História das vacinas e história da astronomia

episódios históricos para a educação em ciências em tempos negacionistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v18i00.8668944

Palavras-chave:

História da ciência, Notícias falsas, Falsidade científica

Resumo

Com o avanço das tecnologias da informação e o surgimento da pandemia de Covid-19, os movimentos negacionistas vêm ganhando força. Buscamos neste artigo, no formato de ensaio teórico que discute dois fatos históricos – a produção de vacinas e a forma da Terra – integrar conhecimentos históricos que possibilitem reflexões mais profundas por parte de professores de ciências. Discutimos alguns componentes psicológicos do comportamento humano. Ao abordarmos a história das vacinas e a história da Astronomia, elas se parecem, num primeiro momento, histórias distintas e com momentos históricos diferentes. Contudo, quando nos aprofundamos nas discussões, percebemos que ambas compartilham de muitos aspectos em comum, dentre eles, as notícias falsas, que assolam a sociedade e as teorias negacionistas: antivacinas e terraplanistas. Consideramos a história da ciência essencial na educação em ciências para o combate ao negacionismo científico e ao obscurantismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Venturi, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Departamento de Educação, Ensino e Ciências da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Roberta Chiesa Bartelmebs, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação em Ciências pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora do Departamento de Educação, Ensino e Ciências da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Lara Amélia Dreon Lohmann, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Amanda Maria Garcia de Souza, Universidade Federal do Paraná

Licencianda em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Isabella Carolina Umeres, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

Aguiar, O. G. (1999). As três formas de equilibração: análise do material didático de um curso de eletricidade básica. Florianópolis, Caderno Catarinense de Ensino de Física, 16(1), 72-91. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6877. Acesso 22.05.2022.

Albuquerque, A., & Quinan, R. (2019). Crise epistemológica e teorias da conspiração: o discurso anti-ciência do canal “Professor Terra Plana”. Revista Mídia e Cotidiano, 13(3), 83-104. doi: 10.22409/rmc.v13i3.38088. DOI: https://doi.org/10.22409/rmc.v13i3.38088

Alkhars, M., Evangelopoulos, N., Pavur R., & Kulkarni, S. (2019). Cognitive biases resulting from the representativeness heuristic in operations management: an experimental investigation. Psychology Research and Behavior Management, 12(1), 263-276. doi: 10.2147/PRBM.S193092. DOI: https://doi.org/10.2147/PRBM.S193092

Baig, A., & Agustench, M. (1997). La revolución científica de los siglos XVI y XVII. Madrid: Alhambra. 199p.

Barberia, L. G., & Rosa, I. S. C. (2021). De que maneira a ideologia afeta a disposição a se vacinar contra o Sars-Cov-2? [S. l.], Revista USP, 1 (131), 47-64. doi: 10.11606/issn.2316-9036.i131p47-64 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i131p47-64

Barroso, R., & Martel, J. (2008). Caracterización geométrica del desarrollo de la triada piagetiana. Educación Matemática, México, 20 (1), 89-102.

Bartelmebs, R. C. (2014). Psicogênese e História das ciências: Elementos para uma epistemologia construtivista. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 16(2). doi: 10.1590/1983-21172014160208 DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172014160208

Bartelmebs, R. C., Araújo, C. H. C. & Kitzberger, D. O. (2020). O papel das disciplinas de História, Filosofia e Epistemologia da Ciência nas mudanças das concepções sobre a Natureza da Ciência de futuros professores. Research, Society and Development. 9(8). doi: 10.33448/rsd-v9i8.6218. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6218

Bartelmebs, R. C., Venturi, T. & Sousa, R (2021). Pandemia, negacionismo científico, pós-verdade: contribuições da Pós-graduação em Educação em Ciências na Formação de Professores. Revista Insignare Scientia - RIS, 4(5), p. 64-85. doi: 10.36661/2595-4520.2021v4i5.12564 DOI: https://doi.org/10.36661/2595-4520.2021v4i5.12564

Beck, J (2013). Terapia Cognitivo Comportamental: teoria e prática. 2 ed. Porto Alegre: Artmed. 432p.

Bertotti, T. G (2020). Como lidar com a popularização do terraplanismo? Uma proposta a partir da filosofia da ciência de Susan Haack. Cognitio-Estudos: Revista Eletrônica De Filosofia, 17(2), 196-207. doi: 10.23925/1809-8428.2020v17i2p196-207. DOI: https://doi.org/10.23925/1809-8428.2020v17i2p196-207

Bonfim, C. S., & Garcia, P. M. P. (2021). Investigando a “Terra plana” no Youtube: contribuições para o ensino de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 12(3), 1-25. doi: 10.26843/rencima.v12n3a21. DOI: https://doi.org/10.26843/rencima.v12n3a21

Borges, R. M. R. (2007). Em debate: cientificidade e educação em ciências. 2 ed. Porto Alegre: EdiPUCRS. 118p.

Brito, B. P. L. (2019). O papel dos valores na proposição e aceitação de teorias e modelos nas ciências biológicas: uma contribuição desde a epistemologia. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências: Universidade Federal da Bahia. (Tese Dout.).

Busko, P., & Karat, M. T. (2019). Ensino de Ciências: o vírus Zika e as Fake News – Proposições para uma prática docente. Revista Teias, 20(57), 332-347. doi: 10.12957/teias.2019.38798. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.38798

D’Ancona, M. (2018). Pós-Verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake News. Trad. Carlos Szlak. Barueri: Faro Editorial. 144p.

Damasio, F., & Peduzzi, L. O. Q. (2017). História e filosofia da ciência na educação científica: para quê? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 19(1), e2583. doi: 10.1590/1983-21172017190103. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172017190103

Dawes, R. M. (1964). Cognitive distortion. Psychological Reports, 14(1), 443-459. doi: 10.2466/pr0.1964.14.2.443. DOI: https://doi.org/10.2466/pr0.1964.14.2.443

Fernandes, J., Lanzarine, N. M., Homma, A., & Lemos, E. R. S. (2021). Vacinas. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz. (Col. Temas de Saúde). 164p. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557081075

Fourez, G (2003). Crise no ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências, 8(2), 109-123. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/542/337. Acesso em: 10. 03. 2022.

Fourez, G., Englebert-Lecompte, V., Grootaers, D., Mathy, P., & Tilman, F. (1997). Alfabetización científica y técnica. Argentina: Ediciones Colihue. 260p.

Gelenske, T (2022). Viés inconsciente: entenda conceitos e dicas para evitá-lo na organização. Disponível em: https://www.blend-edu.com/vies-inconsciente-nas-empresas-entenda-o-conceito-e-dicas-para-minimiza-los-na-organizacao/. Acesso em: 11.03.2022.

Guimarães, R. (2020). Vacinas Anticovid: um olhar da saúde coletiva. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 9(25), 3579-3585. doi: 10.1590/1413-81232020259.24542020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.24542020

Guzzo, G. B., & Dall'alba, G. (2021). A ciência como um processo: lições epistemológicas da pandemia. Curitiba, Actio, 6(3), 1-19. doi: 10.3895/actio.v6n3.13133.

Haack, S. (2007). Defending Science–Within Reason: between scientism and cynicism. New York: Prometheus. 411p.

Korteling, J. E., Brouwer, A. M., & Toet, A. (2018). A Neural Network Framework for Cognitive Bias. Frontiers in Psychology, 9, 1-12. doi: 10.3389/fpsyg.2018.01561. DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.01561

Kuhn, T. (2002). A Revolução Copernicana. Lisboa: Edições 70. 312p.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. (1986). Metodologia científica. São Paulo: Atlas. 392p.

Lang, F (2015). Refutando a terra plana. Porto Alegre: Centro de Referência em Ensino de Física (CREF), Inst. Física, UFRGS. Disponível em: https://cref.if.ufrgs.br/?contact-pergunta=refutando-a-terra-plana. Acesso em: 10.03.2022.

Lang, F (2017). Sobre a forma da Terra. Física na Escola, 15(2), sp.

Longhini, M. D., & Gangui, A. (2011). Atividades de ensino em Astronomia a partir de elementos da História da Ciências o caso do movimento retrógrado de Marte. História da Ciência e Ensino construindo interfaces, 3(1), 78-95. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/hcensino/article/view/5033. Acesso em: 25.05.2022.

Marineli, F. (2020). O terraplanismo e o apelo à experiência pessoal como critério epistemológico. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 37(3), 1173-1192. doi: 10.5007/2175-7941.2020v37n3p1173. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n3p1173

Martins, R. A. (2006). Introdução: a História das Ciências e seus usos na Educação. In: Silva, C. C. (Org.). (2006). Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Ed. Livraria da Física. 499p.

Massarani, L., Waltz, I., Leal, T., & Modesto, M. (2020). Narrativas sobre vacinação em tempos de fake news: uma análise de conteúdo em redes sociais. Saúde e Sociedade, Rio de Janeiro, 30(2), 1-16. doi: 10.1590/S0104-12902021200317. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902021200317

Mercier, H., & Sperber, D. (2011). Why do humans reason? Arguments for an argumentative theory. Behav. Brain Sci. 34, 57-74. doi: 10.1017/S0140525X10000968 DOI: https://doi.org/10.1017/S0140525X10000968

Matthews, M. R. (2014). Science teaching: the contribution of history and philosophy of science. 20th anniversary revised and expanded edition. Nova York: Routledge. 478p. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203123058

Mohr, A., Mulinari, G., Venturi, T., & Cunha, T. (2019). Um singular plural: contribuições de Gérard Fourez para a Educação em Ciências. Blumenau, Revista Dynamis, Furb, 25(1), 164-179. doi: 10.7867/1982-4866.2019v25n1p164-179. DOI: https://doi.org/10.7867/1982-4866.2019v25n1p164-179

Offit, P. A. (2008). Vacinado: a luta de um homem para vencer as doenças mais mortais do mundo. São Paulo: Ideia & Ação. 254p.

Oliveira, T., Martins, R., & Thot, J. (2020). Antivacina, fosfoetanolamina e Mineral Miracle Solution (MMS): mapeamento de fake sciences ligadas à saúde no Facebook. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 14(1), 90-111. doi: 10.29397/reciis.v14i1.1988. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i1.1988

Organização das Nações Unidas - Mulheres (ONU-Mulheres). (2016). Vieses inconscientes, equidade de gênero e o mundo corporativo: lições da oficina vieses inconscientes. Brasília, DF: ONU-Mulheres. 44p. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/Vieses_inconscientes_16_digital.pdf. Acesso em: 11.03.2022.

Pasternak, N., & Orsi, C. (2020). Ciência no cotidiano: viva a razão. Abaixo a ignorância. São Paulo: Contexto. 160p.

Piaget, J., & García, R. (2011). Psicogênese e história das ciências. Petrópolis: Ed. Vozes. 376p.

Pilati, R. (2020). Ciência e pseudociência: Por que acreditamos apenas naquilo que queremos acreditar? São Paulo: Contexto. 134p.

Ponte, C. F. (2003) Vacinação, controle de qualidade e produção de vacinas no Brasil a partir de 1960. Rio de Janeiro: Fiocruz, 10(2), 619-653. doi: 10.1590/S0104-59702003000500009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702003000500009

Popper, K. R. (1975). A Sociedade Aberta e seus Inimigos. Belo Horizonte: Itatiaia. 526p.

Recuero, R., & Gruzd, A. (2019). Cascatas de Fake News Políticas: um estudo de caso no Twitter. Galaxia (São Paulo, online), 41, 31-47. doi: 10.1590/1982-25542019239035. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-25542019239035

Risen, J. L. (2015). Believing what we do not believe: acquiescence to superstitious beliefs and other powerful intuitions. Psychol. Rev. 123, 128-207. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26479707/. Acesso em: 25.05.2022. DOI: https://doi.org/10.1037/rev0000017

Samaranayake, L., Seneviratne, C. J. & Fakhruddin, K. S. (2019). Coronavirus disease 2019 (COVID-19) vaccines: A concise review. Oral Diseases, 1, 1-11. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33991381/. Acesso em: 25.05.2022. DOI: https://doi.org/10.1111/odi.13916

Silva, P. F., & Krasilchik, M. (2013). Bioética e ensino de ciências: o tratamento de temas controversos; dificuldades apresentadas por futuros professores de ciências e de biologia. Ciênc. educ. (Bauru), 19(2), 379-392. doi: 10.1590/S1516-73132013000200010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000200010

Tavares, L. H. W. (2010). Os tipos de abordagem histórica no ensino: algumas possibilidades encontradas na literatura. Revista História da Ciência e Ensino, 2(1), 14-24.

Teixeira, A., & Santos, R. C. (2020). Fake news colocam a vida em risco: a polêmica da campanha de vacinação contra a febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro: Reciis: Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, 14(1), 72-89. doi: 10.29397/reciis.v14i1.1979. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i1.1979

World Health Organization (WHO). (2020). UN tackles ‘infodemic’ of misinformation and cybercrime in COVID-19 crisis. Disponível em: https://www.un.org/en/un-coronavirus-communications-team/un-tackling-%E2%80%98infodemic%E2%80%99-misinformation-and-cybercrime-covid-19. Acesso em: 03.05.2022.

Downloads

Publicado

2022-06-22

Como Citar

VENTURI, T.; BARTELMEBS, R. C.; LOHMANN, L. A. D.; SOUZA, A. M. G. de; UMERES, I. C. História das vacinas e história da astronomia: episódios históricos para a educação em ciências em tempos negacionistas. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e022014, 2022. DOI: 10.20396/td.v18i00.8668944. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8668944. Acesso em: 26 set. 2022.