Banner Portal
Engajamento na perspectiva linguística sistêmico-funcional em trabalhos de conclusão de curso de letras
Remoto

Palavras-chave

Engajamento
expansão dialógica
contração dialógica

Como Citar

NININ, Maria Otília Guimarães; BARBARA, Leila. Engajamento na perspectiva linguística sistêmico-funcional em trabalhos de conclusão de curso de letras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 52, n. 1, p. 127–146, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645390. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O estudo analisa, na perspectiva da teoria da avaliatividade, especificamente no subsistema de engajamento (Martin, 2000; White, 2004 [2002]; Martin e White, 2005), como estudantes de graduação em Letras apresentam vozes teóricas em Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), revelando preferência por expansão dialógica do tipo ponderação (probabilidade) e atribuição (reconhecimento). Resultados evidenciam pequena responsabilidade da voz autoral.

Abstract Based on the Appraisal System, more specifically on the Engagement subsystem (Martin, 2000; White, 2002/2004; Martin and White, 2005), this study analyzes the way undergraduate students of Letras present theoretical voices in their B.A. final works, showing preference for dialogic expansion - entertainment (probability) and attribution (acknowledgement). Results evidence a low degree of responsibility of the authorial voice. Keywords: engagement; dialogic expansion; dialogic contraction

Remoto

Referências

ARAÚJO, A.D. (2002). Uma análise da polifonia discursiva em resenhas críticas acadêmicas.

In: MEURER, José Luiz; MOTTA-ROTH, Désirée. (orgs.) Gêneros textuais. Bauru, SP: EDUSC. (pp.141-158) BAKHTIN, M. (1929/1999). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

BALOCCO, A.E. (2011). O sistema do engajamento aplicado a espaços opinativos na mídia escrita. In: VIAN JR, O.; SOUZA, A.A. de; ALMEIDA, F.S.D.P. (orgs.) Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores.

(pp.41-52) BARBARA, L.; MACÊDO, C.M.M. de. (2011). Processos verbais em artigos acadêmicos: padrões de realização da mensagem. In: BARBARA, L; MOYANO, E. (orgs.) Textos e Linguagem Acadêmica. Campinas, SP: Mercado de Letras. (pp.213-231).

BAZERMAN, C. (1988). Shaping written knowledge. Madison: The University of Wisconsin Press.

BAZERMAN, C.; PRIOR, P. (eds.). (2004). What writing does and how it does it: an introduction to analyzing texts and textual practices. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

(pp.57-82) BORGES, M.C.R.; MOREIRA, F.F. (2004). O percurso da autoria. Revista Linguagem em (Dis) curso, vol. 4, no 2, jan./jun. 2004. Disponível em: <http://www3.unisul.br/paginas/ ensino/pos/linguagem/0402/10.htm> Acesso em: 29.abr.2011.

BOTELHO, F.G. (2009). Linguagem acadêmica escrita: um estudo da apropriação das habilidades textuais por alunos do CEFET-MT. Comunicação Oral. Disponível em: <http://www.ie.ufmt.br/semiedu2009/gts/gt16/ComunicacaoOral/FLAVIA%20 GIRARDO%20BOTELHO.pdf> Acesso em: 11.nov.2011.

BRAIT, B. (1997/2001). Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas, SP: UNICAMP.

(pp.91-102) EGGINS, S.; SLADE, D. (1997). Analysing casual conversation. London: Cassel.

FIGUEIREDO, D. de C.; BONINI, A. (2006). Práticas discursivas e ensino do texto acadêmico: concepções de alunos de mestrado sobre a escrita. Linguagem em (Dis)curso.

LemD, Tubarão, v.6, no 3, p.413-446, set./dez. 2006.

HALLIDAY, M. (1985). An Introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold.

_______. (1994). An Introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold.

HALLIDAY, M.; MATTHIESSEN, C. (2004). An Introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold.

HENDGES, G.R. (2002). Citando na Internet: um estudo de gênero da revisão da literatura em artigos acadêmicos eletrônicos. In: MEURER, J.L.; MOTTA-ROTH, D. (orgs.) Gêneros textuais. Bauru, SP: EDUSC. (pp.117-139) HOOD, S. (2004). Appraising Research: taking a stance in academic writing. Thesis (Doctor of Philosophy) Sydney: Caculty of Education University of Technology.

_______. (2010). Appraising Research: evaluation in academic writing. London: Palgrave Macmillan.

MACHADO, A.R.; ABREU-TARDELLI, L.S.; LOUSADA, E. (2005). Planejar gêneros acadêmicos. São Paulo: Parábola Editorial. (Leitura e Produção de Textos Técnicos e Acadêmicos; 3) MACHADO, A.M.N. (2002). A relação entre a autoria e a orientação no processo de elaboração de teses e dissertações. In: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A.M.N.

(orgs.). A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação de teses e dissertações.

Florianópolis: UFSC; São Paulo: Cortez. (pp.25-37) MARTIN, J. (1993). Literacy in science: learning to handle text as technology. In: HALLIDAY, M.; MARTIN, J. (eds.). Writing science: literacy and discursive power. London: The Falmer Press.

_______. (2000). Beyond Exchange: appraisal system in English. In: HUNSTON, S.; THOMPSON, G. Evaluation in text: authorial stance and the construction of discourse. Oxford: Oxford University Press.

_______. (2004). Mourning: how we get aligned. Discourse & Society, v.15 (2-3), 2004, p.321- 244.

MARTIN, J.; ROSE, D. (2003). Working with discourse: meaning beyond the clause. London; New York: Continuum.

MARTIN, J.; WHITE, P. (2005). The language of evaluation: appraisal in English. Londres: Palgrave MacMillan.

MOTTA-ROTH, D. (Org.) (2001). Redação Acadêmica: princípios básicos. 1a ed. Santa Maria: Imprensa Universitária.

MOTTA-ROTH, D. (2002). A construção social do gênero resenha acadêmica. In: MEURER, J.L.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros Textuais: Subsídios para o ensino da linguagem. Bauru: EDUSC-Editora da Universidade do Sagrado Coração.

(pp.66-117) _______. (2006). O ensino de produção textual com base em atividades sociais e gêneros textuais. Linguagem em (Dis)curso. LemD, Tubarão, v.6, n.3, p.495-517, set./dez. 2006.

_______. (2007) Escrevendo no contexto: contribuições da LSF para o ensino de redação acadêmica. In: 33rd International Systemic Functional Congress. São Paulo: LAEL/PUCSP.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G.R. (orgs.) (2010). Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial. (Estratégias de Ensino; 20) MOTTA-ROTH, D.; LOVATO, C. dos S. (2011). O poder hegemônico da ciência no discurso de popularização científica. Calidoscópio, Vol.2, No 3, p.251-268, set./dez.

NEVES, M.H. de M. (2000). Gramática de Usos do Português. 6a reimpres. São Paulo: UNESP.

OLIVEIRA, J. M. de. (2008). Ciência e divulgação científica: reflexões sobre o processo de produção e socialização do saber. DOI: 10.2436.20.3008.02.9. Periodística, no 11, p.111-124, 2008. Disponível em: <http://www.raco.cat/índex.php/Periodistica/ article/viewFile/245701/328976> Acesso em: 11.nov.2011.

PEDROSA, C.E.F.; MATOS, C.S.S.; MELO, S.P.de A. (2008). Trabalho acadêmico: espaço discursivo de polifonização ou monofonização? SOLETRAS, Ano VIII, no 15. São Gonçalo: UERJ, jan./jun.2008.

SANTOS, A.L. dos; CARMO, C.M. (2011). A construção do discurso científicoacadêmico por meio do posicionamento dialógico e da gradabilidade dos valores de engajamento: uma abordagem sistêmico-funcional à luz da teoria da avaliatividade.

Anais do SILEL. V.2, No 2. Uberlândia: EDUFU, 2011. Disponível em:

ileel.ufu.br/anaisdosilel/pt/arquivos/silel2011/473.pdf> Acesso em: 18.dez.2011.

SCOTT, M. WordSmith Tools versão 5.0. (2009). Software for text analysis. Oxford: Oxford University Press.

SOUZA, L.M.F. de. (2011). A interação de recursos de comprometimento em um texto opinativo. In: VIAN JR., O.; SOUZA, A.A. de; ALMEIDA, F.S.D.P.. (orgs.) Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores.

(pp.57-78) SWALES, J. (1990). Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press.

VIAN JR., O. (2011). Engajamento: monoglossia e heteroglossia. In: VIAN JR., O; SOUZA, A.A. de; ALMEIDA, F.S.D.P. (orgs.) Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores. (pp.33-40) WHITE, P. (2002/2004). Valoração – a linguagem da avaliação e da perspective. Trad.

Débora de C.Figueiredo. Linguagem em (Dis)curso. LemD, Tubarão, v.4, n.esp., p.177- 205, 2002/2004.

MOTTA-ROTH, D. (2002). A construção social do gênero resenha acadêmica. In: MEURER, J.L.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros Textuais: Subsídios para o ensino da linguagem. Bauru: EDUSC-Editora da Universidade do Sagrado Coração.

(pp.66-117) _______. (2006). O ensino de produção textual com base em atividades sociais e gêneros textuais. Linguagem em (Dis)curso. LemD, Tubarão, v.6, n.3, p.495-517, set./dez. 2006.

_______. (2007) Escrevendo no contexto: contribuições da LSF para o ensino de redação acadêmica. In: 33rd International Systemic Functional Congress. São Paulo: LAEL/PUCSP.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G.R. (orgs.) (2010). Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial. (Estratégias de Ensino; 20) MOTTA-ROTH, D.; LOVATO, C. dos S. (2011). O poder hegemônico da ciência no discurso de popularização científica. Calidoscópio, Vol.2, No 3, p.251-268, set./dez.

NEVES, M.H. de M. (2000). Gramática de Usos do Português. 6a reimpres. São Paulo: UNESP.

OLIVEIRA, J. M. de. (2008). Ciência e divulgação científica: reflexões sobre o processo de produção e socialização do saber. DOI: 10.2436.20.3008.02.9. Periodística, no 11, p.111-124, 2008. Disponível em: <http://www.raco.cat/índex.php/Periodistica/ article/viewFile/245701/328976> Acesso em: 11.nov.2011.

PEDROSA, C.E.F.; MATOS, C.S.S.; MELO, S.P.de A. (2008). Trabalho acadêmico: espaço discursivo de polifonização ou monofonização? SOLETRAS, Ano VIII, no 15. São Gonçalo: UERJ, jan./jun.2008.

SANTOS, A.L. dos; CARMO, C.M. (2011). A construção do discurso científicoacadêmico por meio do posicionamento dialógico e da gradabilidade dos valores de engajamento: uma abordagem sistêmico-funcional à luz da teoria da avaliatividade.

Anais do SILEL. V.2, No 2. Uberlândia: EDUFU, 2011. Disponível em:

ileel.ufu.br/anaisdosilel/pt/arquivos/silel2011/473.pdf> Acesso em: 18.dez.2011.

SCOTT, M. WordSmith Tools versão 5.0. (2009). Software for text analysis. Oxford: Oxford University Press.

SOUZA, L.M.F. de. (2011). A interação de recursos de comprometimento em um texto opinativo. In: VIAN JR., O.; SOUZA, A.A. de; ALMEIDA, F.S.D.P.. (orgs.) Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores.

(pp.57-78) SWALES, J. (1990). Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press.

VIAN JR., O. (2011). Engajamento: monoglossia e heteroglossia. In: VIAN JR., O; SOUZA, A.A. de; ALMEIDA, F.S.D.P. (orgs.) Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores. (pp.33-40) WHITE, P. (2002/2004). Valoração – a linguagem da avaliação e da perspective. Trad.

Débora de C.Figueiredo. Linguagem em (Dis)curso. LemD, Tubarão, v.4, n.esp., p.177- 205, 2002/2004.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.