Uma intervenção pedagógica no Sambaqui do Limão (ES)

contribuições para a formação de professores

Palavras-chave: Aula de campo, Sítios arqueológicos, Sambaqui, Espaços educativos não formais

Resumo

Da perspectiva da Pedagogia do Lugar, este trabalho apresenta alguns momentos em que os pares se encontram e se reconhecem como indivíduos intencionados a interagir criticamente com a realidade, inovando o conhecimento, refazendo-o e rompendo as barreiras impeditivas da construção de práticas pedagógicas emancipatórias, as quais podem suscitar a autonomia política, ambiental e histórica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com procedimentos do tipo observação participante, cujas análises decorreram de categorias fincadas na organização do trabalho das equipes. A discussão contemplou os dados colhidos na participação de docentes em uma formação continuada ocorrida em um sítio arqueológico pré-colonial do tipo sambaqui, em Presidente Kennedy, ES – Brasil. Como resultado, os professores em formação tornaram-se sujeitos do estudo, no qual experiências foram compartilhadas, diálogos foram estabelecidos e a relação dos sujeitos com o ambiente foi avaliada. As discussões produzidas propiciaram formas criativas de abordagem para o ensino de geociências e de ciências. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Roberto Pires Campos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo

Pós-Doutorado em Educação, Ciência e Tecnologia pelo CEFET-RJ. Professor permanente do Programa de Mestrado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo.

Maria Margareth Cancian Roldi, Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo

Mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo. Professora da rede estadual de ensino - Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo.

Brenda Odete Pfeifer de Araújo, Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo

Mestre em Educação em Ciências - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo. Professora e coordenadora escolar - Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo.

Guilherme Pizoni Fadini, Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo

Mestrado em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espirito Santo. Professor efetivo da Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo.

Referências

Amador, E. S. (1982). Depósitos relacionados à formação inferior do grupo barreiras no Estado do Espírito Santo. In: Congresso Brasileiro de Geologia, Salvador, 1982. Anais... Salvador: SBG, 32(4), 1451-1460.

André, M. E. D. A. (2001). Pesquisa em educação: buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: FCC/ Autores Associados. 113, 51-64. Doi: 10.1590/S010015742001000200003. Acesso em: 10.03.2018.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. 280p.

Batista, M. C., Fusinato, P. A., & Ramos, F. P. (2017). Contribuições de uma oficina de astronomia para a formação inicial de professores dos anos iniciais. Ensino, Saúde e Ambiente, 10(2), 107-128. doi: https://doi.org/10.22409/esa.v10i2.626. Acesso 23.07.2018.

Brasil. 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Introdução. Ensino Fundamental. Brasília: MEC. URL: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf. Acesso 17.04.2018.

Campos, C. R. P. (2015). Aula de campo para alfabetização científica: práticas pedagógicas escolares. Série de Pesquisas em Educação em Ciências e Matemática. Vitória: Editora Ifes. URL: http://educimat.ifes.edu.br/images/stories/Publica%C3%A7%C3%B5es/Livros/Aulas-de-Campo-para-Alfabet-iza%C3%A7%C3%A3o-Cient%C3%ADfi-ca-978-85-8263-092-1.pdf. Acesso 03.01.2019.

Compiani, M. & Carneiro C.D.R. (1993). Os papeis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 1(2), 90-97. URL: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/88098/140821. Acesso 11.05.2018.

Compiani, M. (1991). A relevância das atividades de campo no ensino de Geologia na formação de professores de Ciências. Cadernos do IG/UNICAMP, Campinas SP, 1 (2), 2-25. URL: https://www.re-searchgate.net/journal/0103-6734_Cadernos_IG_UNICAMP. Acesso 08.03.2018.

Compiani. M. (2015). Por uma pedagogia crítica do lugar/ambiente no ensino de Geociências e na educação ambiental. In: Bacci, D. Geociências e Educação Ambiental. Curitiba: Ponto Vital, e-book, (pp. 53-77). URL: https://jornal.usp.br/wp-content/up-loads/geociencias_ebook.pdf. Acesso 20/06/2018.

Conti Neto N. & Albino J. (2011). Quaternary evolution of Rio Itabapoana coastal plain and its relation with vulnerability. In: XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA, Armação de Búzios, 2011. Anais... Armação de Búzios: ABEQUA, v. 1, n. 1. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132004000100010. Acesso em: 31.05.2018.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 256p.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 172p.

Gaspar M. D., Blasis, P., Kneip, A., Scheel-Ybert, R. & Giannini, P.C. (2007). Sambaquis e paisagem. Dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueología Suramericana / Arqueologia Sul-americana 3(1), 29-61. URL: https://www.academia.edu/5301914/Sambaquis_e_pais-agem_Din%C3%A2mica_natural_e_arqueolo-gia_regional_no_litoral_do_sul_do_Brasil. Acesso 10.05.2018.

Gaspar, M. D. (2000). Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar. 92p.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro URL: http://gege.fct.unesp.br/docentes/geo/necio_turra/PPGG%20--%20PESQUISA%20QUALI%20PARA%20GEOGRAFIA/Grupo%20focal%20na%20pesqui-sa%20em%20Ci%EAncias%20Sociais%20e%20Humanas_Gatti.pdf. Acesso em 10.05.2018.

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Uberlândia, Em extensão, 7(1), 55-66. URL: http://www.seer.ufu.br/index.php/revexten-sao/search/search. Acesso 12.07.2019.

Leite, S. Q. M (Org.). (2012). Práticas experimentais investigativas no Ensino de Ciências. Vitória, Espírito Santo: Editora Ifes. URL: http://educimat.ifes.edu.br/images/stories/Publica%C3%A7%C3%B5es/Livros/Ifes_Livro-Praticas-Experimentais-_2012.pdf. Acesso em 25.05.2018.

Marques M. L., Teixeira, C., Moscon, E. A., & Campos, C.R.P. (2014). Aprendendo ciências no sambaqui: uma proposta de promoção da aprendizagem por meio da atividade investigativa. In: Anais do IV SINECT. Ponta Grossa, 2014. Anais... Ponta Grossa: UTFPr. URL: http://sinect.com.br/anais2014/anais2014/artigos/ensino-de-ciencias/01409252643.pdf. Acesso. 10.05.2018.

Martin, L., Suguio, K., Flexor, J. M. & Archanjo, J. (1996). Coastal quaternary formations of the Southern part of the Espírito Santo (Brazil). Anais da Academia Brasileira de Ciências,68(3), 389-404.

Morais, M.B. & Paiva, M. H. (2009). Ciências – ensinar e aprender. Belo Horizonte: Dimensão, 128p.

Oliveira, L. A. S., Bacci, D. L. C, Soares, D. B. & Sil-va, D. F. (2012). O ensino de Geociências e a formação de professores: experiências de um processo de aprendizagem. In: Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (Endipe), Campinas, SP., 2012. Anais... Campinas: Fac. Educ. Unicamp. URL: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPO-SIP/251617/1/Augusto_ThaisGimenezdaSilva_D.pdf. Acesso 25.05.2018.

Oliveira, M. K. (2002). Vigotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 112p.

Piranha, J. M. (2015). Interdisciplinaridade no trabalho educacional. In: Bacci, D. (Org.). Geociências e educação ambiental. Curitiba: Ponto Vital, e-book, (pp. 26-34). URL: http://sites.igc.usp.br/filead-min/files/biblioteca/Pdfs/geociencias_ebook.pdf. Acesso 29.05.2018.

Saviani, D. (2003). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 160p.

Seniciato, T. & Cavassan, O. (2004). Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências – um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência & Educação, 10(1), 133-147.

Silva, M. S. (2016). Potencialidades pedagógicas da aula de campo para a promoção da alfabetização científica: o circuito ‘Trilha da Pedra da Batata – Mirante do Sumaré do Parque Estadual da Fonte Grande (Vitória/ES). Vitória: IFES. 172p. (Dissert. Mestrado). URL: http://educimat.ifes.edu.br/images/stories/Publica%C3%A7%C3%B5es/Dis-serta%C3%A7%C3%B5es/2016_Marcelo_Scabe-lo_da_Silva.pdf. Acesso em 05.06.2018

Souza, R. C. C. L., Silva, E. P. & Lima T. A. (2011). Conchas Marinhas de Sambaquis do Brasil. Rio de Janeiro: Technical Books. 251p.

Trevisan, I. (2016). Aula de campo na formação inicial de professores de ciências: articulações e possibilidades. Curitiba: CRV. 224p.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(3), 443-466. URL: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf. Acesso 05.02.2019.

Viveiro, A. A., Diniz, R. E. S. (2009). Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela. 2(1), 1-12. URL: http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/0109viveiro.pdf. Acesso 20.06.2018.

Vygotsky, L. S. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Livraria Martins Fontes. 224p. URL: www.abequa.org.br/trabalhos/02_08_2011_19_21_17_Clemente_et_al_2011.pdf. Acesso. 11.05.2018.

Publicado
2019-09-10
Como Citar
Campos, C. R. P., Roldi, M. M. C., Araújo, B. O. P. de, & Fadini, G. P. (2019). Uma intervenção pedagógica no Sambaqui do Limão (ES). Terrae Didatica, 15, e019026. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8655269