Cadeia de alimentos de origem animal no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

um estudo de caso em um município do interior Paulista

  • Morgana Aparecida Paris Baston Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto https://orcid.org/0000-0002-3615-7726
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
  • César Gonçalves de Lima Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Alimentação escolar, alimentos, origem animal

Resumo

O objetivo da pesquisa foi analisar as etapas de compra, armazenamento e distribuição dos alimentos de origem animal, destinados à alimentação escolar do município de Piracicaba, estado de São Paulo, de forma a identificar possíveis impasses que possam comprometer a qualidade desses produtos. Utilizou-se questionários semiestruturados direcionados à Gerente e Nutricionista responsáveis pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar- PNAE, fornecedores dos alimentos de origem animal e merendeiros(as), além de informações contidas nos editais licitatórios para compra desses alimentos entre os anos de 2014 a 2017. Os resultados revelaram dificuldades no descritivo dos produtos, no atendimento as regras dos procedimentos licitatórios e na elaboração dos padrões de qualidade. Houve problemas com os fornecedores referentes a troca ou reposição de produtos, o não cumprimento das datas e das quantidades solicitadas e a ocorrência de entrega de produtos com qualidade sensorial inadequada. Constatou-se a necessidade de munir as unidades escolares com termômetros do tipo infravermelho. Os(as) merendeiros(as) devem ser responsáveis pela correta conferência dos alimentos, verificar a integridade das embalagens e observar o asseio dos entregadores e veículos. Implantar processos padronizados para recusa dos alimentos no ato da entrega nas escolas é necessário, pois foram verificadas algumas discrepâncias dos procedimentos realizados. Também foram apurados problemas relativos ao armazenamento de alimentos de origem animal nas câmaras frias. A revisão dos processos de elaboração dos editais de licitação e suas cláusulas, referentes a penalidades administrativas e análises sensoriais, bem como disponibilizar termômetros para a aferição e registro das temperaturas e a padronização de ações no tocante à recusa de produtos, podem contribuir para a manutenção de padrões de qualidade satisfatórios da alimentação escolar do município analisado

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Morgana Aparecida Paris Baston, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto

Nutricionista, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto

Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo

Atualmente é professora doutora da Universidade de São Paulo

César Gonçalves de Lima, Universidade de São Paulo

Docente da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da Universidade de São Paulo

Referências

[1] BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Brasília: Diário Oficial da União. 17 jun 2013.
[2] Santana TCM. Formação do nutricionista atuante no Programa Nacional de Alimentação Escolar: Um estudo transversal sobre perfil profissional, trajetória de formação e demandas de aprimoramento. São Paulo. Dissertação [Mestrado em Ciências da Saúde]- Universidade Federal de São Paulo; 2011.

[3] Minitab 18.1 Statistical Software (2017). [Computer software]. State College, PA: Minitab, Inc.

[4] BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 69, de 13 de dezembro de 2006. Instituir critério de avaliação da qualidade do leite in natura, concentrado e em pó, reconstituídos, com base no método analítico oficial físico-químico denominado “Índice CMP”, de que trata a Instrução Normativa n. 68, de 12 de dezembro de 2006. Brasília, Diário Oficial da União. 15 dez 2006.

[5] Robim MS. et al. Pesquisa de fraude no leite uat integral comercializado no estado do rio de janeiro e comparação entre os métodos de análises fisicoquímicas oficiais e o metódo de ultrassom. Rev Inst Latic “Cândido Tostes”. 2012:67(389):43-50. Disponível em:< https://www.revistadoilct.com.br/rilct/article/view/225/235>.


[6] TABELA Brasileira de Composição de Alimentos - TACO. 4. ed. rev. amp. Campinas: UNICAMP, 2011. 161 p.

[7] Mesquita MO, Fries LLM, Valente T. Safety criteria for the acquisition of meat in Brazilian University restaurants. Food Science and Technology, Campinas. 2014:34(1):102-109. Disponível em: .

[8] SÃO PAULO (Estado). Centro Vigilância Sanitária. Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013. Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Disponível em: .

[9] Monteiro CC, Costa RR., Braga ALM. Capacitação de merendeiras da rede pública do município de Puxinanã-PB. In: 16 SAFETY, HEALTH AND ENVIRONMENT WORLD CONGRESS; 2016, Salvador. Bahia. Disponível em: .

[10] Silva VB, Cardoso RCV. Controle da qualidade higiênico-sanitária na recepção e no armazenamento de alimentos: um estudo em escolas públicas municipais de Salvador, Bahia. Rev Segurança Alimentar e Nutricional. 2011:18(2)43-57. Disponível em: .
Publicado
2019-11-19
Como Citar
Baston, M. A. P., Silva, M. V. da, & Lima, C. G. de. (2019). Cadeia de alimentos de origem animal no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Segurança Alimentar E Nutricional, 27, e020004. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8656054
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>