Ludicidade em foco

jogo didático sobre a origem e evolução da vida para o ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v18i00.8668182

Palavras-chave:

Ensino de ciências, Paleontologia, Escala do tempo geológico

Resumo

Jogos lúdicos são recursos úteis e facilitadores no processo educativo, uma vez que promovem a compreensão de conteúdos, a argumentação e a socialização entre os alunos. Caracterizada como uma pesquisa-ação, este estudo teve como objetivo elaborar, aplicar e analisar um jogo produzido para estudantes de Ensino Médio, sobre a origem e evolução da vida na Terra ao longo da escala de tempo geológica. A aplicação do material ocorreu em uma turma com 17 alunos do 3º ano do Ensino Médio, em uma escola pública do interior do Rio Grande do Sul. A partir de um questionário realizado com a turma, foi possível perceber que o modelo didático elaborado contribuiu na revisão dos conceitos de uma forma interativa e divertida. Após a aplicação da atividade, notou-se que esta poderia ser desenvolvida em um período maior, com questões mais específicas e complexas, além da modificação de algumas ilustrações para melhor compreensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Gehrke Graffunder, Universidade Federal de Santa Maria

Mestre em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Cíntia Moralles Camillo, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Rafaelle Ribeiro Gonçalves, Instituto Federal Farroupilha

Doutoranda em Ensino de Ciências e Matemática na Universidade Franciscana (UFN). Docente do Instituto Federal Farroupilha, Campus Panambi (IFFar).

Referências

Araújo, M. S. & Siqueira, S. S. (2020). Investigações sobre o ensino de paleontologia e evolução no ensino médio. International Journal Education and Teaching, 3(1), 1-19. DOI: https://doi.org/10.31692/2595-2498.v3i1.113

Barbosa, J. C., & Oliveira, A. M. P. (2015). Por que a pesquisa de desenvolvimento na Educação Matemática? Perspectivas da Educação Matemática, 8(18), 526-546.

Brasil. Ministério da Educação. (2017). Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação no contexto escolar: possibilidades. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, Consed, Undime. 651p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/implementacao/praticas/caderno-de-praticas/aprofundamentos/193-tecnologias-digitais-da-informacao-e-comunicacao-no-contexto-escolar-possibilidades. Acesso em: 21 fev. 2022.

Breda, T. V., & Carneiro, C. D. R. (2015). Proposta de formação docente na confecção de jogos geográficos: uma experiência com professores de Campinas, Brasil. Madrid: Didácticas Específicas, (13):45-60. Disponívelem: https://revistas.uam.es/didacticasespecificas/article/view/2702, https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5319973.

Burd, L. (1999). Desenvolvimento de software para atividades educacionais. Campinas, Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, Universidade Estadual de Campinas. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Computação).

Camillo, C. M. (2019). O uso das tecnologias digitais em atividades didáticas nas séries iniciais do ensino fundamental. Revista Querubim (Online), 1(1), 40-46.

Campos, L. M. L., Bortoloto, T. M., & Felício, A. K. C. (2003). A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos núcleos de Ensino, 47-60.

Carvalho, I. S. (2010). Paleontologia: conceitos, métodos. 3 ed. Rio de Janeiro: Interciência. 734p.

Chassot, A. I. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 23(22), 89-100. doi: 10.1590/S1413-24782003000100009 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009

Costa, J., Marques, W. & Martins, A. E. M. (2020). Planejamento educacional. Revista Educação Em Questão, 58(56), 1-4. doi: 10.21680/1981-1802.2020v58n56ID20365. DOI: https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n56ID20365

Ernesto, M., Cordani, U. G., Carneiro, C. D. R., Dias, M. A. F., Mendonça, C. A., & Braga, E. D. S. (2018). Perspectivas do ensino de Geociências. Estudos Avançados, 32(94), 331-343. doi: 10.1590/s0103-40142018.3294.0021. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142018.3294.0021

Ferreira, A. A. D. S. N., & dos Santos, C. B. (2019). A ludicidade no ensino da biologia. Revista de Psicologia, 13(45), 847-861. DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1749

Fialho, N. N. (2011). Jogos no Ensino de Química e Biologia. 2 ed. Curitiba: IBPEX. 220p.

Guerra, L., Oliveira, F. V., Candito, V. & Schetinger, M. R. C. (2021). O ensino de ciências na formação inicial em pedagogia: abordagens metodológicas no desenvolvimento da práxis docente. Revista Triângulo, 14(1), 71-91. doi: 10.18554/rt.v14i1.5301. DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v14i1.5301

Graffunder, K. G., Camillo, C. M., Oliveira, N. M., & Goldschmidt, A. I. (2020). Alfabetização científica e o ensino de Ciências na Educação Básica: panorama no contexto das pesquisas acadêmicas brasileiras nos últimos cinco anos de ENPEC. Research, Society and Development, 9(9), e313997122-e313997122. doi: 10.33448/rsd-v9i9.7122 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7122

Hickman, C. P., Roberts, L. S., & Keen, S. L. (2016). Princípios integrados de zoologia. Grupo Gen-Guanabara Koogan. 937p.

Krasilchik, M. (2004). Prática de ensino de biologia. São Paulo: Edusp. 197p.

Lopes, O. R., Carneiro, C. D. R. (2009). O jogo “Ciclo das Rochas” para ensino de Geociências. Rev. Bras. Geoc., 39(1):30-41. doi: 10.25249/0375-7536.20093913041. DOI: https://doi.org/10.25249/0375-7536.20093913041

Luckesi, C. C. (2000). Educação, ludicidade e prevenção das neuroses futuras: uma proposta pedagógica a partir da Biossíntese. In: Luckesi, C. C. (Org.). (2000). Ludopedagogia. Ensaios 1: Educação e Ludicidade. Salvador: Gepel, 1(1) 9-41.

Marcelos, M. de F. (2006), Analogias e Metáforas da “Árvore da Vida”, de Charles Darwin, na Prática Escolar. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica).

Miranda, J. C., Gonzaga, G. R., de Souza, D. G., Moraes, M., & Costa, R. C. (2020). Desvendando a árvore da vida–invertebrados: um jogo didático para o ensino de Zoologia no ensino fundamental regular. A Bruxa, 4(8), 1-13.

Oliveira, A. C. B., Santos, C. A. B., & Florêncio, R. R. (2019). Métodos e técnicas de pesquisa em educação. Rios Eletrônica (Fasete), 36-50.

Pozo, J. I.; Crespo, M. A. G. (2009) A Aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Porto Alegre: Artmed. 296 p.

Santos, C. M. D. & Calor, A. R. (2008). Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética-I. Ciência & Ensino, 1(2), 1-8.

Santos, F. S. D. (2009). A construção de material didático contextualizado como subsídio para as aulas de Ciências do Ensino Fundamental (II): uma experiência colaborativa em Cubatão, SP. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Educação. USP. 209p. (Tese Doutorado).

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetización científica, enseñanza por investigación y argumentación: relaciones entre las ciencias de la naturaleza y la escuela. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(spe.), 49-67. doi: 10.1590/1983-2117201517s04. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Siqueira, B. (2019). O ensino de Geografia Física e os jogos digitais: trabalhando suscetibilidade, vulnerabilidade e resiliência frente aos desastres naturais. Terræ Didatica, 15(Publ. Contínua), 1-12, e019022. doi: 10.20396/td.v15i0.8653224. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8653224

Tidon, R., & Vieira, E. (2009). O ensino da evolução biológica: um desafio para o século XXI. ComCiência, 1(107), p. 1-4.

Downloads

Publicado

2022-04-24

Como Citar

GRAFFUNDER, K. G.; CAMILLO, C. M.; GONÇALVES, R. R. Ludicidade em foco: jogo didático sobre a origem e evolução da vida para o ensino médio. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e022005, 2022. DOI: 10.20396/td.v18i00.8668182. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8668182. Acesso em: 1 jul. 2022.