Política de estágio da Universidade Federal de Mato Grosso e a transição escola-trabalho

Palavras-chave: Estágio, Transição escola-trabalho, Projeto pedagógico de curso, Engenharia, Evasão escolar

Resumo

A transição escola-trabalho é uma preocupação cada vez maior de diversos governos no mundo, isso por que os maiores índices de desemprego em geral estão associados com o público jovem, ademais, a forma como essa transição ocorre pode determinar a condição social do indivíduo ao longo da vida. Nessa perspectiva, este estudo realizou uma análise das políticas de estágio, nos cursos de engenharia da Universidade Federal de Mato Grosso, sobre a ótica do processo de transição escola-trabalho. Para tanto, foi realizada uma análise documental dos projetos pedagógicos de curso. Os resultados demonstram que vários cursos possuem restrições que impedem a realização de estágio nos períodos iniciais, fato que pode favorecer a evasão escolar, assim como, amplia a dificuldade de estudantes em situação de vulnerabilidade econômica de acenderem no nível acadêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caiubi Emanuel Souza Kuhn, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Geociências e Meio Ambiente pela Universidade Estadual Paulista. Professor da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Mato Grosso.

Paulo Henrique Monteiro Guimarães, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco/Programa de Pós-Graduação em Economia, Recife/PE - Brasil.

Referências

Almeida, M. S. (2014). A transição da escola para o mundo do trabalho constituída em objecto de estudo: uma abordagem teórico-metodológica. Campinas. Caderno temático CEDES Educação e Trabalho, 34(94), 385-400.

Almeida, S.; & Rocha, C. (2010). O sistema de aprendizagem e as transições de jovens da escola ao mundo do trabalho. A relação com o saber: formas e temporalidades identitárias. Educação sociedade e cultura. 31: 83-103.

Aragão, A. S. A. (2004). Concepção pós-positivista do princípio da legalidade. Rio de Janeiro, R. Dir. Adm., 236, 51-64.

Baggi, C. A.; & Lopes, D. A. (2011). Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Campinas; Sorocaba, SP: Avaliação, 16(2), 355-374.

Barbosa, P. V.; Mezzomo, F.; & Loder, L. L. (2011). Motivos de Evasão no curso de Engenharia Elétrica: realidade e perspectivas. In XXXIX Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. 03 a 06 de outubro. Blumenau –SC.

Brasil. (2000). Decreto no 3.597, de 12 de setembro de 2000. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decre-to/d3597.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

Brasil. (2008). Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

Caires, S.; & Almeida, L. S. (2000). Os estágios na formação dos estudantes do ensino superior: tópicos para um debate em aberto. Revista Portuguesa de Educação, 13(2), 219-241.

Conferência Internacional do Trabalho. 1973. Convenção nº 138. Sobre a idade mínima de admissão ao emprego, Conferência Internacional do Trabalho, 58ª Sessão, 1973. URL: http://www.tst.jus.br/documents/2237892/0/Conven%C3%A7%C3%A3o+138+da+OIT++I-dade+m%C3%ADnima+de+admis-s%C3%A3o+ao+emprego. Acesso em: 20 jul. 2018.

Corseuil, C. H. L.; & Franca M. A. P. (2015). Inserção dos jovens no mercado de trabalho brasileiro: evolução e desigualdades no período 2006-2013. Brasília: OIT.

Correia, J. M. S. (1987). Legalidade e autonomia contratual nos contratos administrativos. Livraria Almedina, Coimbra.

Di Pietro, M. S. Z. (2012). Belo Horizonte, atualidades jurídicas: revista do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

EBC. Estudo mostra que 1,3 milhão de jovens de 15 a 17 anos abandonam escola. URL: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-02/13-milhao-de-jovens-entre-15-e-17-anos-abandonam-esco-la-diz-estudo. Acesso em: 20 jul. 2018.

Eisenmann, C. H. (1959). O direito administrativo e o princípio da legalidade. Revista de Direito Administrativo.

Fleming, S. C. R. (2015). Envolvimento acadêmico e autoeficácia na transição para o trabalho: um estudo com universitários concluintes. Salvador-BA: UFBA. Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. (Dissert. Mestrado)

Fujino, A.; & Vasconcelos, M. O. (2011). Estágios: reflexões sobre a ação didático–pedagógica na formação do profissional da informação. CRB-8 Digital, São Paulo. 4(1), 40-58.

Furtado, A. (2016). Desemprego entre jovens: situação do Brasil e lições da experiência internacional. Estudo técnico. Câmara dos Deputados.

Gondim, S. M. G. (2002). Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com a formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Estudos de Psicologia, 7(2), 299-309.

Gonçalves, A. L. A. (2014). Aprendizagem profissional: trabalho e desenvolvimento social e econômico; Estudos avançados 28, 81.

Guimarães, N. A.; Marteleto L.; & Brito M. M. A. (2016). Os jovens e o mercado de trabalho no Brasil. Trajetórias e transições. Os múltiplos e difíceis caminhos dos jovens brasileiros no mercado de trabalho. 13th Brasa International Congres; Providence, RI.

Marrara, T. (2014). As fontes do direito administrativo e o princípio da legalidade. Revista digital de direito administrativo. 1 (1), 23-51.

Oliveira, R. M. de. (2014). O desvirtuamento do contrato de estágio na administração pública. Universidade Estadual da Paraíba. Centro de Ciências Jurídicas. (Trabalho de conclusão de curso - Graduação em Direito)

Organização das Nações Unidas (ONU). Objetivos do Desenvolvimento Sustentável; 2015. URL: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 20 jul. 2018.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 2015. Juventude e trabalho informal no Brasil. OIT Escritório no Brasil; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). - Brasília: OIT.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (s.d.). Emprego Juvenil. URL: http://www.ilo.org/brasilia/temas/emprego/lang--pt/index.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2012). A crise do emprego jovem: Um apelo à ação Resolução e conclusões da 101ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho, Genebra, 2012. URL: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_norm/---relconf/documents/meetingdocument/wcms_311608.pdf. Acesso em: 20 jul. 2018.

Prim, A. L.; & Fávero, J. D. (2013). Motivos da evasão escolar nos cursos de ensino superior de uma faculdade na cidade de Blumenau. Tecnologias para Competitividade Industrial. Florianópolis, n. Especial Educação. 53-72.

Redig, A. G.; & Glat, R. (2017). Programa educacional especializado para capacitação e inclusão no trabalho de pessoas com deficiência intelectual; Ensaio: aval. pol. públ. Educ. Rio de Janeiro.

Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT. (1998). Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil, Estrutura curricular em regime seriado com periodização anual - 1995 / 1998. Cuiabá, MT: Faculdade de Tecnologia e Engenharia.

Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT. (2007). Projeto político pedagógico: curso de graduação em Engenharia Mecânica UFMT/CUR. Rondonópolis, MT: Instituto de Ciências Exatas e Naturais.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2008a). Projeto Político Pedagógico Engenharia Sanitária e Ambiental. Cuiabá, MT: Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia – FAET, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental – DESA.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2008b). Projeto Político Pedagógico Curso de Agronomia. Sinop, MT: Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2009a). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Florestal. Sinop, MT: Campus de Sinop, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2009b). Projeto pedagógico do curso de bacharelado em Agronomia. Barra do Garças, MT: Campus Universitário do Araguaia, Instituto de Ciências Exatas e da Terra.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2009c). Projeto político pedagógico do curso de graduação em Engenharia Civil, Bacharelado. Barra do Garças, MT: Campus Universitário do Araguaia, Instituto de Ciências Exatas e da Terra.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2009d). Resolução conselho de Ensino Pesquisa e Extensão n.º 117.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2010a). Projeto pedagógico do curso de graduação em Engenharia Florestal. Cuiabá, MT: Faculdade de Engenharia Florestal, Departamento de Engenharia Florestal.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2010b). Projeto político pedagógico do curso de Engenharia Elétrica. Cuiabá, MT: Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Departamento de Engenharia Elétrica.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2011a). Resolução Conselho Diretor N.º 04.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2011b). Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental Projeto Pedagógico do Curso (PPC). SINOP, MT: Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Campus Universitário de Sinop.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2011c). Projeto pedagógico do curso de Graduação em Agronomia/Cuiabá. Cuiabá, MT. Faculdade de Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2011d). Reformulação do Projeto Pedagógico Graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental. Rondonópolis, MT. Instituto de Ciências Agrárias e Tecnológicas.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2014a). Projeto pedagógico de curso de graduação em Engenharia de Computação - 2014 a 2019, Cuiabá, MT: Campus Universitário Várzea Grande, Instituto de Engenharia.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2014b). Projeto pedagógico de Curso de graduação em Engenharia Química - 2014 a 2019. Cuiabá, MT: Campus Universitário Várzea Grande, Instituto de Engenharia.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2014c). Projeto pedagógico de Curso de graduação em Engenharia de Controle e Automação - 2014 a 2019. Cuiabá, MT: Campus Universitário Várzea Grande, Instituto de Engenharia.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2014d). Projeto pedagógico de curso de graduação em Engenharia de Transportes - 2014 a 2019. Cuiabá, MT: Campus Universitário Várzea Grande, Instituto de Engenharia.

Universidade Federal de Mato Grosso. (2014e). Projeto pedagógico de curso de graduação em Engenharia de Minas - 2014 a 2019. Cuiabá, MT: Campus Universitário Várzea Grande, Instituto de Engenharia.

Vieira, D. A.; Caires, S.; & Coimbra, J. L. (2011). Do ensino superior para o trabalho: contributo dos estágios para inserção profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 12(1), 29-36.

Publicado
2019-09-17
Como Citar
Kuhn, C. E. S., & Guimarães, P. H. M. (2019). Política de estágio da Universidade Federal de Mato Grosso e a transição escola-trabalho. Terrae Didatica, 15, e019036. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8654794