Jogos “geoeducativos” como subsídio à Geoconservação no litoral sul de Pernambuco (NE Brasil): uma proposta

Autores

  • Thaís de Oliveira Guimarães Universidade Federal do Pernambuco
  • Gorki Mariano Universidade Federal do Pernambuco
  • Artur Abreu e Sá Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v13i1.8648626

Palavras-chave:

Educação não formal. Geoconservação. Popularização das geociências. Litoral sul de Pernambuco.

Resumo

A preocupação em popularizar as Geociências está presente em todos os aspectos das temáticas que abrangem a geodiA preocupação em popularizar as Geociências está presente em todos os aspectos das temáticas que abrangem a geodiversidade, a geoconservação, o patrimônio geológico, o geoturismo e os geoparques. Popularizar os elementos abióticos é contribuir para que a sociedade desperte e reconheça a importância de praticar a geoconservação. Este trabalho destaca a relevância do processo educativo a partir de atividades voltadas para a educação formal e não formal. Assim, sugere alternativas que possam facilitar a compreensão de alunos e do público em geral, norteadas por atividades pautadas na interdisciplinaridade, geoconservação e popularização das Geociências. Para isso, foram elaborados protótipos de “jogos geoeducativos”, tendo como proposta aplicá-los em espaços educacionais formais e não. Nesse sentido, foram realizadas pesquisas bibliográficas e vivenciadas experiências in loco, como visitas a museus, geoparques e participação em workshops. A partir do conhecimento adquirido com este trabalho ratifica-se a importância da utilização de materiais específicos direcionados à geodiversidade e ao patrimônio geológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís de Oliveira Guimarães, Universidade Federal do Pernambuco

Programa de Pós-Graduação de Geociências no Departamento de Geologia Ciência, Tecnologia e Geociência da Universidade Federal do Pernambuco..

Gorki Mariano, Universidade Federal do Pernambuco

Departamento de Geologia Ciência, Tecnologia e Geociência da Universidade Federal do Pernambuco.

Artur Abreu e Sá, Universidade de Coimbra

Departamento de Geologia, Universidade. Trás-os-Montes e Alto Douro; Centro Geociência da Universidade de Coimbra.

Referências

Barreto A.M.F., Brilha J.B.R., Almeida J.A.C., Sales A.M.F., Ghilardi A. 2013. Tesouros do Araripe. Recife: Ed. Univ. UFPE. 23p.

Branner J.C. 1904. The stone reefs of Brazil their geoThe stone reefs of Brazil their geological and geographical relations with a chapter on the coral reefs. In: Bul. of the Museum Comp. Zoology at Harvard College, Cambridge, 44(7):285.

Carcavilla Urqui L. 2012. Geoconservación. Ed. Los libros de la Catarata, 128p.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M., Almeida F.F.M. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560.

Coimbra J.A.A. 2000. Considerações sobre a Interdisciplinaridade. In: Philippi Jr. A., Tucci C.E.M., Hogan D. J., Navegantes R. eds. 2000. InterdisciInterdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Ed. Signus. p. 52-70.

Coombs P.H., Ahmed M. 1974. Attacking rural poverty: How non-formal education can help. Baltimore: John Hopkins Univ. Press. 292p.

CPRH. Agência Estadual do Meio Ambiente. 2001. Diagnóstico Socioambiental. Litoral Sul de Pernambuco. Recife: CPRH. 89p. Darwin, C. 1841.

On a remarkable bar of sandstone off Pernambuco, on the coast of Brazil. London, Edinburgh and Dublin Phil. Mag. and J. Science. 19(3):257-260.

Dib C.Z. 1988. Formal, non-formal and informal education: concepts/applicability. In: Interamerican Conference on Physics Education, Oaxtepec, Mexico, 1987. Anais… New York, American Institute of Physics, p.300-315. URL: http://www. techne-dib.com.br/downloads/6.pdf. Acesso 03.01.2016.

Dierking L.D. 2005. Lições sem limite: como o aprendizado por livre escolha vem transformando a educação em ciência e tecnologia. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 12(supl.):145-60.

Donslund A., Lemkow N. 2015. Geokids. In: European Geoparks Conference. Anais…Oulu, EGN Conference, p51. URL: http://www.europeangeoparks.org/wp-content/uploads/2012/02/ Book-of-Abstracts-EGN-conference-2015.pdf. Acesso 25.06.2016.

Gaspar A. 1992. O ensino informal de ciências: de sua viabilidade e interação com o ensino formal à concepção de um centro de ciências. Florianópolis: Cad. Cat. de Ens. Física, 9(2):157-163.

Gaspar A. 2002. A educação formal e a educação informal em ciências. In: Massarani L., Moreira I.C., Brito F. eds. 2002. Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro, Fórum de Ciência e Cultura. 232p.

Gonçalves C.W.P. 2008. Os (des)caminhos do meio ambiente. 14ª ed. São Paulo: Ed. Contexto. 148p.

Guimarães T. O., Mariano G. 2014. Uso de trilhas como recurso didático: abordagem interdisciplinar no ensino das Geociências. Estudos Geológicos. 24(1):89-103.

Jacobucci D.F.C. 2008. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, 7(1):55-66.

Lima Filho M., Barbosa J.A., Souza E.M. 2006. Eventos tectônicos e sedimentares nas Bacias de Pernambuco e da Paraíba: implicações no quebramento do Gondwana e correlação com a bacia do Rio Muni. São Paulo, UNESP, Geociências, 25(1):117-126.

Marandino M., Silveira R.V.M., Chelini M.J., Fernandes A.B., Rachid V.A., Martins L.C., Lourenço M.F., Fernandes J.A., Florentino H.A. 2004. A educação não-formal e a divulgação científica: o que pensa quem faz? In: IV Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Bauru, 26-29.12.2003. Anais... Bauru, ENPEC, p1-13. URL: http://www.geenf.fe.usp.br/v2/wp-content/ uploads/2013/09/Educa%C3%A7%C3%A3on%C3%A3o-formal.pdf. Acesso 10.10.2015

Mariano G., Barbosa A. 2008. Riolito, o Vulcão Pernambucano. Terræ Didatica, 3(1):92-96.

Morin E. 2012. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 20ª ed. Trad. Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 128p.

Morin E. 2011. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Eliane Lisboa, 4ª ed. Porto Alegre: Sulina. 124p.

Navas A.M. 2008. Concepções de popularização da ciência e da tecnologia no discurso político: impactos nos museus de Ciências. São Paulo: Fac. Educ. Univ. São Paulo. 240p. (Dissert. . Mestr.).

Nelson L.J., Cushion C.J., Potrac P. 2006. Formal, Non-formal and Informal Coach Learning: A Holistic Conceptualisation. Int. J. Sports Science & Coaching, 1(3):247-259.

Pinto L.M.C.S. 2007. Educação não-formal um contributo para a compreensão do conceito e das práticas em Portugal. Lisboa: Inst. Sup. Ciências do Trabalho e da Empresa, ISCTE. 126p. (Dissert. Mestr.).

Rozakis V., Valiakos I., Mpentanal K., Burlando M., Duarte A., Woodley-Stewart C., Zouros N. 2015. Geoeducation in Action. In: European Geoparks Conference. Anais…Oulu, EGN Conference, p50. URL: http://www.europeangeoparks.org/ wp-content/uploads/2012/02/Book-of-AbstractsEGN-conference-2015.pdf. Acesso 25.06.2016.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura. 2014. Global Geoparks. URL: http://www.unesco.org/new/ en/natural-sciences/environment/earth-sciences/ global-geoparks/. Acesso 02.11.2015.

Vargas V.M.F. 2000. Projetos em Ciências Ambientais: Relato de Casos. In: Philippi Jr. A., Tucci C.E.M., Hogan D. J., Navegantes R. eds. 2000. InterdisciInterdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Ed. Signus. p. 156-168.

Downloads

Publicado

2017-08-10

Como Citar

GUIMARÃES, T. de O.; MARIANO, G.; SÁ, A. A. e. Jogos “geoeducativos” como subsídio à Geoconservação no litoral sul de Pernambuco (NE Brasil): uma proposta. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 30–42, 2017. DOI: 10.20396/td.v13i1.8648626. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8648626. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)