A formação de professores nos cursos de Ciências Naturais (LCN) no Brasil no século XXI:

perspectiva de alunos e professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659017

Palavras-chave:

Currículos, Interdisciplinaridade, Geociências, Ensino

Resumo

Em 2008, na Universidade de Brasília, Campus de Planaltina (UnB-Planaltina), no 1º Seminário Brasileiro de Integração das Licenciaturas em Ciências Naturais (LCN), estiveram presentes coordenadores e/ou representantes de cursos de Licenciatura em Ciências Naturais de SP (Universidade de São Paulo), PA (Universidade Estadual do Pará e Universidade Federal do Pará), do Amazonas (Universidade Federal do Amazonas), BA (Universidade Estadual da Bahia), AC (Universidade Federal do Acre), MT (Universidade Federal do Mato Grosso), RJ (Universidade Federal Fluminense) e MG (Universidade Federal de Minas Gerais). O Seminário objetivou aproximar as universidades envolvidas na formação de professores de Ciências Naturais, de modo a formar uma rede de conhecimento. A reunião foi sucedida por outras, que promoveram debates e trocas de experiência sobre formação de professores de Ciências Naturais, envolvendo coordenadores de cursos, professores e alunos de cursos LCN. Os temas discutidos envolvem diretrizes curriculares nacionais e campos de atuação dos egressos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosely Aparecida Liguori Imbernon, Universidade de São Paulo

Doutora em Geociências (Geoquímica e Geotectônica) pela Universidade de São Paulo. Professora Associado MS-5.2 da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Eliane Mendes Guimarães, Universidade de Brasília

Doutora em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília. Professora adjunta da Universidade de Brasília.

Rozana de Medeiros Sousa Galvão, Universidade Federal do Amazonas

Doutora em Biotecnologia pela Universidade Federal do Amazonas. 

Aldeniza Cardoso de Lima, Universidade Federal do Amazonas

Doutora em Biodiversidade e Biotecnologia - Rede Bionorte pela Universidade Federal do Amazonas. Professora do Curso de Biologia e Ciências Naturais no Instituto de Ciências pela Universidade Federal do Amazonas.

 

Lucídia Fonseca Santiago, Universidade Federal do Pará

Doutora em Ciências Morfológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora associada da Universidade Federal do Pará. 

Célia Maria Lira Jannuzzi, Universidade Federal Fluminense

Mestra em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Especialização em Educação Continuada e a Distância pela Universidade de Brasília. Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense.

Tiago Calixto, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1999). Referenciais para formação de professores. Brasília: MEC/SEF.

Conselho Nacional de Educação (CNE). (2019). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica. Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília-DF: CNE. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 08. 06. 2020.

Chaves, A., & Shellard, R. C. (2005). Física para o Brasil: pensando o futuro. São Paulo: Sociedade Brasileira de Física, 2005. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/v1/arquivos_diversos/publicacoes/FisicaBrasil_Dez05.pdf. Acesso em: 23. 03. 2019.

Compiani, M. (2005). Geologia/Geociências no Ensino Fundamental e a Formação de Professores. Revista IG-USP, 3, 13-30.

Gil-Pérez, D., Carrascosa, J., Furió, C., & Martínez-Torregrosa, J (1991) La enseñanza de las ciencias en la educación secundaria. Barcelona, Horsori.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). (2019). Relatório Brasil no PISA 2018. Versão Preliminar. Coords. Nascimento, C. D’L. & Borges, V. M. Brasília-DF: Inep/MEC. 160p. Disponível em: http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2019/relatorio_PISA_2018_preliminar.pdf. Acesso em: 15. 05. 2020.

Krasilchik, M. (1980). Inovação no ensino de ciências. In: Garcia, Walter. (Coord.) (1980). Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez Autores Associados.

Krasilchik, M. (1987) O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU/EDUSP.

Nardi, R. (2005) Memórias da educação em ciências no Brasil: a pesquisa em ensino de física. Investigações em Ensino de Ciências, 10(1), 63-101.

Neto, J. M. (2014). Parecer analítico sobre a BNCC-Ciências da Natureza. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/Parecer_8_CI_Jorge_Megid_Neto.pdf. Acesso em: 09. 06. 2020.

Oliveira, J. F.; Imbernon, R. A. L. (2014). Avaliação dos Projetos Políticos Pedagógicos (PPP) de cursos de Licenciatura em Ciências Naturais (LCN) no Brasil. Conferência In: 3º Seminário Brasileiro de Integração das Licenciaturas em Ciências Naturais. Faculdade UnB Planaltina (FUP), Universidade de Brasília (UnB).

Pierson, A. H. C., & Neves, M. R. (2000). Interdisciplinaridade na formação de professores de ciências: conhecendo obstáculos. Porto Alegre, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 1(2), 120-131.

Pontuschka, N. N. A. (1994). A formação pedagógica do professor de geografia e as práticas interdisciplinares. Tese (Doutorado em Educação). São Paulo, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

Razuck, R. C. S. R., & Rotta, J. C. G. (2014). O curso de licenciatura em Ciências Naturais e a organização de seus estágios supervisionados. Ciênc. Educ., Bauru, 20(3), 739-750. doi: 10.1590/1516-73132014000300014.

Reis, R. C., & Mortimer, E. F. (2020). Um estudo sobre Licenciaturas em Ciências da Natureza no Brasil. EDUR Educação em Revista, 36, 1-13. doi: 10.1590/0102-4698205692.

Ristoff, D. (2012). A tríplice crise na formação de professores. GEA-ES, FLACSO-Brasil, Fundação Ford.

Saviani, D. (2006) A nova lei da educação: LDB trajetória, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados.

Soares, S. S. D., & Nascimento, P. A. M. M. (2012) Evolução do desempenho cognitivo dos jovens brasileiros no Pisa. Cadernos de Pesquisa 42(145), 68-87. Doi: 10.1590/S0100-15742012000100006.

Souza, R. T. Y. B., Souza, L. O., Oliveira, S. R., & Takahashi, E. L. H.(2019) Formação continuada de professores de ciências utilizando a Aquaponia como ferramenta didática. Ciência & Educação 25(2), 395-410. doi: 10.1590/1516-731320190020008.

Villani, A., Pacca, J. L. A., & Freitas, D. (2002). Formação do Professor de Ciências no Brasil: Tarefa Impossível? Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Física. São Paulo: Sociedade Brasileira de Física. v. único. p. 1-20.

UNESCO (2003). A ciência para o século XXI: uma nova visão e uma base de ação. Brasília: UNESCO, ABIPTI, 2003. 72p. Texto baseado na Conferência Mundial sobre Ciência, Santo Domingo, 10-12 mar, 1999 e na Declaração sobre Ciências e a Utilização do Conhecimento Científico, Budapeste, 1999. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000207.pdf. Acesso em: 09. 06. 2020.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

IMBERNON, R. A. L.; GUIMARÃES, E. M. .; GALVÃO, R. de M. S.; LIMA, A. C. de .; SANTIAGO, L. F. .; JANNUZZI, C. M. L. .; CALIXTO, T. . A formação de professores nos cursos de Ciências Naturais (LCN) no Brasil no século XXI: : perspectiva de alunos e professores. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020030, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659017. Acesso em: 26 nov. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)