Avaliação microscópica de amostras comerciais de café

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v27i0.8658921

Palavras-chave:

Café, Qualidade, Adulterações, Microscopia alimentar

Resumo

Neste trabalho objetivou-se avaliar a qualidade de amostras comerciais de café, através da caracterização microscópica e detecção gravimétrica de possíveis sujidades e adulterantes. As amostras comerciais de café, pertencentes a quatro marcas distintas, foram adquiridas comercialmente e analisadas em triplicatas. Neste estudo, as análises microscópicas realizaram-se usando microscópio estereoscópico e fotônico, seguindo-se a metodologia usual. Também se realizaram análises por microscopia eletrônica de varredura (MEV) com detecção de elementos químicos por dispersão de raio-X (EDS) acoplado. A quantificação de cascas e paus foi feita por análise gravimétrica, seguindo-se a metodologia da Fundação Ezequiel Dias (MG). Em todas as marcas identificaram-se fragmentos vegetais indesejáveis, como cascas e paus do próprio cafeeiro e sujidades consideradas sem risco à saúde humana. Na análise gravimétrica, quantificaram-se fragmentos de cascas e paus do próprio cafeeiro em três das quatro marcas analisadas. Na análise por MEV/EDS para identificação da presença de possíveis fragmentos metálicos, as quatro marcas apresentaram a presença principalmente de partículas de ferro, além de outros metais em menor proporção. Conclui-se, assim, que todas as marcas apresentaram inconformidades quanto à presença de adulterantes, segundo o programa do selo ABIC, entretanto, estão em conformidade com a legislação vigente por não apresentarem risco à saúde humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadinne Medeiros Assis, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Bacharel em Química.

Carlos Alexandre Marques, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Prof. D.Sc. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.

Michelle Costa da Silva, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Professora do Instituto Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Oliveira IP de, Oliveira LC, Moura CSF de. Cultura de café: Histórico, Classificação Botânica e Fases de Crescimento. Rev. Fac. Montes Belos. 2012; 5(4):17–32.

Melo WLB. A Importância da Informação Sobre do Grau de Torra do Café e Sua Influência nas Características Organolépticas da Bebida. Comunicado Técnico Embrapa 58 [Internet]. São Carlos, 2004;1–4. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPDIA/10452/1/CT58_2004.pdf. Acesso em 27 out 2017.

Sarrazin C, Le Quéré JL, Gretsch C, Liardon R. Representativeness of coffee aroma extracts: A comparison of different extraction methods. Food Chem. 2000;70(1):99–106.

Camargo MB, Salva TJG. Influência do Clima na Produtividade de Grãos e na Qualidade da Bebida do Café. In: Cafés Qual Asp tecnológicos, científicos e Comer. Campinas, 2007;324–30.

Vitorino MD, Franca AS, Oliveira LS, Andrade FM. Variação de características físicas e químicas de café arábica durante a torra parte II: características químicas. II Simp. Pesq. dos cafés do Bras [Internet]. 2001;1596–604. Acesso em 27 out 2017.

. Fontes EAF, Fontes PR. Microscopia de Alimentos: Fundamentos Teóricos. Viçosa: Ed. UFV; 2005.

Matos EC, Matozinhos FCL, Sampaio ME, Valenzuelo VCT, Moreira WA, Costa CR, Nascimento RP do. Atlas de Microscopia: Café torrado e Moído (Coffea sp). Fundação Ezequiel Dias (FUNED). 2012

INMETRO. Café Torrado e Moído [Internet]. 2017. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/cafe.asp. Acesso em 28 out 2017.

Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC. Regulamento do Programa Permanente de Controle da Pureza do Café [Internet]. 2017. Disponível em: http://abic.com.br/certificacao/pureza/regulamento. Acesso em 28 out 2017.

Miya EE, Shirose I. Fraudes de café e influência na qualidade da bebida. Bol do Inst Tecnol Aliment. 1977;49:123–49.

Vegro CLR. Programa de autofiscalização da ABIC: a trajetória do selo de pureza do café. Informações Econômicas. 1993;23(12):31-39.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 14, de 28 de março de 2014 [Internet]. Dispõe sobre “Matérias Estranhas Macroscópicas e Microscópicas em Alimentos e Bebidas”, seus limites de tolerância e dá outras providências. Diário Oficial da União no 61, Brasília, 31 mar. 2014. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/legislacao#/visualizar/2918.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil. Instrução Normativa no 16 de 24 de maio de 2010. “Estabelece o Regulamento Técnico para o Café Torradoem Grão e Café Torrado e Moído, definindo o seu padrão oficialde classificação, com os requisitos de identidade e qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem na formados Anexos à presente Instrução Normativa.” [Internet]. Diário Oficial da União no 98, Brasília, 24 mai 2010. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil. Disponível em: https://normas.gov.br/materia/-/asset_publisher/NebW5rLVWyej/content/id/35574680. Acesso em 05 jun 2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil. Instrução Normativa no 7, de 22 de fevereiro de 2013. Revoga a Instrução Normativa no 16 de 24 de maio de 2010. Diário Oficial da União 37, Seção 1, pág. 7, de 25 fev. 2013 Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_24209045_INSTRUCAO_NORMATIVA_N_7_DE_22_DE_FEVEREIRO_DE_2013.aspx. Acesso em 05 jun 2020.

Lopez FC. Determinação do sedimento, cascas e paus no café torrado e moído. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. São Paulo, 1974;34:29–34. Disponível em: http://www.ial.sp.gov.br/resources/insituto-adolfo-lutz/publicacoes/rial/70/rial_341-2_1974/e396.pdf. Acesso em 20 out 2017.

Boese JL; Cichowicz SM. AOAC Official Method. Extraneus Materials: Isolation. 16 ed. 1995.

Menezes-Júnior JBF. Fraudes do café. Revista do Instituto Adolfo Lutz. 1952;1: 111-144.

Vasquez AW. Hairs (Chapter 9). FDA Tech Bull. 1981;1:125–51.

Menezes-Junior JSF. Investigações sobre o exame microscópico de algumas substâncias alimentícias. Rev Inst Adolfo Lutz. 1949;9:18–77.

Nascimento AM. Caracterização morfoanatômica, cromatografia em camada delgada e testes fitoquímicos em amostras comerciais de Ziziphus joazeiro Mart. (Rhamnaceae) (Trabalho de Conclusão do curso). Nilópolis: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro; 2015.

Amboni RDMC, Francisco A, Teixeira E. Utilização de microscopia eletrônica de varredura para detecção de fraudes em café torrado e moído. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 1999;19(3):311-313.

Teixeira OR, Passos FR, Mendes FQ. Qualidade físico-química e microscópica de 14 marcas comerciais de café torrado e moído. Coffee Science. 2016;11(3):395-402.

Licciardi R, Pereira R, Gualberto FA, Mendonça LMVL, Furtado EF. Avaliação físico-química de cafés torrados e moídos do sul de Minas Gerais [Internet]. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2005;25(3):425-429. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/cta/v25n3/27006.pdf

Assad ED, Sano EE, Cunha SAR da, Correa TBS, Rodrigues HR. Identificação de impurezas e misturas em pó de café por meio de comportamento espectral e análise de imagens digitais. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 2002; 37(2):[21]1-[21]6.

Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC). Programa permanente de controle da pureza do café 2005 [Internet]. 2005. Disponível em: http://www.abic.com.br. Acesso em 05 jun 2020.

Fagioli M. Que café nós bebemos. Interural – Revista do Agronegócio. 2010;38(8):24-25.

Cunha SAR, Assad ED, Sano EE. Fraudes em Café Torrado e Moído: Quantificação através do SpringCafé. In: Anais do X SBSR, Foz do Iguaçu, PR; 21-26 abril 2001, INPE, p. 35-40.

REIS N. Detecção de adulteração de café torrado e moído com cascas de café e Milho por espectroscopia no infravermelho (dissertação). Belo Horizonte: UFMG; 2012.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

1.
Assis NM, Marques CA, Silva MC da. Avaliação microscópica de amostras comerciais de café. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 22º de julho de 2020 [citado 19º de outubro de 2021];27:e020022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8658921

Edição

Seção

Artigos Originais