Pagamento por Serviços Ambientais (PSA):

o papel do conhecimento geocientífico no protagonismo social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659281

Palavras-chave:

Ecossistemas, Meio ambiente, Educação geocientífica

Resumo

O Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) é uma política implantada a partir do Código Florestal de 2012, como incentivo à manutenção da vegetação e/ou recuperação de áreas de proteção permanente em áreas rurais. O Programa “Produtor de Água” é uma parceria entre atores da gestão pública federal, estadual e municipal, entidades não governamentais, produtores rurais e iniciativa privada, na proteção hídrica no país, para conservação do solo e água, redução da erosão e assoreamento dos mananciais nas áreas rurais, mediante adoção de práticas e manejos sustentáveis. A avaliação do conhecimento geocientífico dos atores envolvidos adotou referencial metodológico qualitativo, em estudo de caso do Programa em Salesópolis, São Paulo. Os resultados de entrevistas semiestruturadas e oficina de mapeamento socioambiental apontaram a pouca (ou nenhuma) noção dos agentes acerca de boas práticas de uso do solo e recuperação das áreas degradadas, preservação de solos e outros temas relacionados ao conhecimento geocientífico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Penkaitis, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ensino e História e Ciências da Terra do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas.

Rosely Aparecida Liguori Imbernon, Universidade de São Paulo

Doutora em Geociências (Geoquímica e Geotectônica) pela Universidade de São Paulo. Professora em Ensino e História e Ciências da Terra no Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Associado 2 na Escola de Artes, Ciências e Humanidades pela Universidade de São Paulo.

Clara Maria da Silva de Vasconcelos, Universidade do Porto

Doutora em Educação pela Universidade do Minho. Professora da Unidade de Ensino das Ciências e Departamento de Geociências e Ordenamento do Territótio da Faculdade de Ciências pela Universidade do Porto no Instituto de Ciências da Terra.

Referências

Agência Nacional de Águas (ANA). (2019). Website do Programa Produtor de Água. Brasília, DF. Disponível em: http://produtordeagua.ana.gov.br. Acesso em: 20.11.2019.

Bacci, D. D. L. C., Jacobi, P. R. & Santos, V. M. N. (2013). Aprendizagem Social nas Práticas Colaborativas; exemplos de ferramentas participativas envolvendo diferentes atores sociais. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 6(3), 227-243. ISSN 1982-5153. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/38160/29101. Acesso em: 02. 09. 2019.

Beck, U. (1994). The Reinvention of Politics: Towards a Theory of Reflexive Modernization. In: Beck, U., Giddens, A., & Lash, S. eds. (1994). Reflexive Modernization. Politics, Tradition and Aesthetics in the Modern Social Order. p. 1-55.

Conservador da Mantiqueira. (2020). Programa Conservador da Mantiqueira. Extrema, MG, Prefeitura Municipal de Extrema. Disponível em: https://conservadordamantiqueira.org/plano/. Acesso em: 20. 03. 2020.

Daily, G.C. (1997). Introduction: What are ecosystem services? In: Daily, G. C. ed. (1997). Nature’s Services: Societal Dependence on Natural Ecosystems. Washington, DC, Island Press. p. 1-10.

Diamond, J. (2005). Collapse. How Societies Choose to Fail or Survive. London: Allen Lane. 590p.

Favretto, D. (2012). Análise do sistema de pagamento por serviços ambientais no âmbito internacional. Anais do Universitas e Direito, PUC-PR. p. 134-151.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (Org.). (2009). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil (UAB/UFRGS) e Curso de graduação tecnológica, planejamento e gestão para o desenvolvimento rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Ed. UFRGS. 120p.

Gjorup, A.F., Fidalgo, E. C. C., Prado, R. B., & Schuler, A. E. (2016). Análise de procedimentos de seleção de áreas prioritárias em programas de pagamentos por serviços ambientais hídricos. Taubaté, Revista Ambiente & Água [on line], 1, 225-238. doi: 10.4136/ambi-agua.1782.

Millenium Ecossystem Assessment (MEA). (2003). Ecosystems and human well-being: a framework for assessment. Washington, DC, Island Press. Disponível em: http://www.millenniumassessment.org/en/Framework.html. Acesso em: 27. 09. 2019.

Prado, R. B., Fidalgo, E. C. C., Ferreira, J. N., Campanha, M. M., Vargas, L. M. P., Mattos, L. M. de, Pedreira, B. C. C. G., Monteiro, J. M. G., & Coutinho, H. L. C. (2015). Pesquisas em serviços ecossistêmicos e ambientais na paisagem rural do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, 8(n. esp.), 610-622. (IV SMUD). doi: 10.26848/rbgf.v8.0.p610-622.

Prefeitura de Salesópolis. (2013). Plano Municipal de Saneamento da Estância Turística de Salesópolis. Salesópolis, SP.

Santos, V. M. N., & Jacobi, P. R. (2017). Educação, ambiente e aprendizagem social: metodologias participativas para geoconservação e sustentabilidade. Brasília, DF, Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 98 (249), p. 522-539. doi: 10.24109/2176-6681.rbep.98i249.2758.

Shiki, S.; Shiki S.F.N (2011). Os desafios de uma Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais: lições a partir do caso do Proambiente. Sustentabilidade em Debate, 2 (1), p. 99-118. doi: 10.18472/SustDeb.v2n1.2011.3909.

Sparovek, G., Barretto, A., Klug, I., Papp, L., & Lino, J. (2019). A revisão do Código Florestal brasileiro. Novos Estudos CEBRAP, 89, p. 111-135.

Stake, R. E. (2011). Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Trad. Karla Reis; Rev. Técn. Nilda Jacks. Porto Alegre: Penso Ed. 263p.

Steiner, A. (2011). O uso de estudos de caso em pesquisas sobre política ambiental: vantagens e limitações. Curitiba, Revista de Sociologia Política, 19 (38), p. 141-158. doi: 10.1590/S0104-44782011000100009.

Vandenabeele, J., & Goorden, L. (2009). Participatory planning in protected areas: exploring the social-science contribution. In: Arjen E.J. Wals ed. Social learning towards a sustainable world: Principles, perspectives, and praxis. p. 197-208.

Wildemeersch, D. (2004). Social learning revisited: Lessons learned from North and South. Hanoi, Vietnam. In: Proceedings of the International Transdisciplinary Conference on Development and Conservation of Karst Regions. p. 13-18.

Downloads

Publicado

2020-06-11

Como Citar

PENKAITIS, G. .; IMBERNON, R. A. L.; VASCONCELOS, C. M. da S. de. Pagamento por Serviços Ambientais (PSA): : o papel do conhecimento geocientífico no protagonismo social. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020025, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659281. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659281. Acesso em: 26 nov. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)