Consumo alimentar e uso de frutos do Cerrado em comunidades quilombolas de Goiás

Autores

  • Thaís Cristina Borges Universidade Federal de Goiás https://orcid.org/0000-0002-0812-8186
  • Priscila Olin Silva Universidade Federal de Goiás
  • Raquel de Andrade Cardoso Santiago Universidade Federal de Goiás
  • Estelamaris Tronco Monego Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8657920

Palavras-chave:

Biodiversidade, Cerrado, Grupos étnicos

Resumo

Os objetivos deste estudo foram explorar o consumo qualitativo de alimentos e investigar o uso de frutas nativas do Cerrado brasileiro por comunidades quilombolas de Goiás, Brasil. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas com líderes de comunidades que participaram do I Encontro de Saúde e Qualidade de Vida das Comunidades Quilombola de Goiás. Nas entrevistas, foi identificado um consumo alimentar restrito aos itens básicos com presença recorrente de arroz, abóbora, batata, quiabo, banana, mandioca, milho, feijão, gergelim, amendoim e óleo de mamona na dieta usual. Identificou-se a presença dos frutos do Cerrado em doces, licores, enlatados e em algumas receitas salgadas, sendo os principais, pequi, mangaba, baru, jatobá e cagaita. Observou-se uma redução no consumo de diversas frutas nativas, mas ao mesmo tempo, identificou-se que há um reconhecimento pelas comunidades em relação à importância do uso e preservação desses alimentos e das práticas alimentares quilombolas. Reforça-se a importância de ações de resgate e valorização da cultura alimentar quilombola, que dialoguem com a segurança alimentar e nutricional e com o desenvolvimento local das comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Cristina Borges, Universidade Federal de Goiás

Departamento de Nutrição

Priscila Olin Silva, Universidade Federal de Goiás

Departamento de Nutrição

Raquel de Andrade Cardoso Santiago, Universidade Federal de Goiás

Departamento de Nutrição

Estelamaris Tronco Monego, Universidade Federal de Goiás

Departamento de Nutrição

Referências

Brasil. Decreto no 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Contitucionais Transitórias. Diário Oficial da União; 2003.

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Quilombolas [Internet]. 2019 [access in 2020 mai 20]. Available in: http://www.incra.gov.br/pt/quilombolas.html.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado; 1988.

Vaz BC. Quilombos: Dicionário IPHAN de patrimônio cultural. 2 ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc; 2016.

FCP – Fundação Cultural Palmares. Quadro geral de comunidades remanescentes de quilombos (CRQs). Brasília: FCP; 2018.

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Regularização do território quilombola. Perguntas e respostas [Internet]. 2017 [access in 2020 mai 20]. Available in: http://www.incra.gov.br/sites/default/files/incra-perguntasrespostas-a4.pdf.

FCP – Fundação Cultural Palmares. Fundação Cultural Palmares certifica mais 10 comunidades quilombolas de Goiás. Brasília: FCP; 2017.

Bezerra VM, Medeiros DS, Gomes KO, Souzas R, Giatti L, Steffens AP et al. Inquérito de Saúde em Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Cienc e Saude Coletiva. 2014; 19(6):1835-1847.

Freitas DA, Caballero AD, Marques AS, Hernández CIV, Antunes SLNO. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura – Health and quilombolas communities. Rev CEFAC. 2011; 13(5):937-943.

Pinto AR, Borges JC, Novo MP, Pires PS. Quilombos do Brasil: Segurança Alimentar e Nutricional em Territórios Titulados. Cad Estud Desenvolv Soc em Debate. 2014; 26(17):4-66.

Brasil. Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN, com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União; 2006.

Gubert MB, Segall-Corrêa AM, Spaniol AM, Pedroso J, Coelho SEAC, Pérez-Escamilla R. Household food insecurity in black-slaves descendant communities in Brazil: has the legacy of slavery truly ended? Public Health Nutr. 2017; 20(8):1513-1522.

Sousa LRM, Segall-Corrêa AM, Ville AS, Melgar-Quiñonez H. Food security status in times of financial and political crisis in Brazil. Cad Saude Publica. 2019; 35(7):1-13.

Maciel RA, Contreras J, Gracia M. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011.

Santos A. O sabor da história: práticas alimentares e identidade quilombola. Rev Intratextos. 2012; 3(1):54-71.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial. Brasília: MMA; 2018.

Santiago RAC; Monego ET; Assis JN, Zago MFC. Alimentação saudável na culinária regional. Goiânia: Índice Editora; 2012.

Kuwae CA, Monego ET, Fernandes JA. (Trans)Formações de Hábitos Alimentares dos Goianos. Nutr e Saúde. 2009; 4(1):33-41.

Ortencio B. Cozinha goiana. Goiânia: Editora Oriente; 2008.

Sá MLB. Saberes e práticas alimentares em uma comunidade quilombola no Ceará. [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Pinto LCL, Morais LMO, Guimarães AQ, Almada ED, Barbosa PM, Drumond MA. Conhecimento tradicional e usos de Caryocar brasiliense Cambess. (Pequi) por quilombolas de Minas Gerais, Brasil: Subsídios para o manejo sustentável. Brazilian J Biol. 2016; 76(2):511-509.

Lahsen M, Bustamante MMC, Dalla-Nora EL. Undervaluing and overexploiting the Brazilian Cerrado at our peril. Environment. 2016; 58(6):4-15.

Souza LB, Chaveiro EF. Território, ambiente e modos de vida: conflitos entre o agronegócio e a Comunidade Quilombola de Morro de São João, Tocantins. Soc Nat. 2019; 31(1):1-25.

Silva ARF. Políticas públicas para comunidades quilombolas: uma luta em construção. Rev Ciências Sociais – Política Trab. 2018; 1(48):115.

Souza SC, Brandão AAP. Remnants of Quilombo communities Mucuri Valley: a tangle of meanings in the identity building process. Soc em Questão. 2017; 37:109-136.

Lucena CSS, Lima FES, Pereira CS. A agricultura familiar na comunidade quilombola do pêga, em Portalegre – RN. GEO Jemas. 2016; 51-66.

Diegues AC, Arruda RSV, Silva VCF, Figols FAB, Andrade D. Biodiversidade e comunidades tradicionais do Brasil. São Paulo: MMA; 2000.

Downloads

Publicado

2021-04-27

Como Citar

1.
Borges TC, Silva PO, Santiago R de AC, Monego ET. Consumo alimentar e uso de frutos do Cerrado em comunidades quilombolas de Goiás. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 27º de abril de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];28(00):e021022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8657920

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)