Percepções de técnicos e conselheiros sobre segurança alimentar e nutricional - SAN em municípios da Região Administrativa Central do estado de São Paulo

Palavras-chave: Percepção sobre segurança alimentar. Conselhos de políticas públicas.

Resumo

O objetivo do trabalho é identificar percepções de técnicos e conselheiros de Segurança Alimentar e Nutricional - SAN de municípios da CRSANS (Comissão Regional de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável) Central do estado de São Paulo sobre a implantação e manutenção de sistemas locais de SAN. Foram utilizadas fontes secundárias oficiais de dados e entrevistados técnicos e conselheiros. As entrevistas foram estruturadas e analisadas pelo método do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) para pesquisas de atribuição social de sentido com base em depoimentos. Foram buscados conhecimentos, práticas e valores sobre ações de SAN, função do Conselho, atuação de conselheiros e diretrizes para garantia do DHAA (Direito Humano à Alimentação Adequada). Foram apuradas percepções sobre: restrição da função de conselheiro à participação em reuniões; privilégio de ações de acesso a alimentos e refeições, com indicação de ampliação do atendimento; fiscalização buscando maior eficiência como principal papel do Conselho; necessidade de conscientização de todos sobre importância para garantia de SAN e de ações de capacitação para conselheiros e população; necessidade de reforço do papel propositivo, deliberativo e de controle social do conselho sobre ações de governo e de reavaliação da composição dos conselhos para aumento da representatividade dos interesses sociais. O Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de São Paulo (CONSEA-SP) vem estimulando municípios para a criação de estruturas legais, adoção de políticas de SAN e adesão ao Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Sylvia Carvalho de Barros, Centro Universitário Central Paulista
Doutora e Mestre em Alimentos e Nutrição pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista; Especialista em Saúde Pública.
Vera Mariza Henriques de Miranda Costa, Universidade de Araraquara
Doutorado em Economia e livre-docência em Economia Brasileira pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

Teixeira E. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade [Internet]. 2002. [acesso em 28 jan 2018]. Disponível em: http://www.dhnet.org.br

Höfling E. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos CEDES. 2001;21(55):30-41.

Souza C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. 2006;(16):20-45.

Kraft M, Furlong S. Public policy: politics, analysis, and alternatives. 4th ed. Los Angeles: SagePublications;2013.

Faria C. Ideias, conhecimento e políticas públicas: um inventário sucinto das principais vertentes analíticas recentes. Rev. Bras. Ciências Sociais. 2003;18(51):21-29.

Paulillo L, Almeida L. Redes de segurança alimentar e agricultura familiar: a merenda escolar como instrumento de desenvolvimento local. Segur. Aliment. Nutr. 2005;12(1):26-44.

Brasil. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 15 set 2006.

Anjos L, Burlandy L. Construção do conhecimento e formulação de políticas públicas no Brasil na área de segurança alimentar. Ciênc. Saúde Coletiva. 2010;15(1):19-22.

Prado S, Gugelmin S, Mattos R, Silva J, Olivares P. A pesquisa sobre segurança alimentar e nutricional no Brasil de 2000 a 2005: tendências e desafios. Ciênc. Saúde Coletiva. 2010;15(1):7-18.

Burlandy L, Burlandy B, Maluf R. Construção e promoção de sistemas locais de segurança alimentar e nutricional: aspectos produtivos, de consumo, nutricional e de políticas públicas [Internet]. [acesso em 15 jun 2016]. Rio de Janeiro: Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional; 2006. Disponível em: http://r1.ufrrj.br/cpda/ceresan/docs/relatoriotecnico3.pdf

Lefèvre F, Lefèvre A. O sujeito coletivo que fala. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2006;10(20):517-524.

Lefrève F, Lefèvre A. Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo. Brasília: Liberlivro; 2010.

Moscovici S. Representaç̧õessociais. Petrópolis: Vozes; 2009.

Sanoff H. School building assessment methods. Washington, DC: National Clearinghouse for Educational Facilities; 2001.

Machado E, Silva H, Flemming L, Cavalcanti P, Azevedo G, Rheingantz P. Uma reflexão sobre métodos utilizados em apo: estudo de caso da Creche Edson Luiz – RJ. [Internet]. Fortaleza: XII Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído; 2008 [acesso em 28 jan 2018]. Disponível em: http://www.infohab.org.br/entac2014/2008/artigos/A1733.pdf

Brasileiro A, Dezan M, Rheingantz P, Duarte C. Avaliação de desempenho das instalações internas do PROARQ utilizando wishpoem. Cd-Rom. São Paulo: NUTAU; 2004.

Nahra CML, Bragaglia M. A representação do executivo municipal nos conselhos gestores de políticas públicas [Internet]. 2007. [acesso em 17 fev 2007]. Porto Alegre; 2007. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/observatorio/usu_doc/executivo_conselhos.pdf

Wendhausen ÁLP, Barbosa TM, Borba MC de. Empowerment and resources for participation in management councils. Saúde Soc. 2006;15(3):131–44.

Carneiro CBL. Conselhos de políticas públicas: desafios para sua institucionalização. Rev. Adm. Pública. 2002;36(2):277-292.

Siqueira RL, Fonseca DA, Viana MN, Junqueira TS, Ribeiro RCL, Cotta RMM. Conselho de segurança alimentar e nutricional: análise do controle social sobre a política estadual de segurança alimentar e nutricional no Estado do Espírito Santo. Saúde Soc. 2011;20(2):470–82.

RedeSAN – PROJETO REDEgenteSAN – FAURGS/MDS [Internet]. 2017 [acesso em 18 jan 2018]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/redesan

RedeSANS – Rede de defesa e promoção da alimentação saudável, adequada e solidária [Internet]. 2017 [acesso em 18 jan 2018]. Disponível em: http://redesans.com.br

Bandeira PS, Aplicada IPE. Participação, articulação de atores sociais e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 1999.

Monnerat GL, Souza RG. Política social e intersetorialidade: consensos teóricos e desafios práticos. Rev SER Soc. 2010;12(26):200–20.

Segall-Corrêa AM, Marin-Leon L. Food security in Brazil: the proposal and application of the Brazilian Food Insecurity Scale from 2003 to 2009. Segur. Aliment. Nutr. 2009;16(2):1–19.

Monteiro CA. Segurança alimentar e nutrição no Brasil. Saúde no Brasil – Contribuições para Agenda de Prioridades de Pesquisa. Brasília(DF): MS; 2004.

Rocha NC, Doria NG, Boia JM, Bógus CM. Organização e dinâmica do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo: implicações para a sua atuação na construção da política municipal de Segurança Alimentar e Nutricional. Rev. Nutr. 2012;25(1):133–46.

Oliveira PC, Carvalho P. A intencionalidade da consciência no processo educativo segundo Paulo Freire. Paidéia. 2007;17(37):219–30.

Publicado
2019-02-18
Como Citar
Barros, M. S. C. de, & Costa, V. M. H. de M. (2019). Percepções de técnicos e conselheiros sobre segurança alimentar e nutricional - SAN em municípios da Região Administrativa Central do estado de São Paulo. Segurança Alimentar E Nutricional, 26, e019002. https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8652558
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)