Geociências e cenários futuros:

uma proposta para o ensino de Geografia no estudo da realidade socioambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659092

Palavras-chave:

Geociências, Estratégia de ensino, Distopia, Meio ambiente, Futuro

Resumo

Compreender as transformações espaciais e temporais no ambiente representa um desafio para o ensino de Geociências, especialmente, na Educação Básica. Este artigo apresenta processos e produtos resultantes de um estudo sobre a contribuição do uso de cenários futuros e, em particular, as distopias, como estratégia didático-pedagógica. Tendo por base o presente e as transformações futuras, foram realizadas atividades, a partir de metodologias participativas, para a análise crítica e reflexiva das mudanças socioambientais no entorno escolar. O estudo foi desenvolvido com duas turmas de terceiro ano do ensino médio em uma escola técnica estadual no município de São Paulo/SP. Considerando os pressupostos teóricos e metodológicos da Pedagogia Histórico-Crítica e associados à Pesquisa-Ensino os resultados indicaram que o uso de cenários é uma ferramenta profícua para analisar e transformar atitudes dos jovens cidadãos com relação às realidades socioambientais presentes e futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Santo Lisboa, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora na rede municipal de ensino de São Paulo ministrando a disciplina de Geografia no Ensino Fundamental II e Médio.

Vânia Maria Nunes dos Santos, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ciências: Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Pós-Doutorado em Ensino de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora permanente  em Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora colaboradora do Instituto de Geociências pela Universidade de São Paulo. 

 

 

Referências

Beck, U. (2011). Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. 2. ed. São Paulo: Editora 34.

Beck, U. (2015). A Sociedade de risco mundial: em busca da segurança perdida. Coimbra: Edições 70.

Bianchetti, L., & Thiesen, J. S. (2014). O lugar das utopias e distopias no debate social e pedagógico na atualidade: Á guisa de apresentação. In: L. Bianchetti, & J. S. Thiesen (Orgs.). (2014). Utopias e distopias na modernidade: Educadores em diálogo com T. Morus, F. Bacon, J. Bentham, A. Huxley e G. Orwell. Ijuí: Editora Unijuí. p. 21-42.

Brandão, I. L. (2008). Não verás país nenhum. 27. ed. São Paulo: Global.

Canário, R. (2006). A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed.

Carneiro, C. D., Toledo, M. M., & Almeida, F. M. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. Disponível em: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9787. Acesso em: 06. 06. 2020.

Cavalcanti, L. S. (1999). Propostas curriculares de geografia no ensino médio: algumas referências de análise. Revista Terra Livre(14), 125-145. Disponível em: http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/377/359. Acesso em: 29. 06. 2019.

Crutzen, P. J. (2002). Geology of mankind. Nature, 415, 23. doi: 10.1038/415023a.

Ferrão, J. (2017). O Antropoceno como narrativa: uma lente útil para entender o presente e imaginar o futuro? Biblos, (3), 205-221. doi: 10.14195/0870-4112_3-3_10.

Gabriel, S. S. (2008). Ensinando o futuro no ensino médio: uma investigação. Tese (Doutorado). São Paulo, SP. Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo. doi: 10.11606/T.27.2008.tde-20052009-151104. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27154/tde-20052009-151104/pt-br.php#referencias.

Hicks, D. (2001). Re-examining the future: The challenge for citizenship education. Educational Review, 53(3), 229-240. doi: 10.1080/00131910120085838.

Hicks, D. (2006). Lessons for the future: The missing dimension in education. Victoria, BC, Canadá: Trafford Publ. Disponível em: https://www.teaching4abetterworld.co.uk/Downloads/download21.pdf. Acesso em: 29. 07. 2019.

Lisboa, N. S. (2019). Distopia e ensino de Geociências: contribuições da literatura distópica na análise crítica e reflexiva da relação sociedade-natureza. Dissertação (Mestrado). Campinas, SP, Brasil. Programa de Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/335200.

McDanield, M. A. (1977). O currículo de amanhã, hoje. In: Toffler A. (Org.). (1977). Aprendendo para o futuro. Rio de Janeiro: Ed. Artenova. p. 131-159.

Oliveira, S. B., Lopes, R., & Veiga, J. E. (2018). Os critérios para a definição da nova época geológica, o Antropoceno. In: Bellesa, M. (Entrevistador). (2018). Conversa sobre o Antropoceno. (02.05.2018). São Paulo. Instituto de Estudos Avançados, Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.iea.usp.br/noticias/conversa-sobre-o-antropoceno. Acessoem: 09. 06. 2020.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). (2017). Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: objetivos de aprendizagem. Brasília: UNESCO. Disponível em: Https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000252197. Acesso em: 06. 05. 2020.

Penteado, H. D., & Garrido, E. (2010). Pesquisa-ensino: A comunicação escolar na formação do professor. São Paulo: Ed. Paulinas.

Piranha, J. M., & Carneiro, C. D. R. (2009). O ensino de geologia como instrumento formador de uma cultura de sustentabilidade. Revista Brasileira de Geociências, 39(1), 129-137. doi: 10.25249/0375-7536.2009391129137.

Santos, V. M. N. (2011). Educar no ambiente: Construção do olhar geocientífico e cidadania. São Paulo: Annablume.

Santos, V. M. N, & Bacci, D. C. (2011). Mapeamento Socioambiental para Aprendizagem Social. In P. R. Jacobi, Aprendizagem social: diálogos e ferramentas participativas: aprender juntos para cuidar da água. São Paulo, SP: IEE. p. 63-81.

Saviani, D. (2018). Escola e democracia. 43. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados.

Toffler, A. (1977). A psicologia do futuro. In A. Toffler (Org.). (1977). Aprendendo para o futuro. Rio de Janeiro: Ed. Artenova. p. 31-46.

Toledo, M. C. M. de. (2005). Geociências no Ensino Médio brasileiro: Análise dos parâmetros curriculares nacionais. Geologia USP, 3(Publ. Esp.), 31-44. doi: 10.11606/issn.2316-9087.v3i0p31-44.

Zolnerkevic, I. (2016). A Era Humana: Material plástico acumulado no fundo dos oceanos pode definir um novo período da história da Terra, o Antropoceno. Pesquisa Fapesp, (243), 52-55. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2016/05/052_antropoceno.pdf. Acesso em: 12. 06. 2020.

Downloads

Publicado

2020-06-26

Como Citar

LISBOA, N. S.; SANTOS, V. M. N. dos. Geociências e cenários futuros:: uma proposta para o ensino de Geografia no estudo da realidade socioambiental. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020031, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659092. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659092. Acesso em: 26 nov. 2020.