Práticas de ensino de botânica com enfoque em taxonomia e sistemática filogenética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v18i00.8668360

Palavras-chave:

Cegueira botânica, Recursos didáticos, Educação básica, Formação de professores

Resumo

O ensino de botânica, em especial os conteúdos afins à taxonomia e sistemática vegetal, tem sido negligenciado na educação básica. Nota-se, em decorrência, o desinteresse e a desmotivação acentuados dos alunos para conteúdos botânicos. Na sociedade em geral, a defasagem do ensino reflete-se no fenômeno social dito “cegueira botânica”, no qual a diversidade de plantas é desapercebida no cotidiano das pessoas. Assim, a pesquisa visou a elaboração e o uso de estratégias e recursos educacionais que buscaram a adequada inserção de conteúdos de taxonomia e sistemática vegetal na educação básica. Foram elaborados e/ou utilizados recursos didáticos tais como modelos, atividades práticas e jogos que possibilitaram avançar em favor da inserção dos conteúdos para o público-alvo, reiterando a importância do lúdico no ensino de Ciências e Biologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Soares-Silva, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Biologia Vegetal do Instituto de Biologia pela Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Maxwell Luiz Ponte, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Ensino e História de Ciência da Terra do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Daniela Sampaio Silveira, Universidade Estadual Paulista

Doutora em Biologia Vegetal do Instituto de Biociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Assistente no Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, SP, Brasil.

Referências

Alften, J. T. (2010). Super Trunfo Árvores Brasileiras. Disponível em: http://ercionovaes.blogspot.com.br/2011/12/super-trunfo-arvores-brasileiras.html. Acesso em: 07.02.2020.

Angiosperm Phylogeny Group, Chase, M. W., Christenhusz, M. J., Fay, M. F., Byng, J. W., Judd, W. S., ... Stevens, P. F. (2016). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical journal of the Linnean Society, 181(1), 1-20. doi: 10.1111/boj.12385. DOI: https://doi.org/10.1111/boj.12385

Balding, M., & Williams, K. J. (2016). Plant blindness and the implications for plant conservation. Conservation Biology, 30(6), 1192-1199. doi: 10.1111/cobi.12738. DOI: https://doi.org/10.1111/cobi.12738

Barbosa, P. P., Macedo, M., Katon, G. F., & Ursi, S. (2020). Preservação e conservação da vegetação brasileira: entrelaces com a formação docente e o ensino de botânica. Pesquisa em Foco, 25(1), 49-78. doi: 10.18817/pef.v25i1.2341.

Brasil (1998). Decreto Nº. 2.519, de 16 de março de 1998. Promulga a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1992. 1998.

Braz, N. C. S., & Lemos, J. R. (2014). " Herbário Escolar" como instrumento didático na aprendizagem sobre plantas em uma escola de ensino médio na cidade de Parnaíba, Piauí. Revista Didática Sistêmica, 16(2), 3-14.

Brilha, J. B. (2005). Patrimônio geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Palimage.

Brilha, J. B. (2016). Inventory and quantitative assessment of geosites and geodiversity sites: a review. Geoheritage, 8(2), 119-134. doi: 10.1007/s12371-014-0139-3. DOI: https://doi.org/10.1007/s12371-014-0139-3

Camargo, R. P., Ponte, M. L., & Piranha, J. M. (2021). Contribuições de jogos para o ensino de Ciências da Terra: uma revisão da literatura. In: Araujo-Neto, C. L., Marinho, J. C. B., & Ferreira, W. B. (Orgs.) (2021). Ciência se faz com Pesquisa, Editora Realize.

Canto, A. R., & Zacarias, M. A. (2009). Utilização do jogo Super Trunfo Árvores Brasileiras como instrumento facilitador no ensino dos biomas brasileiros. Ciências & Cognição, 14(1), 144-153.

Chaves, R. S., Moraes, S. S., & Lira-da-Silva, R. M. (2018). Por que Ensinar Tempo Geológico na Educação Básica? Terræ Didatica, 14(3):233-244. doi: 10.20396/td.v14i3.8652309. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v14i3.8652309

Colli-Silva, M., Corsi, A. C. S., de Jesus Florentino, J., Teixeira, L. A., & Ursi, S. (2019). Evidences of plant blindness in a Brazilian urban green space with plaqued trees. Paisagem e Ambiente, 30(43), e151370-e151370. doi: 10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.151370. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.151370

Costa, J. C. M. da, Lucas, F. C. A., Gois, M. A. F., Leão, V. M., & Lobato, G. D. J. M. (2016). Herbário virtual e universidade: biodiversidade vegetal para ensino, pesquisa e extensão. Scientia Plena, 12(6). doi: 10.14808/sci.plena.2016.069904. DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.069904

Costa Vieira, V. J. da, & Corrêa, M. J. P. (2020). O uso de recursos didáticos como alternativa no ensino de Botânica. Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio 13(2), 309-327. doi: 10.46667/renbio.v13i2.290. DOI: https://doi.org/10.46667/renbio.v13i2.290

Cunha, N. C. da, Rezende, J. D. L. P., & Saraiva, I. S. (2017). Análise do conteúdo de botânica nos livros didáticos do ensino fundamental. Argumentos Pró-Educação, 2(6), 493-513. doi: 10.24280/ape.v2i6.237. DOI: https://doi.org/10.24280/ape.v2i6.237

Dias, K. N. L., Silva, A. N. F., Guterres, A. V. F., Lacerda, D. M. A., & de Almeida Jr., E. B. (2019). A importância dos Herbários na construção de conhecimentos sobre a diversidade vegetal. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, 11(1).

Domiciano, G. H. S., & Novais, J. S. N. (2021). Forma e função em plantas: Ensino de morfologia vegetal e percepção botânica por meio de metodologias ativas. In: Vasques, D. T., de Freitas, K. C., & Ursi, S. (Orgs.) (2021). Aprendizado ativo no ensino de Botânica. São Paulo: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo. p. 112-135.

Duarte, S. G., Martins, C. M. M. R., Bandeira, L. G., Carramillo, L. C, Gervásio C. M., & Wanderley M. D. (2018). Experiência interdisciplinar na educação básica e na formação de professores: Artes, Biologia e Geociências. Terræ Didatica, 14(3):245-255. doi: 10.20396/td.v14i3.8652424. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v14i3.8652424

Faria, M. T., Faria, L. P., & de Melo, W. A. (2016). Estratégias didáticas para o ensino de Sistemática Vegetal: Construção de um jardim vertical baseado nos clados Rosídeas e Asterídeas (APG III). Revista Uniaraguaia, 9(9), 62-73.

Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 19.02.2021.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Editora Atlas. 200 p.

Gray, M. (2004). Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. John Wiley & Sons.

Gray, M. (2018). Geodiversity: the backbone of geoheritage and geoconservation. In: Reynard, E., & Brilha, J. (Orgs.) (2018). Geoheritage. Elsevier, p. 13-25. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-12-809531-7.00001-0

Guimarães, T. O., Mariano, G., & Abreu, A. (2017). Jogos “geoeducativos” como subsídio à Geoconservação no litoral sul de Pernambuco (NE Brasil): uma proposta. Terræ Didatica, 13(1), 30-42. doi: https://doi.org/10.20396/td.v13i1.8648626. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v13i1.8648626

Judd, W. S., Campbell, C. S., Kellogg, E. A., Stevens, P. F., & Donoghue, M. J. (2009). Sistemática Vegetal: Um Enfoque Filogenético. Porto Alegre: Artmed Ed. 632p.

Krasilchik, M. (2008). Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 198p.

Laws, B. (2013). 50 plantas que mudaram o rumo da história. Rio de Janeiro: Sextante. 224p.

Lhoussaine, M., Alami, A., Agorram, B., & Zaki, M. (2020). Analysis of Students’ Knowledge in Plant Taxonomy: Implications for Teaching and Learning in University. In: Alami, A. Ed. (2020). Research in Didactics of Natural Sciences and Pedagogical Innovation for Scientific Education. India: Book Publisher International. 147-152. doi: 10.9734/bpi/mono/978-93-89816-74-7. DOI: https://doi.org/10.9734/bpi/mono/978-93-89816-74-7

Lorenzi, H. (2008). Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 1, 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 384p.

Lorenzi, H. (2013). Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 2, 4 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 384p.

Lorenzi, H. (2016). Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 3, 2 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 384p.

Loureiro, J. O., & Dal-Farra, R. A. (2018). Botany and environmental education in elementar school in Brazil. Environmental Education Research, 24(12), 1655-1668. doi: 10.1080/13504622.2017.1343280. DOI: https://doi.org/10.1080/13504622.2017.1343280

Mattos, K. R. C. de, Ribeiro, W. A., & da Costa Güllich, R. I. (2019). Análise do conteúdo de Botânica nos livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 15(34), 210-224. DOI: https://doi.org/10.18542/amazrecm.v15i34.7046

Moreira, J. C. (2018). Jogos interpretativos e palestras: ferramentas de educação ambiental do Parque Nacional dos Campos Gerais (Paraná). Terræ Didatica, 14(4), 467-476. doi: https://doi.org/10.20396/td.v14i4.8652465. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v14i4.8652465

Neves, A., Bündchen, M., & Lisboa, C. P. (2019). Cegueira botânica: é possível superá-la a partir da Educação? Ciência & Educação (Bauru), 25, 745-762. doi: 10.1590/1516-731320190030009. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320190030009

Nunes, L. H. M. N., & Pioker-Hara, F. C. (2018). Detetive paleontológico: o destino dos fósseis de plantas do Geopark Araripe como ferramenta para o ensino das Geociências. Terræ Didatica, 14(1), 5-14. doi: https://doi.org/10.20396/td.v14i1.8652039. DOI: https://doi.org/10.20396/td.v14i1.8652039

Ponciano, L. C. M. O., Castro, A. R. S. F., Machado, D. M. D. C., Fonseca, V. M. M. D., & Kunzler, J. (2011). Patrimônio geológico-paleontológico in situ e ex situ: definições, vantagens, desvantagens e estratégias de conservação. In: Carvalho, I. S. et al. (Orgs.) (2011). Paleontologia: cenários da vida. Editora Interciência, 4, 853-869.

Rissi, M. N., & Cavassan, O. (2013). Uma proposta de material didático baseado nas espécies de Vochysiaceae existentes em uma trilha no cerrado de Bauru-SP. Biota Neotropica, 13, 27-41. doi: 10.1590/S1676-06032013000100003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-06032013000100003

Salatino, A., & Buckeridge, M. (2016). Mas de que te serve saber botânica? Estudos Avançados, 30, 177-196. doi: 10.1590/S0103-40142016.30870011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870011

Santos, F. S., & Guimarães, F. (2017). Botany on the spot: collaborative production of didactic material for elementary and high school students. Revista de Estudos Curriculares, 8(2), 66-80.

Scott-Santos, C. P., & Piranha, J. M. (2018). Earth history and evolution of life in the high school curriculum of the state of São Paulo. Terræ Didatica, 14(3):296-303. doi: DOI: https://doi.org/10.20396/td.v14i3.8653529

20396/td.v14i3.8653529.

Silva, J. J. L., Cavalcante, F. L. P., Xavier, V. F., & Gouveia, L. D. F. P. (2019). Produção de Exsicatas como Auxílio para o Ensino de Botânica na Escola. Conexões-Ciência e Tecnologia, 13(1), 30-37. doi: 10.21439/conexoes.v13i1.1488. DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v13i1.1488

Silva, J. N., & Ghilardi-Lopes, N. P. (2014). Botânica no Ensino Fundamental: diagnósticos de dificuldades no ensino e da percepção e representação da biodiversidade vegetal por estudantes. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 13(2), 115-136.

Souza, V. C., & Lorenzi, H. J. (2012). Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 768p.

Stanski, C., Luz, C. F. P., Rodrigues, A. R. F., & Nogueira, M. K. F. D. S. (2016). Ensino de Botânica no Ensino Fundamental: estudando o pólen por meio de multimodos1. Hoehnea, 43, 19-26. doi: 10.1590/2236-8906-34/2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-8906-34/2015

Ursi, S., Barbosa, P. P., Sano, P. T., & Berchez, F. A. D. S. (2018). Ensino de Botânica: conhecimento e encantamento na educação científica. Estudos avançados, 32: 07-24. doi: 10.1590/s0103-40142018.3294.0002. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142018.3294.0002

Ursi, S., Freitas, K. C., & Vasques, D. T. (2021). Cegueira Botânica e sua mitigação: um objetivo central para o processo de ensino-aprendizagem de Biologia. In: Vasques, D. T., de Freitas, K. C., & Ursi, S. (Orgs.) (2021). Aprendizado ativo no ensino de Botânica. São Paulo: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo. p. 12-30.

Volpato, G. L. (2015). O método lógico para redação científica. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 9(1), 1-14. doi: 10.29397/reciis.v9i1.932. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v9i1.932

Wandersee, J. H., & Schussler, E. E. (2001). Toward a theory of plant blindness. Plant Science Bulletin, 47(1), 2-9.

Xavier, L. S., Meneses, L. F., & Cavalcante, M. B. (2017). Ensinando geodiversidade a partir de jogos didáticos. GeoTextos, 13(2). doi: 10.9771/1984-5537geo.v13i2.24001. DOI: https://doi.org/10.9771/1984-5537geo.v13i2.24001

Downloads

Publicado

2022-06-08

Como Citar

SOARES-SILVA, J. P.; PONTE, M. L.; SILVEIRA, D. S. Práticas de ensino de botânica com enfoque em taxonomia e sistemática filogenética. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e022018, 2022. DOI: 10.20396/td.v18i00.8668360. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8668360. Acesso em: 28 set. 2022.