheres e crianças do Maranhão [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Sato APS, Fujimori E, Szarfarc SC. Prevalência de anemia em gestantes e fortificação de farinhas com ferro. Texto Contexto – Enferm. 2008;17(3):474-481.

Sato APS, Porto ES, Brunken GS, Fujimori E, Leone C, Szarfarc SC. Anemia e nível de hemoglobina em gestantes de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, antes e após a fortificação compulsória de farinhas com ferro e ácido fólico, 2003-2006. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015;24(3):453-464.

Fujimori E, Sato APS, Szarfarc SC, Veiga GV da, Oliveira VA de, Colli C, et al. Anemia em gestantes brasileiras antes e após a fortificação das farinhas com ferro. Rev. Saúde Pública. 2011;45(6):1027-1035.

Fujimori E, Sato APS, Araújo CRMA, Uchimura TT, Porto ES, Brunken GS, et al. Anemia em gestantes de municípios das regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil. Rev. Esc. Enferm. 2009;43(Spe 2):1204-1209.

Atalah E, Castilho C, Aldea A. Popuesta de um nuevo standar de evaluación nutricional de embarazadas. Rev. Med. Chile. 1997;12:1429-1436.

Lopez RPS, Botelho RBA. Álbum fotográfico de porções alimentares. São Paulo: Metha, 2008.

Zaboto CB. Registro fotográfico para inquéritos dietéticos: utensílios e porções. Campinas: UNICAMP; 1996.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação – NEPA. Universidade Estadual de Campinas. TACO – Tabela de Composição de Alimentos. 2ed. Campinas: UNICAMP; 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Tabela de composição dos alimentos. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Philippi ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. Brasília: ANVISA; 2002.

Sato APS, Fujimori E, Szarfarc SC, Borges ALV, Tsunechiro MA. Consumo alimentar e ingestão de ferro de gestantes e mulheres em idade reprodutiva. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010;18(2):247-254.

Monsen ER, Balintfy JL. Calculating dietary iron bioavailability and computerization. J. Am. Diet. Assoc. 1982;80:307-311.

World Health Organization – WHO. Iron deficiency anaemia: assessment, prevention and control. A guide for programme managers. Geneva: WHO; 2001.

Brasil. Portaria no 730/GM, de 13 de maio de 2005. Institui o Programa Nacional de Suplementação de Ferro, destinado a prevenir a anemia ferropriva e dá outras providências. Diário Oficial da União. 14 mai 2005; Seção 1.

Machado EHS, Szarfarc Sc, Cyrillo DR, Fugimori E, Colli C. Reflexão sobre a estratégia do controle da anemia em gestantes do Brasil. Segur. Aliment. Nutr. 2010;17(1):104-112.

Szarfarc SC. Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010;32(Suppl. 2):0208.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.