Banner Portal
Mapa de ocorrências de geossítios espeleológicos e paleontológicos de Minas Gerais
PDF

Palavras-chave

Educação básica

Como Citar

MOURA, Ricardo Almeida de; RIBAS, Giovana Kelly; SANCHEZ, Evelyn. Mapa de ocorrências de geossítios espeleológicos e paleontológicos de Minas Gerais: uma ferramenta social para o ensino de Geopatrimônio . Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e023027, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8673933. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8673933. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

O estudo do Geopatrimônio engloba o estudo de geossítios, os quais envolvem os mais variados aspectos geológicos com valor científico de uma região, incluindo os geomorfológicos, paleontológicos, espeleológicos, arqueológicos, entre outros. As práticas ligadas à conservação do geopatrimônio é designada geoconservação e sua importância se justifica por consolidar ações e políticas que permitirão a manutenção do registro de aspectos importantes da história geológica da Terra. Pensemos no Ensino de Geociências como um aliado na conservação do Geopatrimônio, pois, através dele, ensina-se futuras gerações sobre a importância e a conservação de geossítios (unidade do geopatrimônio, um local de interesse de preservação) e geoparques (aglomerado de vários geossítio). O ensino de Geociências, focado em conteúdos ligados à Geologia e às Ciências da Vida, apresenta similaridades às disciplinas de Ciências Naturais e Biologia no ensino básico, incluindo o uso das TICs.  Visando aliar o ensino geopatrimonial às tecnologias de informação e comunicação, trazemos como objeto de estudo o mapa virtual de geossítos paleontológicos e espeleológicos de Minas Gerais, desenvolvido a partir de geossítios catalogados pela Comissão de Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil (SIGEP). Testou-se a aplicabilidade e eficácia da aplicação deste mapa virtual em alunos do ensino superior. Conclui-se que, ainda que o público possua conhecimentos sobre geodiversidade e geopatrimônio, este mapa ainda apresenta boa aplicabilidade acerca de ensino geopatrimonial e pode, assim, ser uma ferramenta didática e que contribui para a geoconservação.

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8673933
PDF

Referências

Batista, L. N. (2015). A cartografia escolar no processo de ensino-aprendizagem: o hipermapa e sua utilização na educação ambiental, em Quevedos (RS). Santa Maria: Centro de Ciências Naturais e Exatas. 139p. (Dissert. Mestrado).

Belloni, M. L. (2022). O que é mídia-educação. Campinas: Autores Associados. 101p.

Borba, A. W. (2011). Geodiversidade e geopatrimônio como bases para estratégias de geoconservação: conceitos, abordagens, métodos de avaliação e aplicabilidade no contexto do Estado do Rio Grande do Sul. Pesquisas em Geociências, 38(1), 3-13. doi: 10.22456/1807-9806.23832.

Brilha, J. (2005). Património geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga: Palimage. 183 pp. URL: http://www.dct.uminho.pt/docentes/pdfs/jb_livro.pdf. Acesso 22.01.2023.

Brilha, J. (2016). Inventory and quantitative assessment of geosites and geodiversity sites: a review. Geoheritage, 8(2), 119-134. doi: 10.1007/s12371-014-0139-3.

Chaves, R. S., Moraes, S. S. de, & Lira-da-Silva, R. M. (2019). Definindo diretrizes para a elaboração de um produto educacional para o ensino de Tempo Geológico na educação básica brasileira. Indagatio Didactica, 11(2), 673-690. doi: 10.34624/id.v11i2.6535.

Costa, P. L., & Sanchez, E. A. M. (2016). Experimentação Investigativa e Ilustrativa: um estudo sobre a efetividade no ensino de Geociências. Terræ Didatica, 12(3), 220-230. doi: 10.20396/td.v12i3.8647899.

Dourado, I. F., Souza, K. L., Carbo, L., Mello, G. J., & Azevedo, L. F. (2014). Uso das TIC no ensino de ciências na educação básica: uma experiência didática. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, 15. doi: 10.17921/2447-8733.2014v15n0p.

Garcia, C. B., Imbernon, R. A. L., & Lacerda, R. A. V. (2014). Desenvolvimento de recursos didáticos para o ensino de Geociências para a Banca das Ciências e Experimentoteca da EACH/USP. Terræ Didatica, 10(3), 331-335. doi: 10.20396/td.v10i3.8637348.

Guimarães, T. O., Moura-Fé, M. M., & Almeida, R. R. (2022). Geopatrimônio: por quê? Para quê? Para quem? PerCursos, 23(52), 332-362. doi: 10.5965/1984724623522022332.

Kripka, R. M. L., Viali, L., & Lahm, R. A. (2014). Utilização dos recursos do Google EarthTM e do Google MapsTM no ensino de ciências. Revista Latinoamericana de Tecnologia Educativa, 13(2), 89-101. doi: 10.17398/1695­288X.13.2.89.

Martinelli, M. (2011). Mapas da Geografia e Cartografia Temática. São Paulo: Contexto. 144p.

Moraes, R.; & Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117-128. doi: 10.1590/S1516-73132006000100009.

Oliveira, M. M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Editora Vozes. 232p.

Sharples, C. (1993). A methodology for the identification of significant landforms and geological sites for geoconservation purposes. Forestry Comission, Tasmania. URL: https://eprints.utas.edu.au/11747/. Acesso 05.05.2023.

SIGEP Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos. (2023). Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos. SIGEP. URL: https://sigep.eco.br/. Acesso 05.05.2023.

Silva, J. F. D. A., & Aquino, C. M. S. de. (2018). Ações geoeducativas para divulgação e valorização da geodiversidade e do geopatrimônio. Geosaberes: Revista de Estudos Geoeducacionais, 9(17). doi: 10.26895/geosaberes.v9i17.617.

Zabala, A. A. (1998). Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed. 224p.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Ricardo Almeida de Moura, Giovana Kelly Ribas, Evelyn Sanchez

Downloads

Não há dados estatísticos.