Taxonomia de Bloom como instrumento no ensino-aprendizagem de projeção estereográfica em geologia

Palavras-chave: Geologia estrutural, Aprendizagem significativa, Visualização tridimensional, Desenvolvimento cognitivo.

Resumo

Estudantes de Geologia enfrentam dificuldades para desenvolver a capacidade de dar significado e caracterizar o arranjo geométrico de estruturas rochosas. Quando é preciso interpretar movimentos e deslocamentos, a barreira se expande ainda mais. A natureza tridimensional das estruturas estimula o desenvolvimento do raciocínio visual pelos geólogos, juntamente com a integração/associação de diversos tipos de dados. Docentes de Geologia Estrutural são desafiados a criar atividades práticas que facilitem e tornem o aprendizado mais atraente, utilizando a projeção estereográfica. Este trabalho aplica a taxonomia de Bloom como ferramenta de ensino-aprendizagem, sob a perspectiva de que as categorias podem facilitar o alcance dos objetivos das disciplinas, além de clarificar as atividades práticas e contribuir para planejar conteúdos, tarefas e avaliação. Para fazer frente às dificuldades dos estudantes, os autores elaboraram e propuseram categorias nos três domínios da taxonomia de Bloom para ensino de Geologia Estrutural, focalizando especificamente o conteúdo de projeção estereográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Francelino Miguel, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Geologia pela Universidade Estadual de Campinas.
Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

 Livre Docente pelo Instituto de Geociências da Unicamp (2010). 

Referências

Anastasiou, L. G. C.; Alves, L. P. (Orgs.) (2015). Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10ª ed. Joinville, SC: Univille.

Anderson, L. W.; Krathwohl, D. R.; Airasian, P. W.; Cruikshank, K. A.; Mayer, R. E.; Pintrich, P. R.; & Wittrock, M. C. (2000). A Taxonomy for Learning, Teaching and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives (2sded). New York: Pearson.

Ausubel, D.; Novak, J. D.; & Hanesian, H. (1980). Psicologia educacional (2ª ed). Rio de Janeiro: Interamericana.

Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva Cognitiva. Lisboa: Plátano, Edições Técnicas.

Bloom, B. S. (1972). Innocence in education. The School Review, 80(3), 333-352.

Bloom, B. S. (Ed.) (1956). Taxonomy of educational objectives, Handbook I: Cognitive Domain. 2nd ed. New York: Addison-Wesley Longman Ltd.

Chadwick, P. (1978). Some aspects of the development of geological thinking. Geology Teaching, 3, 142-148.

Dave, R. H. (1970). Psychomotor levels. In: R. J. Armstrong (Ed.) (1970). Developing and writing educational objectives. Tucson, AZ: Educational Innovators Press.

Ferraz, A. P. C. M.; & Belholt, R. V. (2010). Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, 17(2), 421-431. doi: 10.1590/S0104-530X2010000200015.

Frodeman, R. (2010). O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Trad. L.M. Fantinel & E.V.D. Santos. Terræ Didatica, 6(2), 85-99. doi: 10.20396/td.v6i2.8637460.

Frodeman, R. L. (1996). Envisioning the Outcrop. Journal of Geoscience Education, 44(4), 417-427. doi: 10.5408/1089-9995-44.4.417.

Galhardi, A. C.; & Azevedo, M. M. (2013, 9 e 10 de outubro). Avaliações de aprendizagem: o uso da taxonomia de Bloom. In: Anais do VIII Workshop de Pós-Graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza. Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade. ISSN: 2175-1897.

Harrow, A. J. (1972). A taxonomy of the psychomotor domain: A guide for developing behavioral objectives. New York: Addison-Wesley Longman Ltd.

Kastens, K. A.; Agrawal, S.; & Liben, L. S. (2009). How students and field geologists’ reason in integrating spatial observation from outcrop to visualize a 3-D geological structure. International Journal of Science Education, 31(3), 365-393. doi: 10.1080/09500690802595797.

Kastens, K. A; Pistolesi, L.; & Passow, M. J. (2014). Analysis of spatial concepts, spatial skills and spatial representation in New York State regents Earth Science examinations. Journal of Geoscience Education, 62(2), 278-289. doi: 10.5408/13-104.1.

King, C. (2008). Geoscience education: an overview. Studies in Science Education, 44(2), 187-222. doi: 10.1080/03057260802264289.

Krathwohl, D. R. (2002). A revision of Bloom’s taxonomy: an overview. Theory Into Practice, 41(4), 212-218. doi: 10.1207/s15430421tip4104_2.

Krathwohl, D. R.; Bloom, B. S.; & Masia, B. B. (1956). Taxonomy of Educational Objectives: The Classification of Educational Goals, Handbook II: The affective domain. New York: David McKay Company, Inc.

Mager, R. F. (1984). Preparing Instructional Objectives. 2nd ed. Belmont, CA: Pitman.

Miguel, G. F. (2018). Visualização 3D como condição para aprendizagem significativa em Geologia Estrutural. Dissertação de Mestrado, Campinas, SP, Brasil, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/334038/1/Miguel_GiseleFrancelino_M.pdf.

Miguel, G. F.; Carneiro, C. D. R.; Guimarães, G. A.; & Souza, J. J. P. (2018a). La proyección estereográfica como recurso para el desarrollo de la percepción espacial y el aprendizaje significativo en Geología Estructural. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 26(2), 176-185. Recuperado de: https://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/338610.

National Research Council (2000). How People Learn: Brain, Mind, Experience, and School (Expanded Edition). Washington, DC: The National Academies Press.

Perrenoud, P. (1999a). Avaliação da excelência à regularização das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed.

Perrenoud, P. (1999b). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.

Perrenoud, P. (2005, 12-14 Septembre). Développer des compétences, mission centrale ou marginale de l´université? Texte d´une conférence au Congrés de LÁssociation Internacionale de Pedagogia Universitaire (AIPU). Université de Genève.

Pombo, O. (1984). Pedagogia por Objectivos / Pedagogia com Objectivos. Logos, 1, 43-72. Lisboa: Filosofia Aberta.

Ragan, D. M. (2009). Structural Geology: An introduction to Geometrical Techniques (4 ed). USA: Cambridge University Press.

Ramsden, P. (2003). Learning to Teach in Higher Education. (2sded). Routledge.

Simpson, E. J. (1972). The Classification of Educational Objectives in the Psychomotor Domain. Washington, D.C: Gryphon House.

Thomas, K. (2004). Learning Taxonomies in the Cognitive, Affective and Psychomotor domains. Rocky Mountain Alchemy. Recuperado de: www.rockymountainalchemy.com/whitePapers/rma-wp-learning-taxonomies.pdf.

Vaughan, C. A. (1980). Identifying Course Goals: Domains and Levels of Learning. American. American Sociological Association, 7(3), 265-279. doi: 10.2307/1317141.

Waldron, J. (2009). Stereographic Projection. University of Alberta: Department of Earth and Atmospheric Science. EAS 233, Geologic Structures and Maps, Winter 2009.

Publicado
2019-11-18
Como Citar
Miguel, G. F., & Carneiro, C. D. R. (2019). Taxonomia de Bloom como instrumento no ensino-aprendizagem de projeção estereográfica em geologia. Terrae Didatica, 15, e019041. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8657522

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 5 > >>