Visitas escolares ao Parque Paleontológico de Itaboraí: contribuições ao ensino de paleontologia

  • Guilherme Cordeiro da Graça de Oliveira Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ausenda Cáceres Balbino Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0001-9441-1043
  • Edwaldo Oliva Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal. https://orcid.org/0000-0003-0555-5729
  • Luis Otávio Rezende de Castro Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0001-9000-5291
  • Fátima Sueli Neto Ribeiro Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8201-4806
Palavras-chave: Ensino de Paleontologia. Espaços não formais de educação. Parque Paleontológico de Itaboraí.

Resumo

O principal objetivo deste trabalho foi utilizar o Parque Paleontológico de Itaboraí (PPI) – no município de Itaboraí (RJ) - como um espaço não formal para o ensino e aprendizagem de conteúdos de paleontologia. Visitas guiadas foram elaboradas, mediadas e avaliadas seguindo um percurso metodológico que se caracteriza como uma pesquisa ação.  Os instrumentos utilizados foram anotações do tipo “diário de bordo” e entrevistas semiestruturadas. Os resultados obtidos revelaram que o procedimento adotado foi capaz de proporcionar ganhos afetivos e cognitivos aos participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Cordeiro da Graça de Oliveira, Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado do Departamento de Físico-Química (IQ/UFRJ) com pesquisas em Espaços não formais de Educação.
Ausenda Cáceres Balbino, Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal
Doutor, Professor Catedrático, Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal
Edwaldo Oliva, Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal.
Mestre em Palentologia, Departamento de Geociências da Universidade de Évora/GeoBioTec Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa.
Luis Otávio Rezende de Castro, Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Licenciado em Biologia
Fátima Sueli Neto Ribeiro, Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor, Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Almeida J., Barreto A. 2010. O Tempo Geológico e Evolução da Vida. In: Carvalho I. 2010. Paleontologia: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Interciência, p. 93-109.

Almeida L., Zucon M., Souza J., Reis V., Vieira F. 2014. Ensino de Paleontologia: uma abordagem não-formal no Laboratório de Paleontologia da Universidade Federal de Sergipe. Terræ Didática, 10(1): 14-21. URL: https://bit.ly/2SVxnDY. Acesso 06.11.2018.

Beltrão M., Danon J., Teles M. 1982. Datação pelo 14C do sítio arqueológico de Itaboraí, RJ. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 54(1): 258-259.

Bergqvist L., Moreira A., Pinto D. 2005. Bacia de São José de Itaboraí - 75 anos de História e Ciência. Biodiversidade de mamíferos fósseis brasileiros. Revista Geociências-UNG, 9(6): 54-68.

Bergqvist L., Rodrigues M., Rodrigues B., Perez R., Beltrão M. 2008. Bacia São José de Itaboraí, RJ: berço dos mamíferos no Brasil. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. In: Winge M, Schobbenhaus C, Souza C., Fernandes A., Berbert-Born M, Queiroz E. editores. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. URL: www.unb.br/ig/sigep/sitio123/sitio123.pdf Acesso 10.05.2018.

Bergqvist L., Almeida E., Araújo-Júnior H. 2011. Tafonomia da assembléia fossilífera de mamíferos da “Fenda 1968”, Bacia de São José de Itaboraí, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia, 14(1): 75-86.

Bergqvist L., Prestes S. 2014. Kit paleontológico: um material didático com abordagem investigativa. Ciência & Educação, 2(2): 345-357. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000200006. Acesso 08.09.2017.

Bitarello B., Meyer D. 2011. Intercruzamento de humanos modernos com neandertais: novas perspectivas à luz da genética. Revista da Biologia, 6a: 6-9.

Bond M., Carlini A., Goin F., Legarreta L., Ortiz-Jaureguizar E., Pascual R., Uliana M. 1995. Episodes in South American land mammal evolution and sedimentation: testing their apparent concurrence in a Paleocene succession from central Patagonia. In: Actas del VI Congreso Argentino de Paleontología y Bioestratigrafía, 47-58.

Bonito J., Rebelo D., Morgado M., Monteiro G., Medina J., Marques L., Martins L. 2011. A Complexidade do Tempo Geológico e a sua Aprendizagem com Alunos Portugueses (12-13 anos). Terræ Didática, 7(1): 81-92. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v11i2.8640730. Acesso 17.06.2018.

Boruchovitch E. 2010. Autorregulação da aprendizagem: contribuições da psicologia educacional para a formação de professores. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(3): 401-409. URL: https://bit.ly/2QgiQko. Acesso 01.12.2017.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. 2000. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília. URL: https://bit.ly/2oMcgpe. Acesso em 22.01.18.

Cervato C., Frodeman R. 2014. A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos. Terræ Didatica, 10(1): 67-79.

Costa S., Guida K., Silva L., Carvalho C. 2016. Um estudo do PIBIC referente à reprovação em química dos alunos dos cursos técnicos integrados ao ensino médio do I.F. Goiano-Campus Urutaí. Anais do II Encontro de Licenciaturas e Pesquisas em Educação. URL: https://bit.ly/2ArCYLp. Acesso: 30.04.2018.

Correia M., 2016. The effects of Qi Gong on Attention: Defficit-Hyperactivity Disorder (ADHD): Clinical Case Report. Porto: Universidade do Porto. 102 p. (Dissert. Mestrado).

Cruz S., Bosetti E. 2007. A geografia e a paleontologia: perspectivas de inter-relações no ensino fundamental. Terr@ Plural, 1(2): 129-138. URL: https://bit.ly/2GR0yXT. Acesso 23.02.2018.

Duarte S., Arai M., Passos N., Wanderley M. 2016. Paleontologia no Ensino Básico das Escolas da Rede Estadual do Rio de Janeiro: uma Avaliação Crítica. Anuário do Instituto de Geociências, 39(2): 124-132.

Heirich C., Matsumura, W., Myszynski Junior L., Sedorko D., Bosetti, E. 2015. O aprendizado da Paleontologia no Ensino Básico da cidade de Tibagi - PR. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Paleontologia - PR/SC, 2015, Dois Vizinhos. Anais Paleo 1: 42-46.

Kauark S., Manhães F., Medeiros C. 2010. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum Ed. 86p.

Marandino M. 2009. Museus de Ciências, Coleções e Educação: relações necessárias. Revista Museologia e Patrimônio, 2(2): 1-12.

Marshall L. G. 1985. Geochronology and land-mammal biochronology of the transamerican faunal interchange. In: Stehli, F., Webb S. editors. 1985. The Great American Biotic Interchange, Topics in Geobiology, vol. 4. New York: Plenun Press. p. 49-85.

Mendes L. Nunes D., Pires, E. 2015. Avaliação do conhecimento paleontológico com intervenção em escolas de ensino médio: Um estudo de caso no Estado do Tocantins. Holos, 8: 384-398.

Nobre S., Farias, M. 2015. Jogo Digital como estratégia para o ensino de Biologia Evolutiva. Revista Tecnologias na Educação, 8(17): 1-14.

Novais T., Martello A., Oleques L., Leal L., Rosa A. 2015. Uma experiência de inserção da Paleontologia no ensino fundamental em diferentes regiões do Brasil. Terræ Didatica, 11(1): 33-41.

Oliva E. 2018. Ensino da Paleontologia em espaços não formais. Évora: Universidade de Évora/ Universidade Nova de Lisboa. 105p. (Dissert. Mestrado). URL: https://bit.ly/2BtNuSc. Acesso 13.11.2018.

Oliveira G., Turci C., Teixeira B., Silva E., Garrido I., Moraes R. 2014. Visitas guiadas ao Museu Nacional: interações e impressões de estudantes da Educação Básica. Ciência & Educação, 20(1): 227-242.

Pascual, R., Ortiz-Jaureguizar, E. 1991. El ciclo faunístico Cochabambiano (Paleoceno Temprano): su incidencia en la historia biogeográfica de los mamíferos sudamericanos. In: Soruco S. Ed. 1991. Fossiles y facies de Bolivia vol 1: Vertebrados. Santa Cruz de la Sierra: Revista Técnica, Yacimientos Petrolíferos Fiscales. p. 559-574.

Riccomini C. Sant’Anna L. G., Ferrari A. L. 2004. Evolução geológica do rift continental do sudeste do Brasil. In: Neto M., Bartorelli A., Carneiro C., Neves B. eds. 2004. Geologia do continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Editora Beca. p. 383-405.

Rodrigues F. Suecker S. Lara I. 2017. Museu interativo, lúdico e Paleontologia: Uma Proposta de Ensino Interdisciplinar. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 8(17): 177-186. URL: http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/189. Acesso 11.05.2018.

Soares J. M., Guida K. G., Silva A. S., Carvalho C. V. 2016. Um estudo do PIBIC referente à reprovação em química dos alunos dos cursos técnicos integrados ao ensino médio do IF goiano-campus Urutaí. Ciclo Revista, 1(2). URL: https://bit.ly/2VuSBea. Acesso 13.11.2018.

Torello F., Mello L., Freitas M. 2005. A Paleontologia na Educação Infantil: alfabetizando e construindo o conhecimento. Ciência & Educação, 11(3): 395-410.

Vieira V., Bianconi M., Dias M. 2005. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, 57(4): 21-23.

Wolinski A., Aires J., Gioppo C., Guimarães O. 2011. Por que Foi Mesmo que a Gente Foi Lá? Uma Investigação sobre os Objetivos dos Professores ao Visitar o Parque da Ciência Newton Freire-Maia. Química nova na escola, 33(3): 142-152.

Publicado
2019-10-03
Como Citar
Oliveira, G. C. da G. de, Balbino, A. C., Oliva, E., Castro, L. O. R. de, & Ribeiro, F. S. N. (2019). Visitas escolares ao Parque Paleontológico de Itaboraí: contribuições ao ensino de paleontologia. Terrae Didatica, 15, e019039. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8654419

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)