Os Determinantes do Consumo Alimentar Domiciliar: uma comparação entre estratos de renda no Brasil pelos dados da POF de 2008/2009

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i2.8649989

Palavras-chave:

Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), pobreza, renda, segurança alimentar.

Resumo

Em diversas partes do mundo, boa parte da fome e desnutrição foi superada nas últimas décadas. Isto colocou um novo desafio para os formuladores de políticas públicas: qual a qualidade nutricional e dietética das classes sociais mais pobres? A fim de contribuir com esta questão, o objetivo deste artigo é analisar os determinantes do consumo alimentar domiciliar, comparando a probabilidade do consumo de alguns tipos de alimentos entre os pobres e as demais classes sociais no Brasil, por meio dos dados da última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2008/2009. Foram avaliadas quais são as características de cada domicílio que afetam a probabilidade de ele consumir algum tipo de alimento. Por meio de um modelo lógite, verificou-se que os pobres tendem a ter menor probabilidade de comprar em determinada semana frutas, legumes, verduras, tubérculos e raízes, quando comparados com as classes média e alta. Por outro lado, foi possível observar maior consumo de aves, ovos e carne bovina de segunda. Este resultado demonstra a importância de políticas públicas que proporcionem a melhor distribuição de alimentos frescos e com maior valor nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Ferraz, Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo

PhD Student in Production Engineering at the University of São Paulo. BA in Economics from UNIMEP. Has experience in the use of data from the Ministry of Labor and Employment (RAIS/CAGED) and the National Survey by Household Sample (PNAD/IBGE) on employment and income. Part of the monograph was awarded and became a chapter of the book. He has studied topics on economic complexity, human development, technological innovation and income, involving Data Envelopment Analysis and Econometrics.

Fabíola Cristina Ribeiro de Oliveira, Universidade Metodista de Piracicaba

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Metodista de Piracicaba, mestrado e doutorado em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenadora e professora do curso de Relações Internacionais, professora do curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de Piracicaba e pesquisadora/colaboradora dos seguintes grupos cadastrados na plataforma lattes do CNPQ: Grupo de Estudos sobre Refugiados e Migrações, Ensino de Estatística e Aplicações e Grupo de Extensão em Mercado de Trabalho da ESALQ/ USP. Tem experiência na área de Economia Aplicada, atuando principalmente com os seguintes temas: mercado de trabalho, educação, condições de saúde, padrão de consumo alimentar, distribuição de renda, pobreza rural e urbana e migrações internas e internacionais.

Herick Fernando Moralles, Universidade Federal de São Carlos.

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de economia, com ênfase em métodos e modelos matemáticos, econométricos e estatísticos, atuando principalmente nos seguintes temas: Econometria, Econometria espacial, Economia regional e Desenvolvimento sócioeconomico, Inovação e Gestão de risco financeiro via modelo VaR (Value-at-Risk).

Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto, Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo.

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de São Carlos, mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo e doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor associado da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Engenharia de Produção, com ênfase em Engenharia Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: energia, infraestrutura produtiva, análise de eficiência, análise por envoltória de dados e políticas públicas.

Referências

Banerjee A, Duflo E, Goldberg N, Karlan D, Osei R, Pariente W, et al. A multifaceted program causes lasting progress for the very poor: Evidence from six countries. Science. 2015;348(6236).

Headey DD, Martin WJ. The Impact of Food Prices on Poverty and Food Security. Annual Review of Resource Economics, Vol 8. 2016;8:329-51.

Hoffmann R. Brasil, 2013: mais segurança alimentar. Segurança Alimentar e Nutricional. 2014;21(2):422-36.

de Oliveira FCR. Alimentos normais, light/diet e orgânicos: o consumo segundo as classes econômicas e suas elasticidades-renda: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”; 2014.

Banejee AV, Duflo E. The economic lives of the poor. Journal of Economic Perspectives. 2007;21(1):141-67.

Coelho AB, Aguiar DRDd, Fernandes EA. Padrão de consumo de alimentos no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2009;47(2):335-62.

Hoffmann R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. Segurança alimentar e nutricional. 2008;15(1):49-61.

Pizzani A, Rego WD. Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Editora Unesp. 2013.

Rocha C. Developments in National Policies for Food and Nutrition Security in Brazil. Development Policy Review. 2009;27(1):51-66.

Hoffmann R, Silveira F, Servo L, Menezes T, Piola S. Elasticidades-renda das despesas e do consumo de alimentos no Brasil em 2002-2003. Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. 2007;2:463-84.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009. Segurança Alimentar e Nutricional. 2013;20(2):219-35.

Mahadevan R, Hoang V. Is There a Link Between Poverty and Food Security? Social Indicators Research. 2016;128(1):179-99.

Mahadevan R, Suardi S. Regional Differences Pose Challenges for Food Security Policy: A Case Study of India. Regional Studies. 2014;48(8):1319-36.

Dimitri C, Oberholtzer L, Zive M, Sandolo C. Enhancing food security of low-income consumers: An investigation of financial incentives for use at farmers markets. Food Policy. 2015;52:64-70.

Sen A. Poverty and famines: an essay on entitlement and deprivation: Oxford university press; 1981.

Sen A. Development as freedom: Oxford Paperbacks; 2001.

Banerjee A, Duflo E. Poor economics: A radical rethinking of the way to fight global poverty: PublicAffairs; 2012.

Deaton A, Drèze J. Food and nutrition in India: facts and interpretations. Economic and political weekly. 2009:42-65.

IBGE IBdGeE-. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009 (POF). Microdados. Rio de Janeiro: IBGE; 2008-2009.

Sen A. Mortality as an indicator of economic success and failure. Economic Journal. 1998;108(446):1-25.

Monteiro CA. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estudos avançados. 2003;17(48):7-20.

Rodrigues CT. Mudanças no perfil de pobreza no Brasil: uma análise multidimensional a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003 e 2008-2009. 2014.

Downloads

Publicado

2018-08-02

Como Citar

1.
Ferraz D, Oliveira FCR de, Moralles HF, Rebelatto DA do N. Os Determinantes do Consumo Alimentar Domiciliar: uma comparação entre estratos de renda no Brasil pelos dados da POF de 2008/2009. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 2º de agosto de 2018 [citado 20º de outubro de 2021];25(2):38-50. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8649989

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional