Banner Portal
Roteiro geoturístico para geoconservação do Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim, Campinas (SP)
PDF

Palavras-chave

Áreas verdes
Espaços públicos
Botânica
Parques municipais

Como Citar

SIQUEIRA, Beatriz; RIBEIRO, Thiago de Castro. Roteiro geoturístico para geoconservação do Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim, Campinas (SP): educação ambiental na escola. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e023042, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8674675. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8674675. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Introdução. Este trabalho descreve atividades de pré-iniciação científica realizadas em uma escola pública do município de Campinas, buscando estabelecer conceitos, métodos e práticas da Geografia para Educação Ambiental. Objetivo e Metodologia. A finalidade foi incutir nos alunos não só o desejo e curiosidade pela pesquisa científica, mas também o sentimento de pertencimento, cuidado e valorização das áreas verdes de Campinas, que são utilizadas como espaços de recreação e lazer. Resultados. A área de estudo é o Parque Estadual Monsenhor Emílio José Salim, localizado na Região Leste da cidade, próximo a avenidas e rodovias de tráfego intenso. Possui espécies nativas da região da bacia do rio Piracicaba e outras da flora brasileira e apresenta características naturais únicas. No entanto, a área de estudo não desempenha completamente seu papel de área verde situada em um município com grande adensamento populacional, sendo pouco percebida pela comunidade. Conclusão. A utilização do parque está muito aquém de suas possibilidades de uso, incitando o estabelecimento de propostas e ações estratégicas de conservação ambiental.

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8674675
PDF

Referências

Becker, E. L. S., & Batista, N. L. (2019). Saída de campo: vivências e práticas interdisciplinares para a construção do conhecimento geográfico. Para Onde!?, 12(2), 21-29. doi: 10.22456/1982-0003.97189

Bernatzky, A. (1982). The contribution of trees and green spaces to a town climate. Energy and Buildings, 5, 1-10. doi: 10.1016/0378-7788(82)90022-6.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF. 138p.

Cabral, J. B. P. (2005). Estudo do processo de assoreamento em reservatórios. Caminhos de geografia, 6, 62-69. doi: 10.14393/RCG61415371.

Campos, R. B. F., & Castro, J. M. (2017). Áreas Verdes: Espaços Urbanos Negligenciados Impactando a Saúde. Saúde & Transformação Social / Health & Social Change, 8(1), 106-116. URL: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265351592012. Acesso 30.11.2023.

Cavalheiro, F., & Del Picchia, P. C. D. (1992). Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. In: 1º Congresso Brasileiro Sobre Arborização Urbana e 4° Encontro Nacional Sobre Arborização Urbana, p. 29-38. URL: https://www.erambiental.com.br/var/userfiles/arquivos69/documentos/12924/CavalheiroDelPicchia-AreasVerdesConceitosObjDiretrizesPlanejamento.pdf. Acesso 30.11.2023.

Cavalheiro, F., Nucci, J. C., Guzzo, P., & Rocha, Y. T. (1999). Proposição de Terminologia para o Verde Urbano. Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, SBAU, 7(3), 7. URL: https://tgpusp.files.wordpress.com/2018/05/cavalheiro-et-al-1999.pdf. Acesso 30.11.2023.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) (2006). Bolsas por quotas no país: RN-017/2006. Brasília, 2006. URL: https://tinyurl.com/y9nf78re. Acesso 10.11.2023.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (CNPq) (2008). Bolsas por quota no país (ICJ-alterações): RN-027/2008. Brasília, 2008. URL: https://tinyurl.com/y8cymenn. Acesso 30.11.2023.

Oliveira, A. M. de, Gerevini, A. M., & Strohschoen, A. A. G. (2017). Diário de bordo: uma ferramenta metodológica para o desenvolvimento da alfabetização científica. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(22), 8. doi: /10.20952/revtee.v10i22.6429.

Diesel, A., Baldez, A. L. S., & Martins, S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, 14(1), 268-288. doi: 10.15536/thema.14.2017.268-288.404.

Falkembach, E. M. F. (1987). Diário de campo: um instrumento de reflexão. Contexto e educação, 2(7), 19-24, 1987. URL: http://www.unirio.br/cchs/ess/Members/silvana.marinho/disciplina-instrumentos-e-tecnicas-de-intervencao/unid-2-instrumentos-de-conhecimento-intervencao-e-registro/texto-7-falkembach-elza-maria-fonseca-diario-de-campo-um-instrumento-de-reflexao-in-contexto-e-educacao-no-7-jui-inijui-1987/view. Acesso 10.05.2023.

Freire, P. (1977). Extensão ou comunicação? 13 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hernández, F., Ventura, M. (2017). A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Penso Ed. 200p.

Holbrook, N. M. (2010). Water and Plant Cells. In: Taiz, l., & Zeiger, E. (Eds.). (2010). Plant Physiology. 5 ed. Sunderland: Sinauer Assoc., Inc. p. 67-84.

Junior, E. F., & Machado, G. (2018). Roteiro geoturístico em Santo Antonio da Platina (PR) como instrumento para a Educação Ambiental. In: Simpósio Nacional de Geografia e Gestão Territorial e Semana Acadêmica de Geografia da Universidade Estadual de Londrina, 1, 308-322. URL: https://anais.uel.br/portal/index.php/sinagget/article/download/386/333/. Acesso 30.11.2023.

Lacreta, D. A., & Pereira, R. B. (2016). Parque ecológico Monsenhor Emílio José Salim, Campinas/SP: contradições na implementação de um parque urbano contemporâneo. Paisagem e Ambiente, 37, 147-177. doi: 10.11606/issn.2359-5361.v0i37p147-177.

Lima, V., & Amorim, M. C. D. C. T. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação,13, 139-165. URL: https://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/view/835/849. Acesso 30.11.2023.

Linsingen, I. (2007). Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, Piracicaba, 1(núm. Esp.). URL: http://prc.ifsp.edu.br/ojs/index.php/cienciaeensino. Acesso 30.11.2023.

Lombardo, M. A. Vegetação e clima. In: Encontro Nacional de Arborização Urbana, 3, Anais... Curitiba: FUPEF, 1990.

Londe, P. R., & Mendes, P. C. (2014). A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 10(18), 264-272. doi: https://doi.org/10.14393/Hygeia1026487.

Martins, J. S. (2002). O trabalho com projetos de pesquisa do Ensino Fundamental ao Ensino Médio. 2ª ed. Campinas: Papirus. 144 p.

Masson, T. J., Miranda, L. F. D., Munhoz Jr, A. H., & Castanheira, A. M. P. (2012). Metodologia de ensino: Aprendizagem Baseada em Projetos (PBL). In Anais do XL Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia (Cobenge), Belém, PA, Brasil (p. 13). URL: https://www.abenge.org.br/cobenge/legado/arquivos/7/artigos/104325.pdf. Acesso 30.11.2023.

Meira, S. A., do Nascimento, M. A. L., & da Silva, E. V. (2020). Geoturismo e roteiros turísticos: propostas para o Parque Nacional de Ubajara, Ceará, Brasil. Geo UERJ, (36), 2-24. doi: 10.12957/geouerj.2020.39943.

Milano, M. S., & Dalcin, E. C. (2000). Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light. 226p.

Morero, A. M., Santos, R. F., & Fidalgo, E. C. C. (2007). Planejamento ambiental de áreas verdes: estudo de caso de Campinas-SP. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, 19(1), 19- 30. URL: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/184379/1/PLANEJAMENTO-ok.pdf. Acesso 30.11.2023.

Mucivuna, V. C.; Del Lama, E. A. ; Garcia, M. G. M. (2016). Proposta de roteiros geoturísticos para as fortificações do litoral paulista. Geonomos, 24, 287-292. doi: 10.18285/geonomos.v24i2.898

Muller, J. (1998). Orientação básica para o manejo de arborização urbana. Edições Famurs. Porto Alegre: Nova Prova.

Narcizo, K. R. S. (2012). Uma análise sobre a importância de trabalhar Educação Ambiental nas escolas. Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 22, 86-94. doi: 10.14295/remea.v22i0.2807.

Nogueira, N. R. (2002). Pedagogia dos Projetos. 4 ed. Ed. Érica. 104p.

Nucci, T. C. (2008). Qualidade Ambiental e Adensamento Urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicada ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2 ed. Curitiba: O Autor. 150p.

Oliveira, S. L. D., Siqueira, A. F., & Romão, E. C. (2020). Aprendizagem Baseada em Projetos no Ensino Médio: estudo comparativo entre métodos de ensino. Bolema 34(67). doi: https://doi.org/10.1590/1980-4415v34n67a20.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). (2005). Década das Nações Unidas da Educação para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília: UNESCO. 120p.

Penuel, W. R., & Means, B. (1999). Observing Classroom Process in Project-Based Learning Using Multimedia: A Tool for Evaluators. URL: https://eric.ed.gov/?id=ED452820. Acesso 30.11.2023.

Perehouskei, N. A., de Angelis, B. L. D. Áreas Verdes e Saúde: paradigmas e experiências. Diálogos & Saberes, Mandaguari, 8, 1, 55-77.

Pontuschka, N. N., Paganelli, T. I., & Cacete, N. H. (2007). Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo: Editora Cortez. 383p.

Silva, Á. P. D. (2006). Engenhos e fazendas de café em Campinas (séc. XVIII-séc. XX). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 14, 81-11. doi: 10.1590/S0101-47142006000100004.

Santos, M. (1998). O espaço do cidadão. 4 ed. São Paulo: Nobel.

Sato, M. (2002). Educação Ambiental. São Carlos: Rima.

Silveira, J. C. D., Cassiani, S., & Linsingen, I. V. (2018). Escrita e autoria em texto de iniciação científica no ensino fundamental: uma outra relação com o saber é possível? Ciência & Educação (Bauru), 24, 9-25. doi: 10.1590/1516-731320180010002.

Toyohara, D. Q. K., Sena, G. D., Araújo, A. D., & Akamatsu, J. I. (2010). Aprendizagem Baseada em Projetos: uma nova Estratégia de Ensino para o Desenvolvimento de Projetos. In: PBL Congresso Internacional. São Paulo, Brasil, 8-12 de fevereiro. URL: https://each.uspnet.usp.br/pbl2010/trabs/trabalhos/TC0174-1.pdf. Acesso 30.11.2023.

Troppmair, H. (2012). Biogeografia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Ed. ‏Technical. 252p.

Vasconcellos, C. S. (2009). Currículo: a atividade humana como princípio educativo. São Paulo: Libertad. 264p.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Beatriz Siqueira, Thiago de Castro Ribeiro

Downloads

Não há dados estatísticos.