Reorganização das metas curriculares no ensino básico português: o caso das geociências

Autores

  • Jorge Bonito Universidade de Évora

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637327

Palavras-chave:

Ciências naturais. Metas curriculares. Currículo. Educação básica.

Resumo

Em abril de 2012, o Ministério da Educação e Ciência português decidiu que o desenvolvimento do ensino deve ser orientado por Metas Curriculares, definindo-se, de forma consistente, os conhecimentos e as capacidades essenciais que os alunos devem adquirir, nos diferentes anos de escolaridade e nos conteúdos de cada programa curricular. Entre outros, foi constituído um subgrupo de trabalho de reformulação das Metas Curriculares para a disciplina de Ciências Naturais, com o objetivo de propor as metas, assegurando a necessária articulação entre os ciclos de ensino e entre estas e os conteúdos dos programas. Foram definidas metas curriculares para a disciplina de Ciências Naturais, do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, deixando de fora o 1.º ciclo. Os conteúdos de Geociências são estudados no 2.º ciclo (5.º ano) e no 3.º ciclo (7.º ano). Neste trabalho dá-se conta das metas curriculares, dos conteúdos e dos tempos letivos atribuídos ao ensino das Geociências no ensino básico pelo subgrupo de trabalho, já homologadas pelo Ministério da Educação e Ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Bonito, Universidade de Évora

Universidade de Évora. CIDTFF da Universidade de Aveiro. Portugal.

Referências

Alçada I. 2012. Metas de aprendizagem. URL: http://metasdeaprendizagem.dge.mec.pt/. Acesso 19.01.2014.

Anderson L.W., Krathwohl D.R., Airasian P.W., Cruikshank K.A., Mayer R.E., Pintrich P.R., Raths J.,

Wittrock M.C. eds. 2001. A taxonomy of learning, teaching, and assessing: A revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Boston: Allyn & Bacon.

Anderson L.W., Losniak L. O. eds. 2004. Bloom’s Taxonomy. A forty-year retrospective. Chicago: University of Chicago Press.

Bonito J., Morgado M., Silva M., Figueira D., Serrano M., Mesquita J., Rebelo H. 2012. Metas curriculares. Ensino Básico. Ciências Naturais. 5.o, 6.o, 7.o e 8.o anos. Lisboa: Direção-Geral da Educação. URL: http://dge.mec.pt/metascurriculares/index.php?s=directorio&pid=22. Acesso 19.01.2014.

Cortez A.C. 2013, 27 de novembro. Verdades sobre o ensino do português: metas curriculares e não só. Público. URL: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/verdades-sobre-o-ensino-do-portugues-

metas-curriculares-e-nao-so-1614035. Acesso 22.01.2014.

Galvão C. et al. 2013. Apreciação Crítica das Propostas de Metas Curriculares de Ciências Naturais (em Discussão Pública até ao dia 25 de março de 2013). URL: http://blogs.ua.pt/ctspc/wp-content/uploads/2013/04/An%C3%A1lise-de-metas-cur-

riculares-de-Ci%C3%AAncias-Naturais-24Mar-Formatado.pdf. Acesso 22.01.2014.

Krathwohl D.R. 2002. A Revision of Bloom’s Taxonomy: An Overview. Theory into practice, 41(4), 212-264. URL: http://www.unco.edu/cetl/sir/stating_outcome/documents/Krathwohl.pdf. Acesso 20.01.2014.

Silva J.C. 2012. Metas Curriculares-Ensino Básico-Matemática Parecer. URL: http://www.apm.pt/files/205600__Metas_Curriculares-parecerJCS_5192c70042133.pdf. Acesso 20.01.2014.

Downloads

Publicado

2015-06-23

Como Citar

BONITO, J. Reorganização das metas curriculares no ensino básico português: o caso das geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 227–239, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637327. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637327. Acesso em: 4 fev. 2023.