Aspectos filosóficos da obra "Princípios de Geologia" de Charles Lyell

uma abordagem inicial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8666003

Palavras-chave:

Filosofia da geologia, Ciência experimental, Filosofia da ciência

Resumo

A obra “Princípios de Geologia” do geólogo e naturalista inglês Sir Charles Lyell [1797-1875] mudou para sempre a forma como a natureza é vista, elevando a Geologia ao status de ciência e estabelecendo várias das principais bases epistemológicas presentes nesse campo do conhecimento até os dias de hoje. Este artigo analisa alguns dos principais aspectos filosóficos que fundamentam o trabalho, com foco nas influências percebidas a partir da obra do filósofo Sir Francis Bacon [1561-1626], cujo pensamento marcou profundamente a compreensão sobre o que é e como fazer ciência experimental. Dentre as influências em “Princípios”, destacam-se o fundamento teológico, a importância da história natural e da experimentação, bem como a valorização do raciocínio indutivo na construção do conhecimento científico. Deste modo, identifica-se uma base epistemológica marcadamente experimental na obra de Lyell.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hely Cristian Branco, Universidade Federal do Paraná

BSc em Geologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), e MSc em Física e Astronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

 

Referências

Baker, V. R. (2014). Terrestrial analogs, planetary geology, and the nature of geological reasoning. Planetary and Space Science, 95, 5-10. doi: 10.1016/j.pss.2012.10.008.

Darwin, C. (2011). A Origem das Espécies e a Seleção Natural. Trad. Soraya Freitas. São Paulo, Madra Editora. 462p.

Faria, F. (2012). Georges Cuvier: do estudo dos fósseis à Paleontologia. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia/Editora 34. 272p.

Geikie, A. (1905). Founders of Geology. 2 ed. Londres, Macmillan. 498p.

Gould, S. J. (1967). Is Uniformitarianism Useful? Journal of Geological Education, 15(4), p. 149-150. doi: 10.5408/0022-1368-XV.4.149.

Gould, S. J. (1991). Seta do tempo, ciclo do tempo: mito e metáfora na descoberta do tempo geológico. Trad. C. A. Malferrari. São Paulo, Companhia das Letras. 224p.

Gould, S. J. (2007). Punctuated Equilibrium. Belknap Press of Harvard University Press. ISBN: 0674024443,9780674024441.

Hess, M. (1966). Models and Analogies in Science. Notre Dame, EUA, Notre Dame University Press. 184p.

Hutton, J. ([1795] 1959). Theory of the Earth. 2 v. Codicote, Wheldon and Wesley.

Laudan, R. (1993). From Mineralogy to Geology: The Foundations of a Science, 1650-1830. Chicago, The University of Chicago Press. 285p.

Lyell, C. ([1830-1833] 1997). Principles of Geology. Edited by Secord, J. A. Londres, Penguin Books. 471p.

Ody, L. C. (2005). Teoria e História na Geologia. Florianópolis: Departamento de Filosofia, Universidade Federal de Santa Catarina. 105p. (Dissert. Mestrado). Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102454. Acesso em: 14.10.2021.

Oliveira, M. J. de, et al. (2015). História geológica e Ciência do Clima: métodos e origens do estudo dos ciclos climáticos na Terra. Terræ, 12(1-2), p. 03-26. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/terrae/V12/T_V12_1.html. Acesso em: 21.10.2021.

Porter, R. (1976). Charles Lyell and the Principles of the History of Geology. The British Journal for the History of Science, 9(2). doi: 10.1017/s0007087400014692.

Rhoden, C. & Cunha, J. (2020). Francis Bacon e René Descartes: a fundamentação da ciência moderna. Diaphonía, 6(1), 2446-7413. doi: 10.48075/rd.v6i1.25062.

Rosenberg, M. (2020). Uniformitarianism. ThoughtCo. Disponível em: thoughtco.com/what-is-uniformitarianism-1435364. Acesso em: 14.10.2021.

Secord, J. A. (1997). Introduction. In: Lyell, C. ([1830-1833] 1997). Principles of Geology. Secord, J. A. (Ed.). Londres, Penguin Books. 471p.

Simpson, D. (2021). Francis Bacon [1561-1626]. Internet Encyclopedia of Philosophy: A Peer-Reviewed Academic. URL: https://iep.utm.edu/bacon/. Acesso 14.10.2021.

Smith, P. J. (2017). Ciência, experimento e história em Bacon. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, 5(1), 7-36. URL:

Virgili, C. (2007). Charles Lyell and scientific thinking in geology. C. R. Geoscience, 339, 572-584. doi: 10.1016/j.crte.2007.07.003.

Zaterka, L. (2010). A longevidade segundo a concepção de vida de Francis Bacon. Filosofia e História da Biologia, 5(1), 127-140. Disponível em: https://www.abfhib.org/FHB/FHB-05-1/FHB-v05-n1-08.html. Acesso em: 21.10.2021.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Como Citar

BRANCO, H. C. Aspectos filosóficos da obra "Princípios de Geologia" de Charles Lyell: uma abordagem inicial. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021039, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8666003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8666003. Acesso em: 28 nov. 2022.