Banner Portal
Experiência de ensino na área de Geoquímica Ambiental em um Programa de pós-graduação em geociências
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Interdisciplinaridade
Ciências da Terra
Práticas de ensino
Recursos didáticos

Como Citar

SUZUKI, K. N.; SOUZA, P. A. de; LATINI, R. M.; RODRIGUES, A. P. C. Experiência de ensino na área de Geoquímica Ambiental em um Programa de pós-graduação em geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020048, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8660905. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8660905. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Este trabalho descreve e analisa a experiência de oferecimento de uma disciplina de caráter interdisciplinar na área da Geoquímica Ambiental, elaborada e ministrada por três pós-doutoras do programa de Pós-graduação em Geociências da Universidade Federal Fluminense e, ofertada como disciplina eletiva para mestrandos e doutorandos, no segundo período de 2016. Os conteúdos foram abordados em três módulos disciplinares, os quais envolveram atividades de campo e de laboratório. O desempenho dos discentes foi analisado com base nas aulas teóricas e práticas, enquanto, a disciplina e os docentes foram avaliados através de questionários aplicados aos discentes. Em geral, os discentes apresentaram ótimo desempenho, e consideraram que os conteúdos ministrados em módulos foram motivadores e, as atividades de campo e laboratoriais, como objetos facilitadores do aprendizado. Eles ainda destacaram a importância das práticas no desenvolvimento de uma visão integradora da Geoquímica Ambiental.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8660905
PDF

Referências

Albarède, F. (2011). Geoquímica: uma introdução. São Paulo: Oficina de Textos. 202p.

Carvalho, C. N. (1989). Geoquímica Ambiental: Conceitos, Métodos e Aplicações. Geochimica Brasiliensis, 3(1), 17-21, doi: 10.21715/gb.v1i3.21.

Costa, C. M. P., De Mello, W. Z. (1997). Deposições atmosféricas e intercâmbio com a copa da floresta no maciço do Itatiaia, RT, na Estação das Chuvas. Geochimica Brasiliensis, 11(3), 341-354, doi: 10.21715/gb.v11i3.137.

Duursma, E. K., & Bosch, C. J. (1970). Theoretical, experimental and field studies concerning diffusion of radioisotopes in sediments and suspended particles of the sea. Part b: methods and experiments. The Netherlands Journal of Sea Research, 4(4), 395-469.

Fazenda, I. C. A. (2008). Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade na formação de professores. Foz do Iguaçu, Unioeste, Ideação, 10(1), 93-103. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/4146/3191. Acesso em: 18.11.2020.

Garcia de La Torre, E. (1991). Recursos en la Enseñanza de la Geología: La Geología de campo. Investigación en la escuela, 13(7), 85-93. doi: 10.12795/IE.1991.i13.07.

Jesus, A. C. A. (2010). Como aplicar jogos e brincadeiras na educação infantil. Rio de Janeiro: Bransport. 100p.

Justen-Zancanaro, R., & Carneiro, C. D. R. (2012). Trabalhos de campo na disciplina de Geografia: estudo de caso em Ponta Grossa, PR. Terræ, 9(1-2), 49-60. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/terrae/V9/T_V9_A5.html. Acesso em: 13.06.2020.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU. 128p.

Morcillo, J. G., Rodrigo M., Centeno J. D., & Compiani M. (1998). Caracterización de las prácticas de campo: justificación y primeros resultados de una escuesta al professorado. Ensenãnza de las Ciencias de la Tierra, 6(3), 242-248.

Morin, E. (2000). Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez. 104p.

Paschoale, C. (1984). Alice no país da geologia e o que ela encontrou lá. In: Congresso Brasileiro de Geologia. SBG, Rio de Janeiro. Disponível em: http://sbg.sitepessoal.com/anais_digitalizados/1984-RIO%20DE%20JANEIRO/CBG.1984.vol.11.pdf. Acesso em: 25.10.2019.

Pataca, E. M. (2014). História das geociências no estudo do lugar - os trabalhos de campo como agentes articuladores de sequencias didáticas na Região Metropolitana de São Paulo. In: 14° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014. Disponível em: https://www.14snhct.sbhc.org.br/. Acesso em: 10.05.2020.

Paulo, A. S. G., Xavier, R. A., & Dornellas, P. C. (2014). O ensino de geociências no 1º ano do ensino médio nas escolas de Arapiraca (AL). Geosaberes, 5(10), 04-16. URL:

Pereira, E. Q., & Nascimento, E. P. (2016). A interdisciplinaridade nas universidades brasileiras: trajetória e desafios, Redes (St. Cruz Sul, Online), 21(1), 209-232. doi: 10.17058/redes.v21i1.4844.

Programa de Pós-Graduação em Geoquímica Ambiental da Universidade Federal Fluminense. PPGG/UFF (2020). Sobre o Programa. Niterói, RJ, UFF. Disponível em: https://www.geoquimica-uff.com.br/index.php/apresentacao/sobre-o-programa. Acesso em: 08.05.2020.

Prigol, S., Giannotti, S. M. (2008). A importância da utilização de práticas no processo de ensino-aprendizagem de ciências naturais enfocando a morfologia da flor. In: Simpósio Nacional de Educação. Unioeste, Cascavel. Disponível em: https://midas.unioeste.br/sgev/eventos/visimposionacionaldeeducacao/anais. Acesso em: 10.05.2020.

Rohde, G. M. (2013). Geoquímica Ambiental e Estudos de Impacto. Quarta edição. São Paulo: Oficina de Textos. 160p.

Santos, M. (2004). Por uma geografia nova: da crítica à geografia a uma geografia crítica. 6 ed. São Paulo: EDUSP. 288p.

Santos, M. C. P., Bezerra, H. P. A., Firmino, A. R. S., Rodrigues, A. P. C., & Rangel, J. (2013). O incentivo das aulas de campo no ensino de Geociências. Revista Eletrônica Novo Enfoque, 17(17), 94-99.

Santos, V. M. N. dos, & Compiani, M. (2009). Formação de professores para o estudo do ambiente: projetos escolares e a realidade socioambiental local. Terræ Didatica, 5(1), 72-86. doi: 10.20396/td.v5i1.8637506

Schenini, F. (2020). Interdisciplinaridade cresce na pós-graduação brasileira. Brasília, DF, Ministério da Educação (MEC). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pec-g/180-discentes-108009469/pos-graduacao-500454045/6713-sp-1646083365. Acesso em: 10.05.2020.

Silva, J. S. R. da, Silva, M. B., &Varejão, J. L. (2010). Os (des)caminhos da educação: a importância do trabalho de campo na geografia. Vértices, 12(3), 187-197.

Silva, M. A. S., Soares, I. R., Alves, F. C., & Santos, M. N. B. (2012). Utilização de Recursos Didáticos no processo de ensino e aprendizagem de Ciências Naturais em turmas de 8º e 9º anos de uma Escola Pública de Teresina no Piauí. In: Congresso Norte-Nordeste de Pesquisa e Inovação (Connepi 7). Palmas, TO. Disponível em: http://propi.ifto.edu.br/ocs/index.php/connepi/vii/paper/viewFile/3849/2734. Acesso em: 10.05.2015.

Souza, C. C., Suzuki, K. N., Latini, R. M., Canesin, F., & Bellido, A. V. B. (2017). Adsorção de metais em Biocarvão utilizando radiotraçadores para fins de remediação. In: XVI Congresso Brasileiro de Geoquímica. Armação de Búzios. Disponível em: https://3313f8a2-d231-43bd-be73-41e5429b57b2.filesusr.com/ugd/33bad3_92679fdca33642eca44489d5e9fb2f98.pdf. Acesso em: 13.06.2020.

Teixeira, W., Fairchild, T. R., Toledo, M. C. M., & Taioli, F. (2009). Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 621p.

Templeton, D. M., Ariese, F., Cornelis, R., Danielsson, L. -G., Muntau, H., Van Leeuwen, H. P., & Ɫobiński, R. (2000). Guidelines for terms related to chemical speciation and fractionation of elements. Definitions, structural aspects, and methodological approaches (IUPAC Recommendations 2000). Pure and Applied Chemistry, 72(8), 1453-1470.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.