Banner Portal
Elementos da História e Filosofia das ciências em livros didáticos de Geologia: uma análise temporal
Camadas rítmicas da Formação Irati, Permiano da Bacia do Paraná
PDF

Palavras-chave

Ensino de geociências. História e filosofia das ciências. Geologia introdutória. Análise de livros didáticos.

Como Citar

MARINHO, Claudio; MIGUEL, Gisele Francelino; SIMAS, Joemes de Lima; GONÇALVES, Pedro Wagner. Elementos da História e Filosofia das ciências em livros didáticos de Geologia: uma análise temporal. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 15, p. e019008, 2019. DOI: 10.20396/td.v15i1.8654663. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8654663. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Neste trabalho buscou-se evidenciar conteúdos de História e Filosofia da Ciência (HFC) em livros didáticos de geologia. Particularmente procurou-se averiguar a continência de tópicos da HFC em obras já utilizadas em cursos de Geologia Introdutória e que ainda estão em uso. Para o estudo foram selecionadas obras publicadas em décadas diferentes, com o intuito de construir a trajetória da abordagem da HFC nos livros didáticos de geologia com o decorrer dos anos, bem como, observar o aumento ou redução da importância destes assuntos. A investigação dos materiais seguiu três caminhos: 1) a análise de conteúdo, com a observação de menções implícitas e explícitas; 2) a contextualização com conhecimentos científicos da época de publicação da obra e 3) o método de triangulação, que permitiu a confluência e discordância nos materiais analisados. O estudo revelou que a abordagem dos conteúdos de Geologia, nos livros didáticos analisados, tem enfoque nos processos e produtos geológicos, ou seja, a estrutura retórica presente nos textos é apresentada de maneira descontextualizada da Histórica e Filosofia da Ciência. A linguagem é dominantemente técnica, enfraquecendo o elo entre a Geologia e o contexto histórico e filosófico existente na época das descobertas geológicas discutidas nos livros. Este trabalho compõe parte de pesquisa maior, com mais obras e análises distintas. Não cabe classificar a qualidade das obras, já que foram publicadas em contextos e momentos diferentes.
https://doi.org/10.20396/td.v15i1.8654663
PDF

Referências

Almeida, C. N., Araújo C., & Mello E. F. (2015). Geologia nas Escolas de Ensino Básico: Experiência do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Terræ Didatica, 11(3), 150-161. doi: 10.20396/td.v11i3.8643643.

Amaral, I.A. (2014). Ensino de geologia introdutória: raízes e desdobramentos da mudança curricular em 1973 na USP. Terræ Didatica. 10(3), 161-170. doi: 10.20396/td.v10i3.8637311.

Amaral, I.A. (1981). O conteúdo e o enfoque dos livros de geologia introdutória. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-15072015-151724/pt-br.php.

Anastasiou, L. G. C., & Alves, L. P. (2015). Estratégias de ensinagem. In Anastasiou L.G.C., Alves L.P. (Org.) Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Ed.Univille, pp. 67-100, Joinville, SC, 2015.

Ausubel, D. P. (1963). The psychology of meaningful verbal learning. New York: Grune and Stratton.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa. Portugal: Edições 70.

Batista, I. L. (2004). The teaching of physics theories in a historical-philosophical structure. Ciênc. educ. 10(3), 461-476. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132004000300010.

Biggs, J. B. (2006). Calidad del aprendizaje universitario. Madrid, España: Narcea AS de Ediciones.

Bloom, B. S. (1972). Innocence in Education. The School Review. 80(3), 333-352. Recuperado de: https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/443036.

Branner, J. C. (1915). Geologia Elementar: com referência especial aos estudantes brazileiros e a Geologia do Brazil. (2º ed). Rio de Janeiro: Francisco Alves & Cia.

Carneiro, C. D. R., Toledo M. C. M. de, & Almeida F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4), 553-560. Recuperado de: http://ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9787/9135.

Carneiro, M.H.S., & Gastal, M.L. (2005). History and Philosophy of Science in Biology Teaching. Ciênc. educ. 11(1), 33-39. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000100003.

Casini, P. (1977). Naturaleza. Barcelona, Spaña: Ed. Labor. Cavalari, R. M. F. (2009). Las concepciones sobre la naturaleza en el ideario educacional de Brasil durante las decadas de 1920 y 1930. Utopía y Praxis Latioamericana. 14 (44), 53-67. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2985668.

Cunha, C. A. L. S. (1986). Geologia nos livros didáticos no Brasil: um estudo da coerência interna dos textos através do conceito de geossinclinal. (Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil) Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253359.

Dewey, J. (1979). Experiência e educação. São Paulo: Cia. Edit. Nacional.

Duarte, T. (2009). A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica). Centro de Investigação de Estudos de Sociologia (CIES) [e-Working Papers, n. 60]. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=27911649005.

Duschl, R. A. (1994). Research on the History and Philosophy of Science In: D.L. Gabel (ed.), Handbook of Research on Science Teaching (MacMillan, pp. 443-465, New York).

El-Hani, C. N. (2006). Notas sobre o ensino de história e filosofia da ciência na educação científica de nível superior: Subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física.

Figuerôa, S. F. M. (1994). Charles Frederic Hartt and the “Geological Commission of Brazil” (1875-1877). Earth Science History, 13(2), 168-173. doi: https://doi.org/10.17704/eshi.13.2.c5141486210264g4.

Franco, M.L.P.B. (2005). Análise de Conteúdo. Série pesquisa em educação. Brasília: Líber Livro.

Freire Jr., O. (2002). A relevância da filosofia e da história das ciências para a formação dos professores de ciência In: Silva Filho, V. J. (Org). Epistemologia e ensino de ciências. Salvador, BA: Arcádia, pp. 13-30.

Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Ed. Paz e Terra.

Freire, P. (1968). Pedagogia do oprimido. Ed. Paz e Terra.

Frodeman, R. (1995). Geological reasoning: Geology as an interpretative and historical science. GSA Bull., 107(8), 960-968. doi: https://doi.org/10.1130/0016-7606(1995)107%3C0960:GRGAAI%3E2.3.CO,2.

Frodeman, R. (2010). O raciocínio geológico: A geologia como uma ciência interpretativa e histórica. (Trad. L. M. Fantinel & E. V. D. Santos). Terræ Didatica, 6(2), 85-99. (Artigo original publicada em 1995). doi: https://doi.org/10.20396/td.v6i2.8637460.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: Tipos fundamentais. Rev. Adm. Emp. 35(4), 65-71. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004.

Gonçalves, P. W. (2005). Indicadores da presença de conteúdos de História e Filosofia da Ciência em livro de texto de Geologia Introdutória. Ciênc. educ.11(1), 41-52. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000100004.

Gonçalves, P. W., & Sicca, N. A. L. (2015, novembro 24-27). História da Ciência veiculada por meio de livros textos de Ciências da Terra. Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências [X ENPEC]. Águas de Lindóia, São Paulo, Brasil. Recuperado de: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/busca.htm?query=Hist%F3ria+da+Ci%EAncia+veiculada+por+meio+de+livros+textos+de+Ci%EAncias+da+Terra.

Gonçalves, P.W. (2016). Espaços dos estudos da natureza e invenção do tempo geológico. Disciplina EH003- Filosofia e Ensino de Ciências. [Texto apresentado na disciplina do curso de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciência da Terra] (Inédito).

Gray, R. (2014). The Distinction between Experimental and Historical Sciences as a Framework for Improving Classroom Inquiry). Science Education. 98(2), 327–341. doi: https://doi.org/10.1002/sce.21098.

Habermas, J. (1987). The theory of communicative action. (Vol. 2) Lifeworld and system: A critique of functionalist reason (Trans. T. McCarthy). Boston: Beacon Press (Publicação original de Theorie des kommunikativen Handelns, Band 2: Zur Kritik der funktionalistischen Vernunft, 1981).

Hodson, D. (1988). Towards a Philosophically More Valid Science Curriculum. Science Education 72, 19-40.

Lajolo, M. (1996). Livro didático: um (quase) manual de usuário. Em Aberto. 16(69), 3-8. doi: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.16i69.2061.

Leinz, V., & Amaral, S.E. (1980). Geologia Geral. São Paulo: Ed. Nacional.

Marcondes, N. A. V., & Brisola, E. M. A. (2014). Análise por triangulação de métodos: Um referencial para pesquisas qualitativas. Rev. Univap. 20(35), 201-208. doi: http://dx.doi.org/10.18066/revunivap.v20i35.228.

Martins, A. F. P (2007). História e Filosofia da Ciência no ensino: Há muitas pedras nesse caminho.... Cad. Bras. Ensino de Física. 24(1), 112-131.doi: https://doi.org/10.5007/%25x.

Matthews, M. R. (1990). History, Philosophy and Science Teaching: what can be done in an undergraduate course? Studies in Philosophy and Education. 10(1), 93-97. doi: https://doi.org/10.1007/BF00367690

Matthews, M. R. (1994). Science teaching: The role of history and philosophy of science. New York: Routledge.

Matthews, M. R. (1995). História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Cad. Catarinense de Ensino de Física. 12(3), 164-214. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5165906.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec.

Minayo, M. C. S., Assis, S. G., Souza, E. R. (2010). Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Oliver, G. S., & Figuerôa, S. F. M. (2006). Características da institucionalização das ciências agrícolas no Brasil. Rev. SBHC.4(2), 105-115. Recuperado de: https://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=111.

Oki, M. C. M., & Moradillo, E. F. (2008). The teaching of History of Chemistry: improving the knowledge about the nature of science. Ciênc. Educ. 14(1), 67-88. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000100005.

Piaget, J. (1967). Biologia e conhecimento: Ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Ed. Vozes.

Robinson, J. (1965). Science Teaching and the Nature of Science. J. Res. Sci. Teaching, 3, 37-50. doi: https://doi.org/10.1002/tea.3660030107.

Teixeira, W., Fairchild, T. R., Toledo, M. C. M.de, & Taioli, F. (2000). Decifrando a Terra. [Brochura]. São Paulo, SP, Brasil: Oficina de Textos.

Teixeira, W., Fairchild, T. R., Toledo, M. C. M.de, & Taioli, F. (2008). Decifrando a terra. [Brochura]. São Paulo, SP, Brasil: Cia Ed. Nacional.

Santos, S. B., Odetti, H. S., Ocampo, E. M., Ortolani, A. E., Junior, B. B. N., Santos, B. F., & Ribeiro, M. A. P. (2014). La disciplina de la história de la ciencia y de la técnica: Contribuciones para la enseñanza y la formación de profesores de Química. Educ. quím,. 25(1), 71-81. Recuperado de: http://www.revistas.unam.mx/index.php/req/article/download/64355/56488.

Vergara, M. R. (2009). Ciência e território em uma revista literária nos primeiros anos da república. Rev. Tempos Históricos. 13(2), 119-137. Recuperado de: http://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/4358/3326.

Wincander, R., Monroe, J. S. (2009). Fundamentos de Geologia. São Paulo, Brasil: Cengage Learning.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.