Banner Portal
Capacitação em gerenciamento do risco de inundações e movimentos de massa para profissionais de defesa civil
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Defesa civil
Setorização de risco
Sistema de alerta
Plano de contingências

Como Citar

SAITO, S. M.; LAZARETTI, A. F.; FERNANDES FILHO, E. C.; PRIETO, C. C.; FACURI, G. G.; LIMA, G.; LACERDA, R. S. Capacitação em gerenciamento do risco de inundações e movimentos de massa para profissionais de defesa civil. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020035, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659129. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659129. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Capacitação contínua é necessária para que os profissionais de defesa civil realizem suas ações, em vista do amplo campo envolvido na identificação e avaliação de ameaças, suscetibilidades e vulnerabilidades a desastres. Este texto descreve experiência de planejamento e execução intra e intergovernamental de um curso presencial de capacitação, buscando integrar, de forma prática, o gerenciamento de risco de desastres. Três instrumentos de gerenciamento foram apresentados aos participantes: setorização de áreas de risco para movimentos de massa e inundações; monitoramento e alerta; e planos de contingência. O curso foi composto de aulas teóricas e práticas, que evidenciaram a importância de conhecer e monitorar os riscos de forma integrada, além de aperfeiçoar a resposta diante da ocorrência de desastres. Em duas edições do curso, foram capacitados 74 técnicos de defesa civil de 32 municípios, o que possibilitou maior autonomia desses profissionais para atuar localmente no gerenciamento do risco de desastres.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659129
PDF

Referências

Alexander, D., Bramati, L., & Simonetta, M. (2009). Emergency preparedness training and education in lombardy region, italy: Survey of supply and demand. Natural Hazards Review. doi: 10.1061/(ASCE)1527-6988(2009)10:3(77).

Alvalá, R. C. D. S., Mariane Assis Dias, C. D., Saito, S. M., Stenner, C., Franco, C., Amadeu, P., Ribeiro, J., Souza de Moraes Santana, R. A., & Nobre, C. A. (2019). Mapping characteristics of at-risk population to disasters in the context of Brazilian early warning system. International Journal of Disaster Risk Reduction, 41. doi: 10.1016/j.ijdrr.2019.101326.

Andjelkovic, I. (2001). International Hydrological Programme Guidelines Non-Structural Measures in. Management, 50(50), 89. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001240/124004e.pdf. Acesso em: 30.01.2020.

Bertone, P., & Marinho, C. (2013). Plano de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais. Visão do Planejamento. VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, 21, 1-24. Brasília. Disponível em: http://www.sgc.goias.gov.br/upload/arquivos/2013-12/gestao-de-riscos-e-resposta-a-desastres-naturais.pdf. Acesso em: 29.01.2020.

Brasil. (2012) Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil, SINPDEC, e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil, CONPDEC. Brasília (DF). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm. Acesso em: 18.01.2020.

Cardona, O. D. A., Carreño, M.-L., Marulanda, M.-C., Barbat, A. H., Saito, S. M., & Marulanda, P. M. F. (2017). Evaluación del Índice de Gestión del Riesgo de Brasil y resultados comparativos para los países de América Latina y el Caribe. In: Marchezini, S. M., Wisner, V., Londe, B., Saito, L. R. (Eds.). (2017). Reduction of vulnerability to disasters: from knowledge to action. São Carlos: RIMA. p. 632. Disponível em: https://preventionroutes.weebly.com/capiacutetuloschapters.html. Acesso em: 30.01.2020.

Carvalho, C. S., & Galvão, T. (2006). Prevenção de Riscos de Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais. Ministério das Cidades; Cities Alliance. Disponível em: http://planodiretor.mprs.mp.br/arquivos/prevencaoriscos.pdf. Acesso em: 30.01. 2020

Carvalho, D. W. (2016). Os Planos Diretores de Bacia Hidrográfica e a irradiação de efeitos sobre instrumentos de ordenação territorial. Revista de Direito Da Cidade. doi: 10.12957/rdc.2016.23805.

Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais [Cemaden]. (2020). Histórico da criação do Cemaden. São José dos Campos: Cemaden. Disponível em: https://www.cemaden.gov.br/historico-da-criacao-do-cemaden. Acesso em: 29.01. 2020.

Centro Universitário de Pesquisa e Estudos sobre Desastres (Ceped). (2014). In: Furtado, J. R. (Ed.). (2014). Gestão de desastres e ações de recuperação. Módulo III. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2013/02/livro-completo-1-1.pdf. Acesso em: 27.01. 2020.

Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped). (2013). Atlas Brasileiro de Desastres Naturais 1991 a 2012: volume São Paulo. 2 ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://s2id.mi.gov.br/paginas/atlas/. Acesso em: 27.01. 2020.

Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil [Cepdec-SP]. (2020). Histórico. São Paulo: Cepdec. Disponível em: http://www.defesacivil.sp.gov.br/historico. Acesso em: 30.01.2020.

Diário Oficial da União (2014). Acordo de Cooperação Técnica, firmado entre a União, por intermédio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais - CEMADEN, e, de outro, a Casa Militar do Gabinete do Governador do Estado de São Paulo – CMIL. Nº 154, quarta-feira, 13 de agosto de 2014.

Di Gregorio, L. T., Soares, C. A. P., Saito, S. M., Soriano, E., Londe, L. de R., & Coutinho, M. P. (2013). Proposta para a construção um sistema informatizado para gestão integral de riscos de desastres naturais (sigrid) no cenário brasileiro. São Paulo: Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. doi: 10.7154/rdg.2013.0026.0005.

Freitas, C. M., Silva, D. R. X., de Sena, A. R. M., Silva, E. L., Sales, L. B. F., de Carvalho, M. L., Mazoto, M. L., Barcellos, C., Costa, A. M., Oliveira, M. L. C., & Corvalán, C. (2014). Desastres naturais e saúde: Uma análise da situação do Brasil. Ciencia e Saude Coletiva, 19(9), 3645-3656. doi: 10.1590/1413-81232014199.00732014.

Global Facility for Disaster Reduction and Recovery [GFDRR] & World Bank [WB]. (2014). Coping with losses: Options for disaster risk financing in Brazil. In: Toro, J.; Matera, M.; Moura, F. S.; & Pedroso, F.F. (2014). Global Facility for Disaster Reduction and Recovery. Washington: International Bank for Reconstruction and Development Disponível em: https://www.gfdrr.org/sites/default/files/publication/Options-for-Disaster-Risk-Financing-in-Brazil-English.pdf. Acesso em: 30.01.2020.

Gruntfest, E. (2000). Nonstructural mitigation of flood hazards. Inland Flood Hazards: Human Riparian and Aquatic Communities. Cambridge, UK, Cambridge University Press. p. 394-410. doi: 10.1017/cbo9780511529412.016.

Kobiyama, M., Checchia, T., Silva, R. V., Schröder, P. H., Grando, Â., & Reginatto, G. M. P. (2004). Papel da comunidade e da universidade no gerenciamento de desastres naturais. I Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2014/07/papel_da_comunidade_e_da_uni..pdf. Acesso em: 29.01.2020.

Kundzewicz, Z. W. (2002). Non-structural Flood Protection and Sustainability. Water International, 27(1), 3-13. doi: 10.1080/02508060208686972.

Londe, L. D. R., Soriano, E., & Coutinho, M. P. (2015). Capacidades das instituições municipais de Proteção e Defesa Civil no Brasil: desafios e perspectivas. São Paulo: Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. doi: 10.11606/rdg.v30i0.98715.

Ministério da Integração Nacional. (2017). Gestão de Riscos: Noções Básicas em Proteção e Defesa Civil e em Gestão de Riscos. Brasília: Ministério da Integração Nacional. Disponível em: https://defesacivil.es.gov.br/Media/defesacivil/Capacitacao/Material Didático/Módulo I/Gestão de Risco - Livro Base.pdf. Acesso em: 28.01.2020.

Monteiro, V. L., & Brito Junior, I. de. (2017). A situação atual de implementação da política nacional de proteção e defesa civil no estado de São Paulo. Revista Percursos. PerCursos, 18(36), 194-213. doi: 10.5965/1984724618362017194.

Nogueira, F. R., Oliveira, V. E. de, & Canil, K. (2014). Políticas públicas regionais para gestão de riscos: o processo de implementação no ABC, SP. Ambiente & Sociedade, 17(4), 177-194. doi: 10.1590/1809-4422asoc1100v1742014.

Oliveira, M. De. (2009). Gerenciamento de Desastres - Sistema de Comando de Operações. Livro Texto do Projeto Gerenciamento de Desastres. Sistema de Comando de Operações / Marcos de Oliveira, 74. Florianópolis: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 74p. Disponível em: https://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2014/08/PR-257-SCO-Manual-by-Marcos-de-Oliveira.pdf. Acesso em: 30.01. 2020.

Oliver-Smith, A., Alcántara-Ayala, I., Burton, I., & Lavell, A. (2017). A construção social do risco de desastres: buscando as causas de fundo. In: Marchezini, S. M., Wisner, V., Londe, B., Saito, L. (Eds.). (2017). Reduction of vulnerability to disasters: from knowledge to actionfrom knowledge to action. São Carlos: RIMA. p. 97-114. https://preventionroutes.weebly.com/capiacutetuloschapters.html. Acesso 07.01. 2020.

Pires, R. R. C., & Gomide, A. Á. (2016). Governança e capacidades estatais: Uma análise comparativa de programas federais. Revista de Sociologia e Política. doi: 10.1590/1678-987316245806.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento [PNUD]. (2014). Diagnóstico e Análise das Necessidades de Formação em Gestão e Risco de Desastres. Brasília: Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Disponível em: https://info.undp.org/docs/pdc/Documents/R46/Diagnostico e Analisis-compressed.pdf. Acesso em: 29.01. 2020

Séguin, E. (2012). A Lei de Defesa Civil: algumas considerações. Revista Interdisciplinar de Direito, 9(1), 207. Disponível em: http://revistas.faa.edu.br/index.php/FDV/article/view/514. Acesso em: 30.01. 2020

Serviço Geológico Brasileiro. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais [SGB-CPRM]. (2016). Aula 1. Introdução ao Gerenciamento de Áreas de Risco. São José dos Campos: Cemaden, Cepdec, SGB-CPRM. Material didático usado no curso Práticas de Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais (material não publicado).

Serviço Geológico Brasileiro. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais [SGB-CPRM]. (2020). Missão, Visão, Valores e Princípios. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/Sobre/Missao%2C-Visao%2C-Valores-e-Principios-19. Acesso em: 30.01. 2020

Shaw, R. (2012). Chapter 1 Overview of Community-Based Disaster Risk Reduction. In: Shaw, R. (Ed.) (2012). Community-Based Disaster Risk Reduction (Community, Environment and Disaster Risk Management, Vol. 10), Emerald Group Publishing Limited, Bingley, pp. 3-17. https://doi.org/10.1108/S2040-7262(2012)0000010007.

Soriano, É., Hoffmann, W. M. A., & Araujo, C. De. (2017). Gestão do Conhecimento aplicado aos desastres naturais: o caso da Defesa Civil. Em Questão, 23(3), 207. doi: 10.19132/1808-5245233.207-227.

United Nations International Strategy for Disaster Reduction [UNISDR]. (2015). Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015-2030. Disponível em: https://www.undrr.org/publication/sendai-framework-disaster-risk-reduction-2015-2030 . Acesso em: 30.01.2020

United Nations Office for Disaster Risk Reduction [UNDRR]. (2017). Terminology. UNDRR. In: UN Office for Disaster Risk Reduction. Disponível em: https://www.undrr.org/terminology. Acesso em: 28.01.2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.