Evolução histórica e filosófica do conceito de nível de base fluvial

Autores

  • Cláudio Eduardo Lana Universidade Federal do Espírito Santo
  • Paulo de Tarso Amorim Castro Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v8i1.8637426

Palavras-chave:

Nível de base. Evolução conceitual. Evolução histórica.

Resumo

Este trabalho apresenta uma revisão bibliográfica acerca da evolução do conceito de nível de base fluvial. A literatura especializada mostra que, ao longo de sua existência, o Homem tem estabelecido uma relação direta com os patamares morfológicos desenvolvidos às margens dos rios. Com isso, uma série de concepções a respeito do significado dos mesmos se com o com o tempo, cada uma delas traduzindo o padrão filosófico de sua época e a consequente capacidade humana de percepção dos fenômenos naturais. O trabalho é dividido em duas partes principais: a primeira sintetiza as etapas da evolução histórica e filosófica do conceito de nível de base, enquanto a segunda se dedica aos diferentes significados que são atribuídos ao termo e à discussão da aplicabilidade de cada um deles.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Eduardo Lana, Universidade Federal do Espírito Santo

Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Geologia.

Paulo de Tarso Amorim Castro, Universidade Federal de Ouro Preto

Universidade Federal de Ouro Preto, Departamento de Geologia.

Referências

Allaby A., Allaby M. 1999. Dictionary of Earth Sciences. Grã-Bretanha: Oxford. 619p.

Bigarella J.J. 2003. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais, vol. III – Processos erosivos, vertentes, movimentos de massa, atividade endógena, superfícies de erosão, compartimentação do relevo, depósitos correlativos e ambientes fluviais. Florianópolis: Editora da UFSC. 559p.

Bull W.B. 1991. Geomorphic Responses to Climatic Change. Londres: Oxford. 326p.

Burbank D.W., Anderson R.S. 2001. Tectonic Geomorphology. EUA: Blackwell. 274p.

Cannon W.F. The Impact of Uniformitarianism: Two Letters from John Herschel to Charles Lyell, 1836-1837. Proceedings of the American Philosophical Society. 105(3):301-314.

Catuneanu O. 2007. Principles of Sequence Stratigraphy. China: Elsevier. 375p.

Christofoletti A. 1980. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher. 188p.

Cunha S.B. 2007. Geomorfologia Fluvial. In: Guerra A.J.T., Cunha S.B. eds. 2007. Geomorfologia – Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 211–252.

Davis W.M. 1899. The Geographical Cycle. Geographical Journal. 14:481-504.

De Blij H.J., Muller P.O., Williams Jr. R.S. 2004. Physical Geography – The Global Environment. EUA: Oxford. 702p.

Descartes R. 1637. Discurso do Método. Porto Alegre: L&PM. 128p.

Dury G.H. (ed.). 1970. River and River Terraces. Londres: MacMillan. 283p.

Gumbricht T., McCarthy T.S. Merry C.L. 2001. The topography of the Okavango Delta, Botswana, and its tectonic and sedimentological implications. South African Journal of Geology, 104:243-264.

Holmes A. 1952. Principles of Physical Geology. London: Nelson. 512p.

Horton R.E. 1945. Erosinal development of stream and their drainage basin: hydrophysical approach to quantitative morphology. Geol. Soc. America Bulletin, 56(3):275-370.

Howard A.D., Dietrich W.E., Seidl M.A. 1994. Modeling Fluvial Erosion on Regional to Continental Scales. Journal of Geophysical Research, 99(B7):13.971-13.986.

Huggett R.J. 2003. Fundamentals of Geomorphology. Grã-Bretanha: Routledge. 386p.

Julien P. 2002. River Mechanics. EUA: Cambridge. 434p.

Lana C.E. 2004. Cartografia Integrada de Ecossiste- 04. Cartografia Integrada de Ecossiste mas Lóticos (Fluviais) no Alto Curso do Rio das Velhas – MG. Ouro Preto: Depto. Geol. Ufop. 185p.

(Dissert. Mestrado).

Lange O., Ivanova M., Lebedeva N. 1963. General Geology. Moscou: Foreign Languages Publishing House. 202p.

Leinz V., Mendes J.C. 1959. Vocabulário Geológico. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 180p.

Marques J.S. 2007. Ciência Geomorfológica. In: Guerra A.J.T. e Cunha S.B. eds. 2007. Geomorfologia – Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 23–50.

Merrits D.J., Ellis M. 1994. Introduction to Special Section on Tectonics and Topography. Journal of Geophysical Research, 99(B6):12.135-12.141.

Milliman J.D., Syvitski J.P.M. 1992. Geomorphic/Tectonic Control of Sediment Discharge to the

Ocean: The Importance of Small Mountainous Rivers. The Journal of Geology, 100:525-544.

Nelson M. 1998. Hidrology and the River Environment. Grã-Bretanha: Oxford. 221p.

Penck W. 1953. Morphological Analysis of Landforms. Londres: McMillan. 429p.

Penteado M.M. 1978. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de janeiro: IBGE. 180p.

Powell J.W. 1875. Exploration of the Colorado river of the west and its tributaries. Washington: Washington D.C. U.S. Govt. Printing Office. 291p. URL: http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/text-idxc=moa;cc=moa;rgn=main;view=text;idno=AFK4571.0001.001 Acesso: 07/09/2008.

Press F., Siever R., Grotzinger J, Jordan T.H. 2006. Para Entender a Terra. Porto Alegre: Bookman. 656p.

Schumm S.A. 1977. The Fluvial System. Nova Iorque: Wiley. 338p.

Schumm S.A. 1991. To Interpret Earth – Ten Ways to be Wrong. Grã-Bretanha: Cambridge. 133p.

Schumm S.A. 2005. River Variability and Complexity. Grã-Bretanha: Cambridge. 234p.

Severiano-Ribeiro H.J.P. 2001. Estratigrafia de Seqüências: Fundamentos e Aplicações. São Leopoldo: Unisinos. 428p.

Shanley K.W. e McCabe P.J. 1994. Perspectives on Sequence Stratigraphy of Continental Strata. Am. Assoc. Petr. Geol. Bull., 78(4):544-568.

Sorby, H. C. 1859. On the structures produced by the currents during the deposition of stratified rocks. Geologist, 2:137-147.

Strahler A.N. 1952. Hypsometric (area-altitude) analysis and erosional topography. Geol. Soc. Am. Bull., 63:1117-1142.

Suguio K. 1992. Dicionário de Geologia Marinha (com termos correspondentes em inglês, francês e espanhol). São Paulo: T. A. Queiroz. 171p.

Suguio K. 2003. Geologia Sedimentar. São Paulo: Edgard Blücher. 400p.

Thornbury W.D. 1958. Principles of Geomorphology. Londres: Chapman & Hall. 618p.

Tricart J. 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE. 91p.

Downloads

Publicado

2015-06-29

Como Citar

LANA, C. E.; CASTRO, P. de T. A. Evolução histórica e filosófica do conceito de nível de base fluvial. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 51–57, 2015. DOI: 10.20396/td.v8i1.8637426. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637426. Acesso em: 24 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos