Análise crítica de conceitos de geologia apresentados na plataforma YouTube® com foco em vídeo-aulas

Palavras-chave: Geologia, Internet, Educação

Resumo

O acesso à internet é uma realidade cotidiana de grande parte da população, que possibilita acesso irrestrito às redes sociais ou plataformas digitais. Os usos dos ambientes são os mais variados possíveis, dentre os quais se inclui a educação. É possível encontrar uma infinidade de resumos e outros materiais educativos, como as vídeo-aulas. O YouTube®, uma plataforma bastante utilizada, hospeda vídeo-aulas sobre variados temas em múltiplas áreas do conhecimento, inexistindo análise prévia do conteúdo publicado. Os impedimentos para postagem relacionam-se principalmente a direitos autorais e não à veracidade da informação apresentada. Devido à presença massiva, muitos vídeos fornecem conceitos errôneos ou informações incompletas. O presente artigo analisa vídeos nos quais predominam temas de Geologia, abordados muitas vezes como assuntos da Geografia. Os principais problemas observados nos vídeos foram: baixa qualidade das informações, erros e equívocos conceituais bastante graves – quando presentes –, porém em geral os vídeos bem avaliados possuem uma ótima linguagem, comunicação clara e excelente uso de esquemas/figuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Amendola, Universidade Estadual de Campinas

Atualmente é doutorando no programa de Ensino e História de Ciências da Terra - PEHCT na Universidade estadual de Campinas, Unicamp.

Celso Dal Ré Carneiro , Universidade Estadual de Campinas

 Livre Docente pelo Instituto de Geociências da Unicamp (2010). 

Referências

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE (2018). PNAD Contínua TIC: Internet chega a três em cada quatro domicílios do país. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/23445-pnad-continua-tic-2017-internet-chega-a-tres-em-cada-quatro-domicilios-do-pais. Acesso: 14 ago. 2019.

Demo, P. (2009). Educação hoje: “novas” tecnologias, pressões e oportunidades. São Paulo: Ed. Atlas.

Gibson, D.; Aldrich, C.; & Prensky, M. (2007). Games and simulations in online learning: research and development frameworks. Hershey, PA: Information Science Publishing.

Cohen, K. M.; Finney, S. C.; Gibbard, P. L.; Fan J. X. (2013). International Chronostratigraphic Chart. Episodes, 36(3), 199-204. Disponível em: http://www.episodes.org/index.php/epi/article/view/59399. Acesso: 07 ago. 2019.

International Commission on Stratigraphy, ICS. (2019). International Chronostratigraphic Chart. IUGS. Disponível em: http://www.stratigraphy.org/index.php/ics-chart-timescale. Acesso: 07 ago. 2019.

International Union of Geological Sciences, IUGS (2017). Tabela Cronoestratigráfica Internacional. IUGS. Disponível em: http://www.stratigraphy.org/ICSchart/ChronostratChart2017-02PTPortuguese.pdf. Acesso: 20 jul 2019.

Juhaz, A. (2008) Teaching on YouTube. Open Culture. Disponível em: http://www.openculture.com/2008/04/teaching_on_youtube.html. Acesso: 13 jul. 2019.

Klein, A. (2006). Cultura da visibilidade: entre a profundidade das imagens e a superfície dos corpos. In: Lopes, A. S.; Médola, D.; Araujo, D. C.; & Bruno, F. (2006). Imagem, visibilidade e cultura midiática. Livro da XV Compós. Encontro anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Porto Alegre: Sulina. p. 207-293.

Lemos, A. (2006). Ciberespaço e tecnologias móveis: processos de territorialização e desterritorialização na Cibercultura. In: 15o Encontro Anual da Compós. Bauru. Encontro anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Disponível em: https://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/territorio.pdf. Acesso: 14 ago. 2019.

Grobel, M. C. B.; & Telles, V. L. C. N. (2014). Da comunicação visual pré-historica ao desenvolvimento da linguagem escrita, e, a evolução da autenticidade documentoscópica. Revista Acadêmica Oswaldo Cruz, 1(1). Disponível em: http://revista.oswaldocruz.br/Content/pdf/Maria%20Cec%C3%ADlia%20Blumer% 20GROBEL.pdf. Acesso: 14 ago. 2019.

Mattar, J. (2009). YouTube na Educação. O uso de vídeos em EAD. São Paulo: Univ. Anhembi Morumbi.

Modelski, D.; Giraffa, L. M. M.; & Casartelli, A. O. (2019). Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. São Paulo, Educ. Pesquisa on-line., 45. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-97022019000100515&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso: 14 ago. 2019.

Pellegrini, D. P.; Reis, D. D.; Monção, P. C.; Oliveira, R. R. (2009). YouTube. Uma nova fonte de discursos. Univ. Santa Cruz. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-pelegrini-cibercultura.pdf. Acesso: 18 jul.2019.

Rubim, A. A. C. (2000). A contemporaneidade como idade mídia. Interface Comunicação, Saúde, Educação, 4(7), 25-36.

Rüdiger, F. (2013). As teorias da cibercultura: perspectivas, questões e autores. 2 ed. Porto Alegre: Sulina. 319p. (Coleção Cibercultura).

Silva, F. S.; & Serafim, M. L. (2016). Redes sociais no processo de ensino e aprendizagem: com a palavra o adolescente. In: Sousa, R. P., Sousa, R. P.; Bezerra, C. C.; Silva, E. M.; & Moita, F. M. G. S. (2016). Teorias e práticas em tecnologias educacionais [online]. Campina Grande: EdUEPB. p. 67-98.

Simão, R. B. (2018). Educação aberta: o que é ser um professor facilitador. Revista on-line Nova Escola, ed. 310(314). Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/9424/educacao-aberta-o-que-e-ser-um-professor-facilitador. Acesso: 14 ago.2019.

The Horizon Report. (2008) New Media Consortium & Educause Learning Initiative. California. The New Media Consortium and Educase Learning Initiative (ELI). Disponível em https://library.educause.edu/-/media/files/library/2008/1/csd5320-pdf.pdf. Acesso: 14 ago.2019.

Publicado
2019-11-18
Como Citar
Amendola, D., & Carneiro , C. D. R. (2019). Análise crítica de conceitos de geologia apresentados na plataforma YouTube® com foco em vídeo-aulas. Terrae Didatica, 15, e019042. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8657523

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 > >>