Aspectos do projeto político pedagógico do Movimento Escoteiro no Brasil e reflexos na educação ambiental

Autores

  • Camila Moreno de Lima Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Rosely Aparecida Liguori Imbernon Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637360

Palavras-chave:

Educação ambiental. Movimento escoteiro.

Resumo

O Movimento Escoteiro foi fundado por Robert Stephenson Smyth Baden-Powell (B-P) em 1907 e é um Movimento educacional mundial, voluntariado, apartidário e sem fins lucrativos. A proposta visa o desenvolvimento do jovem, por meio de um sistema de valores que prioriza a honra. Esse sistema se baseia na Promessa e Lei Escoteiras, e o trabalho em equipe e a vida ao ar livre promove atividades com foco principal nas Ciências Naturais, de interpretação do meio ambiente, e de respeito às dinâmicas terrestres. Para o desenvolvimento deste trabalho, foi realizado um levantamento de dados junto aos Escoteiros do Brasil (UEB) e entrevistas com Escoteiros de todas as idades e profissões. O objetivo foi demonstrar como um movimento de ensino extraescolar apresenta reflexos na educação escolar, e aspectos da Educação Ambiental presentes nas atividades realizadas pelas crianças e jovens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Moreno de Lima Silva, Universidade Estadual de Campinas

Programa de Pós-graduação em Ensino e História das Ciências da Terra – Intituto de Geociências – Unicamp.

Rosely Aparecida Liguori Imbernon, Universidade de São Paulo

Professora Associado da Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH - Universidade de São Paulo - USP / Programa de Pós-graduação em Ensino e História das Ciências da Terra – IGe – Unicamp.

Referências

Baden-Powell G., Lord. 1986. Lições da escola da vida. 1a ed. Curitiba: Escritório Nacional UEB-União dos Escoteiros do Brasil.

Baden-Powell G., Lord. 2006. Escotismo para rapazes: um manual de instrução em boa cidadania por meio das artes mateiras - Edição da Fraternidade Mundial. Curitiba: Escritório Nacional UEB-União dos Escoteiros do Brasil.

Baden-Powell G., Lord. 2006. Guia do Chefe Escoteiro: teoria do adestramento Escoteiro - um subsídio para a tarefa dos Escotistas - 7a Edição. Curitiba: Reproset Ind. Gráfica. p. 11-12, 28-30 e 45-62.

Carvalho J.O., Carvalho L.R.S.O. 2006. A educação social no Brasil: contribuições para o debate. In: Congr. Intern. Pedag. Soc., 1, 2006 . Proceedings online... Fac. Educ., USP. URL: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000092006000100024&lng=en&nrm=abn. Acesso em 05 Nov. 2013.

Gadotti M. 2005. A questão da educação formal/não-formal. International des Droits de L’enfant (ide). Droit à l’éducation: solution à tous les problèmes ou problème sans solution? Sion (Suisse), 18-22 outubro, 2005.

Gaspar A. 1992. O ensino informal de Ciências: de sua viabilidade e interação com o ensino formal à concepção de um centro de Ciências. Cad. Cat. Ens. Fis. 9(2):157-163.

Gaspar A. 2002. A educação formal e a educação informal em Ciências. In: Massarani L., Moreira I.C., Brito F. orgs. 2002. Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Fórum Ciência e Cult. Casa da Ciência.

C. Cult. Ciência e Tecnol. Univ. Fed. Rio de Janeiro. p.171-183.

Hintz R., Thomson B. 2012. Geoscience education in the Boy Scouts of America. J. Geosc. Educ., 60:159-167.

Joubrel H. 1969. O Escotismo na educação e reeducação dos jovens. Trad. Maria José Austregésilo de Athayde. Rio de Janeiro: Ed. Livr. Agir. p. 11-14, 24-29 e 94-103.

Ministério da Educação. MEC. 2011. PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais. São Paulo, 1996. URL: www.portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: Julho de 2011.

Neves J.L. 1996. Pesquisa qualitativa. Características, usos e possibilidades. São Paulo: Fac. Educ., USP, Cad. Pesq. Admin., 1(3):1-5. (Dissert. Mestr. Pós-Grad. Admin. Empresas)

Paolillo C., Imbernon R.A.L. 2009. Educação Ambiental e educação científica no contexto do Movimento Escoteiro (Environmental and sci- mento Escoteiro (Environmental and scientific education in the context of Boy Scouts Movement). Rev. Experiências no Ens. Ciências. 4(2):93-105.

Schmidt M.J. 1964. Educar pela recreação. Para pais e educadores. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Agir.

Silva C.M.L. A. 2012. Contribuição do Movimento Escoteiro na Educação do Brasil: Aspectos do Projeto Político Pedagógico do Movimento e reflexos na educação para a cidadania. São Paulo: Esc. Artes, Ciênc. e Humanidades, EACH, USP. (Rel. PIBIC).

Thomé N. 2006. Movimento Escoteiro: projeto educativo extra-escolar. Universidade do Contestado (UnC), Campus de Caçador (SC). Revista HISTEDBR On-line. No 23. ISSN: 1676-2587. Campinas, Setembro de 2006. Páginas 171-194.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. 2008. Guia de Especialidades e Insígnia Mundial do Conservacionismo. 10a ed. Curitiba.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. 2010. Programa de jovens: objetivos finais e intermediários. Curitiba.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. s.d. Manual do Escotista Ramo sênior: um método de educação não-formal para jovens de 15 a 17 anos. Curitiba: UEB.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. 2011. Escoteiros de São Paulo: relatório social e ambiental - 100 anos de história e de preservação do meio ambiente. São Paulo, UEB. p. 6-13.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. 2011. Projeto Educativo do Movimento Escoteiro. Curitiba. URL: www.Escoteiros.org.br/downloads/documentos_oficiais. php. Acesso fevereiro 2011.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. Escrit. Nac. 2011. Relatório Anual de 2011. URL: www.es- URL: www.escoteiros.org.br. Acesso abril 2012.

União dos Escoteiros do Brasil. UEB. URL: www.escoteiros.org.br. Acesso fevereiro 2011.

Vallory E. 2013. World Scouting. Education for Global Citizenship. 2013. 1 ed. NY, USA.

World Organization of the Scout Movement, WOSM. 2008. URL: www.scout.org. Acesso fevereiro 2011.

Downloads

Publicado

2015-06-23

Como Citar

SILVA, C. M. de L.; IMBERNON, R. A. L. Aspectos do projeto político pedagógico do Movimento Escoteiro no Brasil e reflexos na educação ambiental. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 425–435, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637360. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637360. Acesso em: 7 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)