Banner Portal
Práticas em geociências: roteiro de campo para compreender a evolução costeira no Rio Grande do Sul, Brasil
PDF

Palavras-chave

Período Quaternário. Planície costeira. Educação. Sítio geológico. Geoeducação.

Como Citar

PORTZ, Luana Carla; PORTANTIOLO MANZOLLI, Rogério; ROSA, Maria Luiza Correa da Câmara; GRUBER, Nelson Sambaqui; BARBOZA, Eduardo Guimarães; TOMAZELLI, Luís José. Práticas em geociências: roteiro de campo para compreender a evolução costeira no Rio Grande do Sul, Brasil. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 119–133, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i2.8651854. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8651854. Acesso em: 15 jul. 2024.

Resumo

A Planície Costeira do RS representa um excelente local de aprendizado, sendo uma das poucas planícies costeiras no mundo onde é possível visualizar os registros estratigráficos/sedimentares das últimas quatro flutuações do nível do mar causadas por eventos glacio/eustáticos do Período Quaternário. Neste sentido, o presente estudo propõe um roteiro de campo que pode ser utilizado por educadores como apoio e consolidação dos conteúdos das disciplinas na área das Geociências. Este roteiro apresenta 10 pontos de parada onde se observa as características e registros, contribuído para a aprendizagem através de atividades práticas. Neste estudo são encontrados os materiais didáticos a serem utilizados nas práticas, contendo a descrição de cada ponto de parada, assim como sua coordenada geográfica e registro fotográfico. A adoção de itinerários adequados ao estudo do ambiente poderá conduzir a um aprofundamento dos conteúdos trabalhados em sala de aula, traduzindo e dando significado ao aprendizado.
https://doi.org/10.20396/td.v14i2.8651854
PDF

Referências

Gomes A.B., Ab’sáber A.N. 1969. Uma gruta de abrasão interiorizada nos arredores de Torres, RS. Geomorfologia, 10:2-4.

Angulo R.J., Lessa G.C., Souza M.C. 2006. A critical review of Mid to Late Holocene sea level fluctuation son the eastern Brazilian coastline. Quaternary Science, 25:486-506.

Asmus H.E, Porto R. 1972. Classificação das bacias sedimentares brasileiras segundo a tectônica de placas. In: Congresso Brasileiro de Geologia, 26., 1972, Belém. Anais... Belém: SBG, v. 2, p. 67-90.

Barboza, E.G., Rosa, M.L.C.C. 2014. Indicadores geológicos e geomorfológicos de setores em erosão na costa do Rio Grande do Sul, Brasil. In: Goso, C. (Ed.). Problemática de Los Ambientes Costeiros. Sur de Brasil, Uruguay y Argentina, DIRAC, p. 83-98.

Barboza, E.G., Rosa, M.L.C.C., Hesp, P.A., Dillenburg, S.R., Tomazelli, L.J., Ayup-Zouain, R. 2011. Evolution of the holocene coastal barrier of Pelotas Basin (southern Brazil) – a new approach with GPR data. Journal of Coastal Research, Special Issue, 64:646-650.

Bonito, J., Sousa, M.B. 1997. Actividades Práticas de Campo em Geociências, a Proposta Alternativa. In: Leite, L., Duarte, M.C., Castro, R.V., Silva, J., Mouro, A.P. , Precioso J. (Orgs.). Didáticas/Metodologias da Educação. Braga: Departamento de Metodologias da Educação do Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, p. 75-91 https://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/8355.

Brusí D. 1992. Reflexiones en tomo a la Didáctica de las salidas de campo en Geología (I): Aspectos funcionales. (II) Aspectos metodológicos. In: VII Simposio sobre Enseñanza DE la Geología, 1992, Santiago de Compostela. Actas… Santiago de Compostela, ICE, v. 1, p. 363-407.

Caballer J.S., Gimenez I.G., Madrid A. 1993. Utilización de problemas en la enseñanza de la Geología. Dinámica litosférica: Primer nivel de acercamiento. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 1:33-36.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M. DE, Almeida F.F.M. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4):553-560.

Compiani M. 1991. A relevância das atividades de campo no ensino de Geologia na formação de professores de Ciências. Cadernos IGIUNICAMP, l(02):2-25.

Corrêa I.C.S. 1990. Analyse morphostructurale et évolution paléogéographique de laplate-forme continental eatlantiquesud-brésilienne (Rio Grande do Sul - Brésil). Bordeaux 1.

Dillenburg S.R., Tomazelli L.J., Barboza E.G. 2004. Barrier evolution and placer formation at Bujuru southern Brazil. Marine Geology, 203:43-56.

Dillenburg S.R., Hesp P.A. 2009. Coastal Barriers - An Introduction. In: Dillenburg, S.R. , Hesp, P.A. (Eds.). Geology and Geomorphology of Holocene Coastal Barriers of Brazil. Springer, Lecture Notes in Earth Sciences, 107, p. 1-15.

Lima L.G. 2012. Estratigrafia e evolucao holocênica de uma barreira costeira transgressiva/regressiva, litoral Norte do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Inst. Geoc., Inst. Geoc., Univ. Fed. do Rio Grande do Sul (Tese Dout.). URL: http://hdl.handle.net/10183/72230

Lima L.G., Dillenburg S.R., Medeanic S., Barboza E.G., Rosa M.L.C.C., Tomazelli L.J., Denhardt B.A., Caron F. 2013. Sea-level rise and sediment budget controlling the evolution of a transgressive barrier in southern Brazil. Journal of South American Earth Sciences, 42: 27-38. doi: 10.1016/j.jsames.2012.07.002.

Imrie J., Hays J.D., Martinson D.G., Mcintyre A., Mix A.C., Morley J.J., Piceas N.G., Prell W.L., Shackleton N.J. 1984. The Orbital Theory of Pleistocene Climate: Support frim a Revised Chronology of the Marine d18O Record. In: Berger A. Milankovitch and Climate, Part 1. Reidel Publishing Company, Norwell, p. 269-305.

Lopes R.P., Ribeiro A.M., Dillenburg S.R., Schultz C.L. 2013. Late middle to late Pleistocene paleoecology and paleoenvironments in the coastal plain of Rio Grande do Sul State, Southern Brazil, from stable isotopes in fossils of Toxodon and Stegomastodon. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, 369: 385-394. doi 10.1016/j.palaeo.2012.10.042.

Martinez S.A., Rojas A. 2013. Relative sea level during the Holocene in Uruguay. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, 374:123-131.

Pedrinaci E., Sequeiros L., Garcìa de la Torre E. 1994. El trabajo de campo y el aprendizaje de la geologÌa. Alambique. Didáctica de las ciencias, 2:37-45.

Portz L. Manzolli R.P., Hermanns L., Alcántara Carrió J. 2015. Evaluation of theefficiency of dunereconstructiontechniques in Xangri-lá (Rio Grande do Sul, Brazil). Ocean & Coastal Management, 104:78-89.

Rosa M.L.C.C. 2012. Geomorfologia, Estratigrafia de Sequências e Potencial de Preservação dos Sistemas Laguna-Barreira do Quaternário Costeiro do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Inst. Geoc., Inst. Geoc., Univ. Fed. do Rio Grande do Sul (Tese Dout.). URL: http://hdl.handle.net/10183/66367.

Rosa M.L.C.C., Barboza E.G., Abreu V.S., Tomazelli L.J., Dillenburg S.R. 2017. High Frequency Sequences in the Quaternary of Pelotas Basin (coastal plain): a record of degradational stacking as a function of longer-term base-level fall. Brazilian Journal of Geology. In press.

Scortegagna A., Negrão O. 2005. Trabalhos de campo na disciplina de Geologia Introdutória: a saída autônoma e seu papel didático. Terrae Didática, 1(1):36-43.

Senabre M. 1994. Resolución de problemas y aprendizaje de la geología. Enseñanza de lãs ciencias de la tierra, 2(02):393-397.

Shackleton N.J., Opdyke N.D. 1973. Oxygen isotope and paleomagnetic stratigraphy of sediment core V28-239. Quaternary Research, 3: 39-55. doi:10.1594/PANGAEA.726599.

Souza C.R., Suguio K., Oliveira P.E., Oliveira A.M.S. (ed.) 2005. Quartanário do Brasil. Ribeirão Preto, Holos, 382p.

Tessler M.G., Goya S.C. 2005. Processos Costeiros Condicionantes do Litoral Brasileiro. Revista do Departamento de Geografia, 17:11-23.

Tomazelli L. J. 1985. Contribuição ao conhecimento das fácies de ambiente praial a partir de elementos do pleistoceno costeiro do Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO SUL-BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 2., 1994, Florianópolis. Anais..., Florianópolis, SBG, v. 1, p. 325- 338.

Tomazelli L.J., Dillenburg S.R. 2007. Sedimentary facies and stratigraphy of a last interglacial coastal barrier in south Brazil. Marine Geology, 244:33-45.

Tomazelli L.J. 1993. O regime de ventos e a taxa de migração das dunas eólicas costeiras do Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas em Geociências, 20(1):18-26.

Tomazelli L.J., Dillenburg S.R., Barboza E.G., Rosa M.L.C.C. 2008. Geomorfologia e Potencial de Preservação dos Campos de Dunas Transgressivos de Cidreira e Itapeva, Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas em Geociências, 35(2):47-55.

Villwock J.A. 1984. Geology of the coastal province of Rio Grande do Sul, Southern Brazil. A synthesis. Pesquisas em Geociências, 16:5-49.

Villwock J.A., Tomazelli L.J. 1995. Geologia Costeira do Rio Grande do Sul. Notas Técnicas, 8:1-45.

Villwock J.A., Tomazelli L.J., Loss E.L., Dehnhardt E.A., Horn N.O., Bachi F.A., Dehnhardt B.A. 1986. Geology of the Rio Grande do Sul Coastal Province. In:Rabassa, J. (Ed). Quaternary of South America and Antartic Peninsula. A. A. Balkema, Rotterdam, 4:79-97.

Villwock J.A., Tomazelli L.J. 2006. Planície costeira do Rio Grande do Sul: gênese e paisagem atual. In: Becker, F.G., Ramos, R.A., Moura, L.A. Biodiversidade. Regiões da Lagoa do Casamento e dos Butiazais de Tapes, planície costeira do Rio Grande do Sul. Brasília, Ministério do Meio Ambiente (MMA), SBF, pp. 20-33.

Weschenfelder J., Corrêa I.C.S., Salvador A. 2005. Elementos Arquiteturais do Substrato da Lagoa dos Patos Revelados por Sísmica de Alta Resolução. Pesquisas em Geociências, 32(2):57-67.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.