Alinhamento cognitivo e ensino remoto

o caso do tempo geológico em uma disciplina de geologia introdutória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667540

Palavras-chave:

Geologia, Taxonomias, Educação, Objetivos educacionais

Resumo

Disciplinas de Geologia Introdutória dos cursos de Geologia e Geografia da Universidade Estadual de Campinas buscam proporcionar uma visão integrada dos processos naturais e sociais e relacionar Sistema Terra (saberes geológicos) com Sistema Mundo (saberes geográficos). O modelo, dinâmico e integrativo, concilia aulas expositivas com intensa carga de atividades práticas e trabalhos de campo, mas a pandemia de Covid-19 impediu o acesso dos estudantes às salas de aula, laboratórios e campo. O artigo descreve uma abordagem prática, realizada com estudantes ingressantes desses cursos, das taxonomias de Bloom e Structure of Observed Learning Outcomes (SOLO). Os docentes concentraram- -se no desenvolvimento da cognição dos discentes, levando em conta as habilidades adquiridas, comportamentos e atitudes. Ao se definir com rigor os objetivos didáticos e as avaliações formativas, pode-se obter estudantes motivados e engajados capazes de utilizar processos cognitivos no mais alto nível possível, independentemente da formação final, Geologia ou Geografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Francelino Miguel, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil, Bolsista CAPES.

 

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Livre Docente nas áreas de Ciências da Terra e Comunicação em Geociências pelo Instituto de Geociências da Unicamp (2010). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas.

Pedro Wagner Gonçalves, Universidade Estadual de Campinas

Livre Docente pelo Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (2011). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Anderson, L. W., Krathwohl, D. R., Airasian, P. W., Cruikshank, K. A., Mayer, R. E., Pintrich, P. R., & Wittrock, M. C. (2001). A Taxonomy for Learning, Teaching and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. USA: Addison Wesley Longman, Inc. ISBN 0-321-08405-5

Biggs, J. B., & Collis, K. F. (1982). Evaluating the quality of learning: The SOLO Taxonomy (Structure of the Observed Learning Outcome). USA: Academic Press. ISBN: 0-12-097550-5.

Biggs, J. B. (2003). Teaching for quality learning at university. 2 ed. Buckingham: Open University Press/Society for Research into Higher Education.

Biggs, J. B. (2006). Calidad del aprendizaje universitario. 2 ed. Madrid, España, Narcea S.A.

Biggs, J. B., & Tang, C. (2011). Teaching for quality learning at university. 4 ed. Open University Press/Mc Graw-Hill Education.

Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. (1956). Taxonomy of educational objectives, Handbook I: Cognitive Domain. 2 ed. New York: Addison-Wesley Longman Ltd.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, Consed, Undime. 651p. URL: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso 21.10.2020.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. (2012). Resolução CNE/CES n. 387/2012, de 7 novembro de 2012. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Geologia e em Engenharia Geológica, bacharelados. Brasília (DF), MEC. 7 nov. 2012. (Relator Luiz Roberto Liza Curi, Proc. 23001.000110/2007-41).

Carneiro, C. D. R., Barbosa, R., Gonçalves, P. W., Miguel, G. F., Andrade, W. S. (2020). Trabalhos de campo e inovação educacional em geologia In: Reis, F. A. G. V., Kuhn, C. E. S., Carneiro, C. D. R., Wunder, E., Boggiani, P. C., & Machado, F. B. (Orgs.). (2020). Ensino e Competências Profissionais na Geologia. Jaboticabal: Ed. Funep. p. 31-58. (Cap. 3). ISBN 978-65-5671-020-4.

Carneiro, C.D.R. (2014). O Fórum Nacional de Cursos de Geologia e as Diretrizes Curriculares Nacionais: histórico e perspectivas. Terræ Didatica, 10, 191-203. doi: 10.20396/td.v10i3.8637316.

Carneiro, C. D. R., & Gonçalves, P. W. (Orgs.) (2017). Manual de laboratório de Ciência do Sistema Terra. Campinas, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. (Inédito).

Carneiro, C. D. R., Barbosa, R., & Piranha, J. M. (2007). Bases teóricas do projeto Geo-Escola: uso de computador para ensino de Geociências. Revista Brasileira de Geociências, 37(1), 90-100. doi: 2010.25249/0375-7536.200737190100.

Carneiro, C. D. R., & Gonçalves, P. W. (2011). Actividades de campo en la asignatura Ciencia del Sistema Tierra: la Geología como estructura básica. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 19(1), 48-56. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/244378/331350.

Carneiro, C. D. R., Gonçalves, P. W., Cunha, C. A. L. S., & Negrão, O. B. M. (2008). Docência e trabalhos de campo nas disciplinas Ciência do Sistema Terra I e II da Unicamp. Revista Brasileira de Geociências, 38(1), 130-142. doi: 10.25249/0375-7536.2008381130142.

Carneiro, C. D. R., Gonçalves, P. W., Negrão, O. B. M., & Cunha, C. A. L. S. (2005). Ciência do Sistema Terra e o entendimento da “máquina” planetária em que vivemos. Geonomos, 13(1), 11-18. Disponível em: http://www.igc.ufmg.br/geonomos/indice13.htm.

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M., & Almeida, F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na educação básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. doi: 10.25249/03757536.2004344553560.

Carneiro, C. D. R., & Negrão, O. B. M. (1995). Busqueda incessante. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 3(1), 61-62. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/89237/141665.

Cordani, U. G. (1995). As Ciências da Terra e a mundialização das sociedades. Estudos Avançados, 9(25), 13-27.

Cortelazzo, A. L., Fiala, D. A. S., Piva Jr., D., Panisson, L., & Rodrigues, M. R. J. B. (2018). Metodologias ativas e personalizadas de aprendizagem: para refinar seu cardápio metodológico. Rio de Janeiro: Alta Books. 224p. ISBN 978-85-508-0708-9.

Cruz, G. B. T. (2017). Didática e docência no ensino superior. Brasília, Rev. bras. Estud. pedagog., 98(250), 672-689. doi: 10.24109/2176-6681.rbep.98i250.2931.

Curi, L. R. L. (2012). Diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Geologia e em Engenharia Geológica, bacharelados. Brasília (DF), Conselho Nacional de Educação. (Proc. 23001.000110/2007-41).

Dave, R. H. (1970). Psychomotor levels. In: Armstrong, R. J. (Ed.). (1970). Developing and writing educational objectives, Tucson, Arizona.

Dewey, J. (1910). How we Think? Boston, NY: DC Health & Co., Publ.

Ernesto, M., Cordani, U. G., Carneiro, C. D. R., Dias, M. A. S., Mendonça, C. A., & Braga, E. S. (2018). Ensino de Geociências na universidade. Estudos Avançados, 32(94), 331-343, doi: 10.1590/s0103-40142018.3294.0021.

Ferreira, C., Alencoão, A., & Vasconcelos, C. (2015). O recurso à modelação no ensino das ciências: um estudo com modelos geológicos. Bauru, SP, Ciênc. educ. (Bauru), 21(1), 31-48. doi: 10.1590/1516-731320150010003.

Frodeman, R. L. O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Trad. L. M. Fantinel y E. V. D. Santos. Terræ Didatica, v. 6, n. 2, p. 85-99, 2010. doi: 10.20396/td.v6i2.8637460.

Galhardi, A. C., & Azevedo, M. M. (2013). Avaliações de aprendizagem: o uso da taxonomia de Bloom. In: Workshop de Pós Graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza, 8, 2013, São Paulo. Anais..., São Paulo. p. 237-247. ISSN: 2175-1897.

Ginnesi, I. L., & Moretti, L. H. T. (2015, 26 de abril). Contribuições da neuropsicologia nas dificuldades de aprendizagem escolar. Psicologia. Pt. ISSN 1646-6977.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Hattie, J. A. C., Brown, G. T. L. (2004). Cognitive processes. In: asTTle: The SOLO taxonomy. asTTle Technical Report #43. University of Auckland/Ministry of Education.

Heer, R. A. (2012). Model of Learning Objectives–based on A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Center for Excellence in Learning and Teaching, Iowa State University. Disponível em: https://www.celt.iastate.edu/wp-content/uploads/2015/09/RevisedBloomsHandout-1.pdf.

Heinsfeld, B. D. S. S., & Pena, A. L. (2017). Design educacional e material didático impresso para educação a distância: um breve panorama. Brasília, Rev. bras. Estud. pedagog., 98(250), 783-804. doi: 10.24109/2176-6681.rbep.98i250.3042.

Krathwohl, D. R. (2002). A revision of Bloom’s taxonomy: an overview. Theory Into Practice, 41(4), 212-218. doi: https://doi.org/10.1207/s15430421tip4104_2.

Lease, L. Krathwohl and Bloom´s Affective Taxonomy. Teaching, learning, & everything in between. 23.ago.2018. Disponível em: https://lynnleasephd.com/2018/08/23/krathwohl-and-blooms-affective-taxonomy/. Acesso 22.09.2021.

Mager, R. F. (1984). Preparing Instructional Objectives (2 ed), Pitman, Belmont, CA.

Martins, J. R. S., Gonçalves, P. W., Carneiro, C. D. R. (2011). O ciclo hidrológico como chave analítica interpretativa de um material didático em Geologia. Ciência e Educação (Bauru), 17(2), 365-382. doi: 10.1590/S1516-73132011000200008.

Miguel, G. F. (2018). Visualização 3D como condição para aprendizagem significativa em Geologia Estrutural. Campinas, SP, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Dissertação (Mestrado em Ensino e História de Ciência da Terra). URL: repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/334038/1/Miguel_GiseleFrancelino_M.pdf.

Miguel, G. F., & Carneiro, C. D. R. (2019). Taxonomia de Bloom como instrumento no ensino-aprendizagem de projeção estereográfica em Geologia. Terræ Didatica, 15(publ. Contínua), e019041. (Anais IX Simp. Nac. Ens. Hist. Ciências da Terra / EnsinoGEO-2019 – Geoética: respeito à Terra e ao lugar onde vivemos. Campinas, SBGeo, 2019). doi: 10.20396/td.v15i0.8657522.

Nóvoa, A. (2020). E agora, Escola? São Paulo, Jornal da USP, 19.ago.2020. URL: https://jornal.usp.br/?p=347369. Acesso 22.09.2021

Piranha, J. M., & Carneiro, C. D. R. (2009). O módulo São José do Rio Preto do Projeto Geo-Escola, uma experiência educacional diferenciada. Revista Brasileira de Geociências, 39(3), 533-543. doi: 10.25249/03757536.2009391129137.

Pombo, O. (1984). Pedagogia por Objectivos / Pedagogia com Objectivos. Lisboa: Logos, Filosofia Aberta, 1, 47-72.

Potapova, M. S. (2008). [Trad.]. Geologia como uma ciência histórica da natureza. Trad. Conrado Paschoale. Terræ Didatica, 3(1), 86-90. doi: 10.20396/td.v3i1.8637480.

Preti, O. (2011). Produção de material didático impresso: orientações técnicas e pedagógicas. 2 ed. Cuiabá: UAB/UFMT. (Coletânea Educação a Distância).

Reis, F. A. G. V., Wunder, E., Boggiani, P. C., & Kuhn, C. E. S. (2020). Competências profissionais e projetos político-pedagógicos dos cursos de Geologia e Engenharia Geológica no Brasil. In: Reis, F. A. G. V., Kuhn, C. E. S., Carneiro, C. D. R., Wunder, E., Boggiani, P. C., & Machado, F. B. (Orgs.). (2020). Ensino e Competências Profissionais na Geologia, 1 Ed, Jaboticabal, Funep. (Cap. 2). (ISBN 978-65-5671-020-4).

Rodrigues, A. G. (2018). O Curso de Geologia da UFRJ perante as Diretrizes Curriculares Nacionais: possíveis impactos no perfil do egresso. Terræ Didatica, 14(2):147-156. doi: 10.20396/td.v14i2.8651612

Simas, J. L., Basilici, G., & Carneiro, C. D. R. (2021). Aplicação do Alinhamento Cognitivo em disciplinas de Geociências de um Curso de Engenharia de Petróleo e Gás. Terræ Didatica, 17(Publ. Contínua), 1-11, e021015. doi: 10.20396/td.v17i00.8663568.

Thomas, K. (2004). Learning Taxonomies in the Cognitive, Affective and Psychomotor domains. Rocky Mountain Alchemy, Disponível em: http: www.rockymountainalchemy.com/whitePapers/rma-wp-learning-taxonomies.pdf. Acesso em: 22.09.2021.

Toledo, M. C. M. (2005). Geociências no Ensino Médio Brasileiro: Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Geol. USP Publ. Espec., 3, 31-44. doi: 10.11606/issn.2316-9087.v3i0p31-44.

Trevisan, A. L., & Amaral, R. G. A. (2016). Taxonomia revisada de Bloom aplicada à avaliação: um estudo de provas escritas de Matemática. Ciênc. educ. (Bauru), 22(2), 451-464. doi: 10.1590/1516-731320160020011.

Vaughan, C. A. (1980). Identifying Course Goals: Domains and Levels of Learning. Teaching Sociology, 7(3), 265-279, doi: 10.2307/1317141.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

MIGUEL, G. F.; CARNEIRO, C. D. R.; GONÇALVES, P. W. Alinhamento cognitivo e ensino remoto: o caso do tempo geológico em uma disciplina de geologia introdutória. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021048, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667540. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667540. Acesso em: 9 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>