O ensino híbrido na Geografia Física

uma experiencia com o canal VisualiGEO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8664663

Palavras-chave:

Escola em casa, Divulgação científica, Escola pública, Metodologias ativas

Resumo

Levando em consideração o Modelo Pedagógico do Programa de Ensino Integral e um de seus princípios fundamentais – Os 4 Pilares da Educação para o Século XXI – foi elaborada uma prática de ensino elencando habilidades da disciplina de Geografia e associando-as ao projeto Visualização da Informação Científica Aplicada, materializado no canal VisualiGEO – Visualizando Geociências, do YouTube. A atividade proporcionou um encontro entre as vivências subjetivas aos alunos do século XXI, com uma existência permeada por redes sociais e aplicativos, e os conhecimentos científicos particulares às Geociências, através da visualização de informações geocientíficas em um contexto escolar durante a pandemia do Coronavírus. O VisualiGEO se mostrou uma ferramenta eficiente e inovadora no processo de ensino e aprendizagem, uma vez que viabilizou, com clareza e objetividade, a compreensão de temas importantes em Geografia, uma ciência que necessita perseguir vários objetivos e deixar o aluno descobrir e refletir sobre o mundo em que vivemos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Siqueira, Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

Doutora em Geografia, pelo Departamento de Geografia do Instituto de Geociências , Universidade Estadual de Campinas. Professora Efetiva de Geografia credenciada no Programa de Ensino Integral da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Referências

Almeida, M. E. B. (2010). Integração de currículo e tecnologias: a emergência de web currículo. Anais do XV Endipe, Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: UFMG.

Albagli, S. (1996). Divulgação científica: informação científica para a cidadania? Ciência da Informação, 25(3), 396-404. URL: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/639. Acesso 10.02.2021.

Amabile, T. M., Hill, K. G., Hennessey, B. A., & Tighe, E. M. (1994). The work preference inventory: Assessing intrinsic and extrinsic motivation orientation. Journal of Personality and Social Psychology, 6(5), 950-967.

Bacich L., Tanzi Neto A., & Trevisan (2015). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso.

Bairon, S. (2004). Tendências da linguagem científica contemporânea em expressividade digital: uma problematização. Informação na Educação: teoria e prática, 7(2), 101-156. URL: http://www.seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/viewFile/4936/3342. Acesso 10.02.2021.

Bueno, W. C. (1985). Jornalismo científico: conceitos e funções. Ciência e Cultura, 37(9), 1420-1427.

Bueno, W. C. (2010). Comunicação cientifica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação e Informação, 15(supl), 1-12. URL: www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/6585. Acesso 22.02.2021.

Bzuneck, J. A. (2004). A motivação do aluno: Aspectos introdutórios. In: Boruchovitch, E., & Bzuneck, J. A. (Eds.), Motivação do aluno: Contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes.

Callai, H. C. (2001). A Geografia e a escola: muda a Geografia? Muda o ensino? Terra Livre, 16, 133-152.

Castellar, M. V. S., & Moraes, J. V. (2010). Ensino de Geografia-Coleção Ideias Em Ação. 1 ed. São Paulo: Cengage Learning. 166 p.

Castrogiovani. A. C., Callai, H. C., Schäffer, N. O., & Kaercher, N. A. (2010). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: UFRGS Editora. 200 p.

Cavalcanti, L de S. (1999). Propostas curriculares de Geografia no ensino: algumas referências de análise. Terra Livre, 14, 111-128.

Christensen, C., Horn, M., & Staker, H. (2015). Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva?. Uma introdução à teoria dos híbridos. Porto Alegre: Penso. 320 p.

Csikszentmihalyi, M., & Nakamura, J. (1989). The dynamics of intrinsic motivation: A study of adolescents. In: Ames, C., & Ames, R. (Eds.), Research on motivation in education: goals and cognitions. New York: Academic Press.

Cunha, V. L. O., & Capellini, S. A. (2009). Leitura: decodificação ou obtenção do sentido? Revista Teias, 10(19), 1-21.Goergen, P. (1998). Ciência, sociedade e universidade. Educação e Sociedade, 19(63), 53-79. URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301998000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso 21.03.2021.

Honorato, M. A., & Mion, R. A. (2009). A importância da Problematização na Construção e na Aquisição do Conhecimento Científico pelo Sujeito. In: VII ENPEC, Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciência. Florianópolis. URL: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/titulos.html.Acesso 21.03.2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2018). Uso de Internet, Televisão e Celular no Brasil. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimentos, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. URL: Uso de Internet, televisão e celular no Brasil | Educa | Jovens - IBGE. Acesso 10.02.2021.

Kaercher, N. A. (1997). Desafios e utopias no ensino de geografia. Rio Grande do Sul: Edunisc. 150 p.

Le Coadic, Y. (1996) A ciência da informação. Brasília: Editora Briquet de Lemos. 124p.

Maluf, M. R. (2005). Ciência da leitura e alfabetização infantil: Um enfoque metalinguístico. Bol. da Acad. Paulis. de Psicol., 2(5), 55-62. URL: http://www.redalyc.org/html/946/94625210/. Acesso 10.02.2021.

Peixoto, D. D. (2017). Canal Visualigeo: uma experiência de mediação e divulgação científica. Terræ Didatica, 13(3), 310-322. doi: 10.20396/td.v13i3.8651226

Saade, D., Albuquerque, C., Magalhaes, L., Passos, D., Duarte, J., & Valle, R. (2007). Redes em Malha: Solução de Baixo Custo para Popularização do Acesso à Internet no Brasil. In: Anais do XXV Simpósio Brasileiro de Telecomunicações. Recife. URL: sbrt07.pdf (uff.br). Acesso 10.02.2021.

Santos, W. L. P. dos. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Rev. Bras. Educ., 12(36), 474-492.

Siqueira, B. (2019). O ensino de Geografia física e os jogos digitais: trabalhando suscetibilidade, vulnerabilidade e resiliência frente aos desastres naturais. Terræ Didatica, 15, 1-12.

doi: 10.20396/td.v15i0.8653224.

Tarapanoff, K. (2001). Referencial teórico: introdução. Brasília: Repositório Institucional UnB. URL: http://repositorio.unb.br/handle/10482/14810. Acesso 10.02.2021.

Vesentini, J. W. (1999). Educação e ensino de geografia: instrumentos de dominação e/ou libertação. In: Carlos, A. F. A. (org.) e outros. Geografia em sala de aula, práticas e reflexões. São Paulo: Contexto. p.13-33.

Vygotsky, L. S. (1991). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes. 212 p.,

Xavier, A. C. (2011). Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio, 9(1), 3-14.

Downloads

Publicado

2021-04-27

Como Citar

SIQUEIRA, B. O ensino híbrido na Geografia Física: uma experiencia com o canal VisualiGEO. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021017, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8664663. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8664663. Acesso em: 23 out. 2021.