O jogo Geoguessr como metodologia ativa e interdisciplinar

uma proposta de integração entre geografia e matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667148

Palavras-chave:

Jogos digitais, Ensino híbrido, Interdisciplinaridade

Resumo

A prática de ensino aqui exposta prioriza oportunizar situações em que o aluno teorize e textualize suas significações, exercitando o protagonismo e a cidadania. Busca promover a integração das chamadas metodologias ativas, combinando o melhor do percurso individual e grupal através de um jogo em ambiente digital, o Geoguessr, para versar as competências e habilidades de Geografia e Matemática, forma conjunta, prezando pela interdisciplinaridade, umas das principais premissas do Modelo Pedagógico do Programa de Ensino Integral e do ensino no século XXI. O Geoguessr se mostrou uma ferramenta de trabalho eficiente pelo seu potencial para auxiliar na construção do pensamento geográfico e ampliação de horizontes territoriais, além do mais, também oportunizou métodos e conceitos matemáticos, promovendo a interdisciplinaridade no desenvolvimento de competências e habilidades envolvendo localização, reta numérica e proporcionalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Siqueira, Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

Doutora em Geografia no Departamento de Geografia do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Efetiva de Geografia credenciada no Programa de Ensino Integral da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Fernanda Garcia Moreno, Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

Docente de Matemática na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, município de Campinas.

Referências

Almeida, R.D de. (1999). Moraes J.V. (2010). Ensinam Geografia para quem vive num outro mundo. In: V Encontro Nacional de Prática de Ensino em Geografia. In: Anais...Belo Horizonte: PUC/MG.

Almeida, M.E.B. (2010). Integração de currículo e tecnologias: a emergência de web currículo. Anais do XV Endipe, Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: UFMG.

Amabile, T.M., Hill, K.G., Hennessey, B.A., & Tighe, E.M. (1994). The work preference inventory: As sessing intrinsic and extrinsic motivation orienta tion. Journal of Personality and Social Psychology, 6(5), 950-967.

Bacich, L., Tanzi, Neto A., & Trevisan (2015). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso.

Boot, W. et al. (2088). The Effects of Video Game Playing on Attention, Memory, and Executive Control. Acta Psychologica, 129 (3): 387-398.

Brasil. Parecer CNE/CEB nº 15/1998: diretrizes curriculares nacionais para o Ensino Médio. Brasília: CNE/ CEB, 1998.

Brasil. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017.

Breda, T.V. (2018). Jogos Geográficos na sala de aula. Curitiba: Appris, 120 p.

Bzuneck, J.A. (2004). A motivação do aluno: Aspectos introdutórios. In: Boruchovitch E. & Bzuneck J.A. (Eds.), Motivação do aluno: Contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes.

Christensen, C., Horn, M., & Staker, H. (2015). Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva?. Uma introdução à teoria dos híbridos. Porto Alegre: Penso, 320 p.

Csikszentmihalyi, M., & Nakamur, J. (1989). The dy namics of intrinsic motivation: A study of adoles cents. In: Ames, C., & Ames, R. (Eds.), Research on motivation in education: goals and cognitions. New York: Academic Press.

Diamond, A., Lee, K. (2011). Interventions Shown to Aid Executive Function Development in Children 4 to 12 Years Old. Science, 333 (6045): 959-964.

Dye, M., Bavelier, D. (2010). Differential Development of Visual Attention Skills in School-Age Children. Vision Research, 50 (4): 452-459.

Fitz, P.R. (2008). Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Textos, 144p.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 144p.

Feng, J., Spence, I., Pratt, J. (2007). Playing an Action Video Game Reduces Gender Differences in Spatial Cognition. Psychological Science, 18, p. 850-855.

Green, J. (2000). Neuropsychological Evaluation of the Older Adult: a clinician’s guidebook. San Diego: Academic Press.

Gonçalves, H.J.L., Boni, B.R., Gomes, A.C.R. (2019). Currículo interdisciplinar no ensino integral: concepções de professores paulistas de Ciências da Natureza e Matemática. Revista Eletrônica de Educação, 13 (2): 645-658. doi: http://dx.doi.org/10.14244/198271992386

Honorato, M.A., & Mion, R.A. (2009). A importân cia da Problematização na Construção e na Aquisição do Conhecimento Científico pelo Sujeito. In: VII ENPEC, Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciência. Florianópolis. Disponívem em: http://posgrad.fae. ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/titulos.html.

Li, R. et al. (2010). Reducing Backward Masking Through Action Game Training. Journal of Vision, 10 (14): 33-33.

Matlin, M. (2004). Psicologia Cognitiva. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC.

Morán, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In: [Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II] Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (orgs.). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG.

Neves, E.R.C., & Boruchovitch, E. (2007). Escala de avaliação da motivação para aprender de alunos do ensino fundamental (EMA). Revista Psicologia Reflexão e Crítica, 20(3), 406-413.

Ramos, D.K. (2013). Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no contexto esco lar. Ciência Cogn., 18(1):19-32.

Ramos, D.K., & Segundo, F.R. (2018). Jogos Digitais na Escola: aprimorando a atenção e a flexibilidade cognitiva. Educ. Real., 43 (2): 531-550.

Ribeiro, M.W, Smaniotto, M., Galvão, W., Torres, M.A., Stefenon D.L. (2009). Os jogos pedagógicos no ensino de Geografia. Curitiba: Editora Positivo.

Santos, M. (2001). Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 176 p.

Schuytema, P. (2011). Design de Games: uma abordagem prática. São Paulo: Cengage Learning.

Spreen, O., & Strauss, E. (1998). A Compendium of Neuropsychological Tests: administration, norms, and commentary. Oxford University Press.

Stefenon, D.L. (2016). Entre paisagens e distâncias: o jogo Geoguessr nas aulas de Geografia. Giramundo, 3 (6): 31/40.

Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2012). Diretrizes do Programa de Ensino Integra. Governo do Estado de São Paulo. 57p. Disponível em: 342.pdf (educacao.sp.gov.br). Acesso em: 16 de set. 2021.

Siqueira, B. (2021). O ensino de Geografia Física e os jogos digitais: trabalhando suscetibilidade, vulnerabilidade e resiliência frente aos desastres naturais. Terræ Didatica, 15, 1-12. doi: http://10.20396/td.v15i0.8653224.

Xavier, A.C. (2011). Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio, 9(1), 3-14.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

SIQUEIRA, B.; MORENO, F. G. O jogo Geoguessr como metodologia ativa e interdisciplinar: uma proposta de integração entre geografia e matemática. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021051, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667148. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667148. Acesso em: 28 nov. 2022.