Banner Portal
O ensino híbrido na geografia física
PDF

Palavras-chave

Escola em casa
Divulgação científica
Escola pública
Metodologias ativas

Como Citar

SIQUEIRA, Beatriz. O ensino híbrido na geografia física: uma experiencia com o canal visualiGEO. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021017, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8664663. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8664663. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

Levando em consideração o Modelo Pedagógico do Programa de Ensino Integral e um de seus princípios fundamentais – Os 4 Pilares da Educação para o Século XXI – foi elaborada uma prática de ensino elencando habilidades da disciplina de Geografia e associando-as ao projeto Visualização da Informação Científica Aplicada, materializado no canal VisualiGEO – Visualizando Geociências, do YouTube. A atividade proporcionou um encontro entre as vivências subjetivas aos alunos do século XXI, com uma existência permeada por redes sociais e aplicativos, e os conhecimentos científicos particulares às Geociências, através da visualização de informações geocientíficas em um contexto escolar durante a pandemia do Coronavírus. O VisualiGEO se mostrou uma ferramenta eficiente e inovadora no processo de ensino e aprendizagem, uma vez que viabilizou, com clareza e objetividade, a compreensão de temas importantes em Geografia, uma ciência que necessita perseguir vários objetivos e deixar o aluno descobrir e refletir sobre o mundo em que vivemos.

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8664663
PDF

Referências

Almeida, M. E. B. (2010). Integração de currículo e tecnologias: a emergência de web currículo. Anais do XV Endipe, Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: UFMG.

Albagli, S. (1996). Divulgação científica: informação científica para a cidadania? Ciência da Informação, 25(3), 396-404. URL: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/639. Acesso 10.02.2021.

Amabile, T. M., Hill, K. G., Hennessey, B. A., & Tighe, E. M. (1994). The work preference inventory: Assessing intrinsic and extrinsic motivation orientation. Journal of Personality and Social Psychology, 6(5), 950-967.

Bacich L., Tanzi Neto A., & Trevisan (2015). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso.

Bairon, S. (2004). Tendências da linguagem científica contemporânea em expressividade digital: uma problematização. Informação na Educação: teoria e prática, 7(2), 101-156. URL: http://www.seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/viewFile/4936/3342. Acesso 10.02.2021.

Bueno, W. C. (1985). Jornalismo científico: conceitos e funções. Ciência e Cultura, 37(9), 1420-1427.

Bueno, W. C. (2010). Comunicação cientifica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação e Informação, 15(supl), 1-12. URL: www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/6585. Acesso 22.02.2021.

Bzuneck, J. A. (2004). A motivação do aluno: Aspectos introdutórios. In: Boruchovitch, E., & Bzuneck, J. A. (Eds.), Motivação do aluno: Contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes.

Callai, H. C. (2001). A Geografia e a escola: muda a Geografia? Muda o ensino? Terra Livre, 16, 133-152.

Castellar, M. V. S., & Moraes, J. V. (2010). Ensino de Geografia-Coleção Ideias Em Ação. 1 ed. São Paulo: Cengage Learning. 166 p.

Castrogiovani. A. C., Callai, H. C., Schäffer, N. O., & Kaercher, N. A. (2010). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: UFRGS Editora. 200 p.

Cavalcanti, L de S. (1999). Propostas curriculares de Geografia no ensino: algumas referências de análise. Terra Livre, 14, 111-128.

Christensen, C., Horn, M., & Staker, H. (2015). Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva?. Uma introdução à teoria dos híbridos. Porto Alegre: Penso. 320 p.

Csikszentmihalyi, M., & Nakamura, J. (1989). The dynamics of intrinsic motivation: A study of adolescents. In: Ames, C., & Ames, R. (Eds.), Research on motivation in education: goals and cognitions. New York: Academic Press.

Cunha, V. L. O., & Capellini, S. A. (2009). Leitura: decodificação ou obtenção do sentido? Revista Teias, 10(19), 1-21.Goergen, P. (1998). Ciência, sociedade e universidade. Educação e Sociedade, 19(63), 53-79. URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301998000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso 21.03.2021.

Honorato, M. A., & Mion, R. A. (2009). A importância da Problematização na Construção e na Aquisição do Conhecimento Científico pelo Sujeito. In: VII ENPEC, Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciência. Florianópolis. URL: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/titulos.html.Acesso 21.03.2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2018). Uso de Internet, Televisão e Celular no Brasil. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimentos, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. URL: Uso de Internet, televisão e celular no Brasil | Educa | Jovens - IBGE. Acesso 10.02.2021.

Kaercher, N. A. (1997). Desafios e utopias no ensino de geografia. Rio Grande do Sul: Edunisc. 150 p.

Le Coadic, Y. (1996) A ciência da informação. Brasília: Editora Briquet de Lemos. 124p.

Maluf, M. R. (2005). Ciência da leitura e alfabetização infantil: Um enfoque metalinguístico. Bol. da Acad. Paulis. de Psicol., 2(5), 55-62. URL: http://www.redalyc.org/html/946/94625210/. Acesso 10.02.2021.

Peixoto, D. D. (2017). Canal Visualigeo: uma experiência de mediação e divulgação científica. Terræ Didatica, 13(3), 310-322. doi: 10.20396/td.v13i3.8651226

Saade, D., Albuquerque, C., Magalhaes, L., Passos, D., Duarte, J., & Valle, R. (2007). Redes em Malha: Solução de Baixo Custo para Popularização do Acesso à Internet no Brasil. In: Anais do XXV Simpósio Brasileiro de Telecomunicações. Recife. URL: sbrt07.pdf (uff.br). Acesso 10.02.2021.

Santos, W. L. P. dos. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Rev. Bras. Educ., 12(36), 474-492.

Siqueira, B. (2019). O ensino de Geografia física e os jogos digitais: trabalhando suscetibilidade, vulnerabilidade e resiliência frente aos desastres naturais. Terræ Didatica, 15, 1-12.

doi: 10.20396/td.v15i0.8653224.

Tarapanoff, K. (2001). Referencial teórico: introdução. Brasília: Repositório Institucional UnB. URL: http://repositorio.unb.br/handle/10482/14810. Acesso 10.02.2021.

Vesentini, J. W. (1999). Educação e ensino de geografia: instrumentos de dominação e/ou libertação. In: Carlos, A. F. A. (org.) e outros. Geografia em sala de aula, práticas e reflexões. São Paulo: Contexto. p.13-33.

Vygotsky, L. S. (1991). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes. 212 p.,

Xavier, A. C. (2011). Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio, 9(1), 3-14.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.