Características morfológicas da planicie de inundação do Rio Atibaia, entre Campinas e Jaguariúna, SP, Brasil

Palavras-chave: Ciências da Terra, Geologia, Geomorfologia

Resumo

As planícies aluvionares são ecossistemas situados próximos ao nível de base de cursos de água, onde vários ambientes se inter-relacionam. Elas são consideradas áreas de descarga do escoamento básico de rios, e resultados de processos de assoreamento de sedimentos e erosão do rio ao longo do Quaternário, e compreendem um sistema complexo e dinâmico, seja em relação às suas características físicas como biológicas. A ocupação urbana e periurbana nestes locais, classificam-nas como áreas de risco hidrológico, uma vez que cheias sazonais ou chuvas extremas impactam a comunidade residente. A planície do rio Atibaia é uma extensa área limítrofe com os municípios de Campinas, Jaguariúna e Paulínia situada na transição entre a Depressão Periférica e o Planalto Atlântico. Trata-se de uma área de cerca de 34 km2, onde o rio Atibaia corre encaixado nas fraturas e falhas do embasamento cristalino. A planície forma uma pequena bacia sedimentar, decorrente do afunilamento da calha por diabásios a jusante, e a montante por rochas gnáissicas. Ela apresenta dois terraços representativos de fases de formação da planície, paleomeandros e paleocanais, antigas barras de pontal e diques marginais. Pequenas elevações são encontradas ao longo das margens do rio e migrações de meandros recentes de sentido noroeste e sudeste foram registradas, uma vez que o rio se encontra meandrante nesta parte de seu curso. Os campos úmidos e bacias de decantação representam área com níveis aflorantes do aquífero freático, e áreas de baixios (na região mais baixa da planície) onde a água se acumula e escoa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Eduardo de Oliveira Muraro, Programa de Pós Graduação em Geociências, Departamento de Geologia e Recursos Naturais, Instituto de Geociencias Unicamp
Geógrafo, mestrando do programa de Geociênicas do Instituto de Geociências da Unicamp
Sueli Yoshinaga Pereira, Instituto de Geociências Universidade de Campinas
Professora Associada Colaboradora, trabalha com geologia ambiental e hidrogeologia no Departamento de Geologia e Recursos Naturais do Instituto de Geociências da Unicamp.
Paulo Ricardo Brum Pereira, INSTITUTO FLORESTAL DA SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO
Geógrafo, Pesquisador Cientifico VI, Dr em Ciências Ambientais (CENA - ESALQ USP). Trabalha na Divisão de Florestas e Estações Experimentais.

Referências

Ab’Saber, A. N. Domínios morfoclimáticos e províncias fitogeográficas no Brasil. Orientação, São Paulo, n. 3, p. 45-48, 1967. [Republicado em Grandes paisagens brasileiras. São Paulo: Eca, 1970a; e como parte do artigo “Províncias geológicas e domínios morfoclimáticos no Brasil”. Geomorfologia, São Paulo, n. 20, p. 1-26, 1970b

Alexander, J.; Marriot, S.B. 1999. Introduction. In: Marriot, S., Alexander, J. (Eds.). Floodplains. Interdisciplinary Approaches, Special Publication, 163. Geological Society of London, London, pp. 1-13 (Special Publication).

Almeida F. F. M. de. 1964. Fundamentos geológicos do relevo paulista. Boletim do Instituto Geográfico e Geológico, vol.1: 167-273.

Bayer, M. Ambientes sedimentares da planície aluvial do rio Araguaia. Revista Brasileira de Geomorfologia. v. 15, nº 2. 2014.

Benson, C.; Clay E. J. Disasters, Vulnerability and the Global Economy. In: Kreimer, A.; Arnold, M. (ed.) The Future Disaster Risk: Building Safer Cities. Disaster Risk Management Series n. 3, Washington, D.C. 2003. p. 3-32.

Brunke, M.& Gonser, T. 1997. The ecological significance of Exchange processes between rivers and groundwater. Freshwater Biology (1997). 37, p. 1-33

Charlton, R. - Fundamentals of fluvial geomorphology, Ed. Routledge 1ª ed. 2008.

Christofoletti, A. - Geomorfologia, 2ª ed. Ed Edgard Blucher, 188p. 1980.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Divisão Cerrados - Composição de espécies vasculares de campo sujo e campo úmido em área de cerrado, Itirapina – SP, Brasil. Revista Brasil, 2004, p.489-506, V.27.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa solos ministério da agricultura, Pecuária e Abastecimento - Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3ª edição Revista e ampliada - 2013.

Governo do Estado de São Paulo/ IG. Subsídios do meio físico-geológico ao planejamento do município de Campinas (SP), 1993. Instituto Geológico. Programa Cartas geológicas e geotécnicas para o planejamento ambiental na região entre Sorocaba e Campinas. São Paulo, 3v.

Governo do Estado de São Paulo/ IG. Subsídios para o planejamento regional e urbano do meio físico na porção média da Bacia do Rio Piracicaba, SP. 1995. Instituto Geológico. Programa Cartas geológicas e geotécnicas para o planejamento ambiental na região entre Sorocaba e Campinas. São Paulo, 4v.

Governo do Estado de São Paulo/IG. Mapa geológico do município de Campinas, 2009. Instituto Geológico, Volume II, Relatórios Técnicos. p. 127.

Governo Federal do Brasil/ CPRM. 2013. Ação emergencial para reconhecimento de áreas e alto e muito alto risco a movimentos de massas e enchentes. Campinas – São Paulo, Maio de 2013, SP_CPS_SR_01_CPRM, Vale das Garças – Vila Holândia (CA-48-CA47). 1 p.

Governo Federal do Brasil/ CPRM. Manual de geologia. Disponível em http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/4802. 1974.

Guirao, A.; Cisotto, M.F.; Barbosa, R.V. 2012. Vulnerabilidade por inundação na área de várzea do rio Atibaia no município de Campinas. Revista Geonorte. Edição Especial, v.3, n.4, p. 1380-1390, 2012.

Hatton, T. & Evans, R. 1998. Dependence of ecosystems on groundwater and its significance to Australia. Land and Water Resources Research and Development Corporation. Camberra.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2ª ed. Rio de Janeiro. Manual técnico de geomorfologia, 2009.

Leinz, V. & Amaral, S.E.do. 1995. Geologia do Brasil. Editora Nacional.

Marriot, S.B. 2004. Floodplain. In: Goudie, A.S. (Ed.). Encyclopedia of Geomorphology, v.1. Routledge, London, pp. 381-384.

Muraro, L. E. O.; Yoshinaga-Pereira, S.; Pereira, P. R. B. 2016. O potencial de reservação de água subterrânea na planície de inundação do rio Atibaia, distrito de Barão Geraldo, Campinas, SP. XIX Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas.

Murray, B.R, Zeppel, M.J.B., Grant, C.H., Eamus, D. 2003. Groundwater-dependent ecosystems in Australia: it´s more than just water for rivers. Ecological Management and Restoration, vol. 4, issue 2, p. 110-113. https://doi.org/10.1046/j1442-8903.2003.00144.x

Pellogia, A.U.G. 2005. A cidade, as vertentes e as várzeas: a transformação do relevo pela ação do homem no município de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, 16 (2005) 24-31.

Pereira, P.H.V.; Pereira, S.Y.; Yoshinaga, A.; Pereira, P.R.B. 2011. Nascentes: Análise e discussão dos conceitos existentes. Fórum Ambiental da Alta Paulista, v.7, n.2, 2011.

Pereira, S.Y. 1997. Proposta de representação cartográfica na avaliação hidrogeológica para o estudo de planejamento e meio ambiente, exemplo da Região Metropolitana de Campinas, SP. Tese de Doutoramento USP. 209p.

Perez Filho, A. et al.; Relação Solo-Geomorfologia em várzea do rio Mogi-Guaçu, SP, no. 4, SP. Revista Brasileira. de Ciência do Solo, 1980. pp.181 a 187.

Pires Neto, A.G. 1996. Estudo morfotectônico das bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari, Jundiaí e áreas adjacentes no Planalto Atlântico e Depressão Periférica. Proj. CNPq 150011/94-6, IGCE – UNESP, Rio Claro, 71p.

Popp, José H. - Geologia geral, 5ª ed. Reimp. Ed. Civilização Brasileira. 1998.

Prefeitura Municipal de Campinas. 2011. Decreto no 17.236 de 14 de janeiro de 2011, dispõe sobre as medidas preventivas e interdição de imóveis localizados em áreas sujeitas a inundação, no município de Campinas, e dá outras providências. Diário Oficial, 15 de janeiro de 2011, no 10.058-Ano XLI, páginas 1 e 2.

Riccomini, C. e Coimbra, A.M. 1993. Sedimentação em rios entrelaçados e anastomosados,. Boletim IG-USP, Instituto de Geociências . Disponível em http://www .revistas.usp.br/bigsd/article/viewFile/45350/48962

Rocha, P.C. 2011. Sistemas rio-planície de inundação: Geomorfologia e conectividade hidrodinâmica. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.1, p50-67, jan./jul. 2011.

Rodhe, M.M., Ray, F., Howard, J. 2017. A global synthesis of managing groundwater dependent ecosystems under sustainable groundwater policy. Groundwater. Vol. 55, no. 3, May-June, p. 293-301

Ross, J. Geografia do Brasil. São Paulo. 5ª Ed. Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

Stanford, J. A.; Ward, J. V. Ecological connectivity in alluvial river ecosystems and its disruption by flow regulation. Regulated rivers: research & management, 1993, p.105-119, v. 2.

Suguio, K. 2003. Geologia sedimentar. São Paulo. Ed. Blücher, 400p.

The World Bank. 2006. Groundwater Dependent Ecosystems, the challenge of balanced and adequate conservation. Briefing Note Series. Note 15. Sustainable Groundwater Management. Concepts and Tools. GW-Mate. 8p.

Tucci, Carlos E.M.- Gestão de inundações urbanas. Ministério das Cidades. 2012, Governo Federal.

Vendrame, I. F.; Lopes W. A. B. Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Anais XII Simpósio Brasileiro de sensoriamento Remoto. Goiânia, INPE, 2005

Verstappen, H. T. 1983. Applied Geomorphology (Geomorphological Surveys for Environmental Development). Amsterdan et New York, Elsevier. 420p.

Zancopé, M. H. de C. Análise morfodinâmica do rio Mogi Guaçu. Tese de Doutoramento Universidade de Campinas. 2008. 124p.

Zancopé, M. H. de C.; Perez F., A. – Consideração a respeito a distribuição das planícies aluviais do rio Mogi Guaçu, n° 1, Ano 7. Revista Brasileira de Geomorfologia, 2006.

Publicado
2019-09-10
Como Citar
de Oliveira Muraro, L. E., Pereira, S. Y., & Brum Pereira, P. R. (2019). Características morfológicas da planicie de inundação do Rio Atibaia, entre Campinas e Jaguariúna, SP, Brasil. Terrae Didatica, 15, e019029. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8655083