Banner Portal
Explorando a geodiversidade do Baixo Rio Doce
PDF

Palavras-chave

Aula de campo
Rio Doce
Geociências

Como Citar

CAPAZ, Thiago de Alcântara; NEVES, Bianca Pereira das; CAMPOS, Carlos Roberto Pires. Explorando a geodiversidade do Baixo Rio Doce: aspectos geológicos e geomorfológicos dos ambientes fluviomarinhos. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e023040, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8674605. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8674605. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Introdução. O trabalho explora temas geocientíficos em espaços não formais do Baixo Rio Doce, em território Capixaba. Objetivo. A pesquisa buscou identificar as potencialidades dos espaços educativos do Baixo Rio Doce e como estes podem ser utilizados como referência para aulas de campo em geociências a partir da implementação de práticas de intervenção pedagógica na Educação Básica, sob a ótica interdisciplinar. Metodologia. A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo estudo de caso. A estratégia adotada para coleta de dados foi a observação participante, realizada durante as aulas de campo no Baixo Rio Doce, pelas disciplinas optativas do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (Educimat) do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Resultados. Observou-se o reconhecimento dos processos geológicos e geomorfológicos do Rio Doce e, em paralelo, foram aperfeiçoados os instrumentos de intervenção durante as atividades de campo, confirmando o apontamento das potencialidades educativas dos espaços não formais. Conclusão. Com vistas à divulgação científica, reconhecemos que tais práticas podem ser replicadas e adaptadas a todos os níveis da Educação Básica.

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8674605
PDF

Referências

Amado, M. V. (2021). Plano de Trabalho. Projeto Rio Doce Escolar. URL: https://vilavelha.ifes.edu.br/images/stories/files/2022/plano_trabalho_riodoceescolar.pdf. Acesso 07.12.2023.

Campos, C. R. P. (2012). A saída a campo como estratégia de ensino de Ciências. Revista Eletrônica Sala de Aula em Foco, (2), 25-30. URL: https://doceru.com/doc/8ve8sn. Acesso 07.12.2023.

Carneiro, C. Dal R; Barbosa, R. Amendola, D. F.; Barbosa, I. N. B. de C. (2022). Duas décadas de aprendizagem com o Projeto Geo-Escola: uma jornada para introduzir as Geociências nas escolas. Ciência & Educação, Bauru, v. 28, e22007. doi: 10.1590/1516-731320220007.

Christofoletti, A. (1980) Geomorfologia. 2 ed. São Paulo: Ed. Blücher,

Coelho, A. L. N. (2009). Bacia Hidrográfica do Rio Doce (MG/ES): uma análise socioambiental integrada. Geografares, (7). doi: 10.7147/GEO7.156.

Compiani, M. (2007). O lugar e as escalas e suas dimensões Horizontal e vertical nos trabalhos Práticos: implicações para o ensino de ciências e educação ambiental. Ciência & Educação, 13(1), 29-45. URL: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/MstbqdJbxNMTkN3rJ76q6rc/?format=pdf&lang=pt. Acesso 07.12.2023.

Compiani, M., & Carneiro, C. D R. (1993). Os papéis didáticos das excursões Geológicas. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 1(2), 90-98. URL: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/88098/140821.

Ernesto, M., Cordani, U. G., Carneiro, C. D. R., Dias, M. A. F. S., Mendonça, C. A., & Braga, E. S. (2018). Perspectivas do ensino de Geociências. Estudos Avançados, 32(94), 331-343. doi: 10.1590/s0103-40142018.3294.0021.

Fazenda, I. C. A. (2003). Aquisição de uma formação interdisciplinar de professores. In: Fazenda, I. C. A (Org.) (2003). Didática e Interdisciplinaridade. p.11-21. URL: https://educfacil.files.wordpress.com/2012/11/ivani-fazenda-didc3a1tica-e-interdisciplinaridade.pdf. Acesso 07.12.2023.

Fellipe, M. F., Costa, A., Franco, R., Matos, R. (2016). A Tragédia do Rio Doce: a lama, o povo e a água. Relatório de campo e interpretações preliminares sobre as consequências do rompimento da Barragem de Rejeitos de Fundão (Samarco/Vale/Bhp). Belo Horizonte: Geografias, Artigos Científicos. Ed. Esp.: Vale do Rio Doce: formação geo-histórica e questões atuais. doi: 10.35699/2237-549X..13468

Gil, A. C. (2019). Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. - São Paulo: Atlas,

Guimarães, M. (2015). A dimensão ambiental na educação. 12 ed. São Paulo: Papirus.

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Uberlândia: Em Extensão, 7, 55-66. doi: 10.14393/REE-v7n12008-20390.

Neves, B. P. das. 2017. Aulas De Campo Na Planície Aluvionar Do Rio Doce Da Perspectiva Da Educação Ambiental Crítica. Vila Velha. Instituto Federal do Espírito Santo. Dissertação de Mestrado Profissional Em Educação Em Ciências E Matemática. URL: https://repositorio.ifes.edu.br/handle/123456789/247. Acesso 07.12.2023.

Oliveira, L. C. de., Oliveira, R. M. A. G. de, & Pereira, E. (2018). Possível controle neotectônico sobre as falésias do Litoral Sul da Bahia. Anuário do Instituto de Geociências, 41(3), 702-716. doi: 10.11137/2018_3_702_716.

Piranha, J. M., & Carneiro C. D. R. (2009). O ensino de geologia como instrumento formador de uma cultura de sustentabilidade. Revista Brasileira de Geociências, 39(1): 129-137. doi: 10.25249/0375-7536.2009391129137.

Seniciato, T., & Cavassan, O. (2004). Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências–um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência & Educação (Bauru), 10(1), 133-147. doi: 10.1590/S1516-73132004000100010.

Silva, M. S. S., & Campos, C. R. P. (2015). Introdução: Aulas de campo como metodologia de ensino. Fundamentos teóricos. In: Campos, C. R. P. (Org.). (2015). Aulas de campo para Alfabetização Científica: práticas pedagógicas escolares. Vitória (ES): Ed. IFES. URL: https://educimat.ifes.edu.br/images/stories/Publica%C3%A7%C3%B5es/Livros/Aulas-de-Campo-para-Alfabetiza%C3%A7%C3%A3o-Cient%C3%ADfica-978-85-8263-092-1.pdf. Acesso 18.09.2023.

Silva, M. S. S., Campos, C. R. P. (2017). Atividades investigativas na formação de professores de Ciências: uma aula de campo na Formação Barreiras de Marataízes, ES. Ciência & Educação (Bauru), 23, 775-793. doi: 10.1590/1516-731320170030015.

Suguio, K. (2003). Geologia sedimentar. São Paulo: Ed. Edgard Blücher.

Suguio, K., Marin, L., & Dominguez, J. M. L. (1982). Evolução da planície costeira do Rio Doce (ES) durante o quaternário: influência das flutuações do nível do mar. Simpósio do Quaternário do Brasil. Atas. São Paulo: Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. URL: https://repositorio.usp.br/item/002160849. Acesso 07.12.2023.

Toledo, M. C. M. (2005). Geociências no Ensino Médio Brasileiro: análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. São Paulo: Geol. USP Publ. Espec., 3, 31-44. doi: 10.11606/issn.2316-9087.v3i0p31-44.

Viveiro, A. A., & Diniz, R. E. S. (2009). Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, 2(1), 1-12. URL: http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/0109viveiro.pdf. Acesso 07.12.2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Thiago de Alcântara Capaz, Bianca Pereira das Neves, Carlos Roberto Pires Campos

Downloads

Não há dados estatísticos.