Agricultura Urbana e Periurbana

segurança alimentar e nutricional, comportamento alimentar e transformações sociais em uma horta comunitária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v27i0.8650689

Palavras-chave:

Agricultura urbana, Segurança alimentar e nutricional, Comportamento alimentar.

Resumo

A Agricultura Urbana e Periurbana (AUP) tem se destacado na essência da autossuficiência alimentar das cidades de forma estratégica a ponto de garantir Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), promover hábitos alimentares saudáveis e vem apresentando diferentes transformações sociais em espaços coletivos. A presente pesquisa tem por objetivo avaliar o impacto da AUP sobre a SAN e o comportamento alimentar de famílias participantes de uma horta comunitária situada no bairro Campeche, do município de Florianópolis (Santa Catarina). Trata-se de pesquisa qualitativa realizada com 11 participantes da horta. Foi aplicada entrevista por meio de questionário semiestruturado, com gravação em áudio. Por meio dos depoimentos foi possível entender a horta comunitária como espaço para promoção de saúde de fortalecimento das práticas alimentares saudáveis e preservação da cultura alimentar do município. É priorizada a produção agroecológica dos alimentos com vistas à sustentabilidade social, econômica e ambiental. O trabalho comunitário facilitou e intensificou as relações interpessoais entre vizinhos e impulsionou o protagonismo popular. Conclui-se que a horta comunitária demonstrou-se eficaz na promoção e garantia dos princípios da SAN, no fortalecimento de práticas alimentares saudáveis e no desempenho da cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maira dos Santos, Universidade Regional de Blumenau

Centro de Ciências da Saúde; Departamento de Ciências Farmacêuticas; Curso de Nutrição.

           

Mariana Campos Martins Machado, Universidade Regional de Blumenau

Professora do quadro do curso de Nutrição da Universidade Regional de Blumenau.

           

Referências

Conti IL. Segurança Alimentar e Nutricional: noções básicas. Passo Fundo: IFIBE, 2009.

Leão M. O direito humano à alimentação adequada e o sistema nacional de segurança alimentar e nutricional. Brasília: Abrandh, 2013.

Nascimento AL, Andrade SLLS. Segurança alimentar e nutricional: pressupostos para uma nova cidadania?. Cienc. Cult. 2010; 62(4):34-38. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252010000400012&lng=en&nrm=iso.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR), Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Estruturando o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN. Brasília: CAISAN; 2011.

Albuquerque MFM. A segurança alimentar e nutricional e o uso da abordagem de direitos humanos no desenho das políticas públicas para combater a fome e a pobreza. Revista de Nutrimen. 2009; 6(22):895-903.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Cartilha LOSAN: Lei de Segurança Alimentar e Nutricional. Lei no 11.346, de 15 de set. 2006. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/consea/biblioteca/publicacoes/cartilha-losan-portugues.

BRASIL. Lei n. 11.346 de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN – com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União, 18 de set 2006.

Mazur CE, Navarro F. Insegurança alimentar e obesidade em adultos: Qual a relação?. Rev. Saúde, 2015; 41(2):35-44.

Burity V, Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: Abrandh, 2010.

CONSEA. Comida de verdade no campo e na cidade. In: 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Brasília (Brasil), documento referência, jun. 2015.

Taddei JAA, Lang RMF, SilvaGL, Toloni MHA. Nutrição em saúde pública. Rio de Janeiro: Rubio, 2010. 640 p.

Santandreu A, Lovo IC. Panorama da agricultura urbana e periurbana no Brasil e diretrizes políticas para sua promoção: identificação e caracterização de iniciativas de AUP em regiões metropolitanas brasileiras: versão final. Belo Horizonte: Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas – REDE; Lima: Promoção do Desenvolvimento Sostenible – IPES, 2007.

Freddi SM, Ribas CEDC, Rodrigues RG, Pinto MGL. Resgate teórico sobre agricultura urbana no Brasil. Disponível em: http://www.lecera.ufsc.br/wp-content/uploads/textos/Resgate_teorico_sobre_AU_no_Brasil.pdf.

Campos CJG. Método de análise de conteúdo: ferramenta para análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm. 2004; 5(57):611-614.

Backes MTS, Rosa LM, Fernandes GCM, Becker SG, Meirelles BHS, Santos SMA. Conceitos de Saúde e Doença ao Longo da História sob o Olhar Epidemiológico e Antropológico. Rev. enferm. 2009; 17(1):111-117.

Dallari SG. O Direito à Saúde. Revista Saúde Pública 1988; 22(1):57-63.

Araújo JS, Xavier MP. O conceito de saúde e os modelos de assistência: considerações e perspectivas em mudança. Revista Saúde em Foco. 2014; 10: 117-149.

Fonseca AF, Corbo AA. O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: Fiocruz/EPSJV; 2007.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado; 1988.

Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília (Brasil): Centro de Documentação do Ministério da Saúde; 1986. 17-21.

Ribeiro SM, Bógus CM, Watanabe HAW. Agricultura urbana agroecológica na perspectiva da promoção da saúde. Saúde e soc. 2015; 24(2): 730-743.

Malta DC et al. Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): capítulos de uma caminhada ainda em construção. Ciência e Saúde. 2016; 21(6):1683-1694.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, 2013.

Heidmann ITSB, Almeida MCP, Boebs AE, Wosny AM, Monticelli M. Promoção à saúde: trajetória histórica de suas concepções. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(2):352-358.

Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bógus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciência e Saúde. 2015; 20(10):3099-3110.

Castro A, Malo M. SUS: resignificando a promoção da saúde. São Paulo: Hucitec/OPAS, 2006.

Ell E, Oliveira DS, Nazareno ER, Brandenburg A. Concepções de agricultores ecológicos do Paraná sobre alimentação saudável. Rev. Saúde Pública. 2012; 46(2): 218-225.

Azevedo E de. Reflexões sobre riscos e o papel da ciência na construção do conceito de alimentação saudável. Rev. Nutr. 2008; 21(6):717-723.

Pinheiro, ARO. A alimentação saudável e a promoção da saúde no contexto de segurança alimentar e nutricional. Saúde Pública, Periódico. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, CEBES CDD. 2005; 29(70): 125-139.

Azevedo, Elaine de, Ribas MTGO. Estamos seguros? Reflexões sobre indicadores de avaliação da segurança alimentar e nutricional. Rev. Nutr. 2016; 29(2):241-251.

Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção Básica.Guia alimentar para a população brasileira. Brasília (Brasil): Ministério da saúde, 2014.

Wolff AC. Direito à soberania alimentar e ao patrimônio cultural: perspectivas para uma alimentação identitária [dissertação]. França: Universidade Estadual Paulista, 2015.

Maciel ME. Identidade Cultural e Alimentação. In: Canesqui AM, Garcia RWD. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. 48-54. Antropologia e Saúde collection. Available from SciELO Books.

Antonini BO. A Gastronomia típica da Ilha de Santa Catarina: Um elemento de importância para o turismo cultural. Balneário Camboriú. Dissertação [Mestrado em Turismo e Hotelaria] – Universidade do Vale do Itajaí, 2003.

Assis MAA, Kazapi IIAM, Grillo EF. Dieta do Atlântico Sul. Uma proposta de União entre a Gastronomia e a Nutrição. Rev Nutri Pauta. São Paulo. 2003; 60:34-39.

Pessoa CC, Souza M de, Schuch I. Agricultura urbana e Segurança Alimentar: estudo no município de Santa Maria - RS. Seg Alim e Nutri. 2006; 13(1):23-37.

Belik W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde e Sociedade.2003; 12(1):12-20.

Fonseca AB, Souza TSN de, Frozi DS, Pereira RA. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições sócio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(9):3853-3862.

Paula BMD, Glória MBD, Lovo IC, Filho JDL. Agricultura urbana como ferramenta de promoção à Segurança Alimentar e Nutricional: Impacto no abastecimento de alimentos e hábitos alimentares.

Carneiro MFB, Pereira LAG, Gonçalves TM. Agricultura Urbana e Segurança Alimentar no Brasil: desafios e perspectivas. Ver Des Social. 2016; 10(1):51-61.

Wilkinson J. Os gigantes da indústria alimentar entre a grande distribuição e os novos clusters a montante. Estudos, Sociedade e Agricultura. 2002; 18:147-174.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008- 2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

Santelle O. Antropologia e alimentação. Saúde Coletiva. 2008; 5(26): 231.

Daniel JMP, Cravo VZ. Valor social e cultural da alimentação. In: Canesqui AM, Garcia RWD. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. 48-54. Antropologia e Saúde collection. Available from SciELO Books.

Moreira SA. Alimentação e comensalidade: aspectos históricos e antropológicos. Cienc. Cult. 2010; 62(4): 23-26.

Fonseca AB, Souza TSN de, Frozi DS, Pereira RA. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições sócio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(9):3853-3862.

Hernández JC. Patrimônio e Globalização: o caso das culturas alimentares.In: Canesqui, AM, Garcia RWD. Antropologia e nutrição: um diálogo possível [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.129-145. Antropologia e Saúde collection. Available from SciELO Books.

Gomes jr NN, Junior ALY OA. Soberania Alimentar e Agronegócio: Notas Além da Porteira. Retratos de Assentamentos. 2016; 18(2): 305-319.

Oliveira SP de, Muniz LB, Marlière CA, Freitas SN, Fonseca KZ, Carvalho LR, Cancho VG. Hábitos de compra de alimentos da população de Ouro Preto (Minas Gerais). Segurança Alimentar e Nutricional. 2005; 12(1):1-9.

Bezerra IN, Moreira TMV, Cavalcante JB, Souza AM, Sichieri R. Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Rev Saúde Pública. 2017; 51(15):1-8.

Maciel KF. O pensamento de Paulo Freire na trajetória da educação popular. Educação em Perspectiva. 2011; 2(2):326-344.

Mattos C, Mendonça MM de, Maselli M, Deprá RLSN. Panorama da agricultura urbana e a construção de políticas públicas no Brasil. Advir. 2015; 7: 7-17.

Vasconcelos EM. Educação Popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. Rev. Saúde Coletiva. 2004; 14(1):67- 83.

Bassul JB. Reforma urbana e Estatuto da Cidade. EURE. 2002; 28(84); 133-144.

O’Reilly EM.Agricultura Urbana – Um estudo de caso do projeto hortas cariocas em manguinhos (projeto de graduação). Rio de Janeiro: UFRJ – Escola Politécnica, 2014.

Branco MC, Alcântara FA de. Hortas urbanas e periurbanas: o que nos diz a literatura brasileira? Hortic bras. 2011; 29(3):421-428.

Mota JP, Ribas C, Rodrigues RG, Freddi SM, Behling EE, Castro AW. Agricultura Urbana para além do potencial produtivo: relato de experiência sobre o território norte e nordeste de Santa Catarina. Cadernos de Agroecologia. 2013; 8(2):1-4.

Mougeot LJA. Agricultura Urbana – conceito e definição. In Revista Agricultura Urbana. 2000 [citado em 2017 abr]; 1. Disponível em: http://agriculturaurbana.org.br/RAU/AU01/AU1conceito.html.

Aquino AM de, Assis RL de. Agricultura orgânica em áreas urbanas e periurbanas com base na agroecologia. Ambient. soc. 2007; 10(1):137-150.

Altieri M. Agroecologia: a dinâmica produtiva de agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

Abreu MJ. Gestão comunitária de resíduos orgânicos: o caso do Projeto Revolução dos Baldinhos (PRB), Capital Social e Agricultura Urbana. 182 f. Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós-graduação em Agroecossistemas, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

Downloads

Publicado

2019-12-02

Como Citar

SANTOS, M. dos; MACHADO, M. C. M. Agricultura Urbana e Periurbana: segurança alimentar e nutricional, comportamento alimentar e transformações sociais em uma horta comunitária. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 27, p. e020010, 2019. DOI: 10.20396/san.v27i0.8650689. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8650689. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais