Banner Portal
Taxonomia de Bloom como instrumento no ensino-aprendizagem de projeção estereográfica em geologia
Camadas rítmicas da Formação Irati, Permiano da Bacia do Paraná
PDF

Palavras-chave

Geologia estrutural
Aprendizagem significativa
Visualização tridimensional
Desenvolvimento cognitivo.

Como Citar

MIGUEL, Gisele Francelino; CARNEIRO, Celso Dal Ré. Taxonomia de Bloom como instrumento no ensino-aprendizagem de projeção estereográfica em geologia. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 15, p. e019041, 2019. DOI: 10.20396/td.v15i0.8657522. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8657522. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Estudantes de Geologia enfrentam dificuldades para desenvolver a capacidade de dar significado e caracterizar o arranjo geométrico de estruturas rochosas. Quando é preciso interpretar movimentos e deslocamentos, a barreira se expande ainda mais. A natureza tridimensional das estruturas estimula o desenvolvimento do raciocínio visual pelos geólogos, juntamente com a integração/associação de diversos tipos de dados. Docentes de Geologia Estrutural são desafiados a criar atividades práticas que facilitem e tornem o aprendizado mais atraente, utilizando a projeção estereográfica. Este trabalho aplica a taxonomia de Bloom como ferramenta de ensino-aprendizagem, sob a perspectiva de que as categorias podem facilitar o alcance dos objetivos das disciplinas, além de clarificar as atividades práticas e contribuir para planejar conteúdos, tarefas e avaliação. Para fazer frente às dificuldades dos estudantes, os autores elaboraram e propuseram categorias nos três domínios da taxonomia de Bloom para ensino de Geologia Estrutural, focalizando especificamente o conteúdo de projeção estereográfica.

https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8657522
PDF

Referências

Anastasiou, L. G. C.; Alves, L. P. (Orgs.) (2015). Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10ª ed. Joinville, SC: Univille.

Anderson, L. W.; Krathwohl, D. R.; Airasian, P. W.; Cruikshank, K. A.; Mayer, R. E.; Pintrich, P. R.; & Wittrock, M. C. (2000). A Taxonomy for Learning, Teaching and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives (2sded). New York: Pearson.

Ausubel, D.; Novak, J. D.; & Hanesian, H. (1980). Psicologia educacional (2ª ed). Rio de Janeiro: Interamericana.

Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva Cognitiva. Lisboa: Plátano, Edições Técnicas.

Bloom, B. S. (1972). Innocence in education. The School Review, 80(3), 333-352.

Bloom, B. S. (Ed.) (1956). Taxonomy of educational objectives, Handbook I: Cognitive Domain. 2nd ed. New York: Addison-Wesley Longman Ltd.

Chadwick, P. (1978). Some aspects of the development of geological thinking. Geology Teaching, 3, 142-148.

Dave, R. H. (1970). Psychomotor levels. In: R. J. Armstrong (Ed.) (1970). Developing and writing educational objectives. Tucson, AZ: Educational Innovators Press.

Ferraz, A. P. C. M.; & Belholt, R. V. (2010). Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, 17(2), 421-431. doi: 10.1590/S0104-530X2010000200015.

Frodeman, R. (2010). O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Trad. L.M. Fantinel & E.V.D. Santos. Terræ Didatica, 6(2), 85-99. doi: 10.20396/td.v6i2.8637460.

Frodeman, R. L. (1996). Envisioning the Outcrop. Journal of Geoscience Education, 44(4), 417-427. doi: 10.5408/1089-9995-44.4.417.

Galhardi, A. C.; & Azevedo, M. M. (2013, 9 e 10 de outubro). Avaliações de aprendizagem: o uso da taxonomia de Bloom. In: Anais do VIII Workshop de Pós-Graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza. Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade. ISSN: 2175-1897.

Harrow, A. J. (1972). A taxonomy of the psychomotor domain: A guide for developing behavioral objectives. New York: Addison-Wesley Longman Ltd.

Kastens, K. A.; Agrawal, S.; & Liben, L. S. (2009). How students and field geologists’ reason in integrating spatial observation from outcrop to visualize a 3-D geological structure. International Journal of Science Education, 31(3), 365-393. doi: 10.1080/09500690802595797.

Kastens, K. A; Pistolesi, L.; & Passow, M. J. (2014). Analysis of spatial concepts, spatial skills and spatial representation in New York State regents Earth Science examinations. Journal of Geoscience Education, 62(2), 278-289. doi: 10.5408/13-104.1.

King, C. (2008). Geoscience education: an overview. Studies in Science Education, 44(2), 187-222. doi: 10.1080/03057260802264289.

Krathwohl, D. R. (2002). A revision of Bloom’s taxonomy: an overview. Theory Into Practice, 41(4), 212-218. doi: 10.1207/s15430421tip4104_2.

Krathwohl, D. R.; Bloom, B. S.; & Masia, B. B. (1956). Taxonomy of Educational Objectives: The Classification of Educational Goals, Handbook II: The affective domain. New York: David McKay Company, Inc.

Mager, R. F. (1984). Preparing Instructional Objectives. 2nd ed. Belmont, CA: Pitman.

Miguel, G. F. (2018). Visualização 3D como condição para aprendizagem significativa em Geologia Estrutural. Dissertação de Mestrado, Campinas, SP, Brasil, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/334038/1/Miguel_GiseleFrancelino_M.pdf.

Miguel, G. F.; Carneiro, C. D. R.; Guimarães, G. A.; & Souza, J. J. P. (2018a). La proyección estereográfica como recurso para el desarrollo de la percepción espacial y el aprendizaje significativo en Geología Estructural. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 26(2), 176-185. Recuperado de: https://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/338610.

National Research Council (2000). How People Learn: Brain, Mind, Experience, and School (Expanded Edition). Washington, DC: The National Academies Press.

Perrenoud, P. (1999a). Avaliação da excelência à regularização das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed.

Perrenoud, P. (1999b). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.

Perrenoud, P. (2005, 12-14 Septembre). Développer des compétences, mission centrale ou marginale de l´université? Texte d´une conférence au Congrés de LÁssociation Internacionale de Pedagogia Universitaire (AIPU). Université de Genève.

Pombo, O. (1984). Pedagogia por Objectivos / Pedagogia com Objectivos. Logos, 1, 43-72. Lisboa: Filosofia Aberta.

Ragan, D. M. (2009). Structural Geology: An introduction to Geometrical Techniques (4 ed). USA: Cambridge University Press.

Ramsden, P. (2003). Learning to Teach in Higher Education. (2sded). Routledge.

Simpson, E. J. (1972). The Classification of Educational Objectives in the Psychomotor Domain. Washington, D.C: Gryphon House.

Thomas, K. (2004). Learning Taxonomies in the Cognitive, Affective and Psychomotor domains. Rocky Mountain Alchemy. Recuperado de: www.rockymountainalchemy.com/whitePapers/rma-wp-learning-taxonomies.pdf.

Vaughan, C. A. (1980). Identifying Course Goals: Domains and Levels of Learning. American. American Sociological Association, 7(3), 265-279. doi: 10.2307/1317141.

Waldron, J. (2009). Stereographic Projection. University of Alberta: Department of Earth and Atmospheric Science. EAS 233, Geologic Structures and Maps, Winter 2009.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.