Branner

fotografia, ciência e educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8663802

Palavras-chave:

Flora Brasiliensis, Geomorfologia, Ciclo da água, Ensino de Ciências

Resumo

A História das Ciências, os artigos e os livros científicos escritos a partir de dados colhidos em trabalhos de campo, associados às artes da pintura e da fotografia, podem suavizar a aprendizagem de conhecimentos que, muitas vezes, se apresentam áridos para os estudantes. Este artigo abordou quatro formações geomorfológicas observadas em campo pelo geólogo John Casper Branner durante visitas ao Brasil no final do século XIX e início do XX e suas interpretações dos fenômenos geológicos que lhes deram causa. Tais formações geomorfológicas resultaram em paisagens fitogeográficas que também foram registradas pelo naturalista Martius, na primeira metade do século XIX, com o auxílio de desenhistas e pintores, pois foi na segunda metade do século que fotógrafos passaram a registrar com equipamentos fotográficos que estavam em franco desenvolvimento. Dados desses trabalhos naturalísticos foram convertidos em sugestões didáticas para professores de Ciências e de Ciências da Terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heitor de Assis Junior, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pesquisador Colaborador no Instituto de Geociência da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ASSIS JÚNIOR, H. (2004). Relações de von Martius com Imagens Naturalísticas e Artísticas do Século XIX. (Dissertação Mestrado). Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Univ. Est. Campinas.

Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279497. Acesso em: 19.12.2020.

BELLUZZO, A. M. M. (1999). O Brasil dos Viajantes. São Paulo: Metal Livros/ Rio de Janeiro: Objetiva. 3 v.

BRANNER, J. C. (1889). Geology of Fernando de Noronha; Part 1. American Journal of Sciences, Series 3, vol. 37 : 145-161.

BRANNER, J. C. (1904). “The stone reefs of Brazil, their geologic and geographical relations in the chapter of costal reefs”. Bulletin of the Museum of Comparative Zoology, vol. 44, Geology Series, n. 7, Harvard College. Massachusetts.

BRANNER, J. C. (1915). Geologia Elementar. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

BRANNER, J. C. (1906). Geologia Elementar. Rio de Janeiro: Laemmert & C.

CHRISTOFOLETTI, Antonio. (1980). Geomorfologia. São Paulo: Blucher.

GRAY, Ron, KANG, Nam-Hwa (2014). The Structure of Scientific Arguments by Secondary Science Teachers: Comparison of experimental and historical science topics. International Journal of Science Education, 36:1, 46-65, DOI: 10.1080/09500693.2012.715779

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/09500693.2012.715779, acessado em 20 dez 20.

MARTINS, C., PICCOLI, V. & STOLS, E. (2006). O diplomata e desenhista Benjamin Mary e as relações da Bélgica com o Império do Brasil. São Paulo: Linha Aberta.

MARTIUS, Karl Frierich Philipp. Flora Brasiliensis. (1840-1906). Enumeratio Plantarum in Brasilia Hactenus Detectarum Quas Suis Aliorumque Botanicorum Studiis Descriptas et Methodo Naturali Digestas Partim Ícone Illustrata Ediditerunt Carolus Fridericus Philippus de Martius... Lipsiae: R. Oldenbourg et Frid. Fleischer in Comm., 15 v., 40 partes e 130 fascículos.

MARTIUS, Karl Frierich Philipp. (1996). A Viagem de von Martius, Flora Brasiliensis, vol. I. Tradução do latim de Carlos Bento Matheus, Lívia L. P. Barreto, Miguel B. do Rosário. Rio de Janeiro: Index.

MAYR, E. (1985). How biology differs from the physical sciences. In D.J. Depew & B.H. Weber (Eds.), Evolution at a crossroads: The new biology and the new philosophy of science (pp. 43–63). Cambridge: MIT Press.

Downloads

Publicado

2021-03-19

Como Citar

ASSIS JUNIOR, H. de. Branner: fotografia, ciência e educação. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8663802. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8663802. Acesso em: 23 out. 2021.