Banner Portal
Efeito da lei do Programa Nacional de Alimentação Escolar na qualidade nutricional dos cardápios escolares
PDF

Palavras-chave

Alimentação escolar
Planejamento de cardápios
Avaliação de programas
Programas e políticas em nutrição
Indicadores.

Como Citar

BICALHO, Daniela; VILLAR, Betzabeth Slater. Efeito da lei do Programa Nacional de Alimentação Escolar na qualidade nutricional dos cardápios escolares. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 26, p. e019030, 2019. DOI: 10.20396/san.v26i0.8655583. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8655583. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Avaliar o efeito da implementação do artigo 14 da Lei Federal 11.947/09 na qualidade nutricional dos cardápios do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Trata-se de estudo transversal, com base na tríade de avaliação Estrutura – Processo – Resultado e elaboração de matriz avaliativa, conduzido no ano de 2013. Trinta e oito municípios do estado de São Paulo foram divididos em dois grupos: os que adquirem gêneros da agricultura familiar e os que não adquirem. A coleta de dados foi realizada por meio dos cardápios escolares e de um questionário estruturado com nutricionistas. Os alimentos dos cardápios foram analisados segundo critérios da Nova e a qualidade nutricional foi avaliada conforme os parâmetros da legislação vigente. Foram utilizadas estatística descritiva e teste exato de Fischer para análise de associação. Vinte e cinco municípios adquiriam alimentos da agricultura familiar e 18 não implementaram as compras. Os municípios que compraram alimentos dos agricultores familiares tiveram maior prevalência de cozinheiros escolares em número suficiente e realizaram ações de apoio com os agricultores familiares da região (p >0,05). A maioria das cidades atenderam a legislação vigente quanto a oferta mínima de frutas ou hortaliças e máxima de doces, embora a participação média de alimentos ultraprocessados seja elevada em ambos os grupos. O marco legal apresenta lacunas quanto a definição dos alimentos que devem compor os cardápios escolares, sendo permissivo quanto ao uso de alimentos de maior nível de processamento. As fragilidades da legislação para a aquisição de alimentos da agricultura familiar devem ser exploradas para promover cardápios escolares de melhor qualidade nutricional.

https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8655583
PDF

Referências

Siqueira RL, Cotta RMM, Ribeiro RCL, Sperandio N, Priore SE. Análise da incorporação da perspectiva do Direito Humano à Alimentação Adequada no desenho institucional do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciência & Saúde Coletiva [internet]. 2014 [acesso em 2017 fev 07];19(1):301-310. https://doi.org/10.1590/1413-81232014191.2114.

Libermann AP, Bertolini GRF. Tendências de pesquisa em políticas públicas: uma avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Ciência & Saúde Coletiva [internet]. 2015 [acesso em 2017 jan 15];20(11):3533-3546. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.16822014.

Peixinho AML. A trajetória do Programa Nacional de Alimentação Escolar no período de 2003-2010: relato do gestor nacional. Ciênc. Saúde Coletiva [internet]. 2013 [acesso em 2017 fev 06]; 18(4)909-916. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400002.

Brasil. Presidência da República. Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 16 jun 2009.

NDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução/CD/ FNDE no 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar –PNAE. FNDE; 2013.

Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura. Agricultura familiar en América Latina y el Caribe: recomendaciones de política. Santiago: Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura; 2014.

Brasil. Presidência da República. Decreto no 7.272, de 25 de agosto de 2010. Regulamenta a Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas à assegurar o direito humano à alimentação adequada, institui a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – PNSAN, estabelece os parâmetros para a elaboração do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 25 ago 2010.

Souza AA de, Silva APF da, Azevedo E de, Ramos MO. Cardápios e sustentabilidade: ensaio sobre as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Rev. Nutr. [internet]. 2015 [acesso em 2016 ago 17]; 28(2):217-229. https://doi.org/10.1590/1415-52732015000200010.

Chaves LG, Mendes PNR, Brito RR, Botelho RBA. O programa nacional de alimentação escolar como promotor de hábitos alimentares regionais. Rev Nutr. [internet]. 2009 [acesso em 2016 nov 20]; 22(6):857-66. https://doi.org/10.1590/S1415-52732009000600007.

Hawkes C, Brazil BG, Castro IRR de, Jaime P C. How to engage across sectors: lessons from agriculture and nutrition in the Brazilian School Feeding Program. Rev. Saúde Pública [internet]. 2016; [acesso em 2017 jan 20]; 50(47). https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006506.

Donabedian A. The seven pillars of quality. Arch Pathol Lab Med. 1990;114:1115-1118.

Santos SMC, Santos LMP. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome. 1 – Abordagem metodológica. Cad Saúde Pública [internet]. 2007; [acesso em 2016 mar 23]; 23:1029-40. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000500005.

Brasil. Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Tanaka OY, Melo C. Avaliação de Programas de Saúde: um modo de fazer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 2001.

Monteiro CA, Cannon G, Levy RB, Moubarac JC, Jaime PC, Martins AP, et al. NOVA. A estrela brilha. Classificação dos alimentos. Saúde Pública. World Nutrition. Janeiro-Março. 2016; 7(1-3):28-40.

Fisberg RM, Villar BS. Manual de Receitas e Medidas Caseiras para Cálculo de Inquéritos Alimentares. São Paulo: Signus; 2002.

IDHM – Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil [internet] 2013 [acesso em 2018 ago 22]. Disponivel em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/o_atlas/idhm.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [internet]. 2018 [acesso em 2018 jul 20]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php.

Costa BAL, Amorim Junior PCG, Silva MG. As cooperativas de agricultura familiar e o mercado de compras governamentais em Minas Gerais. Revista de Economia Sociologia Rural [internet]. 2015 [acesso em 2017 fev 10]; 53:109-126. http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-9479005301006.

Villar BS, Schwartzman F, Januario BL, Ramos JF. Situação dos municípios do estado de São Paulo com relação à compra direta de produtos da agricultura familiar. Rev Bras Epidemiol [internet]. 2013 [acesso em 2016 jun 10]; 16(1):223-226. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000100021.

Soares P, Martinelli SS, Melgarejo L, Davó-Blanes MC, Cavalli SB. Potencialidades e dificuldades para o abastecimento da alimentação escolar mediante a aquisição de alimentos da agricultura familiar em um município brasileiro. Ciênc. Saúde Coletiva [internet]. 2015 [acesso em 2018 mai 11]; 20(6):1891-1900. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.16972014.

Schwartzman F, Mora CAR, Bogus CM, Villar BS. Antecedentes e elementos da vinculação do programa de alimentação escolar do Brasil com a agricultura familiar. Cad. Saúde Pública [internet]. 2017 [acesso em 2018 abr 25]; 33(12):e00099816. http://dx.doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00099816.

Saraiva EB, Silva APF, Sousa AA, Cerqueira GF, Chagas CMS, Toral N. Panorama da compra de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Cien Saúde Coletiva [internet]. 2013 [acesso em 2016 out 08]; 18,927-936. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400004.

Tanaka OY, Ribeiro EL, Almeida CL de. Avaliação em saúde: contribuições para a incorporação no cotidiano. São Paulo: Atheneu Editora; 2017.

Triches RM, Schneider S. Alimentação escolar e agricultura familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde Soc [internet]. 2010 [acesso em 2017 jan 10];19(4):933-945. http://dx.doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000400019.

Souza-Esquerdo VF de, Bergamasco SMPP. Análise sobre o acesso aos programas de políticas públicas da agricultura familiar nos municípios do circuito das frutas (SP). Revista de Economia e Sociologia Rural [internet]. 2014 [acesso em 2018 jun 15];52(1),205-222. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032014000600011.

Belik W, Domene SMA. Experiências de programas combinados de alimentação escolar e desenvolvimento local em São Paulo. Agroalimentaria [internet]. 2012 [acesso em 2016 dez 05];18,57-72. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152011.16822014.

Teo CRPA, Monteiro CA. Marco legal do Programa Nacional de Alimentação Escolar: uma releitura para alinhar propósitos e práticas na aquisição de alimentos. Rev. Nutr. [internet]. 2012 [acesso em 2016 dez 05];25(5):657-668. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732012000500010.

Hawkes C, Smith TG, Jewel J et al. Smart food policies for obesity prevention. Lancet [internet]. 2015; [acesso em 2016 out 20];385,2410-2421. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61745-1.

Gabriel CG, Costa L da CF, Calvo MCM, Vasconcelos F de AG de. Planejamento de cardápios para escolas públicas municipais: reflexão e ilustração desse processo em duas capitais brasileiras. Rev. Nutr. 2012;25(3):363-372.

Coimbra M, Meira JFP, Starling MBL. Comer e aprender: uma história da alimentação escolar no Brasil. Belo Horizonte: MEC/INAE; 1982.

L'Abbate S. As políticas de alimentação e nutrição no Brasil: I. Período de 1940 a 1964. Rev Nutr. 1988;1(2)87-138.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, et al. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr [internet]. 2011 [acesso em 2016 dez 05]; 14(1):5-13. https://doi.org/10.1017/S1368980010003241.

Bielemann, RM Motta, JVS Minten GC, et al. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Rev Saúde Pública [internet]. 2015 [acesso em 2018 ago 09]; 49(28):1-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005572.

Barcelos GT, Rauber F, Vitolo, MR. Produtos processados e ultraprocessados e ingestão de nutrientes em crianças. Revista Ciência & Saúde. 2014;7(3):155-161.

Costa C dos S, Flores TR, Wendt A, et al. Comportamento sedentário e consumo de alimentos ultraprocessados entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015. Cad. Saúde Pública [internet]. 2018 [acesso em 2019 jan 04];34(3). https://doi.org/10.1590/0102-311X00021017.

A revista Segurança Alimentar e Nutricional utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.