A proximidade de um parque estimulando o conhecimento sobre paleontologia

Palavras-chave: Educação Básica. Ensino de Paleontologia. Parque Paleontológico de Itaboraí.

Resumo

Este trabalho aborda o ensino de Paleontologia na Educação Básica Brasileira. O objetivo principal do estudo foi investigar se a proximidade da escola de um parque paleontológico - com todas as possibilidades educativas que daí possa advir - poderia resultar em maiores conhecimentos sobre paleontologia. A metodologia empregada caracteriza-se como uma pesquisa levantamento quantitativa e exploratória. Foram aplicados questionários sobre conhecimentos básicos e os resultados obtidos sugerem que a proximidade do parque influenciou nos conhecimentos paleontológicos dos estudantes. São discutidas e sugeridas formas de utilização do parque com um efetivo espaço não formal para o ensino e aprendizagem de conceitos paleontológicos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Cordeiro da Graça de Oliveira, Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado do Departamento de Físico-Química (IQ/UFRJ).
Edwaldo Oliva, Universidade de Évora, Escola de Ciências e Tecnologia. Universidade Nova de Lisboa FCT.
Mestre em Paleontologia. Bacharel e Licenciado em Biologia. Professor SEDUC/MG.
Luiz Otávio Rezende de Castro, Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Licenciado em Biologia

Referências

Abranson J. 2011. Winpepi updated: computer programs for epidemiologist and their teaching potential. Epidemiologic Perspectives & Innovations, 8(1): 1-9. URL: https://bit.ly/2BuYRJy. Acesso 21.11.2017.

Alonço M., Boelter R. 2016. Paleontologia nos Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista da SBEnBio 9: 7671-7682.

Bergqvist L., Moreira A., Pinto D. 2005. Bacia de São José de Itaboraí - 75 anos de História e Ciência. Biodiversidade de mamíferos fósseis brasileiros. Revista Geociências-UNG, 9(6): 54-68.

Bergqvist L., Rodrigues M., Rodrigues B., Perez R., Beltrão M. 2008. Bacia São José de Itaboraí, RJ: berço dos mamíferos no Brasil. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. In: Winge M, Schobbenhaus C, Souza C., Fernandes A., Berbert-Born M, Queiroz E. editores. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. URL: www.unb.br/ig/sigep/sitio123/sitio123.pdf Acesso 10.05.2018.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF. URL: https://bit.ly/2NiPe9E. Acesso em 22.01.18.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. 2000. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília. URL: https://bit.ly/2oMcgpe. Acesso em 22.01.18.

Brasil. Ministério da Educação. 2018. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. URL: https://bit.ly/2F39Opk. Acesso em: 17.12.18.

Brockelmann R. 2013a. Conexões com a Biologia vol. 1. São Paulo: Ed. Moderna. 182p.

Brockelmann R. 2013b. Conexões com a Biologia vol. 2. São Paulo; Ed. Moderna. 312p.

Brockelmann R. 2013c. Conexões com a Biologia vol. 3. São Paulo; Ed. Moderna. 303p.

Duarte, B. P. 1998. Evolução tectônica dos ortognaisses dos Complexos Juiz de Fora e Mantiqueira na região de Juiz de Fora, MG: Geologia, petrologia e geoquímica. São Paulo: Universidade de São Paulo. 269p. (Tese de Doutorado).

Frison M., Vianna J., Chaves J., Bernardi, F. 2009. Livro didático como instrumento de apoio para construção de propostas de ensino de Ciências Naturais. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Florianópolis, Brasil. Anais... Florianópolis.

URL: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/425.pdf. Acesso 05.03.2018.

Heirich C., Matsumura, W., Myszynski Junior L., Sedorko D., Bosetti, E. 2015. O aprendizado da Paleontologia no Ensino Básico da cidade de Tibagi - PR. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia - PR/SC, 2015, Dois Vizinhos. Anais Paleo 1: 42-46.

Horodyski R. 2010. Tafonomia dos invertebrados fósseis na sequência Eifeliana-Frasniana da sucessão devoniana da sub-bacia de Apucarana, Bacia do Paraná, Tibagi–PR, Brasil, Porto Alegre: Instituto de Geociências. UFRS. 91p. (Dissert. Mestrado).

Kauark S., Manhães F., Medeiros C. 2010. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum Ed. 86p.

Moraes S. D., Santos J., Brito, M. D. 2007. Importância dada à Paleontologia na educação brasileira: uma análise dos PCN e dos livros didáticos utilizados nos colégios públicos de Salvador, Bahia. In: Carvalho I. et al. 2007. Paleontologia: Cenários da Vida vol. 2. Rio de Janeiro: Interciências. p. 71-75.

Oliva E. 2018. Ensino da Paleontologia em espaços não formais. Évora: Universidade de Évora/ Universidade Nova de Lisboa. 105p. (Dissert. Mestrado). URL: https://bit.ly/2BtNuSc. Acesso 13.11.2018.

Osorio T. 2013a. Ser Protagonista: biologia, 1o ano: ensino médio, vol.1. São Paulo: Edições SM. 320p.

Osorio T. 2013b. Ser Protagonista: biologia, 2o ano: ensino médio, vol. 2. São Paulo: Edições SM. 320p.

Osorio T. 2013c. Ser Protagonista: biologia, 3o ano: ensino médio, vol. 3. São Paulo: Edições SM. 311p.

Sandrin M., Puorto G., Nardi R. 2016. Serpentes e acidentes ofídicos: um estudo sobre erros conceituais em livros didáticos. Investigações em ensino de ciências, 10(3): 281-298.

Schwanke C., Silva M. 2004. Educação e paleontologia. In: Carvalho I. S. (Org.). Paleontologia. Rio de Janeiro: Interciência, p. 123-130.

Siegel S., Castellan N. 2006. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed. 448 p.

Werthein J., Cunha C. 2005. Educação científica e desenvolvimento: o que pensam os cientistas. Brasília: UNESCO/Instituto Sangari. Representação no Brasil. 223 p.

Publicado
2019-09-17
Como Citar
Oliveira, G. C. da G. de, Oliva, E., Ribeiro, F. S. N., Balbino, A. C., & Castro, L. O. R. de. (2019). A proximidade de um parque estimulando o conhecimento sobre paleontologia. Terrae Didatica, 15, e019034. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8654372

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)