Banner Portal
A proximidade de um parque paleontológico estimulando o conhecimento entre estudantes da educação básica brasileira
Camadas rítmicas da Formação Irati, Permiano da Bacia do Paraná
PDF

Palavras-chave

Educação básica
Ensino de Paleontologia
Parque Paleontológico de Itaboraí

Como Citar

OLIVEIRA, Guilherme Cordeiro da Graça de; OLIVA, Edwaldo; RIBEIRO, Fátima Sueli Neto; BALBINO, Ausenda Cáceres; CASTRO, Luiz Otávio Rezende. A proximidade de um parque paleontológico estimulando o conhecimento entre estudantes da educação básica brasileira. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 15, p. e019034, 2019. DOI: 10.20396/td.v15i0.8654372. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8654372. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Este trabalho aborda o ensino de Paleontologia na Educação Básica Brasileira. O objetivo principal do estudo foi investigar se a proximidade da escola de um parque paleontológico - com todas as possibilidades educativas que daí possa advir - poderia resultar em maiores conhecimentos sobre paleontologia. A metodologia empregada caracteriza-se como uma pesquisa levantamento quantitativa e exploratória. Foram aplicados questionários sobre conhecimentos básicos e os resultados obtidos sugerem que a proximidade do parque influenciou nos conhecimentos paleontológicos dos estudantes. São discutidas e sugeridas formas de utilização do parque com um efetivo espaço não formal para o ensino e aprendizagem de conceitos paleontológicos. 

https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8654372
PDF

Referências

Abranson J. (2011). Winpepi updated: computer programs for epidemiologist and their teaching potential. Epidemiologic Perspectives & Innovations, 8(1): 1-9. URL: https://bit.ly/2BuYRJy. Acesso 21.11.2017.

Alonço M., Boelter R. (2016). Paleontologia nos Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista da SBEnBio 9: 7671-7682.

Bergqvist L., Moreira A., Pinto D. (2005). Bacia de São José de Itaboraí - 75 anos de História e Ciência. Biodiversidade de mamíferos fósseis brasileiros. Revista Geociências-UNG, 9(6): 54-68.

Bergqvist L., Rodrigues M., Rodrigues B., Perez R., Beltrão M. (2008). Bacia São José de Itaboraí, RJ: berço dos mamíferos no Brasil. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. In: Winge M, Schobbenhaus C, Souza C., Fernandes A., Berbert-Born M, Queiroz E. editores. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. URL: www.unb.br/ig/sigep/sitio123/sitio123.pdf Acesso 10.05.2018.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF. URL: https://bit.ly/2NiPe9E. Acesso em 22.01.18.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília. URL: https://bit.ly/2oMcgpe. Acesso em 22.01.18.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília. URL: https://bit.ly/2F39Opk. Acesso em: 17.12.18.

Brockelmann R. (2013a). Conexões com a Biologia vol. 1. São Paulo: Ed. Moderna. 182p.

Brockelmann R. (2013b). Conexões com a Biologia vol. 2. São Paulo; Ed. Moderna. 312p.

Brockelmann R. (2013c). Conexões com a Biologia vol. 3. São Paulo; Ed. Moderna. 303p.

Duarte, B. P. (1998). Evolução tectônica dos ortognaisses dos Complexos Juiz de Fora e Mantiqueira na região de Juiz de Fora, MG: Geologia, petrologia e geoquímica. São Paulo: Universidade de São Paulo. 269p. (Tese de Doutorado).

Duarte, S.; Arai, M.; Passos, N.; & Wanderley, M. (2016). Paleontologia no ensino básico das escolas da rede estadual do Rio de Janeiro: uma avaliação crítica. Anuário do Instituto de Geociências,39(2): 124-132.

Frison M., Vianna J., Chaves J., Bernardi, F. (2009). Livro didático como instrumento de apoio para construção de propostas de ensino de Ciências Naturais. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Florianópolis, Brasil. Anais... Florianópolis. URL: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/425.pdf. Acesso 05.03.2018.

Heirich C., Matsumura, W., Myszynski Junior L., Sedorko D., Bosetti, E. (2015). O aprendizado da Paleontologia no ensino básico da cidade de Tibagi - PR. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia - PR/SC, 2015, Dois Vizinhos. Anais Paleo 1: 42-46.

Horodyski R. (2010). Tafonomia dos invertebrados fósseis na sequência Eifeliana-Frasniana da sucessão devoniana da sub-bacia de Apucarana, Bacia do Paraná, Tibagi–PR, Brasil, Porto Alegre: Instituto de Geociências. UFRS. 91p. (Dissert. Mestrado).

Kauark S., Manhães F., Medeiros C. (2010). Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum Ed. 86p.

Moraes S. D., Santos J., Brito, M. D. (2007). Importância dada à Paleontologia na educação brasileira: uma análise dos PCN e dos livros didáticos utilizados nos colégios públicos de Salvador, Bahia. In: Carvalho I. et al. 2007. Paleontologia: Cenários da Vida vol. 2. Rio de Janeiro: Interciências. p. 71-75.

Oliva E. 2018. Ensino da Paleontologia em espaços não formais. Évora: Universidade de Évora/ Universidade Nova de Lisboa. 105p. (Dissert. Mestrado). URL: https://bit.ly/2BtNuSc. Acesso 13.11.2018.

Oliveira, G.; Turci, C.; Teixeira, B.; Garrido, I.; & Moraes, R. (2014). Visitas guiadas ao Museu Nacional: interações e impressões de estudantes da Educação Básica. Ciência & Educação, 20(1): 227-242.

Osorio T. (2013a). Ser protagonista: biologia, 1o ano: ensino médio, vol.1. São Paulo: Edições SM. 320p.

Osorio T. (2013b). Ser protagonista: biologia, 2o ano: ensino médio, vol. 2. São Paulo: Edições SM. 320p.

Osorio T. (2013c). Ser protagonista: biologia, 3o ano: ensino médio, vol. 3. São Paulo: Edições SM. 311p.

Sandrin M., Puorto G., Nardi R. (2016). Serpentes e acidentes ofídicos: um estudo sobre erros conceituais em livros didáticos. Investigações em ensino de ciências, 10(3): 281-298.

Schwanke C., Silva M. (2004). Educação e paleontologia. In: Carvalho I. S. (Org.). Paleontologia. Rio de Janeiro: Interciência, p. 123-130.

Siegel S., Castellan N. (2006). Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed. 448 p.

Werthein J., Cunha C. (2005). Educação científica e desenvolvimento: o que pensam os cientistas. Brasília: UNESCO/Instituto Sangari. Representação no Brasil. 223 p.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.