Conceito de Risco e Princípio da Precaução na Vigilância à Saúde: A Vigilância Sanitária de Alimentos Como Cenário de Prática

Autores

  • Carlos Podalirio Borges de Almeida Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará http://orcid.org/0000-0003-0254-4178
  • Tamires Patrícia Souza Universidade Estadual de Campinas
  • Rafaela Souza Universidade Federal de Santa Maria
  • Katia Jakovljevic Pudla Wagner Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v24i2.8649934

Palavras-chave:

Vigilância sanitária. Alimentos. Saúde pública.

Resumo

Este ensaio teórico procura levantar elementos de discussão a respeito do conceito de risco e princípio da precaução no contexto das práticas da vigilância sanitária de alimentos. A reflexão tem a expectativa de produzir o desenvolvimento e aprofundamento acerca desses conceitos aplicados à prática da vigilância sanitária de alimentos, com a finalidade de contribuir para o incremento do debate em torno deste tema e subsidiar o aprimoramento das políticas e práticas de saúde pública relacionadas à vigilância sanitária, com ênfase na área de alimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Podalirio Borges de Almeida, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas

Tamires Patrícia Souza, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Enfermagem

Rafaela Souza, Universidade Federal de Santa Maria

Faculdade de Enfermagem

Katia Jakovljevic Pudla Wagner, Universidade Federal de Santa Catarina

Curso de Medicina

Referências

Foucault M. Microfísica do poder. 19ª ed. Rio de Janeiro: Graal. 2004.

Frenk J, Chen L, Bhutta ZA, Cohen J, Crisp N, Evans T et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet 2010; 376(9756):1923-1958.

Brasil. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília: DF. 1990.

Fernandes RV, Rogerio MG. Análise da produção acadêmica em vigilância sanitária de alimentos, 1993-2007. Saúde Pública. 2010; 4(6):1155-1158.

Santos A, Bittencourt RR. Perspectivas para a construção de uma nova consciência coletiva que conceba a vigilância sanitária como rede. Revisa. 2005; 1(2):133-140.

Germano PML, Germano MIS. Higiene e Vigilância Sanitária dos Alimentos. 4 ed. São Paulo: Manole. 1088p. 2011.

Medeiros L, Dall'Agnol LP, Botton SA, Smaniotto H, Potter R, Campos MMA et al. Qualidade higiênico-sanitária dos restaurantes cadastrados na Vigilância Sanitária de Santa Maria, RS, Brasil, no período de 2006 a 2010. Ciência Rural. 2012; 43(1):81-86.

Lucchese G. Globalização e regulação sanitária: os rumos da vigilância sanitária no Brasil [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz. 2001.

Spink MJP. Trópicos do discurso sobre risco: risco-aventura como metáfora na modernidade tardia. Cadernos de Saúde Pública. 2001; 17(6):k1277-1311.

Medronho RA, Bloch KV, Luiz RR, Werneck GL. Epidemiologia. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2009.

Gondim GMM. O Território e o Processo Saúde-Doença: do Conceito de Risco ao da Precaução: entre determinismos e incertezas. EPSJV/Fiocruz: Rio de Janeiro . 2008.

Waldman EA. Os 110 anos de Vigilância em Saúde no Brasil. Epidemiol.Serv.Saúde. 2012; 21(3):365-366.

Brasil.Ministério da Saúde. Portaria nº 1378/2013. Brasília . 2013.

Marins BR, Tancredi RCP, Gemal AL. Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. EPSJV/Fiocruz: Rio de Janeiro . 2014.

Adam A, Jensen JD. What is the effectiveness of obesity related interventions at retail grocery stores and supermarkets? -a systematic review. BMC Public Health 2016; 16(1):1247.

Pessoa MC, Mendes LL, Caiaffa WT, Malta DC, Velásquez-Meléndez G. Availability of food stores and consumption of fruit, legumes and vegetables in a Brazilian urban area. Nutr Hosp. 2014; 31(3):1438-43.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Estabelecendo um Diálogo sobre Riscos de Campos Eletromagnéticos. Genebra: OMS. 2002.

Stein P. A cautious application of the precautionary principle. 2000.

Stone CD. Is there a precautionary principle? Enviromental Law Reporter 31[ELR 10790]. 2001.

Sustein CR. Beyond the precautionary principle. University of Pennsylvania Law Review. 2003; 151(3).

Sustein CR. Cognition and Cost-benefit Analysis. The Journal of Legal Studies 29[S2]. 2000.

Campos MA, Oliveira JC, Vendramini AL. A Segurança alimentar: conceito, história e prospectiva. In: Marins, BR (Org.), Tancredi RCP, Gemal AL. Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. Rio de Janeiro: EPSJV. p.37. 2014.

Jacob SC. Laboratório analítico, parte fundamental na avaliação de risco relativo ao consumo de alimentos. In: Marins, BR (Org.), Tancredi RCP, Gemal AL. Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. Rio de Janeiro: EPSJV. p. 184. 2014.

Who. World Health Organization. Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO);Report of the Twenty-Sixth Session of the Codex Alimentarius Commission. Roma: FAO. 2003.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Perspectiva sobre a análise de risco na segurança dos alimentos. Curso de sensibilização. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2008.

Who. World Health Organization. Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO); Food Safety Risk Analysis: A Guide for National Food Safety Authorities. Roma: FAO. 2006.

Downloads

Publicado

2017-12-14

Como Citar

1.
Almeida CPB de, Souza TP, Souza R, Wagner KJP. Conceito de Risco e Princípio da Precaução na Vigilância à Saúde: A Vigilância Sanitária de Alimentos Como Cenário de Prática. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 14º de dezembro de 2017 [citado 19º de outubro de 2021];24(2):153-60. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8649934

Edição

Seção

Artigo de Ciência e Tecnologia dos Alimentos