Estratégias e recursos educacionais para inserção das Geociências na educação básica

Autores

  • Maxwell L. Ponte Universidade Estadual de Campinas
  • Joseli M. Piranha Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v14i4.8654193

Palavras-chave:

Educação em Geociências. Educação formal. Recursos educacionais.

Resumo

No Brasil, a desterritorialização das Geociências nos currículos escolares resultam no ensino descontextualizado e fragmentado desta ciência. Assim, destaca-se a relevância do desenvolvimento de estratégias e práticas pedagógicas diferenciadas que, em atenção ao caráter interdisciplinar e prático que esta Ciência requer, possibilitem sua inserção na educação básica. Neste trabalho são apresentados materiais e práticas lúdico-educativas, elaborados no âmbito de uma investigação-ação que envolveu a participação de estudantes de Ensino Médio em estudos no contraturno escolar. As estratégias adotadas e os recursos desenvolvidos promoveram a integração de conceitos geocientíficos aos Parâmetros Curriculares Nacionais para a educação básica, potencializando a aprendizagem pertinente à compreensão do local onde vivem. Além disso, apresenta-se, oportunamente, dificuldades vivenciadas durante as atividades com os estudantes, que envolvem a carência de conhecimentos geocientíficos, a concepção bancária de ensino predominante na educação básica e a cultura escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maxwell L. Ponte, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências do Sistema Terra, Instituto de Geociências (IGe), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Joseli M. Piranha, Universidade Estadual de Campinas

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências do Sistema Terra, Instituto de Geociências (IGe), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

Anastasiou L. G. C., Alves L. P. 2004. Estratégias de ensinagem. In: Anastasiou L. G. C., Alves L. P. (orgs.) 2004. Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed., Joinville: Univille, p. 67-100.

Anguita F. 1994. Geologia, Ciencias de la Tierra, Ciencias de la Naturaleza: paisaje de um aprendizaje global. Enseñanza de las ciências, 12(1): 15-21. URL: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=94763.

Aquino E. C. G., Araújo E A. 2013. Lugar-escola: espaços educativos. Revista mal-estar e subjetividade, 8(1-2): 221-248. URL: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482013000100009.

Bacci D. L. C. 2015. Ensino de Geociências no contexto escolar – múltiplas relações com a educação ambiental. In: BACCI, D.C. (org). Geociências e Educação ambiental. 1. ed., Curitiba: Ponto Vital, [n.p.].

Bacci D. L. C., Oliveira L. A., Pommer C. 2009. Contribuição da abordagem geocientífica no Ensino Fundamental: tempo geológico, origem do petróleo e mudanças ambientais. Enseñanza de las ciencias, Extra: 3447-3451. URL: http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/294705.

Bacci D. L. C., Silva D. B., Silva D. G., Silva K. B. V., Saito R. 2013. Ensino de Geociências no Contra turno escolar. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 9, Águas de Lindóia, São Paulo. Anais, p. 1-8.

Brasil. 2013. Censo Escolar da Educação Básica 2013: resumo técnico. INPEP: BRASILIA. Brasil. Ministério da Educação. 2018. Dicas para elaboração de aulas. URL: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/pdf/dicas_producao_aulas.pdf.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. 2007. Indagações sobre o currículo: currículo e avaliação. Brasília, DF: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. 2006. Orientações curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC.

Breda T. V. 2013. O uso de jogos no processo de ensino aprendizagem na geografia escolar. Dissertação de Mestrado, Campinas, Instituto de Geociências, UNICAMP.

Carneiro C. D. R. 2000. Aprendendo a ler as rochas. In: Carneiro C. D. R. (Org.). 2000. Geologia - Série Ciência Hoje na Escola. 1. ed., São Paulo: São Paulo: Global/SBPC.

Carneiro C. D. R. 2000. Montanhas que explodem. In: Carneiro C. D. R. (Org.). 2000. Geologia - Série Ciência Hoje na Escola. 1. ed., São Paulo: São Paulo: Global/SBPC.

Carneiro C. D. R., Barbosa R., Piranha J. M. 2007. Bases teóricas do projeto Geo-Escola: uso de computador para ensino de Geociências. Revista Brasileira de Geociências, 37(1): 90-100, URL: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9290.

Carneiro C. D. R., Toledo M. C. M., Almeida F. F. M. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de geologia na educação básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4): 553-560. URL: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9787.

Comnes L. 2006. Revolução passo a passo: como criar o ambiente propícia para a mudança. In: Stone M. K., Barlow Z (orgs.). 2006. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix, p. 164 -178.

Compiani M. 2005. Geologia/Geociências no Ensino Fundamental e a Formação de Professores. Geologia USP Publicação Especial, 3: 13-30. URL: https://www.revistas.usp.br/gusppe/article/view/45367.

Elliot J. 2010. La Investigación-acção em educación. 6ª. ed., Madrid: Ediciones Morata. Estância Hidromineral de Ibirá (Ibirá). 2015. Lei nº. 2.280 de 05 de agosto de 2015: Institui o Plano Municipal de Educação da Estância Hidromineral de Ibirá para 2015 a 2025, e dá outras providências. Ibirá: Secretaria Municipal de Administração da Prefeitura Municipal. URL: http://www.camaraibira.sp.gov.br/.

Evans A. 2006. O processo de mudança da escola: uma visão sistêmica. In: Stone M. K., Barlow Z (orgs.) 2006. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix, p. 292 – 299.

Felício H. M. S., Gomes C., Allain L. R. 2014 O PIBID na ótica dos licenciandos: possibilidades e limites no desenvolvimento do programa. Educação - Santa Maria, 39(2): 339-35 . 2014. Disponível em: <http://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/8175>. Acesso em 16 ago. 2016.

Fiscarelli R. B. 2007. O Material didático e prática docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 2(1): 31-39. URL: http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/454.

Freiri, P. 1997. Educação ‘Bancária’ e Educação Libertadora. In: Patto, M. H. S. Introdução à psicologia escolar, 3. ed., São Paulo: Casa do Psicólogo.

Gonçalves P. W. 2000. O ciclo das rochas. In: Carneiro C. D. R. (Org.). 2000. Geologia - Série Ciência Hoje na Escola. 1. ed., São Paulo: São Paulo: Global/SBPC.

Gonçalves P. W., Carneiro C. D. R. Clima, rocha e solo: uma família unida. In: Carneiro C. D. R. (Org.). 2000. Geologia - Série Ciência Hoje na Escola. 1. ed., São Paulo: São Paulo: Global/SBPC.

Guimarães T.O., Mariano G., Sá A.A. 2017. Jogos “geoeducativos” como subsídio à Geoconservação no litoral sul de Pernambuco (NE Brasil): uma proposta. Terræ Didatica, 13(1):31-43. URL: https://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v13_1/131-2.html.

Lopes C. S., Pontuschka N. N. 2009. Estudo do meio: teoria e prática. Geografia (Londrina), 18(2): 171-190. URL: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/2360/3383.

Lopes O. R., Carneiro C. D. R. C. 2009. O jogo “Ciclo das Rochas” para ensino de Geociências. Revista Brasileira de Geociências. 39(1):30-41. URL: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/7627/7054.

Marques L., Praia J. 2009. Educação em Ciência: actividades exteriores à sala de aula. Terrae Didática, 5(1): 10-16. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica.

Mazzioni S. 2013. As estratégias utilizadas no processo de ensino-aprendizagem: concepções de alunos e professores de ciências contábeis. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, 2(1): 93-109. URL: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/AT/article/view/1426/2338.

Megid Neto J., Fracalanza H. 2003. O livro didático de ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, 9(2): 147-157. URL: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132003000200001&script=sci_abstract&tlng=pt.

Mello M. C. O., Brandão I. D. N. 2013. Recursos didáticos no ensino de geografia: tematizações e possibilidades de uso nas práticas pedagógicas. Revista Geografia e Pesquisa, 7(2): 81-97. URL: https://edutec.unesp.br/publicador/content/131/attachment/Recursos%20didatico%20Geografia%20Marcia%20Mello.pdf.

Menegat R. 2009. Transcrição da palestra proferida em 24 de julho de 2009: Geoparques como laboratórios de inteligência da Terra. Geologia USP. Publicação Especial, 5: 91-103. URL: http://www.revistas.usp.br/gusppe/article/view/45394.

Mitre S. M., Batista R. S., Mendonça J. M. G., Pinto M. N. M., Meirelles C. A. B., Porto C. P., Moreira T., Hoffmann L. M. A. 2008. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciências & saúde coletiva, 13(2): 2133-2144. URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000900018&lng=en&nrm=iso.

Mizusaki A. M. P., Carneiro C. D. R., Almeida F. F. 2000 As idades das rochas. In: Carneiro C. D. R. (Org.). 2000. Geologia - Série Ciência Hoje na Escola. 1. ed., São Paulo: São Paulo: Global/SBPC.

Morrow R. 2010. Solo, um organismo vivo. In: Morrow R. 2010. Permacultura passo-a-passo. 2 ed., Pirenópolis, GO: Mais Calango Editora.

Pinto A. B. C., Rios D. C. 2016. A geologia “in situ” e “ex situ”: as diferentes facetas de apresentar a geodiversidade no ambiente urbano de Salvador – BA. In: Simpósio Brasileiro de Patrimônio Geológico, 3, Lençóis, Bahia. Anais, p. 255-258.

Piranha J. M. 2006. O ensino de geologia como instrumento formador de uma cultura de sustentabilidade: o projeto geo-escola em São José do Rio Preto, SP. Tese Doutoramento, Campinas, Instituto de Geociências, UNICAMP.

Press F., Siever R., Grotzinger J., Jordan T.H. 2004. Intemperismo e Erosão. In: Press F., Siever R., Grotzinger J., Jordan T.H. 2004. Para Entender a Terra. 4 ed. Porto Alegre: Bookman.

Rebelo D. H. V. Desenvolvimento profissional de professores de ciências: um estudo no contexto da geologia. 2014. Tese de Doutoramento, Aveiro, Portugal, Departamento de Educação, Universidade de Aveiro.

Rebelo D., Marques L., Costa N. 2011. Actividades en ambientes exteriores al aula em la Educación en Ciencias: contribuciones para su Operatividad. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 19(1): 15-25. URL: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4042916.

Santos V. M. N., Jacobi P. R. 2011. Formação de professores e cidadania: projetos escolares no estudo do ambiente. Educação e Pesquisa, 37(2): 263-78. URL: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/28283.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. 2012a. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias. São Paulo: SE.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. 2012b. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias. São Paulo: SE.

Soek A. M., Gomes D. L. 2008. As relações de ensino/aprendizagem na Educação a Distância e o trabalho do tutor como mediador do conhecimento. Revista Intersaberes, 3(6): 166-176, jul/dez 2008. URL: https://www.uninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/136/109.

Suguio K. 1973. Introdução à Sedimentologia, São Paulo: EDUSP.

Toledo M. C. M. 2005. Geociências no Ensino Médio Brasileiro – Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Geologia USP Publicação Especial, 3: 31-44. URL: https://www.revistas.usp.br/gusppe/article/view/45368.

Vieira T.C., Velloso A., Rodrigues A.P.C. 2016. Estudo de caso sobre ensino de Geociências em uma turma de ensino fundamental da rede privada de Duque de Caxias, RJ. Terræ Didatica, 12(3): 153-162. URL: https://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v12_3/PDF12_3/Td-123-1.pdf.

Weil R.R., Brady N. 2013. Elementos da Natureza e Propriedades dos Solos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

PONTE, M. L.; PIRANHA, J. M. Estratégias e recursos educacionais para inserção das Geociências na educação básica. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 4, p. 431–438, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i4.8654193. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8654193. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)