Capacitação em gerenciamento do risco de inundações e movimentos de massa para profissionais de defesa civil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659129

Palavras-chave:

Defesa civil, Setorização de risco, Sistema de alerta, Plano de contingências

Resumo

Capacitação contínua é necessária para que os profissionais de defesa civil realizem suas ações, em vista do amplo campo envolvido na identificação e avaliação de ameaças, suscetibilidades e vulnerabilidades a desastres. Este texto descreve experiência de planejamento e execução intra e intergovernamental de um curso presencial de capacitação, buscando integrar, de forma prática, o gerenciamento de risco de desastres. Três instrumentos de gerenciamento foram apresentados aos participantes: setorização de áreas de risco para movimentos de massa e inundações; monitoramento e alerta; e planos de contingência. O curso foi composto de aulas teóricas e práticas, que evidenciaram a importância de conhecer e monitorar os riscos de forma integrada, além de aperfeiçoar a resposta diante da ocorrência de desastres. Em duas edições do curso, foram capacitados 74 técnicos de defesa civil de 32 municípios, o que possibilitou maior autonomia desses profissionais para atuar localmente no gerenciamento do risco de desastres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Midori Saito, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN)

Geógrafa, Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) e professora do Programa de Pós-Graduação em Desastres Naturais/UFSC.

Andrea Fregolente Lazaretti, Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM)

Geóloga, Especialista em Gestão Ambiental. Pesquisadora em Geociências do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM).

Eduardo Cesar Fernandes Filho, Comando de Policiamento Metropolitano

Capitão PM do Comando de Policiamento Metropolitano, Pós-graduando em Engenharia Geotécnica. Professor da Academia de Polícia Militar do Barro Branco.

Carla Corrêa Prieto, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden)

Geógrafa e Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Doutora em Ciência do Sistema Terrestre pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Trabalha no monitoramento de risco de movimentos de massa no Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden).

Gabriel Guimarães Facuri, Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM)

Graduado em Geologia pela Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência de trabalhos com pesquisas nas áreas de Educação em Geociências e Mudanças Climáticas, Vulcanologia e Riscos Geológicos. Fez mestrado com fluxos de detritos na Universidade Estadual de Campinas, sendo parte na Universidade de Bolonha. Atualmente é Pesquisador em Geociências na CPRM - Serviço Geológico do Brasil com trabalhos na área de Risco Geológico.

Gilberto Lima, Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM)

Geógrafo, Especialista em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Analista em Geociências do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM).

Renato Santos Lacerda, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden)

Historiador, Mestre em História Social das Relações Políticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Analista em Ciência e Tecnologia do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

Referências

Alexander, D., Bramati, L., & Simonetta, M. (2009). Emergency preparedness training and education in lombardy region, italy: Survey of supply and demand. Natural Hazards Review. doi: 10.1061/(ASCE)1527-6988(2009)10:3(77).

Alvalá, R. C. D. S., Mariane Assis Dias, C. D., Saito, S. M., Stenner, C., Franco, C., Amadeu, P., Ribeiro, J., Souza de Moraes Santana, R. A., & Nobre, C. A. (2019). Mapping characteristics of at-risk population to disasters in the context of Brazilian early warning system. International Journal of Disaster Risk Reduction, 41. doi: 10.1016/j.ijdrr.2019.101326.

Andjelkovic, I. (2001). International Hydrological Programme Guidelines Non-Structural Measures in. Management, 50(50), 89. http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001240/124004e.pdf. Acesso 30.01.2020.

Bertone, P., & Marinho, C. (2013). Plano de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais. Visão do Planejamento. VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, 21, 1-24. Brasília. http://www.sgc.goias.gov.br/upload/arquivos/2013-12/gestao-de-riscos-e-resposta-a-desastres-naturais.pdf. Acesso 29.01.2020.

Brasil. (2012) Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil, SINPDEC, e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil, CONPDEC. Brasília (DF). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm. Acesso 18.01.2020.

Cardona, O. D. A., Carreño, M.-L., Marulanda, M.-C., Barbat, A. H., Saito, S. M., & Marulanda, P. M. F. (2017). Evaluación del Índice de Gestión del Riesgo de Brasil y resultados comparativos para los países de América Latina y el Caribe. In: Marchezini, S. M., Wisner, V., Londe, B., Saito, L. R. (Eds.). (2017). Reduction of vulnerability to disasters: from knowledge to action. São Carlos: RIMA. p. 632. https://preventionroutes.weebly.com/capiacutetuloschapters.html. Acesso 30.01.2020.

Carvalho, C. S., & Galvão, T. (2006). Prevenção de Riscos de Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais. Ministério das Cidades; Cities Alliance. http://planodiretor.mprs.mp.br/arquivos/prevencaoriscos.pdf. Acesso 30.01. 2020

Carvalho, D. W. (2016). Os Planos Diretores de Bacia Hidrográfica e a irradiação de efeitos sobre instrumentos de ordenação territorial. Revista de Direito Da Cidade. doi: 10.12957/rdc.2016.23805.

Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais [Cemaden]. (2020). Histórico da criação do Cemaden. São José dos Campos: Cemaden. https://www.cemaden.gov.br/historico-da-criacao-do-cemaden. Acesso 29.01. 2020.

Centro Universitário de Pesquisa e Estudos sobre Desastres (Ceped). (2014). In: Furtado, J. R. (Ed.). (2014). Gestão de desastres e ações de recuperação. Módulo III. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2013/02/livro-completo-1-1.pdf. Acesso 27.01. 2020.

Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped). (2013). Atlas Brasileiro de Desastres Naturais 1991 a 2012: volume São Paulo. 2 ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. URL: https://s2id.mi.gov.br/paginas/atlas/. Acesso 27.01. 2020.

Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil [Cepdec-SP]. (2020). Histórico. São Paulo: Cepdec. URL: http://www.defesacivil.sp.gov.br/historico. Acesso 30.01.2020.

Diário Oficial da União (2014). Acordo de Cooperação Técnica, firmado entre a União, por intermédio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais - CEMADEN, e, de outro, a Casa Militar do Gabinete do Governador do Estado de São Paulo – CMIL. Nº 154, quarta-feira, 13 de agosto de 2014.

Di Gregorio, L. T., Soares, C. A. P., Saito, S. M., Soriano, E., Londe, L. de R., & Coutinho, M. P. (2013). Proposta para a construção um sistema informatizado para gestão integral de riscos de desastres naturais (sigrid) no cenário brasileiro. São Paulo: Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. doi: 10.7154/rdg.2013.0026.0005.

Freitas, C. M., Silva, D. R. X., de Sena, A. R. M., Silva, E. L., Sales, L. B. F., de Carvalho, M. L., Mazoto, M. L., Barcellos, C., Costa, A. M., Oliveira, M. L. C., & Corvalán, C. (2014). Desastres naturais e saúde: Uma análise da situação do Brasil. Ciencia e Saude Coletiva, 19(9), 3645-3656. doi: 10.1590/1413-81232014199.00732014.

Global Facility for Disaster Reduction and Recovery [GFDRR] & World Bank [WB]. (2014). Coping with losses: Options for disaster risk financing in Brazil. In: Toro, J.; Matera, M.; Moura, F. S.; & Pedroso, F.F. (2014). Global Facility for Disaster Reduction and Recovery. Washington: International Bank for Reconstruction and Development URL: https://www.gfdrr.org/sites/default/files/publication/Options-for-Disaster-Risk-Financing-in-Brazil-English.pdf. Acesso 30.01.2020.

Gruntfest, E. (2000). Nonstructural mitigation of flood hazards. Inland Flood Hazards: Human Riparian and Aquatic Communities. Cambridge, UK, Cambridge University Press. p. 394-410. doi: 10.1017/cbo9780511529412.016.

Kobiyama, M., Checchia, T., Silva, R. V., Schröder, P. H., Grando, Â., & Reginatto, G. M. P. (2004). Papel da comunidade e da universidade no gerenciamento de desastres naturais. I Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2014/07/papel_da_comunidade_e_da_uni..pdf. Acesso 29.01.2020.

Kundzewicz, Z. W. (2002). Non-structural Flood Protection and Sustainability. Water International, 27(1), 3-13. doi: 10.1080/02508060208686972.

Londe, L. D. R., Soriano, E., & Coutinho, M. P. (2015). Capacidades das instituições municipais de Proteção e Defesa Civil no Brasil: desafios e perspectivas. São Paulo: Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. doi: 10.11606/rdg.v30i0.98715.

Ministério da Integração Nacional. (2017). Gestão de Riscos: Noções Básicas em Proteção e Defesa Civil e em Gestão de Riscos. Brasília: Ministério da Integração Nacional. URL: https://defesacivil.es.gov.br/Media/defesacivil/Capacitacao/Material Didático/Módulo I/Gestão de Risco - Livro Base.pdf. Acesso 28.01.2020.

Monteiro, V. L., & Brito Junior, I. de. (2017). A situação atual de implementação da política nacional de proteção e defesa civil no estado de São Paulo. Revista Percursos. PerCursos, 18(36), 194-213. doi: 10.5965/1984724618362017194.

Nogueira, F. R., Oliveira, V. E. de, & Canil, K. (2014). Políticas públicas regionais para gestão de riscos: o processo de implementação no ABC, SP. Ambiente & Sociedade, 17(4), 177-194. doi: 10.1590/1809-4422asoc1100v1742014.

Oliveira, M. De. (2009). Gerenciamento de Desastres - Sistema de Comando de Operações. Livro Texto do Projeto Gerenciamento de Desastres. Sistema de Comando de Operações / Marcos de Oliveira, 74. Florianópolis: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 74p. https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2014/08/PR-257-SCO-Manual-by-Marcos-de-Oliveira.pdf. Acesso 30.01. 2020.

Oliver-Smith, A., Alcántara-Ayala, I., Burton, I., & Lavell, A. (2017). A construção social do risco de desastres: buscando as causas de fundo. In: Marchezini, S. M., Wisner, V., Londe, B., Saito, L. (Eds.). (2017). Reduction of vulnerability to disasters: from knowledge to actionfrom knowledge to action. São Carlos: RIMA. p. 97-114. https://preventionroutes.weebly.com/capiacutetuloschapters.html. Acesso 07.01. 2020.

Pires, R. R. C., & Gomide, A. Á. (2016). Governança e capacidades estatais: Uma análise comparativa de programas federais. Revista de Sociologia e Política. doi: 10.1590/1678-987316245806.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento [PNUD]. (2014). Diagnóstico e Análise das Necessidades de Formação em Gestão e Risco de Desastres. Brasília: Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. URL: https://info.undp.org/docs/pdc/Documents/R46/Diagnostico e Analisis-compressed.pdf. Acesso 29.01. 2020

Séguin, E. (2012). A Lei de Defesa Civil: algumas considerações. Revista Interdisciplinar de Direito, 9(1), 207. URL: http://revistas.faa.edu.br/index.php/FDV/article/view/514. Acesso 30.01. 2020

Serviço Geológico Brasileiro. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais [SGB-CPRM]. (2016). Aula 1. Introdução ao Gerenciamento de Áreas de Risco. São José dos Campos: Cemaden, Cepdec, SGB-CPRM. Material didático usado no curso Práticas de Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais (material não publicado).

Serviço Geológico Brasileiro. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais [SGB-CPRM]. (2020). Missão, Visão, Valores e Princípios. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Missao%2C-Visao%2C-Valores-e-Principios-19. Acesso 30.01. 2020

Shaw, R. (2012). Chapter 1 Overview of Community-Based Disaster Risk Reduction. In: Shaw, R. (Ed.) (2012). Community-Based Disaster Risk Reduction (Community, Environment and Disaster Risk Management, Vol. 10), Emerald Group Publishing Limited, Bingley, pp. 3-17. https://doi.org/10.1108/S2040-7262(2012)0000010007.

Soriano, É., Hoffmann, W. M. A., & Araujo, C. De. (2017). Gestão do Conhecimento aplicado aos desastres naturais: o caso da Defesa Civil. Em Questão, 23(3), 207. doi: 10.19132/1808-5245233.207-227.

United Nations International Strategy for Disaster Reduction [UNISDR]. (2015). Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015-2030..URL: https://www.undrr.org/publication/sendai-framework-disaster-risk-reduction-2015-2030 . Acesso 30.01.2020

United Nations Office for Disaster Risk Reduction [UNDRR]. (2017). Terminology. UNDRR. In: UN Office for Disaster Risk Reduction. https://www.undrr.org/terminology. Acesso 28.01.2020.

Downloads

Publicado

2020-08-26

Como Citar

SAITO, S. M.; LAZARETTI, A. F.; FERNANDES FILHO, E. C.; PRIETO, C. C.; FACURI, G. G.; LIMA, G.; LACERDA, R. S. Capacitação em gerenciamento do risco de inundações e movimentos de massa para profissionais de defesa civil. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020035, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659129. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659129. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Atividade Prática